Monthly Archives: agosto 2019

A Prefeitura Municipal de Serra Talhada informa que nesta quinta-feira (29) acontecerá a inauguração da nova Praça Sérgio Magalhães, a partir das 21h, logo após a Missa de abertura da 229ª Festa de Nossa Senhora da Penha, que acontece de 29 de agosto a 08 de setembro em Serra Talhada.

São aproximadamente 3.560 metros quadrados de área pavimentada e reformada na Praça Sérgio Magalhães, com orçamento de R$ 1 milhão. A nova praça conta com áreas de paisagismo, ornamentação com vegetações típicas da região, acessibilidade, iluminação com refletores, luminárias subaquáticas, luminárias em postes, obras de arte e ornamentação com pergolado metálico e esculturas, além do Espaço Rosa dos ventos e Espaço Molhado.

Após a inauguração da Praça Sérgio Magalhães terá início à programação do Polo Cultura Viva, com show do artista homenageado, Rui Grude, e participação especial dos Cabras de Lampião. A programação do Polo Cultura Viva tem a realização da Prefeitura Municipal de Serra Talhada, por meio da Fundação Cultural de Serra Talhada, com apoio do Sesc, Fundarpe, Secretaria de Cultura e Governo de Pernambuco.

SERVIÇOS

Inauguração da Praça Sérgio Magalhães / Abertura do Polo Cultura Viva

Data: 29 de Agosto de 2019

Horário: 21h

POLO CULTURA VIVA 2019

Quinta-feira (29)

Abertura com show do homenageado: Rui Grude

Participação do grupo Cabras de Lampião

Sexta-feira (30) Continue lendo

A educação profissional em Pernambuco é uma das bandeiras defendidas pelo deputado estadual Rogério Leão. Nesta quarta-feira (28), o parlamentar esteve na Escola Politécnica de Pernambuco – Poli/UPE a convite da instituição. Uma Emenda Parlamentar do deputado garantiu a reforma com refrigeração do Bloco B da Escola. 

“Sabemos o quanto é importante à estruturação da educação profissional de nosso Estado. A Poli tem um histórico de formação profissional que é referência não só para Pernambuco, mas também para o Nordeste e para o Brasil. Desta instituição saem profissionais qualificados para o mercado de trabalho e tenho muito orgulho de ter me formando engenheiro nesta escola”, disse Rogério Leão.

Uma placa para marcar a inauguração da reforma com refrigeração nas salas de aula foi descerrada pelo deputado Rogério Leão acompanhado do diretor prof. Roberto de Souza, do vice-diretor prof. Alexandre Duarte e do assessor de relações institucionais prof. Wilson Sotero. Rogério Leão falou da felicidade em ter estudado na Poli. “Uma das melhores fases de nossas vidas! Tenho lembranças de momentos felizes vividos nesta escola.”

A Emenda Parlamentar do deputado Rogério Leão, assegurou a compra dos equipamentos para refrigeração de salas de aulas no Bloco B e vai levar mais conforto no momento de estudos para os alunos da Escola Politécnica de Pernambuco – Poli/UPE.

https://ogimg.infoglobo.com.br/in/18584780-742-3b2/FT1086A/652/Limite-de-cigarro-no-audiovisual.png

Nesta quinta-feira (29) é o Dia Nacional de Combate ao Fumo. O hábito é extremamente prejudicial à saúde, afetando diversos órgãos e provocando lesões e doenças diversas. “O fumo pode provocar tumores de laringe, lesões nas cordas vocais e alterações no labirinto, paladar e olfato. Isso ocorre, dentre outros fatores, porque a fumaça quente e as toxinas do cigarro irritam e agridem as mucosas. O diagnóstico deve ser feito com base na avaliação dos exames de imagem: tomografia dos seis da faze, vídeo endoscopia naso sinusial, vídeo faringo laringoscopia e vídeo estrobolaringoscopia ”, relata o otorrinolaringologista Milton Souza Leão Junior, do Hospital de Olhos de Pernambuco (HOPE).

Já as consequências para o ouvido são percebidas a longo prazo, por isso a importância de um acompanhamento médico regular. “Muitos fumantes relatam zumbido, sobretudo os mais jovens, mas esse não é um sintoma universal. Exames como audiometria são fundamentais para um diagnóstico preciso”, reforça o médico.      

