https://lh3.googleusercontent.com/-nAQMALUMmx0/XMrj_VxYIUI/AAAAAAAARK8/Csl0Mj4jeLcbAXVq80Uwq31dj1K_-dG3QCLcBGAs/s1600/IMG_1839.JPG

Dois policiais federais se feriram ao aterrissarem de helicóptero em Salgueiro, no Sertão de Pernambuco. O fato aconteceu nesta sexta-feira (19), durante a operação Facheiro III, dedicada a erradicar plantações de maconha na localidade.

De acordo com a Polícia Federal, não houve problema técnico com a aeronave, mas as causas do acidente estão sendo apuradas.

Os agentes, que sofreram escoriações e fraturas no corpo, segundo informações da PF, foram levados para o Hospital Regional Inácio de Sá, também em Salgueiro. Ambos foram operados na unidade médica e estão se recuperam bem, fora de perigo.

A corporação afirma que está prestando todo o apoio necessário aos policiais. Apesar do acidente, as atividades da operação policial não foram comprometidas e continuam sendo realizadas normalmente.

Consolidada, a 61ª edição da Festa de Estudantes, já tradicional no calendário de julho, conta com a participação do Sesc Triunfo. Além do apoio, a instituição vai levar programação gratuita e para todas as idades no Polo gastronômico, que fica ao lado da base do teleférico.

A primeira atividade será neste sábado (20), às 10h, com “Trupeçando: a trupe de um homem só”. O espetáculo traz a história do solitário palhaço Salsicha, que faz uma apresentação atrapalhada e se depara com o desafio de explorar o picadeiro, mesclando experiências e técnicas do teatro e de vivências de rua.

No domingo, as atividades acontecem no turno da tarde, a partir das 14h. Nesse horário, recreadores do Sesc vão promover série de brincadeiras para divertir as crianças. Em seguida, às 17h, a palhaçaria volta à cena com “Trupeçando: perfeitamente imperfeito”.

 Na semana que vem, a programação é destinada à música. Na sexta-feira (26), o Coco Pisada Segura vai se apresentar gratuitamente às 17h. Já no sábado (27), será a vez do repertório da Sanfônica Maestro Israel Gomes, de Carnaíba. A partir das 18h, ele vai levar ao público repertório tendo como elemento principal a sanfona. 

https://www.diariodepernambuco.com.br/static/app/noticia_127983242361/2018/07/11/757082/20180711110957351945u.jpg

Serrita, no Sertão pernambucano, prepara-se para o evento que faz a cidade ser reconhecida nacionalmente: a Missa do Vaqueiro. Do dia 25 até 28, o município vai unir o sagrado e o profano numa programação cujo ponto alto é a celebração religiosa, sempre no quarto domingo de julho. Este ano, além dos shows gratuitos com nomes como Josildo Sá e Petrúcio Amorim, vaquejadas e pegas de boi, a Missa do Vaqueiro terá feira de artesanato, documentário, miniexposição e palestras sobre o universo sertanejo. São esperados 60 mil visitantes nesta 49ª edição.

Com a intenção de também proporcionar ao público o compartilhamento de saberes, a programação inclui palestras gratuitas no auditório do Sebrae. E traz entre os convidados Antônio Souza, que falará sobre empreendedorismo na zona franca do Semiárido nordestino, no sábado (27), a partir das 15h.

Outra novidade é que diante da geração de renda e do valor que o artesanato do couro adquiriu, haverá uma feirinha com produtos elaborados pelos mestres locais. A Fundação Padre João Câncio desenvolve trabalhos de capacitação de estudantes de escolas públicas para aperfeiçoar o artesanato em couro. A renda será destinada à aquisição de matéria-prima para garantir a continuidade dos cursos.

A partir de quinta-feira também estará à mostra uma versão menor da exposição Tengo Lengo Tengo, ainda em cartaz no Museu Cais do Sertão, no Recife. São 60 fotos impressas, retratando a história da missa, o ofício do vaqueiro e as tradições da cultura sertaneja. “Trazer parte da exposição para Serrita foi uma forma de agradecer e homenagear os vaqueiros que emprestaram suas imagens para que os visitantes do Cais do Sertão entendam a grandeza da cultura sertaneja”, explica Helena Câncio, viúva do Padre João Câncio e uma das organizadoras do evento.

