Pedro Araújo

As informações que informam as verdades dos fatos, sem ferir ou denegrir pessoas ou imagens. Como também, nunca procurando agradar aos maus feitores.

https://blogdopoliglota.com.br/wp-content/uploads/2018/01/Nota-de-Esclareciemnto.jpeg

Em decorrência do cancelamento do show do cantor Wallas Arrais, a Prefeitura de Afogados da Ingazeira informa que:

  1. É norma da Prefeitura Municipal contratar apenas artistas que tenham, no máximo, um show por noite, e em local e horário que assegurem o tempo necessário para o deslocamento do mesmo de forma a assegurar que seja honrado o seu compromisso em nossa cidade e a realização integral do show para o qual foi contratado;
  2. Quando assinou contrato para tocar na Expoagro, Wallas Arrais tinha apenas mais um show, em Água Branca, na Paraíba. Após o contrato assinado, o mesmo fechou contrato para outro show, dessa vez em Campina Grande.  
  3. O resultado foi um atraso significativo para a realização do seu show em Afogados da Ingazeira. Mesmo com a Banda Flor de Mandacaru, de forma profissional e parceira, tendo alongado o tempo do seu show em cerca de 50 minutos. Ainda assim, Wallas Arrais chegou faltando pouco mais de vinte minutos para o tempo estipulado pela PM, e de acordo com a lei, para o término dos shows da nossa Expoagro. Não faria sentido, tendo em vista o tempo que seria gasto com a montagem da banda, pagar por apenas 10 minutos de show. Não restou outra saída senão cancelar o show que seria realizado pelo cantor Wallas Arrais.
  4. A Prefeitura pede desculpas a todos os afogadenses pelo dissabor, a todos os que se dirigiram para o centro desportivo e esperaram por Wallas Arrais, e informa que não pagará por um show que não foi realizado. O pagamento da primeira parcela do cachê seria efetuado na próxima segunda-feira. A informação repassada pelo Secretário de Finanças de Afogados, Ney Quidute, é que esse e os demais pagamentos previstos para o cantor foram expressamente cancelados. No mais, convidamos a todos para prestigiarem a última noite de shows, com Geraldo Azevedo, Limão com Mel, Artistas Afogadenses, e Eduardo Costa, a grande atração da XIV Expoagro.

Acompanhando do prefeito José Patriota  (PSB) o deputado federal Jarbas Vasconcelos  (MDB) participou  na noite da sexta-feira, da festividades da celebração pelos 109 anos de emancipação política de Afogados da Ingazeira, Sertão pernambucano. Na ocasião foi inaugurada a nova  Unidade Básica de Saúde no bairro do Sobreira, que irá atender também aos moradores do São Cristóvão e Residencial Dom Francisco.

A unidade, que será a maior de Afogados, conta com recepção, salas para atendimento médico, acolhimento, vacina, atendimento odontológico, farmácia entre outros serviços na área de saúde.

Os recursos para a construção foram oriundos de emenda do deputado, no valor de R$ 400 mil. A prefeitura entrou com R$ 150 mil em recursos próprios. Serão atendidas mais de 2 mil  pessoas na nova unidade. “É motivo de muito orgulho e felicidade pra mim acompanhar de perto esse momento. Investir em Afogados é investir também em toda a região, já que a cidade é um polo no Sertão pernambucano”, disse Jarbas Vasconcelos.

Arcoverde

Ainda na noite de ontem, o deputado seguiu para a cidade de Arcoverde, onde ao lado do vice-governador e presidente estadual do PMDB, Raul Henry, participou do encerramento dos festejos juninos ao lado da prefeita Madalena Brito (PSB). Na manhã deste sábado (30), acompanhando do vice-prefeito de Arcoverde, Wellington Pereira de Araújo, Jarbas e Raul circularam pelo centro da cidade. É lá que está em construção o Centro de Gastronomia e Artesanato Antônio Lins Alves, que com a ajuda de emenda parlamentar  de Jarbas deverá ficar pronto até o final do ano. O espaço contará com 23 boxes para comercialização do artesanato local.

Pesqueira

Já na cidade de Pesqueira, também neste sábado, o deputado pernambucano participou de uma ampla reunião com a prefeita Maria José (PRP), o vice-prefeito, Luca Peixoto (MDB), além de vereadores e secretários municipais. A agenda de Jarbas e Raul segue movimentada até este domingo, quando voltam ao Recife. As informações são de Edmar Lyra.

O jornal Correio Brasiliense escreveu nesta semana que o acerto entre o PSB e Ciro Gomes (PDT) era fato consumado e iria ser anunciado em até 15 dias. Caso isto aconteça, o partido de Eduardo Campos teria que abandonar o PT pela estrada.

Pessoas ligadas ao partido em Pernambuco contam que, na verdade, a escolha final sobre quem apoiar nacionalmente não está decidida e será lastreada por uma pesquisa de opinião nacional que o partido fará nos próximos dias. Com dados qualitativos e quantitativos, consultando os eleitores e não apenas os partidários.

Os governadores com mandato, como Paulo Câmara e o paraibano Raimundo Pimentel, tendem a ter mais interesse no uso da franquia Lula, mesmo estando ele encarcerado.