Além das vias respiratórias, o fumo também afeta a saúde dos olhos. “Essa é uma das causas do aparecimento ou agravo de diversas doenças oculares, como a catarata”, conta a oftalmologista Bruna Ventura, também da equipe do HOPE. Estudos apontam que o tabagismo aumenta o risco de desenvolver catarata e degeneração macular relacionada à idade – as duas doenças que mais causam cegueira no mundo e que podem ser tratadas. “O fumo também pode agravar a Síndrome do Olho Seco, além de provocar alergias oculares e causar desconforto”, completa.   

Combate 

O Dia Nacional de Combate ao Fumo foi instituído com o objetivo de reforçar as ações nacionais de sensibilização e mobilização da população para os danos sociais, políticos, econômicos e ambientais causados pelo tabaco. Vale salientar que o hábito faz mal a todo o corpo, além de prejudicar, também, os fumantes passivos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o hábito de fumar é a principal causa de mortes evitáveis no mundo e o fumo passivo é a terceira maior causa.

Após céu muito nublado com pancadas de chuvas no fim da tarde desta quarta-feira (28), na Região Metropolitana do Recife, a Agência Pernambucana de Águas e Climas divulgou a previsão do tempo para todo o Estado, onde não deve chover em nenhuma região.

Nesta quinta-feira (29), na RMR, a tendência é de tempo Parcialmente nublado sem chuva com temperatura máxima de 29°C e mínima de 19°C. A Apac também informa mesma previsão pras áreas da Zona da Mata Norte e Sul, onde a máxima é de 31°C e 29°C, respectivamente.

O Sertão de Pernambuco registra a temperatura mais quente do Estado com 33°C.

Confira a previsão completa:

Região Metropolitana

Parcialmente nublado sem chuva ao longo do dia.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 29º Mínima: 19º

Mata Norte

Parcialmente nublado sem chuva ao longo do dia.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 31º Mínima: 20º

Mata Sul

Parcialmente nublado sem chuva ao longo do dia.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 29º Mínima: 20º

Agreste

Parcialmente nublado sem chuva ao longo do dia.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 28º Mínima: 16º

Sertão de Pernambuco

Parcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 33º Mínima: 16º

Sertão de São Francisco

Parcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura(ºC): Estável
Máxima: 32º Mínima: 18º

O governo federal decidiu proibir, por meio de decreto, por 60 dias a permissão para queimadas em todo o território nacional. A medida será publicada na manhã de quinta-feira (29) no Diário Oficial da União. A possibilidade da proibição havia sido mencionada pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na segunda-feira (26), em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura. Atualmente, o Código Florestal permite queimadas apenas casos específicos, desde que autorizados por órgão ambiental.

Segundo o Planalto, a suspensão não se aplica em casos de controle fitossanitário, se autorizados por órgão ambiental, para práticas de prevenção e combate a incêndios e para agricultura de subsistência feita pelas populações tradicionais e indígenas.

“Cuida-se de medida excepcional e temporária, com o objetivo de proteção ao meio ambiente”, informou.

A medida foi anunciada em meio à crise ambiental devido às queimadas na Amazônia. Dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) divulgados revelaram que as queimadas no Brasil registradas de janeiro a 18 de agosto de 2019 tiveram aumento de 82% em relação ao mesmo período do ano passado.

O órgão registrou 71.497 focos de queimadas até 18 de agosto deste ano, contra 39.194 no ano anterior. É o maior número registrado desde 2013, início da série histórica. O recorde anterior foi em 2016, quando foram registrados 66.622 focos.

Em prol da Amazônia, na última sexta-feira (23), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu e o Supremo Tribunal Federal deve autorizar o uso de R$ 1 bilhão recuperado pela Lava Jato em ações relacionadas ao meio ambiente – sobretudo nas ações de combate a incêndios.

Nessa terça-feira (27), a AGU (Advocacia Geral da União) também sugeriu que o STF destine R$ 500 milhões do fundo da Lava Jato para ações de preservação da Amazônia. Ao todo, o fundo soma R$ 2,5 bilhões referentes à multa paga pela Petrobras nos Estados Unidos e repatriados por ação da força-tarefa.

Paulinho da Força

Sem ambiente político para elevar em R$ 2 bilhões o dinheiro para campanhas eleitorais no ano que vem, líderes de bancadas na Câmara preparam um “plano B”, que inclui um aumento menor no chamado fundo eleitoral – usado para financiar as candidaturas – e regras mais brandas para uso de recursos públicos pelos partidos. A previsão é de que as legendas tenham de R$ 2 bilhões a R$ 2,5 bilhões para as disputas municipais, valor maior que o R$ 1,7 bilhão destinado em 2018.

