Monthly Archives: setembro 2018

No dia 7 de outubro, o eleitor apto pode ir à sua seção eleitoral das 8h às 17h e votar, de acordo com o horário local / Foto: Reprodução

Em outubro, os eleitores irão às urnas para escolher presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, deputados estaduais e distritais. Saiba quem pode e não pode votar nas eleições:

Quem pode votar

– O voto é obrigatório para todo cidadão, nato ou naturalizado, alfabetizado, com idade entre 18 e 70 anos.

– Os presos provisórios e os adolescentes internados, desde que tenham tirado o título de eleitor e estejam em dia com a Justiça Eleitoral. também têm o direito de votar, por não estarem com os direitos políticos suspensos (inciso III do artigo 15 da Constituição Federal).

Quem não pode votar

– Quem está com o título cancelado por não ter justificado ausência em três eleições consecutivas. No caso das ausências, cada turno de um pleito é considerado como uma eleição isolada.

– Quem perdeu o prazo para justificação e não pagou a multa pela irregularidade.

– Cidadãos que estão com os direitos políticos suspensos.

– Quem não participou da revisão biométrica obrigatória no município em que vota.

– Aqueles que não tiraram o título de eleitor até o dia 9 de maio nem regularizaram sua situação perante a Justiça Eleitoral.

– Eleitores cujos dados não estejam no cadastro de eleitores da seção constante da urna, ainda que apresente título de eleitor correspondente à seção e documento que comprove sua identidade. A regra consta do parágrafo 6º do Artigo 111 da Resolução TSE nº 23.554/2017, que trata dos atos preparatórios para as eleições 2018. Nessa hipótese, a mesa receptora de votos deverá registrar a ocorrência em ata e orientar o eleitor a comparecer ao cartório eleitoral a fim de regularizar sua situação.

Voto facultativo

–  Para jovens com idade entre 16 e 17 anos, idosos com mais de 70 anos e analfabetos, o voto é facultativo.

Onde votar?

No dia 7 de outubro, o eleitor apto pode ir à sua seção eleitoral das 8h às 17h e votar, de acordo com o horário local. O título de eleitor traz a zona eleitoral e a seção em que o eleitor vota.

Quem perdeu o título consegue saber o número do documento no site do TSE. Basta informar o nome, data de nascimento e o nome da mãe.

O eleitor em situação regular também pode obter a via digital do título. O aplicativo e-Título está disponível para smartphones e tablets. Caso o eleitor já tenha feito o recadastramento eleitoral com coleta de biometria, a versão do e-Título virá acompanhada da fotografia, o que permitirá sua identificação na hora do voto. Neste caso, bastará apresentar a versão digital do documento para votar.

Para quem ainda não fez o recadastramento biométrico, a versão do e-Título será baixada sem a foto. Nessa hipótese, o eleitor está obrigado a levar um documento oficial de identificação com foto.

Não é obrigatória a apresentação do título de eleitor para votar. O eleitor deve se dirigir à sua seção eleitoral e apresentar ao mesário um documento oficial com foto (carteira de identidade, passaporte, carteira de categoria profissional reconhecida por lei, certificado de reservista, carteira de trabalho ou carteira nacional de habilitação).

Armando Monteiro (PTB) recebeu apoio de candidato da Frente Popular

O candidato ao governo do Estado da coligação Pernambuco Vai Mudar, Armando Monteiro (PTB), recebeu, nesta quinta-feira (27), o apoio do candidato a deputado federal pelo Partido Republicano Progressista (PRP) Albérisson Carlos, que é presidente da Associação de Cabos e Soldados e de Pernambuco (ACS). Mesmo sendo de um partido que integra a coligação do governador Paulo Câmara, Albérisson reafirmou o voto em Armando.

“É fundamental essa valorização e o diálogo com a categoria. Nós vamos corrigir injustiças. O que aconteceu no passado, nós vamos virar a página e nós vamos inaugurar um novo tempo. Um primeiro compromisso é reexaminar as diferenças, o plano de cargo e carreiras, que é um elemento fundamental. Em suma, remuneração e as condições que são oferecidas aos policiais”, destacou Armando. Para o candidato a governador, garantir a segurança das pessoas será um dos seus desafios à frente do governo. Para isso, Armando vai criar o Comando Cidadão, vinculado diretamente ao gabinete do governador, implantando centrais de comando e inteligência e as patrulhas rurais.