A Missa do Vaqueiro tem em suas origens uma história consagrada na voz de Luiz Gonzaga: a de Raimundo Jacó, vaqueiro habilidoso. Reza a lenda que seu canto atraía o gado e a inveja de seus colegas de profissão, fato que culminou em sua morte numa emboscada, em julho de 1954.

SERRITA

60 mil visitantes são esperados durante a 49ª edição da Missa do Vaqueiro, que acontece de 25 a 28 de julho;

1970 foi o ano em que ocorreu a 1ª Missa do Vaqueiro de Serrita, no Sítio Lajes, onde estava o corpo de Raimundo Jacó.

A Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac) ligou o alerta de chuvas fortes para regiões do Estado neste sábado (20). No Grande Recife, a tendência é de chuva ao longo do dia, e a temperatura máxima prevista é de 26°C e a mínima, de 20°C. O Sertão de Pernambuco e São Francisco recebe chuvas de intensidade fraca a moderada.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para perigo potencial de fortes ventos costeiros, entre 11 a 16 m/s (40-60 km/h), até às 10h deste sábado (20) na Região Metropolitana do Recife e Zonas da Mata Norte e Sul, alcançando até o Agreste.

Confira a previsão completa:

Região Metropolitana

Nublado com pancadas de chuva em toda a região ao longo do dia com intensidade moderada a forte.
Temperatura(ºC): Estável

Máxima: 26º Mínima: 20º

Mata Norte

Nublado com pancadas de chuva em toda a região ao longo do dia com intensidade moderada a forte.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 27º Mínima: 20º

Mata Sul

Nublado com pancadas de chuva em toda a região ao longo do dia com intensidade moderada a forte.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 26º Mínima: 20º

Agreste

Nublado a parcialmente nublado com pancadas de chuva em toda a região ao longo do dia com intensidade moderada a forte.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 25º Mínima: 16º

Sertão de Pernambuco

Nublado a parcialmente nublado com chuva rápida de forma isolada ao longo do dia com intensidade fraca.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 30º Mínima: 18º

Sertão de São Francisco

Nublado a parcialmente nublado com chuva rápida de forma isolada ao longo do dia com intensidade fraca.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 30º Mínima: 17º

Bolsonaro

O combate à corrupção foi um dos principais temas no Twitter de Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral que o levou à Presidência, no ano passado. Depois de assumir o poder, porém, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Os dados são do Laboratório de Governo Eletrônico da Universidade de Brasília (UnB), em um projeto coordenado pelo professor Francisco Brandão. Ao todo, foram 68 twittes, de um total de 1.378 publicações, que trataram sobre corrupção entre julho e dezembro de 2018, o que representou 4,9%. Já nos seis primeiros meses de governo, o número de postagens com termos ligados ao tema caiu para 20 dentre 1.388. Proporcionalmente, três vezes menos. O índice do início de 2019 é o menor dos últimos seis semestres.

Os dados mostram também uma inversão dos temas prioritários do presidente. No segundo semestre de 2018, corrupção e Lava Jato receberam mais menções do que assuntos ligados a economia, emprego, religião, educação e PT. Esses temas, na primeira metade deste ano, receberam mais destaque que corrupção – sobretudo por causa da reforma da Previdência.

Dos temas que privilegiava na campanha, Bolsonaro segue enfatizando segurança pública e armamento da população. Um dos motivos é a edição de decretos que facilitam a posse e o porte de armas, bem como a apresentação do pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro, ao Congresso.

“Ele tem falado menos sobre corrupção e dado preferência a temas que causam mais atenção na sociedade ou que polarizem. Como presidente, é preciso falar de mais assuntos. Percebe-se uma troca da pauta da corrupção pela pauta da segurança, além da economia”, disse o professor Francisco Brandão. 