A articulação está sendo conduzida pelo presidente do Solidariedade, Paulinho da Força (SP), e já recebeu o aval de líderes de outras siglas do chamado Centrão – bloco informal formado ainda pelo PP, PL, Republicanos (ex-PRB) e DEM – e do PT. Juntos, eles formam maioria na Câmara. Num almoço, ontem, na residência oficial, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acertou os principais pontos da proposta.

Durante a negociação da Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO), o deputado Cacá Leão (PP-BA) anunciou a retirada da proposta de aumento do fundo. O recuo foi motivado pela reação das redes sociais e também por crítica do presidente Jair Bolsonaro a Maia.

O presidente da Câmara pediu ao governo o uso de um fundo com recursos recuperados da Lava Jato para ajudar no combate às queimadas na Amazônia. Bolsonaro rebateu afirmando que, se o deputado estivesse tão preocupado com a preservação ambiental, que utilizasse recursos do fundo eleitoral. 

Tanto parlamentares do Centrão quanto do PT não descartam elevar o valor destinado ao fundo, mas admitem, reservadamente, que a manobra está mais difícil agora. De acordo com Paulinho, o acordo já tem maioria da Casa.

“Não temos acordo na redistribuição do fundo eleitoral. Nós queremos travar a possibilidade de virar um balcão de negócios. Queremos que o fundo eleitoral seja distribuído baseado na proporção de deputados e senadores de cada partido de acordo com a última eleição”, disse. Continue lendo

Os ministros Dias Toffoli e Luiz Fux Foto: Jorge William/Agência O Globo/25-09-2018

No início, eram sorrisos, encontros frequentes, declarações públicas previamente combinadas. Um ano depois, a relação afável entre o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli , e seu vice, Luiz Fux , ganhou clima de fim de caso. Os dois quase não se falam hoje. Os encontros são bissextos. A interlocutores, Fux tem reclamado que o colega não o procura mais para falar dos assuntos da Corte. Ao contrário do discurso de setembro do ano passado, quando assumiu o comando do tribunal, Toffoli tem preferido tomar decisões importantes sem ouvir a opinião do vice.

Como acontece em outras relações, Fux foi substituído. Desde abril, quando Toffoli decidiu abrir o polêmico inquérito para investigar fake news e ataques a ministros do tribunal, Toffoli mudou de par. Procurou o ministro Alexandre de Moraes para relatar as investigações e fez dele seu fiel escudeiro. O inquérito foi um marco ainda maior na ruptura entre Toffoli e Fux porque o vice-presidente do tribunal viu com alguma ressalva a abertura das investigações de modo pouco usual, sem que a Procuradoria-Geral da República (PGR) tivesse sido previamente consultada.

Em agosto de 2018, a relação era outra. A um mês de assumir a liderança do STF, Toffoli e Fux foram juntos ao Palácio do Planalto para conversar com o então presidente Michel Temer – ou melhor, para passar o pires. Em troca da concessão do reajuste de 16,38% nos salários de juízes de todo o país, propuseram a extinção do auxílio-moradia. Deu certo. A partir de 2019, o salário dos ministros do STF foi catapultado para R$ 39,3 mil. Era o início de uma parceria promissora.

Toffoli e Fux estão em times opostos nos julgamentos penais. Toffoli é do grupo “garantista”, mais preocupado com os direitos dos réus. Fux vota pela prisão antecipada dos condenados, em nome do combate à impunidade. O grupo de Fux é chamado pejorativamente pelo outro time de “iluministas”, por defenderem um Judiciário mais ativo. Continue lendo

Preso atrás das grades Foto: Agência O Globo

Época

Homens, negros, jovens, com educação incompleta e sem renda fixa. Esse é o perfil dos presos brasileiros que passam por audiências de custódia, segundo o levantamento “O Fim da Liberdade”, produzido pelo IDDD, Instituto de Defesa do Direito de Defesa, e divulgado nesta quinta-feira (29).

Com a terceira maior população prisional do mundo — são 750 mil pessoas —, mais de 33% dos presos brasileiros não têm condenação definitiva e ainda aguardam o julgamento privados de liberdade. As audiências de custódia asseguram que qualquer um seja levado imediatamente a um juiz que poderá decidir sobre o direito de aguardar o julgamento em liberdade. Elas também ajudam a constatar se a prisão não transcorreu com uso de violência física, tortura, tratamento cruel, desumano ou degradante.