“Sabemos do medo que a população de Pernambuco vive hoje e como os policiais estão desmerecidos pela atual gestão. Por isso, acredito que Armando vá olhar para esse problema de frente. Neste governo nós tivemos muita perseguição. Eles não quiseram ouvir a categoria, além de tirar direitos que são fundamentais para nós”, declarou o representante dos policiais. Segundo Albérisson, entre os problemas enfrentados pela categoria, estão o uso de coletes a prova de balas vencidos e a falta de material de comunicação. “O PM precisa utilizar o próprio celular para fazer chamadas de apoio”, acrescentou.

http://www.ifpe.edu.br/campus/afogados/noticias/estudos-aprofundados-desenvolve-senso-critico-e-politico-de-estudantes-do-campus-afogados/estudos-aprofundados/@@images/f6cd90fe-0d7d-4e95-ae09-3a90c9efe84d.jpeg

Aliando os campos da Arte, Filosofia e Sociologia, o projeto Estudos Aprofundados traz ao campus do IFPE em Afogados da Ingazeira a proposta de desenvolver e estimular o senso crítico e político dos estudantes do campus. Idealizado e coordenado por Alexsander Costa, professor de filosofia, esse projeto promove a leitura e análise de textos referentes ao contexto político social contemporâneo. Além de Costa, os docentes do campus Vandeberg Medeiros e Pablo Moura, das áreas de Artes e Sociologia, respectivamente, também participam das conduções das atividades propostas como colaboradores.

Segundo Alexsander, a ideia surgiu da necessidade dos alunos terem um contato mais direto compensadores clássicos, como Aristóteles, e também contemporâneos, como Jessé Souza, sem a interferência do olhar do professor em sala de aula, com o intuito de que os próprios estudantes tivessem a sua interpretação, a sua própria sensibilização em relação ao texto/autor analisado. “Nesses encontros, nós rompemos um pouco com a perspectiva hierárquica da relação professor/aluno que geralmente acontece em sala de aula. É feito um recorte do que vem a ser o ponto-chave de determinada teoria, e assim se faz uma leitura dentro desse recorte, uma leitura pausada em que cada aluno tem voz e vez para interpretar aquilo que pensa sobre cada parte do texto estudado, tentando extrair o máximo que o autor quis apresentar. É uma leitura mais livre, porém aprofundada, já que durante as aulas há um tempo limitado para se trabalhar nesses textos”, explica o docente.

Costa diz ainda que o projeto ajuda na desmistificação de conceitos e paradigmas pertencentes à nossa sociedade, principalmente quando se trata de temas ligados à política. “É importante que esses estudantes saibam diferenciar, por exemplo, o liberalismo e o anarquismo, entre outros. Se faz necessário extrair o sujeito do campo da ignorância e permitir que se conheça os conceitos mais fundamentais que regem a nossa política, a nossa moral. É preciso sair do senso comum e ir para a raiz da questão”, detalha. Ele ressalta também que os estudantes têm se interessado cada vez mais em participar dessas leituras, cuja temática é prioritariamente política, assunto que vem despertando interesse crescente por parte da comunidade estudantil do campus. Nas atividades anteriores, já foram tratados temas como o Presidencialismo de Coalizão e o Sistema Eleitoral Brasileiro.

Maria Catarina Torres, do 4º período de Saneamento Integrado, é uma das alunas que participou do último encontro. Ela destaca que achou a experiência muito boa, porque solucionou muitas de suas dúvidas, fazendo-a ter uma percepção do que acontece na política, principalmente agora próximo das eleições. “Mudou um pouco meu ponto de vista sim. E é algo diferente do que a gente vê em sala de aula, que é mais didático. Nos Estudos Aprofundados, por ter menos alunos, a interação é maior e melhor, e isso permite ter uma fala mais descontraída, ficar mais à vontade, o que contribui para absorver melhor o conteúdo”, releva Catarina. O estudante Mateus Alves, do 8º período de Informática Integrado, também já esteve presente na atividade, e reforça: “Foi bastante produtivo o encontro, porque normalmente adolescentes não têm muito interesse em política, e a maioria não entende como funciona o jogo político ‘por debaixo dos panos’. Essa experiência ensina a gente a pensar melhor”.

O projeto realiza dois encontros mensais, em semanas e períodos alternados. A próxima atividade está prevista para a próxima quarta-feira, 03 de outubro, para debater sobre o sistema educacional e econômico dos presidenciáveis.

Ao longo do mandato, entre 2015 e 2018, o deputado estadual Álvaro Porto (foto) cobrou do governo do estado melhorias nas estradas que cortam o Agreste Meridional. Por inúmeras vezes denunciou a buraqueira, os riscos da falta de sinalização e de camada asfáltica. Destacou que o péssimo trânsito entre as cidades comprometia a economia, dificultando os negócios de quem precisa ganhar a vida se deslocando. Também chamou atenção para as mortes decorrentes da precariedade das vias.