Procurado, o Palácio do Planalto admitiu que o tema corrupção perdeu espaço, mas argumentou que é inerente à função de presidente tratar de mais assuntos. “Enquanto presidente da República, a variedade de assuntos abordados passou a ter uma abrangência maior, por isso olhando percentualmente nota-se essa diferença. Não houve, entretanto, a exclusão de temas relevantes para o País”, afirmou o Planalto em nota.

No passado, o receio de que decisões do Supremo Tribunal Federal pudessem atrapalhar o combate à corrupção levou Bolsonaro às redes sociais. Em maio de 2017, por exemplo, ele postou um vídeo no qual dizia que a Corte poderia dar um xeque-mate na Lava Jato se passasse a proibir a prisão de condenados em segunda instância. 

Flávio Bolsonaro é investigado pelo MP do Rio

Agora no poder e com um dos filhos, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), sob investigação do Ministério Público do Rio, o presidente nada postou sobre a recente decisão do presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, que paralisou investigações em todo o País. A suspensão atendeu a um pedido feito pela defesa de Flávio. Nesta sexta, o presidente defendeu a medida de Toffoli.

Procuradores que integram a Lava Jato, porém, mais uma vez viram na decisão de Toffoli uma ameaça às investigações. Em nota conjunta, as forças-tarefa de Rio, São Paulo e Curitiba relataram “grande preocupação”.

Aliado de Bolsonaro, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), disse que comentar a decisão de Toffoli seria delicado para o presidente. “É porque dói no calo dele. Ele está entre o amor e o direito”, afirmou. 

Embora Waldir se diga pessoalmente contrário à decisão de Toffoli, ele disse que não é só o presidente que evitou falar sobre o assunto. O tema, segundo ele, nem sequer foi discutido nos grupos de WhatsApp dos parlamentares do PSL, em sua maioria eleitos sob a bandeira do combate à corrupção.

Vinicius Rodrigues, suplente Eduardo Bolsonaro

A foto de capa do Facebook do médico Vinicius Rodrigues é uma bandeira do Brasil ao lado de um cartaz com a seguinte frase: ‘PT Não”. Em seu perfil, também há uma foto dele ao lado de Jair Bolsonaro e uma postagem em que defende a nomeação do filho do presidente, Eduardo Bolsonaro, para a embaixada Washington, nos Estados Unidos. “Eduardo é a cara do Novo Brasil: preparado, família, conservador, jovem e pronto para crescer”, escreveu ele.

Rodrigues é o primeiro suplente do PSL de São Paulo para Câmara dos Deputados. Ou seja: se Eduardo renunciar ao cargo para assumir o posto no EUA, é Rodrigues quem assumirá o mandato de deputado federal, apesar de ter obtido 71,5 vezes menos votos que o atual titular da cadeira.

Eduardo foi eleito com a maior votação da história para um deputado federal (1.853.735 votos). Rodrigues, estreante da política, recebeu 25.908 votos – ou 1,4% do titular. Ele não se abala com a diferença. “Se for chamado, vou trabalhar para contribuir com essa mudança que o Brasil está vivendo”, afirmou ao Estado.

Morador de Sorocaba, casado e católico, o médico defende a nomeação de Eduardo e atribuiu às criticas que indicação recebeu à uma campanha da esquerda contra o governo Bolsonaro. “O Eduardo é advogado, não é formado pelo Instituto Rio Branco, mas ele vai ser embaixador e não diplomata. Tentam inferiorizar a experiência dele, por ter dito que fritou hambúrguer. Isso é um demérito? Alguém, por fritar hambúrguer, se torna pior do que um embaixador?”, disse.

Radiologista, Rodrigues trabalha em três hospitais de Sorocaba, entre eles o Regional, hospital público mantido pelo Estado. São 16 horas por dia, segundo ele. “Começo às 6 da manhã e quase sempre vou até 10 da noite.” Ele afirma que sempre foi muito politizado, mas só depois de formado passou a acompanhar a política. “Na faculdade, fui só representante de classe. Nunca me envolvi com o movimento estudantil porque era, e ainda é, essencialmente um movimento de esquerda.” Em 2013, passou a se reunir com grupos de direita que depois integrariam o Partido Novo. “Ficamos por um breve período, mas logo nos desfiliamos para entrar no PSL.” 