A pesquisa do IDDD analisou 2.774 casos que passaram pelas audiências de custódia em 13 cidades de nove estados. Desse total, mais de 90% são homens jovens, com idade entre 18 e 29 anos. A educação incompleta também integra o perfil dos que mais passam por esse processo: 34,82% das pessoas custodiadas não concluíram o Ensino Fundamental e 37,6% afirmaram não ter uma renda fixa. Sobre raça, negros são 64,1% — nas cidades pesquisadas, 47,1% da população é formada por negros, segundo dados do IBGE.

Diante dos dados, o instituto concluiu em seu relatório que o sistema de justiça brasileiro trabalha com “alvos” certos, e que as políticas penais, da maneira que foram concebidas e são colocadas em prática, “criminalizam a pobreza e encarceram a maioria negra de periferias”. “Esses dados reforçam a importância de repensar o sistema de Justiça criminal à luz dos debates sobre racismo estrutural, que informam sobre os filtros subjetivos que orientam a tomada de decisão tanto dos agentes de segurança responsáveis pelas prisões em flagrante, quanto dos magistrados e promotores”, constata a pesquisa.

O levantamento também conclui que avanços considerados pontuais pelo IDDD, como a realização de plantões e a expansão para mais cidades pelo país, ainda não se traduziram na redução do encarceramento e na efetividade da justiça. “Para a clientela preferencial do sistema de Justiça penal, o direito à liberdade irrestrita acabou. Em capitais como São Paulo, nenhuma liberdade sem medida cautelar foi concedida ao longo de todo o monitoramento. Esse dado é alarmante”, diz o instituto.

Sessão da 2ª turma do STF nesta terça-feira, 27.

Quando a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal anulou pela primeira vez uma sentença do ex-juiz Sergio Moro na Lava Jato, na terça-feira, a corte selou de vez o inferno astral que vive a operação. Já afetada pelos vazamentos obtidos pelo The Intercept, a força-tarefa de procuradores Lava Jato de Curitiba agora está à espera da repercussão jurídica do caso que deixou sem efeito a condenação de Aldemir Bendine, ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras. Por 3 votos a 1, o colegiado de ministros considerou que houve prejuízo ao direito de defesa de Bendine. A anulação ocorreu a partir de um pedido da defesa, afirmando que suas alegações finais foram apresentadas no mesmo prazo concedido a delatores que eram réus. A decisão provocou forte reação de Curitiba, que disse que o Supremo criou um precedente capaz de anular 32 sentenças da operação, com efeito potencial sobre até 143 réus. De acordo com o advogado de Bendine e outros juristas, no entanto, não há efeito cascata imediato na decisão do Supremo.

Enquanto réus, a força-tarefa e o mundo jurídico ainda discutiam o alcance da decisão sobre Bendine, um novo capítulo da questão era anunciado. Nesta quarta-feira (28), o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, decidiu levar ao plenário da corte a discussão sobre o direito de réu de ser ouvido após o também réu que o delatou. Fachin analisava o caso envolvendo o ex-gerente da Petrobras Márcio de Almeida Ferreira, que também pede anulação da sentença. Desta forma, os 11 ministros da mais alta corte brasileira, e não apenas a Segunda Turma, terá que julgar a questão para, segundo Fachin, “angariar segurança jurídica e estabilidade jurisprudencial”.

Seja como for, a força-tarefa de Curitiba acusou o golpe. Manifestou, ainda na terça, “imensa preocupação” em relação à decisão do Supremo sobre Bendine. “Se o entendimento for aplicado nos demais casos da operação Lava Jato, poderá anular praticamente todas as condenações, com a consequente prescrição de vários crimes e libertação de réus presos” afirmaram os procuradores. O MPF do Paraná também disse ter “confiança de que o Supremo Tribunal Federal reavaliará esse tema, modulando os efeitos da decisão”. Na quarta, a força-tarefa detalhou: “poderão ser anuladas 32 sentenças, envolvendo 143 dentre 162 réus condenados pela operação Lava Jato”. “Não houve tempo para precisar quantos seriam beneficiados, contudo, se o entendimento for restringido para réus que expressamente pediram para apresentar alegações finais em momento subsequente àquele dos colaboradores. Esta última análise está sendo realizada”, completaram. Continue lendo

O presidente do Senado e do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP), resolveu adiar a sessão em que os senadores analisariam a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 98 de 2019, que determina a divisão dos recursos do megaleilão do pré-sal com Estados e municípios. A rodada do certame está marcada para 6 de novembro.