Agora, candidato à reeleição, Porto volta a fazer um alerta para o quadro caótico das estradas. Em vídeos divulgados nas suas redes sociais, o deputado posa de repórter para mostrar e denunciar a situação absurda das rodovias.

Na PE- 177, que liga Garanhuns e Quipapá, ele apresenta trecho na altura do Sítio Tiririca, no município de São João, onde buracos têm tirado vidas de quem passa por lá. Lembrou há cerca de 15 dias três jovens morreram num acidente quando tentavam desviar de crateras.

Na PE-187, entre Palmerina e Angelim, Álvaro Porto ressalta a péssimas condições da estrada e volta a cobrar obras ao governador e candidato à reeleição Paulo Câmara (PSB).

No filme em que mostra a PE-203, rodovia que dá acesso ao município de Lagoa do Ouro (saindo da PE-214, entre Correntes e Bom Conselho), o petebista aparece ao lado do Sr. José Teixeira, morador da região. Seu Zé informa que desde 2015 a população do município aguarda as obras de recapeamento e recuperação da estrada. Porto arremata lembrando que onde deveria existir asfalto, só há piçarra.

Em todos os vídeos o deputado aponta a ineficiência do governo do estado e a falta de comprometimento de Paulo Câmara com o Agreste. E acrescenta a necessidade de a região votar em Armando Monteiro (PTB) para governador como forma de voltar a ter estradas de verdade e capacidade de desenvolvimento.

Conversa deve acontecer dentro da carceragem da Polícia Federal em Curitiba

O ministro do STF Ricardo Lewandowski autorizou, nesta sexta (28), que o ex-presidente Lula conceda entrevista para o jornal Folha de S. Paulo. O pedido, da colunista Mônica Bergamo, dará o direito da jornalista visitar Lula na PF em Curitiba, onde ele está preso desde abril. A decisão vem logo após a reclamação feita pelo jornal, com a justificativa de censura de liberdade da imprensa. 

A decisão abre precedentes para outros veículos de comunicação. “Ressalto, ainda, que não raro, diversos meios de comunicação entrevistam presos por todo o país, sem que isso acarrete em problemas maiores ao sistema carcerário. Portanto, permitir o acesso de determinada publicação e impedir o de outros veículos de imprensa configura nítida quebra no tratamento isonômico entre eles, de modo a merecer a devida correção de rumos por esta Suprema Corte”, diz parte da decisão.

O ministro determinou que a Justiça em Curitiba seja comunicada da decisão, e que agende, em acordo com a Folha, a data da entrevista.

Fachada Prédio Sede em 620x300 pixels (para matérias)

Em relação à nota publicada pela Coligação Pernambuco Vai Mudar, veiculada na mídia estadual nesta quarta-feira (27), a propósito de visita de seus candidatos aos cargos majoritários a este Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), vem o presidente deste Regional esclarecer:

1 – Em nenhum momento da conversa entre os candidatos e o presidente do TRE-PE foram tratados assuntos que digam respeito a suposto uso da máquina pública em favor de candidato adversário;

2 – Da conversa, participaram apenas o presidente do TRE-PE, o candidato a governador, Armando Monteiro Neto, e seu candidato a vice-governador, Fred Ferreira, além dos dois candidatos a senador, Mendonça Filho e Bruno Araújo.

3 – Na ocasião, os visitantes solicitaram a agilização de julgamentos de processos de seu interesse. O presidente do TRE esclareceu que TODOS os processos e demais atos deste Regional estão rigorosamente em dia e que, independentemente do pedido, esta casa tem total interesse e compromisso com o julgamento célere das demandas. Não há pendências.

4 – De maneira imparcial foram solicitados à desembargadora relatora do referido processo, bem como aos relatores de TODOS os demais processos que envolvessem possibilidade de atingimento da honra dos candidatos, que – nos termos previstos na legislação e no regimento interno do Tribunal – fossem estes colocados em pauta para julgamento no dia de hoje, caso as suas respectivas relatorias já estivessem sido concluídas, o que de fato ocorreu.

5 – Quanto às matérias jornalísticas que davam conta de que os visitantes vieram ao TRE para “cobrar”, diz o presidente que não aceita ou cede à cobrança ou pressão de nenhum candidato, partido ou coligação.