Nascido em Sorocaba, em 3 de setembro de 1988, ele deixou a cidade aos 18 anos para cursar a Faculdade de Medicina de Marília (Famema), universidade pública estadual. Retornou à sua terra em 2016, com a residência concluída. No ano passado, casou-se com Luciana Sattin, com quem mora no condomínio Vila dos Ingleses, residencial de alto padrão, na zona oeste da cidade. O casal não tem filhos. “Moramos juntos desde 2016”, confidenciou.

Ele reconhece que se tornou suplente de deputado beneficiado pela onda do bolsonarismo. Sem participar da vida pública da cidade, obteve cerca de 16 mil votos em Sorocaba – mais que muitos políticos locais de renome – e 4 mil em Votorantim, cidade vizinha. Rodrigues afirma que bancou do próprio bolso a maior parte dos quase R$ 130 mil gastos na campanha. Continue reading

Greve dos caminhoneiros em maio de 2018. Foto: Fabio Teixeira / Getty Images

Em junho de 2018, na ressaca do fim da greve dos caminhoneiros que parou o país, diversas empresas anunciaram a criação ou ampliação de frotas próprias para não ficar mais refém dos transportadores. Mas foram poucas as que tiraram estes planos do papel, ainda que o país tenha passado por algumas transformações logísticas nos últimos 12 meses.  

— Sem dúvida há casos de empresas que apostaram em frota própria, mas o movimento mais sentido foi na contratação de empresas de transporte ou no aluguel de caminhões para driblar a questão do frete, afirma Maurício Lima, sócio-diretor da consultoria Ilos, especializada em logística. — O que vemos são busca de alternativas, com o uso de caminhões dedicados que, a longo prazo, podem até prejudicar o fretista autônomo.

Uma das empresas que cumpriu a promessa foi a Predilecta Alimentos. Embora ela já estivesse em processo de compra de caminhões, este se intensificou depois da greve dos caminhoneiros, com a aquisição de 25 caminhões – cerca de 10% de sua frota de 230 veículos. Na operação, investiu R$ 15 milhões.

— Como nossa carga tem baixo valor agregado, ficamos muito sensíveis à variação do frete. Até agora não nos recuperamos totalmente dos efeitos da greve, diz Bruno Trevizaneli, diretor do Grupo Predilecta. — Mas passamos de uma utilização de carga própria de cerca de 50% de nosso volume para um patamar de cerca de 65%.

Entretanto, ele admite que esta não é uma opção para todos. Para o grupo, ter caminhões é possível porque estes estão sempre ocupados e, mesmo quando retornam às fábricas, vêm carregados de insumos, como embalagens. Nas rotas onde essa movimentação em duas vias não ocorre, eles ainda recorrem a terceiros, dando preferência, cada vez mais, a transportadoras em vez de autônomos.

— A frota própria só vale a pena para quem fica com o caminhão rodando direto, diz Trevizaneli.

À espera da tabela

Já a Cargill, gigante que prometeu comprar 300 caminhões, até agora não concretizou esse investimento. A empresa se mantém à espera da nova tabela do frete, publicada pela ANTT na quinta-feira, e do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal das ações contra o tabelamento, previsto para 4 de setembro.

“Dentro de certa razoabilidade dessas duas decisões, acreditamos que não será necessário aumentar ainda mais a frota de caminhões no mercado brasileiro de superpesados, o que, por consequência, aumentaria ainda mais a oferta de transporte”, informou a Cargill em nota.

— A greve dos caminhoneiros levou todo o setor a repensar sua logística. Cada um buscou uma solução, mas em geral houve um aumento do aproveitamento de ferrovias e hidrovias, usando os caminhões para interligar esses modais. E, para esta fase, houve um aumento do uso de transportadoras, no lugar de autônomos, explica Sérgio Mendes, diretor geral da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec).

