Um dos motivos do declínio dos Correios, que já foram à instituição mais respeitada do Brasil, é a radicalização do impressionante número de sindicatos, um mais radical que o outro.

Atualmente, são 36 entidades pretendendo “liderar” quase 100 mil funcionários. Empenhada em manter regalias, a pelegada agora é questionada pelos funcionários convencidos do erro promover greve em plena pandemia.

Poucas greves apontaram de modo tão eloquente a privatização da estatal como solução definitiva. De 5 a 9 empregados são liberados do trabalho para ficar à disposição de cada um dos sindicatos e 11 para cada uma das duas federações.

Todos os liberados mantêm, além dos salários e assistência médica, os vales Alimentação e Refeição, vale-peru e vale-cultura. Sem nem corar.

Além das regalias, o acordo coletivo obriga viabilização de cooperativa habitacional, palestras e cursos, além de reembolso de gasto com babá. A informação é do Diário do Poder.