6 – Este Tribunal pauta os seus trabalhos pela absoluta isenção. Além disso, a celeridade é uma das marcas da Justiça Eleitoral pernambucana, desta Corte e dos servidores da casa. Em tempo: desde o início da campanha eleitoral, considerando decisões monocráticas e colegiadas, o TRE-PE julgou 1.309 processos envolvendo registros de candidatura, recursos em geral e representações que envolvem, entre outras, matérias relacionadas à propaganda eleitoral, todos com a maior celeridade possível;

Desembargador Luiz Carlos Figueirêdo

Presidente do TRE-PE

Título de eleitor

Reduto eleitoral do Partido dos Trabalhadores (PT), a região Nordeste foi a que teve o maior número de títulos eleitorais cancelados por falta de cadastramento no sistema de biometria. Decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) cancelou 3.368.447 de títulos eleitorais, em 1.248 municípios, sendo 45% (1.515.801 eleitores) nos estados da região. O total de eleitores que não poderão votar no pleito de outubro é semelhante a diferença de votos que determinou o resultado da eleição presidencial de 2014: 3.459.963. O impacto deste cancelamento na eleição gerou debate entre especialistas.

Segundo pesquisa Ibope, divulgada na última segunda-feira, a região concentra eleitorado favorável ao ex-prefeito Fernando Haddad, com 34% das intenções de votos, e ao ex-governador Ciro Gomes (PDT), com 18%. Contudo, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) tem 17% das preferências. A ex-senadora Marina Silva (Rede) e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) possuem 5%, cada.

A cientista política Priscila Lapa, da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (Facho), avaliou que, como o Nordeste tem um peso decisivo e o cenário eleitoral está acirrado, pode haver interferência no resultado eleitoral. “Pode ter interferência, se for muito apertado, visto que há (na região) inclinação por (Fernando) Haddad”, disse ela. “Se esses 3,3 milhões estivessem diluídos (por outras regiões), mas o fato de estar concentrado (metade numa região) pode interferir”, acrescentou.

O cientista político Guilherme Reis, da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), seguiu a mesma linha defendida por Priscila. Segundo o politólogo, apesar de pequena, há, sim, chances de impactar no resultado da eleição. “A unidade do voto não pesa, mas o volume agregado dos votos destes candidatos na região, sim. Numa eleição muito acirrada, provavelmente terá influência, vide a eleição passada”, analisou.

Na última eleição presidencial, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foi eleita com 54.501.118 votos contra 51.041.115 obtidos pelo senador Aécio Neves (PSDB). A diferença de sufrágio foi de 3.459.963. Entretanto, não pode-se desprezar o alto índice de abstenções do pleito, que foi de 30.137.479 pessoas.

O cientista política Leon Victor Queiroz, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), por sua vez, ponderou que não é possível aferir o impacto porque não há dados abertos relativos ao quantitativo de títulos de pessoas que já morreram ou daquelas que costumeiramente já não votam e, portanto, não se preocupam em fazer biometria. “Não se sabe quanto eleitores são de Haddad ou de Bolsonaro”, destacou Queiroz.

A parte a questão eleitoral, Reis criticou a postura do Poder Judiciário, que estaria dificultando o exercício do direito dos brasileiros às vésperas da eleição. Segundo ele, o cidadão não pode correr o risco de não conseguir votar. “É uma violação dos direitos fundamentais dos brasileiros”, afirmou.

Já Priscila Lapa frisou que a decisão da Justiça Eleitoral chama a atenção e levanta dúvidas sobre o processo pelo fato de a biometria não funcionar em 100% dos municípios. Entre 2016 e 2018, o cadastro biométrico foi obrigatório para cidadãos de 2.793 municípios. O total de eleitores com biometria soma 87.363.098 de pessoas – 59,31% do eleitorado brasileiro.

Em Custódia, o grupo de vereadores de oposição ganharam nesta quinta feira (27), a adesão do vereador Ronny Barbalho (PCdoB), que acabou rompendo sua aliança política com o prefeito Manuca (PSD).

A confirmação foi passada ao blog do Cauê Rodrigues pelo vereador Cristiano Dantas (PTB) que vem realizando um trabalho de articulação política no vizinho município. Com essa união os vereadores de oposição se tornaram maioria, passando agora para um número de seis vereadores.

 Com isso a eleição da mesa diretora do biênio 2019/2020 está nas mão desse grupo formado agora por Cristiano Dantas (PTB), Gilberto Nunes (PRP), Didi de Quitimbú (PTB), Joãozinho Moura (PTB), Marcílio Ferraz (PP) e Ronny Barbalho (PC do B).

 Ronny obteve nas eleições de 2016, o total de 1.085 votos, o equivalente a 5,20% dos votos válidos de Custódia, sendo o quinto vereador mais bem votado no município.