Neste contexto, o aluguel de caminhões ganha força. Com cerca de 70% deste mercado, a Vamos, empresa do Grupo JSL, vive um momento de grande expansão. Com cerca de 11 mil equipamentos para locar – 80% dos quais caminhões – o crescimento do mercado é forte:

— Não pautamos nossa estratégia pela greve dos caminhoneiros, mas nosso faturamento hoje já é 25% maior do que em igual período do ano passado e estamos ampliando a nossa frota, diz Gustavo Couto, presidente do Grupo Vamos. — Depois da greve, fomos muito mais procurados por empresas que querem alternativas. Com a locação, a empresa detém o controle de toda a frota, usa seus motoristas, é diferente de uma transportadora, porém sem a necessidade de investimentos e com custos mais previsíveis.

Custo mais alto

Para Francisco Beluccio, presidente da NTC Logística, a criação de frotas próprias não tende se tornar uma grande tendência, devido à questão econômica:

— Em alguns casos, ter frota própria significa o triplo do custo de transporte, mesmo com a alta do frete. Continue reading

https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/polopoly_fs/1.2064096.1550279444!/image/image.jpg_gen/derivatives/originalImage/image.jpg

No primeiro semestre deste ano, o Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) viabilizou R$ 13,4 bilhões em operações de crédito para empreendedores e produtores do semiárido. O recurso é gerido pelo Ministério do Desenvolvimento Regional e a operacionalização do FNE é realizada pelo Banco do Nordeste (BNB). Nesta sexta-feira (19), em Fortaleza (CE), o ministro Gustavo Canuto destacou a importância da parceria com a instituição, que atua para aplicar os investimentos de forma eficiente. Os financiamentos já asseguraram cerca de 590 mil empregos na região neste semestre. Até o final do ano, mais R$ 14 bilhões poderão ser injetados na economia dos nove estados nordestinos e no norte de Minas Gerais e do Espírito Santo.

“A região Nordeste tem o privilégio de contar com este órgão, que tanto contribuiu para o desenvolvimento da região ao longo desses 67 anos. Não é à toa que o BNB é reconhecido como um dos maiores órgãos da América Latina em atuação na área de desenvolvimento regional. Por meio do FNE, tem operado com excelência e atingido resultados satisfatórios ao longo dos anos. E tenho certeza que 2019 não será diferente, como provam os números alcançados até aqui”, afirmou o ministro, durante abertura do XXV Fórum do Banco do Nordeste.

Avanços Econômicos

Os R$ 13,4 bilhões já contratados por meio de 250 mil operações financeiras representam um crescimento de 9% na comparação com o primeiro semestre do ano anterior, quando o volume alcançou R$ 12,3 bilhões. Ao todo, o FNE programou R$ 27,7 bilhões para este ano.

Do total já contratado, R$ 5,77 bilhões foram destinados a empreendimentos na área de infraestrutura em nove dos 11 estados que compõem a área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) – apenas Alagoas e Maranhão não captaram recursos para este tipo de projeto. Cerca de 70% desse valor foi destinado a plantas de geração de energia elétrica por fontes renováveis.

Outro aspecto positivo foi o aumento da quantidade de recursos disponibilizada para microrregiões consideradas prioritárias no semiárido. Os financiamentos destinados a projetos nos municípios com menor renda alcançaram R$ 10,7 bilhões, o equivalente a 80% do total do FNE. A programação inicial do Fundo estipulava esse valor em 70%.

Segundo o ministro Gustavo Canuto, esse movimento impacta na geração de oportunidades e de empregos para áreas menos desenvolvidas. “Essas operações de crédito levam desenvolvimento para regiões com menos oportunidades e os investimentos retornam à população na forma de postos de trabalho para o País. Mudar a realidade atual do Brasil com responsabilidade é um dos compromissos do presidente Jair Bolsonaro”, disse.

“O Nordeste é uma região extremamente rica e nosso objetivo é explorar as potencialidades locais para que a geração de riqueza permaneça aqui, criando atrativos para a sociedade. Assim, as famílias não precisarão migrar para outras cidades em busca de melhores serviços ou melhores condições de vida”, acrescentou.

Política Regional

Um dos alicerces para o crescimento econômico e social da região é o Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE). O documento foi aprovado pelo Conselho Deliberativo (Condel) da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) em maio.