A decisão foi tomada por causa da falta de acordo para acelerar a votação de propostas de responsabilidade do Congresso, reunido nesta quarta-feira (28).

“Gostaria que a Secretaria Geral da Mesa do Senado Federal e da Câmara dos Deputados… Que o Congresso Nacional utilizará o Plenário da Câmara para a manutenção da sessão do Congresso Nacional e que a Secretaria-Geral da Mesa do Senado Federal informasse aos Senadores que nós não teremos sessão deliberativa hoje no Plenário do Senado Federal. Nós ficaremos na sessão do Congresso Nacional”, anunciou em plenário.

O projeto da cessão onerosa, que divide os recursos do megaleilão, foi aprovado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado nesta manhã. A relatoria ficou para o senador Cid Gomes (PDT-CE).

O texto autoriza o pagamento de US$ 9,1 bilhões à Petrobras pela revisão do contrato da cessão onerosa. O acordo, assinado em 2010, permitiu que a estatal explorasse 5 bilhões de barris de petróleo em 6 blocos na Bacia de Santos no pré-sal sem licitação. Em troca, a empresa pagou R$ 74,8 bilhões.

Ainda não se sabe ao certo quando a votação da PEC será retomada pelos senadores, já que a partir de quinta-feira (29), o quórum da Casa diminui tradicionalmente porque os congressistas retornam aos seus Estados. A expectativa é que a análise da proposta fique para a próxima terça-feira (03).

Para Gomes, se não puder ser votado ainda nesta quarta-feira (28) por conta do Congresso, a votação deve ficar para a 1ª sessão de senadores da semana que vem. Este atraso, segundo ele, não seria um grande impacto no projeto.

“Eu imagino que será na 1ª sessão do Senado, ele [Alcolumbre] acabou de dizer isso agora. Que o desejo era terminar a sessão do Congresso para que o Senado pudesse deliberar a sua pauta, e na pauta o principal item é a cessão dos recursos do pré-sal para os Estados e Municípios”, explicou. Continue lendo

Ex-ministro Guido Mantega

Em decisão nesta quarta-feira (28), o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a colocação de tornozeleira eletrônica no ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. O uso de tornozeleira havia sido determinado pelo juiz Luiz Antonio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Mendes afirmou que notou “plausibilidade jurídica” em pedido da defesa de Mantega, que alegou que o ex-ministro, por ser figura pública, poderia sofrer constrangimento e risco de hostilização com o artefato.

A decisão do ministro do STF veta o uso de tornozeleira até que seja decidido se o caso será transferido para a Justiça do Distrito Federal, como pede a defesa de Mantega. A ação penal atualmente tramita no Paraná.

Na última quarta-feira, Mantega foi um dos alvos de uma operação da Lava Jato que investiga a denúncia de que ele, quando ministro, recebeu propinas em troca da edição de medidas provisórias para beneficiar o grupo Odebrecht.

Foram presos Maurício Ferro, ex-vice-presidente Jurídico da Odebrecht e cunhado de Marcelo Odebrecht. Outro investigado, o advogado Nilton Serson, teve prisão decretada, mas estava nos Estados Unidos. Na última quarta-feira, Bonat decidiu mandar colocar tornozeleira em Mantega diante do pedido de prisão feito pelo Ministério Público Federal.

Começou nesta quarta-feira (28) e segue até a sexta-feira (30) em Afogados da Ingazeira, a 3ª Feira de Ciências e Inovação, realizada pelo IFPE – campus Afogados em parceria com a Prefeitura Municipal.

O evento conta o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), no qual a proposta dos professores Luís Gomes e Denise Josino foi contemplada com recursos e executada em parceria com a Prefeitura. Tendo como tema este ano “Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”, uma coleção de 17 metas globais estabelecidas pela Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU).

A Feira tem também como objetivo divulgar e popularizar a ciência e a inovação no município, por meio da exposição de diversos trabalhos de estudantes do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental.

Ontem (28) e hoje (29), a partir das 17 horas, esses estudantes estarão expondo suas produções na Praça Alfredo de Arruda Câmara, no centro da cidade. Na sexta-feira (30), às 19 horas, acontecerá o encerramento, com a premiação dos projetos por categoria, os quais serão selecionados durante o evento por meio de avaliadores.