A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Serra Talhada (APAE), em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Serra Talhada, realiza, de 1º a 05 de outubro, um mutirão de atendimento destinado às crianças, adolescentes e adultos que são usuários e usuárias da instituição e que aguardam por atendimento médico e psicopedagógico.

De acordo com Marília Cavalcanti, assistente social e coordenadora de Saúde da APAE, o mutirão atenderá prioritariamente os usuários que ainda estão na fila de espera. “O mutirão em parceria com a Secretaria de Saúde é uma forma de otimizar o atendimento a essas pessoas, principalmente aquelas que ainda não foram atendidas e estão aguardando para passar pelos nossos profissionais”, explicou.

O mutirão será realizado nos períodos da manhã e tarde, das 07h30 às 12h30 e das 13h30 às 17h, na sede da APAE. Serão oferecidos serviços como aferição de pressão arterial, glicemia, testes rápidos (HIV, sífilis e hepatite), consultas, exames preventivos para usuárias e familiares, atualização de cartão de vacina, entre outros.

O mutirão contará com a participação de profissionais de diversas especialidades como advogados, odontólogos, psicólogos, enfermeiros, pediatras, neurologistas, nutricionistas, fisioterapeutas, psicólogos, fonoaudiólogos, ortopedistas, dermatologistas, clínicos gerais e psicopedagogos.

De segunda a sexta-feira, no período da tarde, serão realizadas avaliações em parceria com a Faculdade de Integração do Sertão – FIS, através do Estagio Supervisionado I de Fisioterapia Neurológica e na sexta-feira pela manhã tem palestra sobre prevenção ao câncer de mama e colo do útero com os acadêmicos da Faculdade FAMA.

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira promove neste sábado (29) o dia D de vacinação antirrábica. Desde o último dia 17, a Secretaria de Saúde tem percorrido os diversos bairros do município, vacinando, inclusive, cães e gatos errantes. 

O dia D, além de ser o dia para os moradores do centro da cidade vacinarem seus animais, também é a oportunidade para quem mora nos bairros mas que ainda não vacinou seu animal. 

A equipe de vacinação estará em frente à Secretaria Municipal de Saúde, nas proximidades dos correios, das oito da manhã ao meio dia. 

http://blogdosilvalima.com.br/wp-content/uploads/2018/09/brunoxauremar.jpg

Começou uma briga interna na Câmara Municipal de Salgueiro, Sertão de Pernambuco, e o motivo seria a realização de um concurso público.

O atual presidente da Casa Legislativa, vereador Auremar Carvalho, que está a pouco mais de 90 (noventa) dias para deixar o cargo, está tentando realizar um concurso público, porem, o mesmo recebe duas críticas de seus colegas e em particular do vereador e candidato a deputado estadual Bruno Marreca, que é contra a realização do concurso neste momento. Para o vereador Bruno, isso seria “oportunismo eleitoral de Auremar Carvalho”, como declarou durante uma entrevista a um programa de uma Rádio local no último dia 18 de setembro. No entanto, ele é a favor do concurso, mas irá sugerir ao futuro presidente da Câmara, vereador George Arraes, que o mesmo seja feito após verificação nas finanças da Casa, pois parlamentares da oposição como ele, tem dificuldades em ter essas informações sobre as finanças.

Durante a entrevista o vereador Bruno Marreca questionou o concurso que estão tentando fazer agora, pois para ele, o mesmo só está sendo feito neste momento, porque o vereador Auremar Carvalho não conseguiu emplacar o seu sucessor na mesa diretora da Casa Legislativa Epitácio Alencar, e está usando isto como oportunismo eleitoral.

Bruno Marreca chegou a dá exemplo do cargo de motorista, onde o vereador Auremar colocou uma vaga para esta função, a Câmara já tem um motorista efetivo, que pouco é utilizado, pois o vereador Auremar contratou outro motorista (por contrato) que realiza quase todas as viagens com os vereadores, afirma Bruno.

Auremar Carvalho divulgou nas redes sociais, durante a tarde e a noite desta quinta-feira (27) uma nota e um áudio, pedindo aos seus colegas e amigos que divulgassem nos grupos que “Bruno Marreca, vereador e candidato a deputado estadual é contra o concurso público” não se sabe a real intenção do vereador Auremar Carvalho com este áudio, onde deixa claro a condição de “candidato a deputado estadual” de seu opositor na Câmara Municipal de Salgueiro. Ainda em nota, Auremar convida a população para acompanharem a próxima sessão plenária, que será realizada no dia 4 de outubro, onde o tema estará em pauta. As informações são do blog Silva Lima.