O Plano tem como aposta estratégica o fortalecimento das redes de cidades intermediárias. Foram identificados 41 municípios nos 11 estados da área de abrangência da Sudene – os nove do Nordeste, mais Espírito Santo e Minas Gerais. A ideia é investir nas cidades polo identificadas para que as áreas de influência possam crescer economicamente. A população desses centros urbanos abrange mais de 6,7 milhões de habitantes.

O documento está alinhado à nova Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR), que tem por objetivo fortalecer a capacidade produtiva em áreas menos desenvolvidas do País – especialmente as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Para tanto, serão feitos esforços para estimular a diversificação econômica, os ganhos de competitividade e o aumento da eficiência nos investimentos públicos.

Um novo golpe que finge ser um programa social do governo para prometer um suposto tratamento odontológico já enganou 162 mil pessoas desde o mês de maio. Intitulado como “Brasil Sorridente”, o ataque leva usuário a clicarem ou compartilharam o link malicioso. Por dia, são registrados, pelo menos, 2.500 novos acessos à fraude.

Identificado pelo dfndr lab, centro especializado em segurança digital da empresa de software PSafe, o golpe disseminado pelo WhatsApp, leva o usuário a informar seu estado, cidade e tipo de tratamento que deseja realizar. Depois, ele precisa fornecer dados pessoais – como nome completo, telefone e e-mail – além de compartilhar o link do ataque com mais 5 contatos do WhatsApp. Por fim, o usuário é induzido a conceder permissão para receber futuras notificações com outros golpes e, depois, direcionado a páginas falsas para visualizar anúncios fraudulentos.

“Golpes que se aproveitam de programas reais do governo como temática são bastante comuns e, infelizmente, são os que mais fazem vítimas, já que tem bastante apelo da população. Neste ataque em especial, o hacker direciona o usuário para páginas com publicidades suspeitas e, a cada nova visualização, o cibercriminoso ganha mais dinheiro”, afirma o diretor do dfndr lab, Emilio Simoni.

Os nove governadores do Nordeste assinaram, na noite desta sexta-feira (19), uma carta em que repudiam uma declaração do presidente Jair Bolsonaro que dá a entender que irá retaliar o estado do Maranhão, governado por Flávio Dino (PCdoB).

O áudio vazado não é claro, mas, em café da manhã com jornalistas da imprensa internacional, Bolsonaro parece dizer ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que Flávio Dino é “o pior”. Sem perceber que seu microfone já estava ligado, o presidente dá um ultimato a Lorenzoni: “Tem que ter nada com esse cara”.

Flávio Dino postou o vídeo e criticou o presidente da República, que teria usado a expressão ‘governadores de Paraíba’ antes de citar o governador do Maranhão.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), divulgou a íntegra do documento em seu perfil no Twitter. “Nós governadores do #Nordeste recebemos com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais. Aguardamos esclarecimentos e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia”, diz o tuíte.

Na carta, os governadores dizem que buscam “manter produtiva relação institucional com o governo federal” e ressaltam que “o princípio federativo exige que os governos mantenham diálogo e convergências, a fim de que metas administrativas sejam concretizadas visando sempre melhorar a vida da população”.

Além de Flávio Dino e Rui Costa, assinam o documento os governadores Renan Filho (MDB-AL), Camilo Santana (PT-CE), João Azevêdo (PSB-PB), Paulo Câmara (PSB-PE), Wellington Dias (PT-PI), Fátima Bezerra (PT-RN) e Belivaldo Chagas (PSD-SE).

Leia abaixo a íntegra da carta:

9 de Julho de 2019

Nós governadores do Nordeste, em respeito à Constituição e à democracia, sempre buscamos manter produtiva relação institucional com o Governo Federal. Independentemente de normais diferenças políticas, o princípio federativo exige que os governos mantenham diálogo e convergências, a fim de que metas administrativas sejam concretizadas visando sempre melhorar a vida da população.

Recebemos com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais, durante encontro com a imprensa internacional. Aguardamos esclarecimentos por parte da presidência da República e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia.

