Monthly Archives: julho 2017

Agência Estado

A mudança nos hábitos do consumidor e o avanço da tecnologia tornaram inócuo um dos principais objetivos do polêmico horário de verão. De acordo com estudo do Ministério de Minas e Energia, a adoção da hora adiantada na época mais quente do ano não resulta mais em economia de energia. A despeito disso, a manutenção do horário de verão, de acordo com autoridades do setor elétrico, é considerada uma “questão cultural”.

“Em termos integralizados (diurno e noturno), o horário de verão não atendeu ao que se propôs – ou seja, não há relação direta com redução de consumo e demanda”, diz o estudo, obtido pelo Estadão/Broadcast. A popularização dos aparelhos de ar condicionado é uma das principais razões dessa mudança. No estudo, técnicos do MME apontaram que a temperatura é o que mais influencia os hábitos do consumidor, e não a incidência da luz durante o dia.

Como o calor é mais intenso no fim da manhã e início da tarde, os picos de consumo são registrados atualmente nesse período. De acordo com dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o horário de ponta ocorre entre 14h e 15h, e não mais entre 17h e 20h.

A economia de energia entre 17h e 20h ainda ocorre atualmente, mas é menor do que o aumento do consumo verificado durante as madrugadas por causa do uso do ar condicionado entre meia-noite e 7h. “Antes, o chuveiro era o vilão do setor elétrico. Hoje, é o ar condicionado”, afirmou o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Leite.

O secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, disse que, para o governo, a aplicação do horário de verão se aproxima da neutralidade. “Mas, para a sociedade, para o trânsito, para a vida das pessoas, a impressão é de que o horário de verão traz mais benefícios”, afirmou.

O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Eduardo Barata, destacou que o horário de verão não serve para reduzir o consumo de energia, mas sim para diminuir a concentração da carga nos horários de pico – hoje, há diminuição de 4% nesse período. “Se não adotássemos mais o horário de verão, isso não seria um problema para o setor elétrico. Mas ele traz ganhos inegáveis para o setor de turismo e para a população”, disse.

Para Barata, a adoção do horário de verão ultrapassa as decisões do setor elétrico. “Isso é algo além, que entrou na cultura dos países. Na maioria dos países desenvolvidos, existe horário de verão ou inverno, ou até os dois. E nenhum deles faz isso por economia de energia”, disse. “Quero crer que isso vale para o nosso País também. O que eu defendo é que essa decisão, de manter ou acabar com o horário de verão, não seja apenas do setor elétrico, mas do governo, do País”, acrescentou.

Hora do banho

No passado, o horário de maior consumo de energia era registrado entre 17h e 20h, quando os trabalhadores retornavam para casa e tomavam banho. Para dar mais folga e segurança ao sistema, adiantar os relógios em uma hora permitia, por exemplo, adiar o acionamento da iluminação pública nas ruas – o que adiava parte da demanda e reduzia a concentração do uso de energia, o que reduz custos do sistema elétrico.

No ano passado, de acordo com dados do MME, o horário de verão durou 126 dias e gerou uma economia de R$ 159,5 milhões ao sistema, ao reduzir o acionamento de usinas termoelétricas. O custo é considerado irrelevante para o setor. A primeira vez que o País o adotou foi em 1931. Desde 1985, ele foi aplicado todos os anos.

Nos países desenvolvidos, o horário de verão é mais extenso do que no Brasil. Na Europa, vigora de março a outubro; nos EUA, México e Canadá, de março a novembro.

“Se não adotássemos mais o horário de verão, isso não seria um problema para o setor elétrico. Mas ele traz ganhos inegáveis para o setor de turismo e para a população”. 

http://gesconcursos.com.br/wp-content/uploads/2016/12/tce-pe-588x381.jpg

Foi divulgado o edital do concurso do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE). Ao todo, são 36 vagas para os cargos de Auditor de controle, Analista de Controle Externo e Analista de Gestão, que podem ser ocupadas por formados em qualquer área de ensino superior. Os salários variam entre R$ 11.606,55 e R$ 18.477,13. Mas, podem chegar a R$ 30 mil, dependendo do cargo.