Há 30 anos, a história de poder do Distrito Federal é contada com o sobrenome Roriz. O goiano que virou governador em 1988, nomeado pelo então presidente da República, José Sarney, esteve quatro vezes no Palácio do Buriti. Venceu três eleições para o Executivo e uma para o Senado, formou uma geração de políticos, mas se despede da vida pública sem deixar um sucessor. A trajetória é marcada por vitórias, mas também derrotas e traições. O saldo é um homem que será lembrado como importante líder, mas que se retirou do cenário impedido de concorrer por imposição da Lei da Ficha-limpa.

Roriz sempre soube manter a popularidade, em permanente campanha para agregar discípulos. Com estilo populista, sabia reunir e prestigiar os aliados. Fazia parte de sua rotina um evento público diário, sempre às 11h, em palanque montado. Era hora de lançar uma obra, anunciar um projeto ou mesmo fiscalizar algum empreendimento em construção. Em um palco armado, com locutor e jingle, Roriz costumava fazer discursos. Passava recados, exaltava a equipe, citando um a um para uma plateia de admiradores e cabos eleitorais, e dava entrevistas com mensagens estratégicas.

Essa rotina se acentuou no último mandato como governador, entre 2003 e 2006, quando não podia concorrer à nova reeleição. Era a hora de escolher um sucessor. Cinco políticos disputavam essa posição: a então vice-governadora, Maria de Lourdes Abadia; o então secretário de Infraestrutura e Obras, Tadeu Filippelli; o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Maurício Corrêa; e dois parlamentares à época, José Roberto Arruda e Paulo Octávio. Ele deu sinais de prestígio a cada um. O suspense se manteve durante três anos.

Filippelli foi pego de surpresa. Convencido de que não seria o número um, apostava em ser ungido vice na chapa encabeçada por Abadia. Mas Maurício Corrêa foi anunciado para concorrer em seu lugar. Coube a ele se candidatar a novo mandato de deputado federal. Arruda e Paulo Octávio uniram-se em outra chapa. Candidato ao Senado naquela eleição de 2006, ele apoiava Abadia, mas fazia gestos em favor da chapa liderada por Arruda. Como contrapartida, o grupo deixou de lançar um nome forte para o Senado, e Roriz conquistou, sem muitos percalços, o mandato de senador.

Mas a vida no Senado foi curta, atropelada pela Operação Aquarela, uma investigação da Polícia Civil do DF e do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) no Banco de Brasília (BRB), que nasceu em seu próprio governo e se fortaleceu em 2007, sob a administração de Arruda. Conversas interceptadas no processo provocaram suspeitas que inviabilizaram a permanência no Senado. Nasceu, assim, o episódio batizado de Bezerra de Ouro.

Inelegível

Longe do poder, Roriz perdeu o PMDB para o discípulo Tadeu Filippelli. Para concorrer a novo mandato de governador, em 2010, Roriz precisou ingressar em outro partido, o nanico PSC. Disputaria a eleição contra o próprio afilhado, que entrou como vice na chapa dos antigos adversários petistas, liderada por Agnelo Queiroz. Tinha muita possibilidade de conquistar mais um mandato nas urnas. Mas aí veio a Lei da Ficha Limpa, que o tornou inelegível.

Ao contrário de políticos que viu surgir no DF, como Luiz Estevão, Benedito Domingos e José Roberto Arruda, Roriz nunca sofreu condenação em segunda instância nos tribunais. Mas a renúncia virou um impedimento legal para candidaturas. Foi assim que a ex-primeira-dama Weslian Roriz se arriscou na disputa eleitoral no lugar do marido. Seria uma sucessora leal, mas perdeu no segundo turno. Nunca tinha dado uma entrevista. Sucumbiu nos debates, pela falta de experiência.

Ao longo das últimas três décadas, possíveis herdeiros políticos de Roriz também se inviabilizaram na Justiça. Considerado um provável sucessor, o empresário Luiz Estevão teve o mandato cassado no Senado, foi condenado a 26 anos de prisão e cumpre pena no Complexo Penitenciário da Papuda. Suplente de Roriz, Gim Argello herdou o mandato em 2007 com a renúncia, tornou-se um parlamentar influente, mas não se reelegeu. Pior: foi condenado a 10 anos de prisão na Operação Lava-Jato, justamente por usar o mandato para cobrar propina de empreiteiros enrolados no escândalo da Lava-Jato.

Arruda também se perdeu no caminho. Eleito no primeiro turno ao governo em 2006 foi abatido politicamente pela Operação Caixa de Pandora. Condenado em segunda instância por improbidade administrativa, ele tornou-se inelegível.