RENAN FILHO – Governador do Estado de Alagoas

RUI COSTA – Governador do Estado da Bahia

CAMILO SANTANA – Governador do Estado do Ceará

FLÁVIO DINO – Governador do Estado do Maranhão

JOÃO AZEVÊDO – Governador do Estado da Paraíba

PAULO CÂMARA – Governador do Estado de Pernambuco

WELLINGTON DIAS – Governador do Estado do Piauí

FÁTIMA BEZERRA – Governadora do Rio Grande do Norte.

Frota: nojo dos

Por Guilherme Amado/Época

Seis meses depois de assumir um gabinete na Câmara, Alexandre Frota está desiludido. O deputado do PSL, partido de Jair Bolsonaro, afirmou que sente “nojo” do bolsonarismo “xiita”, disse não ver qualquer articulação política do governo e defende João Doria no Palácio do Planalto em 2023: “Doria-ACM vai ser uma grande chapa presidencial”.

Em entrevista à coluna, Frota contou como foram seus dias como “bombeiro” entre os temperamentais Rodrigo Maia e Paulo Guedes, durante a reforma da Previdência, e interrompeu a conversa para mostrar um áudio enviado naquele momento por Guedes revelando que uma sugestão de Frota mudou a propaganda da reforma.

Leia a entrevista:

Há três meses, o senhor dizia que precisava de provas do rombo da Previdência antes de apoiar a reforma. Na semana passada o senhor estava distribuindo bandeirinhas no plenário a favor da proposta. O que mudou?

O que mudou é que, depois de tantas conversas com o Paulo Guedes e palestras com a equipe econômica, passei a apoiar a Previdência. Sobre as bandeirinhas, foi uma estratégia de marketing, já que a esquerda tinha camisas e faixas vermelhas. Pedi para um assessor comprar as bandeiras na 25 de Março. A esquerda ficou boquiaberta. Foi um show.

O centrão é mocinho ou vilão?

Eu não uso “centrão”. Eu os chamo de moderados. Não são nem mocinhos nem vilões. São equilibrados e buscam um entendimento que faça com que as pautas andem em prol da sociedade.

O presidente da comissão especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos, disse que, se dependesse do governo, a reforma da Previdência teria andado muito pouco. O senhor concorda?

Ele tem total razão. A Câmara fez o que o governo deveria ter feito. Não existe uma base montada pelo governo. Essa base foi montada pelos moderados, por nós que trabalhamos incansavelmente. O governo maltratou a Câmara.

Como é a articulação política do governo Bolsonaro?

A articulação com a Câmara não existe. Merecíamos um tratamento diferenciado. O governo se empenha muito pouco.

Que pessoas mais te decepcionaram?

Eu aprendi muito cedo na Câmara que você não tem muito tempo para se decepcionar com as pessoas. Mas quem mais me decepcionou, com toda a certeza, foi o Bolsonaro.

Que conselho o senhor daria a Jair Bolsonaro?

Bolsonaro precisa olhar um pouco para trás, para as coisas que ele prometeu. Quero que ele termine o mandato e acerte. Mais do que tudo, o Brasil precisa andar. Não estou mais preocupado com o que o Bolsonaro vai fazer ou não. Só não quero que ele erre.

O senhor atribui a aprovação da reforma a Rodrigo Maia?

Não posso ser leviano e esquecer do Paulo Guedes. Mas com certeza o Rodrigo Maia construiu tudo isso com muita sabedoria e calma, passando por cima de muitas críticas.

Como o senhor construiu uma relação com Paulo Guedes? Continue reading

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio Foto: Jorge William / Agência O Globo

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio — assim como fez o ministro da Justiça, Sergio Moro — vai se afastar do cargo por uma semana para “tratar de assuntos particulares”. Suspeito de participar de um esquema de candidaturas laranja dentro do PSL, partido dele e do presidente Jair Bolsonaro, Álvaro Antônio ficará fora do ministério até a próxima sexta-feira (26).

De acordo com nota divulgada pelo ministério, Álvaro Antônio retorna ao posto no dia 29 deste mês, antes da data marcada para prestar esclarecimentos sobre as suspeitas de envolvimento nos escândalos dos laranjas do PSL em uma das comissões do Senado, no dia 6 de agosto.