As inscrições para o certame começam no dia 11 de julho e vão até o dia 31 do mesmo mês e as taxas custam R$ 200 (Auditor de controle externo), R$ 190 (Analista de controle externo) e R$ 150 (Analista de sistema). Os candidatos trangêneros podem solicitar o uso do nome social até às 18 h do último dia de inscrição.

O concurso será executado pelo Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) e terá as seguintes fases: prova objetiva, para todos e cargos, e prova discursiva para os cargos pertencentes ao Grupo Ocupacional de Controle Externo. As provas acontecerão nos dias 17 e 24 de setembro. O resultado final será divulgado em 23 de outubro.

Kit de TV Digital

Um total de 600 mil kits de conversor e antena para sintonizar o sinal digital de televisão deve ser entregue no Recife e em 13 cidades vizinhas, onde o desligamento do sinal analógico está marcado para o dia 26 de julho. Os kits são distribuídos gratuitamente para famílias cadastradas nos programas sociais do governo federal.

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, entregou nessa sexta-feira (30) o kit de número 400 no bairro de Pina, no Recife. Na região, 44% dos domicílios ainda possuem aparelho de televisão de tubo e, portanto, sintonizam apenas o sinal analógico. Uma portaria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações estabelece que é necessário que 90% dos domicílios contem com o sinal digital para que ocorra o desligamento da TV analógica.

Além do Recife, o sistema analógico será desligado em julho em Jaboatão dos Guararapes, Abreu e Lima, Araçoiaba, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Igarassu, Ilha de Itamaracá, Ipojuca, Itapissuma, Moreno, Olinda, Paulista, e São Lourenço da Mata.

O desligamento da TV analógica em Fortaleza (CE), Salvador (BA), Juazeiro do Norte (CE) e Sobral (CE) está marcado para 27 de setembro deste ano. A previsão de desligamento do sistema no Rio de Janeiro (RJ) e em Vitória (ES) é em 25 de outubro. Em Belo Horizonte (MG) e na região metropolitana, deverá ser feito em 8 de novembro. E em várias cidades do interior de São Paulo – Campinas, Franca, Ribeirão Preto, Santos e Vale do Paraíba deverá acontecer no dia 29 de novembro.

Bolsa Família não será reajustado / Foto: Arquivo/JC Imagem

Com a frustração de receitas e a dificuldade de cumprir a meta fiscal deste ano, o governo suspendeu o reajuste do Bolsa Família acima da inflação previsto para entrar em vigor em julho. O Ministério do Desenvolvimento Social, responsável pelo pagamento do benefício, informou que o Bolsa Família não será reajustado neste momento.

Originalmente, a ideia era dar aumento de 4,6% no benefício, acima da inflação oficial acumulada em 3,6% nos últimos 12 meses Segundo apurou a reportagem, além da escassez de recursos, uma ala do governo considerou que a crise política "esconderia" o anúncio do aumento. A média do Bolsa Família é de R$ 182 por família.

Em maio, o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, disse ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, que o reajuste sairia em julho, dentro de um grande pacote de bondades do governo Temer. "Vai ter reajuste em julho acima da inflação. É uma decisão. Tem que ver quanto vai ser a inflação em 12 meses para a gente poder fixar o valor", disse. Na época, o ministro informou que o programa contava com orçamento de R$ 30 bilhões e que a cifra já previa o dinheiro para bancar o reajuste.