Família

A aposta do clã Roriz agora é Joaquim Roriz Neto (Pros), candidato a deputado federal. Jaqueline e Liliane Roriz estão fora da política, também enquadradas na Lei da Ficha Limpa. Ambas sofreram condenações judiciais. A primogênita, Wesliane, nunca quis concorrer a mandatos. Cuida dos negócios da família.

Aos 26 anos, o jovem leva o nome famoso na política e vai se apresentar na urna como Joaquim Roriz. Mas ainda precisa vencer um longo caminho para se tornar uma liderança na cidade. Ele está sendo preparado para representar o espólio. Durante a fase final de internação do ex-governador, o filho de Jaqueline Roriz foi escolhido como o porta-voz. Divulgou notas oficiais e gravou vídeos pedindo orações.

Na atual disputa ao Palácio do Buriti, quatro candidatos surgiram do grupo rorizista. Ibaneis Rocha (MDB) usa o número 15 que marcou as campanhas de Roriz e está no partido de Filippelli. Alberto Fraga (DEM) também foi aliado de Roriz e tem ao seu lado Arruda, ex-chefe da Casa Civil e ex-secretário de Obras dos governos rorizistas.

Rogério Rosso (PSD) entrou na política como secretário de Desenvolvimento Econômico e administrador de Ceilândia em gestões do ex-governador. Eliana Pedrosa (Pros), por sua vez, é a candidata do clã. Mas nenhum deles é considerado herdeiro do estilo e do carisma de Roriz. Hoje, quando o ex-governador for enterrado na Ala dos Pioneiros do Cemitério Campo da Esperança morrerá um jeito próprio de fazer política, de encantar eleitores e desagradar muitos críticos, sempre mantendo a liderança.

Justiça proíbe autor de atentado a Bolsonaro de dar entrevistas

A Justiça Federal proibiu, nesta quinta (27), que Adélio Bispo de Oliveira, autor do atentado contra Jair Bolsonaro (PSL), dê entrevistas ao SBT e à revista Veja. O TRF-3 atendeu ao pedido do Ministério Público Federal.

Na decisão, o desembargador Nino Oliveira Toldo diz que a realização de matérias jornalísticas com presos que estão em estabelecimentos federais de segurança máxima “não se coadunam à própria razão de ser” desses locais.

“A questão não se refere à impossibilidade propriamente dita de preso conceder entrevista, mas à especificidade do caso concreto, em que ainda há investigação em curso, de suposta conduta inicialmente classificada como crime contra a segurança nacional, pois a vítima é candidato à presidência da República”, diz a decisão.

O desembargador diz que a dúvida em relação à integridade mental de Adélio Bispo de Oliveira também deve ser analisada. “Primeiro porque não se sabe se há ou não consentimento válido para a realização da reportagem e da entrevista, por parte de Adélio Bispo dos Santos, que, em tese, pode sofrer de distúrbio mental a macular seu discernimento e autodeterminação.”

“Depois, porque a ele é assegurado o direito ao silêncio e o que disser no curso de eventual entrevista poderá ser prejudicial à sua defesa, haja vista que as investigações ainda não foram concluídas.” Com informações da Folhapress. 

PF faz buscas em endereço de Marconi Perillo, ex-governador de Goiás

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira (28) uma operação de busca e apreensão em endereços que estão ligados ao ex-governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). As informações são do G1. 

A Operação, que foi batizada de Cash Delivery, já foi responsável pela prisão de Jayme Rincon, que atua na coordenação da campanha à reeleição do atual governador de Goiás, José Elinton (PSDB). A operação investiga repasses indevidos para agentes públicos em Goiás, com valores que podem chegar a mais de R$ 12 milhões.

De acordo com a reportagem, existem 14 mandados de busca e apreensão e cinco que são para prisão temporária – todos autorizados pela 11ª Vara de Justiça Federal em Goiás -, que devem ser cumpridos nas cidades de Aparecida de Goiânia, Pirenópolis e Aruanã, em Goiás, e em Campinas e São Paulo.

Perillo está concorrendo a uma vaga no Senado e, de acordo com  Ibope do dia 21 de setembro, tem 29% das intenções de voto. 

A reportagem tentou entrar em contato com a assessoria de imprensa do governador José Eliton e com membros da campanha. No entanto, não conseguiu resposta. 