A audiência vai acontecer na Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor. Álvaro Antônio se antecipou a uma possível aprovação de um requerimento de convocação.

Além de Mateus Von Rondon, o assessor do ministro, foram presos no fim de junho Roberto Silva Soares, um dos coordenadores da campanha de Álvaro Antônio a deputado federal, e Haissander Souza de Paula, ex-assessor do ministro na Câmara dos Deputados. Os três já foram soltos.

Os investigadores suspeitam que Álvaro Antônio tenha liderado, em Minas Gerais, um esquema em que mulheres apresentariam candidaturas-laranja pelo PSL com o objetivo de cumprir a cota mínima de candidatas femininas, mas sem concorrer efetivamente. Os recursos públicos para a campanha seriam desviados por meio de gastos com gráficas e outras empresas ligadas ao ministro.

O presidente Jair Bolsonaro referiu-se, nesta sexta-feira (19), ao Nordeste como “Paraíba” – forma pejorativa pela qual a região é chamada– e criticou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B).

“Daqueles governadores de Paraíba, o pior é o do Maranhão. Tem que ter nada com esse cara”, disse ao ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil). A conversa entre os dois foi pouco antes do início do café da manhã do presidente com jornalistas, nesta sexta.

A declaração de Bolsonaro foi registrada pela TV Brasil, que cobria o evento. Como de costume, os jornalistas convidados não podiam gravar o café da manhã.

Citado na conversa, o governador do Maranhão, Flávio Dino, disse em sua conta no Twitter que “independentemente de suas opiniões pessoais, o presidente da República não pode determinar perseguição contra um ente da Federação”.

“Seja o Maranhão ou a Paraíba ou qualquer outro Estado. ‘Não tem que ter nada para esse cara’ é uma orientação administrativa gravemente ilegal”, afirmou.

Dino ainda disse que continuará “a dialogar respeitosamente com as autoridades do Governo Federal” e afirmou esperar explicações do presidente.

Outro a se manifestar foi o governador da Paraíba, João Azevêdo (PSB). Também em sua conta no Twitter, disse condenar “toda e qualquer postura que venha ferir os princípios básicos da unidade federativa e as relações institucionais deles decorrentes”.

Procurado, o Palácio do Planalto disse que não comentará o assunto.

Um homem, de 40 anos, que conduzia uma caminhonete de luxo adulterada, foi detido, nesta sexta-feira (19), pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR 232, em Sertânia, no Sertão de Pernambuco. O veículo portava placas de Garanhuns, no Agreste, mas o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) pertencia ao estado de São Paulo.

Durante a abordagem no quilômetro 278 da rodovia, os policiais realizaram um procedimento de identificação veicular e constataram que a caminhonete possuía diversos sinais de adulteração. O motorista informou que havia comprado o veículo de um amigo, pelo valor de R$60mil.

O homem foi detido e encaminhado à Delegacia de Polícia Civil de Sertânia, que irá investigar o caso. Ele deverá responder por adulteração de sinal identificador de veículo automotor.

Seis dos dez deputados com maiores gastos com cota parlamentar em 2019: Cássio Andrade, Fernando Rodolfo, Silas Câmara, Vaidon Oliveira, Cleber Verde e Vander Loubet Foto: Divulgação/Câmara dos Deputados e assessoria de imprensa

ÉPOCA

O deputado Cássio Andrade, do PSB do Pará, foi o deputado que mais gastou com cota parlamentar neste ano. Foram R$ 239.541,97, até agora.

O PL é o partido com mais nomes na lista dos dez deputados mais gastões deste mandato: três.

Depois vem o PRB, com dois lugares.

Dos dez da lista, cinco são da Região Norte. Apesar do direito a um valor maior — por causa das passagens aéreas mais caras —, todos os cinco tiveram seus maiores custos com a divulgação de suas atividades.

No total, deputados de todos os partidos gastaram por enquanto R$ 68,1 milhões com a cota.

O valor pode ser ainda maior.

Os parlamentares têm até 90 dias para registrar suas despesas.