Déficit

A área econômica, no entanto, dissuadiu o presidente a reajustar o benefício em meio às discussões de medidas para conter os gastos e aumentar as receitas, inclusive com a possibilidade cada vez maior de aumento de impostos para cumprir a meta de déficit de R$ 139 bilhões.

http://www.amupe.org/wp-content/uploads/2017/06/Post.png

Em março desse ano, a Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), lançou Edital de Convocação para seleção de municípios interessados em participar do Projeto Transparência e Participação Social na Gestão Pública Local – Gestão Cidadã, que tem como principal objetivo contribuir para a consolidação de gestões locais democráticas que atendam aos interesses públicos e atuem de forma transparente e inclusiva.

Ao todo, 26 municípios passaram para a segunda fase do processo seletivo, sendo agrupados em três grandes grupos regionais (Sertão, Agreste e Metropolitana). O objetivo foi selecionar dois grupos regionais de até 8 municípios cada. O critério de seleção em grupos de municípios vizinhos se relaciona ao modelo metodológico do projeto, que visa aplicar cada oficina apenas uma vez em cada grupo, de forma a otimizar recursos e permitir o compartilhamento de experiências entre cidades próximas.

Todos receberam uma visita avaliativa de membros da equipe do projeto, que visou analisar mais profundamente junto aos governos e membros da sociedade civil os principais critérios a seguir: grau de transparência das prefeituras; grau de articulação e trabalho integrado entre sociedade civil e poder público; e grau de interesse e comprometimento dos (as) gestores (as) em relação ao projeto. A partir da análise desses critérios, o principal objetivo da Amupe foi identificar os grupos e os respectivos Municípios que enfrentam maiores dificuldades em colocar as informações públicas à disposição da sociedade e em abrir ou fortalecer canais de participação social.

Municípios selecionados:

Veja abaixo os dois grupos escolhidos e os municípios que comporão cada um deles:

http://www.amupe.org/wp-content/uploads/2017/06/muni.png

A Amupe Informa que os municípios de Serra Talhada, Afogados da Ingazeira e Triunfo (Grupo Regional do Sertão), os municípios de Caruaru, São Bento do Una e Gravatá (Grupo Regional do Agreste) e Igarassu (grupo regional da Mata metropolitana) se desejarem, poderá participar do projeto como convidados externos e apoiadores da iniciativa, podendo compartilhar suas boas práticas com os selecionados ao decorrer das atividades a serem implementadas. Em breve entraremos em contato para maiores esclarecimentos.

Próximos passos

No mês de julho ocorrerá o processo seletivo para escolha de dois ou duas Agentes Regionais, para atuarem como pontos focais da Amupe em cada Grupo Regional selecionado.

Nos meses de agosto e setembro, uma equipe realizará um diagnóstico local apurado de cada município selecionado, que irá compor a linha de base do projeto, documento de apoio para o monitoramento e acompanhamento de resultados alcançados ao final do cronograma de ações.

Em outubro e novembro serão realizadas as Oficinas de Pactuação Metodológica, sendo uma em cada Grupo Regional. Esses encontros irão unir gestores locais, lideranças da sociedade civil e representantes das Câmaras Municipais dos municípios parceiros, para uma exposição da metodologia e do cronograma, formação dos Grupos de Trabalho Municipais e pactuação de compromissos.

Todos os municípios selecionados serão oficialmente contatados pela Amupe para oferecimento de mais informações e assinatura do Termo de Adesão.

Nove meses depois da última eleição, os moradores de Belo Jardim, no Agreste pernambucano, voltam às urnas neste domingo (02). Um mês e meio depois da cassação de João Mendonça (PSB), por improbidade administrativa, três candidatos disputam: Luiz Carlos, também socialista e vice do ex-prefeito; Hélio dos Terrenos, nome do PTB que ficou em segundo lugar em outubro; e Gilvandro Estrela, do PV, presidente da Câmara dos Vereadores e atual prefeito interino da cidade.

A campanha foi conturbada, marcada até por um assassinato nos últimos dias de campanha, durante uma caminhada do interino. Da mesma forma que no período eleitoral do ano passado, um homem foi morto a facadas, exigindo um esquema especial de segurança do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE).