O advogado do ex-governador Marconi Perillo, Antônio Carlos Almeida, conversou por telefone com o G1 e disse que não tomou conhecimento sobre a operação e está entrando em contato com o cliente. 

https://imagens4.ne10.uol.com.br/blogsne10/jamildo/uploads//2018/08/armando-monteiro-paulo-camara.jpg

Decisões proferidas ontem pelo Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) forçaram o governador Paulo Câmara (PSB) e o senador Armando Monteiro (PTB), que vinham endurecendo o tom um contra o outro nos seus respectivos guias eleitorais, a acalmar os ânimos na reta final da campanha rumo ao Palácio do Campo das Princesas. Além da obrigação de conceder direito de resposta ao adversário, os candidatos deverão pagar multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento da ordem judicial.

Armando esteve pessoalmente ontem no TRE para uma reunião com o presidente do órgão, desembargador Luiz Carlos Figueiredo. Ao lado do parlamentar, estava toda a sua chapa majoritária, composta pelos deputados federais Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB), postulantes ao Senado, e pelo vereador Fred Ferreira (PSC), candidato a vice-governador.

Armando pleiteava a proibição de inserções produzidas pela Frente Popular que relacionavam seu nome ao trabalho escravo. Uma dessas peças trazia um homem negro tendo as roupas de trabalho trocadas pelas vestes de um escravo enquanto um narrador dizia que Armando foi a favor da reforma trabalhista, votando, segundo ele, contra o trabalhador. 

Em sua decisão, o pleno do TRE disse “reconhecer a existência de mensagem inverídica (fake news)” e determinou a retirada do vídeo do ar. “Acordam os membros do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco, por unanimidade, julgar procedente em parte a representação e reconhecer a existência de mensagem inverídica (fake news) no tocante à divulgação de imagem de uma pessoa, sendo despida até ficar com roupas de escravo, em vinculação com o fato de o candidato ter sido a favor da reforma trabalhista, e por esta razão determinar a retirada do vídeo anexo à inicial do ar, e que vem sendo veiculado em inserções e que se abstenham de realizar as associações verificadas no referido vídeo”, diz trecho da determinação.

Outra decisão, desta vez tomada monocraticamente pela desembargadora Karina Albuquerque Aragão de Amorim, proíbe também a veiculação de outra inserção da Frente Popular, ligada ao mesmo tema. “Entendo que a expressão ‘votar contra o trabalhador’ faz parte do jogo de opiniões que devem existir no regime democrático. A questão, em análise na presente demanda, reside na veracidade da mensagem disseminada acerca da posição do candidato como favorável à supressão das férias dos trabalhadores, à colocação de gestantes em locais de trabalho que ofereçam riscos à gravidez e à remuneração dos trabalhadores em valor inferior ao salário-mínimo unicamente por ele ter sido a favor da reforma trabalhista”, argumentou a magistrada.

“A campanha do atual governador usou seu tempo, que deveria ser destinado à apresentação de propostas, para divulgar conteúdo falso, com a intenção de confundir a população. O Tribunal agiu de forma justa nesse caso, nos concedendo o merecido direito de responder”, pontuou o coordenador jurídico da coligação Pernambuco Vai Mudar, Walber Agra.

Advogado de Paulo Câmara, Carlos Neves disse que a Frente Popular vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para voltar a exibir a propaganda questionando Armando sobre o voto na reforma trabalhista. “Vamos pedir ao TSE a liberação do filme. A gente quer exibir de novo. Esse debate precisa ser colocado novamente”, disse.

De acordo com o advogado do PSB, a coligação entende que a discussão sobre a reforma trabalhista faz parte do debate político da campanha. “Se Armando Monteiro, senador, votou a favor dessa reforma trabalhista de Temer, nós entendemos que ela reduz conquistas sociais históricas e o direito do trabalhador. E nós achamos que isso é um assunto que tem que ser mostrado porque faz parte do debate político. Por outro lado, ele tenta impedir isso. Ele tenta vedar através de representações a discussão sobre um tema que importa na vida das pessoas”, argumentou.

Carlos Neves também discordou da interpretação de Armando de que a inserção associa o voto de Armando ao trabalho escravo. “A gente não viu isso, não quis vender isso na propaganda, não quis colocar esse debate, mas, sim, o debate que com essa reforma o trabalhador perde direitos que eram históricos”, justificou.

Da sua parte, Paulo Câmara também conquistou uma vitória na Justiça Eleitoral. O TRE determinou que a campanha do PTB suspenda as propagandas que citam operações da Polícia Federal que ocorreram durante os governos do PSB. Foi estipulada uma multa de R$ 100 mil se o filmete continuar sendo exibido na TV.

A campanha de Paulo Câmara também ganhou um minuto e dez segundos de direito de resposta no guia eleitoral desta noite e em inserções, além de inserções ao longo da programação.