A Petrobras comunicou a seus clientes nesta terça-feira (27) aumento de 3,5% no preço da gasolina em suas refinarias. A alta acompanha a elevação do petróleo e do dólar, que vem subindo nos últimos dias em função da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

Foi o terceiro ajuste no preço do combustível em agosto. No dia 16, o valor de venda pelas refinaria da estatal foi reduzido em quase 6%, ou R$ 0,10 por litro. No primeiro dia do mês, houve aumento de 4%. Entre o último reajuste e esta terça, o dólar subiu 3,5% em relação ao real e o preço do petróleo teve alta de 2,3%. A companhia ainda não atualizou seu site com os novos valores.

Segundo comunicado aos clientes, o reajuste anunciado ontem equivale a R$ 0,0561 por litro e entrou em vigor hoje, (quarta-feira, 28). O repasse às bombas, porém, depende de políticas comerciais de postos e distribuidoras. O valor de venda pelas refinarias equivale a 30% do preço de bomba -o restante são impostos, margens e etanol.

Desde 2017, a Petrobras vem acompanhando as cotações internacionais dos combustíveis, em maior ou menor grau. A política foi bastante criticada em 2018, quando a escalada do preço do petróleo levou a sucessivos reajustes do diesel, culminando com a greve dos caminhoneiros que paralisou o país por duas semanas. O preço do diesel não foi alterado. A última modificação foi feita no dia 1º de agosto.

Segundo a Petrobras, os preços da gasolina e do diesel vendidos às distribuidoras têm como base a paridade de importação, formada pelas cotações internacionais mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo, além de uma margem que cobre os riscos.

Sede do Parque Nacional do Catimbau, o município de Buíque recebeu o certificado do Ministério do Turismo (Mintur), de que integra o novo Mapa do Turismo Brasileiro 2019-2021, ao lado de outras 2.694 cidades de 333 regiões turísticas do país que foram validadas pela Pasta e incluídas na atualização da plataforma. O Mintur também reconheceu o Conselho Municipal de Turismo de Buíque. As duas boas novas foram comemoradas pelo prefeito Arquimedes Valença (MDB) em suas redes sociais.

Segundo o secretário de Turismo Esildo Barros, a conquista deve-se ao trabalho de reorganização dos equipamentos e estruturas de governança ligadas ao setor de turismo no município realizado pelo prefeito Arquimedes nos últimos dois anos e meio. “Recebemos essa notícia com alegria e reconhecimento ao trabalho que estamos desenvolvendo, ao mesmo tempo em que temos ainda mais responsabilidades para fomentar e fazer crescer o setor turístico em nosso município”, disse o secretário.

Neste ano, os estados e municípios contaram com novos critérios, compromissos e recomendações estabelecidas pelo Ministério do Turismo, entre elas a obrigação de participação em instância de governança e em Conselho Municipal de Turismo (COMTUR).

Entre os benefícios do Mapa do Turismo estão a categorização dos municípios turísticos, que vai de “A” a “E”. Essa classificação é um instrumento de acompanhamento do desempenho das economias turísticas locais. Além disso, ele subsidia a priorização de investimentos por programas do Ministério do Turismo, incluindo ações de infraestrutura turística, qualificação profissional e promoção dos destinos, observando características peculiares de demanda e vocação turística.

Além da necessidade de o município ter um órgão de turismo em atividade e conselho municipal funcionando, o novo mapa adotou outros critérios obrigatórios para a participação na plataforma: orçamento próprio destinado ao turismo e possuir prestadores de serviços turísticos de cadastro obrigatório registrados no Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos (Cadastur), do Ministério do Turismo.  Continue lendo

Bolsonaro parece ser um alienado no tema

Jair Bolsonaro surpreendeu hoje a tarde, ao lado do presidente do Chile, Sebastian Piñera, ao dar uma entrevista e se autodefinir como “de centro-direita”.

Talvez seja o caso de perguntar a Bolsonaro exemplos de políticos que ele considera de direita e de extrema-direita.

Mas também é ilustrativo recorrer ao filho Carlos Bolsonaro que, imagina-se, concorda com o pai em tudo o que diz respeito a posicionamento ideológico.

Em 16 de dezembro de 2017, o 02 tuitou:

— Centro esquerda e centro direita são mais uma das invenções para se criar a tal extrema-direita e tentar assustar a população como se fosse algo radical. Resumo: é direita e esquerda e ponto final. O resto é desinformação para apoiar o sistema.