O caso de violência foi em um ato de campanha que teve a presença do ministro da Educação, Mendonça Filho, do Democratas. O vice de Gilvandro Estrela, Pitomba da Lotação, é do DEM.

Na última semana, Hélios dos Terrenos também recebeu visita na campanha. De olho em 2018 e querendo ter aliados nas prefeituras, o senador Armando Monteiro (PTB) foi a um ato de campanha. A expectativa é de que o petebista também vá ao município neste domingo. O candidato dele deve votar às 10h e o prefeito interino, às 9h.

Como fez na eleição suplementar de Ipojuca, o governador Paulo Câmara (PSB) se desligou da campanha. Coube ao deputado estadual socialista Aluisio Lessa pedir votos para Luiz Carlos.

Condenado por improbidade administrativa, por ter tido as contas rejeitadas, o ex-prefeito foi reeleito em um pleito em que já concorreu sub judice, ou seja, ainda com um processo da Justiça Eleitoral. Apesar da impugnação da candidatura, o socialista conseguiu uma liminar do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, para assumir o mandato. Ele ficou no cargo até maio, quando foi retirado pelo plenário da Corte.

Ascom

A cidade de Serra Talhada ganhou mais um espaço de comercialização de produtos agroecológicos. Na último sexta-feira, a Prefeitura Municipal, juntamente com o INCRA, Sementes ATER e Sindicato dos Trabalhadores Rurais inauguraram a Feira da Agricultura Familiar, na Academia das Cidades, do IPSEP.

A feira conta com dezenove famílias agricultoras assentadas pela Reforma Agrária nos assentamentos Poço do Serrote, Laginha e Gilvan Santos, e vai acontecer todas as sextas, das 05h às 10h da manhã. No local, os agricultores comercializam frutas, hortaliças (como cebolinha, coentro, alface, rúcula e couve), legumes, carne, ovos, leite, doces e comidas típicas, além de outros produtos orgânicos.

“Hoje está sendo concretizado um sonho de muitos anos para os agricultores de Serra Talhada, que graças ao empenho do governo municipal e demais órgãos envolvidos tem a partir de agora um local para vender seus produtos diretamente ao consumidor, eliminando parte dos atravessadores”, disse o secretário municipal de Agricultura e Recursos Hídricos, Zé Pereira.

“Além de investirmos no abastecimento de água das comunidades rurais, viabilizamos o local e estamos dando todo o apoio necessário aos agricultores na parte de logística e organização da feira, assim como assessoria técnica aos agricultores, e vamos trabalhar para expandir a feira para outros bairros”, completou o secretário Zé Pereira. As famílias assentadas também são assessoradas pelo INCRA, através da empresa de extensão rural, Sementes ATER.

Moradora do Assentamento Poço do Serrote, a agricultora Lucilene Gomes comemora a conquista. “Já faço parte da Feira Agroecológica do sábado e fico feliz em trazer minha produção pra cá também porque ajuda na minha renda”, disse ela. Mesma opinião do agricultor Genivaldo Souza, do Assentamento Laginha. “Morei muito tempo no alugado, mas agora vivo do trabalho na minha própria terra, de onde tiro meu sustento, ter onde vender o que a gente planta é muito bom”, afirmou.

Os consumidores também aprovaram a iniciativa.  “Fiquei sabendo da feirinha e vim correndo comprar os produtos, porque além de muito saborosos, são saudáveis, de qualidade; quero parabenizar os agricultores pelo trabalho e aconselho a todas as pessoas a consumir os alimentos, porque é saúde na mesa”, disse a cantora Lila Nogueira, que visitou a inauguração da feira e fez sua compra de alimentos saudáveis. “Onde eu moro não tem, é uma pena, bom seria se tivesse feiras como essa em todos os lugares”, acrescentou.