Não se sabe ao certo se era uma resposta, um recado, mas no mesmo dia em que Ciro Gomes visitava as redações locais, o governador Paulo Câmara fazia foto com o comando do PC do B de Luciana Santos. Ciro acha que o PSB é quem puxa a corda dos caranguejos e o PC do B viria logo trás.

“Mais uma boa troca de ideias sobre o contexto político na quinta-feira (28), em Recife”, limitou-se a comentar o PC do B.

Na foto, Luciana Santos, presidente nacional do PCdoB; Carlos Siqueira, presidente nacional do PSB, o governador Paulo Câmara e Renildo Calheiros, da direção do PCdoB.

ctv-npx-solar

O empresário Luiz Figueiredo usou 1.150 painéis solares para cobrir o lago de sua fazenda e gerar a própria energia. O consultor Carlos Tabacow instalou 18 placas no teto de sua casa e ficou livre da conta de luz. No Rio, uma escola cobriu o telhado com 50 painéis e agora produz metade da energia que consome. Iniciativas como essas começaram a se espalhar pelo País e têm garantido uma escalada dos projetos de microgeração de energia solar no Brasil. 

Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostram que, de junho de 2013 para cá, o número de conexões de microgeração de energia subiu de 23 para 30.900 – sendo 99% desse montante de energia solar. Mais de dois terços das ligações foram feitas por consumidores residenciais. Eles veem nos painéis solares uma saída para ficarem menos vulneráveis ao encarecimento da energia elétrica no Brasil, cujo custo tem subido bem acima da inflação.

A exemplo do que ocorreu com a energia eólica, as “microusinas” solares só ficaram acessíveis a uma parte da população, com o barateamento dos equipamentos, quase todos importados. Hoje, para instalar um sistema solar numa residência média, o consumidor vai gastar cerca de R$ 20 mil. Ainda não é um custo que esteja ao alcance da maioria dos brasileiros, mas os prognósticos para o futuro são positivos.

Apesar da alta do dólar, que tem reflexo direto no custo dos projetos, mudanças nas diretrizes e políticas de alguns países, que estão reduzindo os subsídios à fonte solar, começam a derrubar o preço dos equipamentos, afirma o presidente da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Sauaia. Essas alterações vão elevar os estoques no mundo e o Brasil pode se beneficiar do movimento.

Mas, independentemente do atual momento conjuntural, as previsões para a energia solar no Brasil são promissoras por outros fatores. Recentemente, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deu um empurrão no setor ao decidir financiar pessoas físicas interessadas em microgeração de energia solar. O empréstimo tem taxas que variam de 4,03% e 4,55% ao ano, prazo de carência de 3 a 24 meses e 12 anos para pagar. “É uma linha que representa um marco histórico para o setor”, diz Sauaia.

Clima

Do ponto de vista climático, as condições também são favoráveis, uma vez que a irradiação solar no País é ideal para a produção elétrica. Essa vantagem aliada ao fato de que no futuro os consumidores estarão cada vez mais aptos a gerar a própria energia tem provocado uma corrida das empresas para conquistar um pedaço desse mercado, que ainda engatinha no País.

De olho nesse filão, as distribuidoras de energia, que hoje fazem a intermediação entre geradores e consumidores, decidiram criar novas empresas com foco na microgeração pegando carona no sucesso de companhias independentes que vinham surfando nessas ondas sozinhas. 

No ano passado, a CPFL Energia criou a marca Envo, para trabalhar o varejo. Por enquanto, a prioridade está nos arredores de Campinas, principal área de concessão do grupo. Só no primeiro ano de atuação, a companhia já atendeu 365 clientes. “São consumidores com perfis diferentes. Temos aposentados de olho na redução da conta de luz e pessoas mais jovens que defendem um papel mais sustentável da sociedade”, afirma a vice-presidente de Operações de Mercado do grupo, Karin Luchesi. 

Outro grupo que aposta no avanço desse mercado é a francesa Engie, dona da ex-Tractebel (distribuidora de Santa Catarina). A companhia comprou uma empresa de projetos e instalação de sistemas solares em 2016 e desde então o negócio não para de crescer. 

Em 2013, a empresa fez 200 sistemas; neste ano, cerca de 1.900, afirma o diretor de soluções da Engie, Leonardo Serpa. “O modelo de geração vem passando por grande transformação no mundo, agora com foco maior na geração distribuída (microgeração) e não mais na centralizada (grandes projetos)”.

Jorge William

Das 500 páginas do primeiro dos dois volumes do livro de memórias de José Dirceu, que será lançado em agosto pela Geração Editorial, algumas são reservadas para descrever suas várias decepções com Lula.

A primeira, que ele qualifica de grave, deu-se no dia em que Lula venceu a eleição de 2002. Dirceu conta que estava tudo combinado para que ele fizesse o discurso da vitória na Avenida Paulista. Só que Lula tinha outros planos.

Escalou José Genoíno para a tarefa. Já no palanque, Dirceu soube por um assessor que fora rifado. Quis se retirar. Mas, soldado fiel, cumpriu a ordem de Lula calado e sem se rebelar.

O que, aliás, faz até hoje.

Poder360

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi o pré-candidato à Presidência mais pesquisado pelos brasileiros no Google nos seis primeiros meses do ano eleitoral. Em seguida, estão Jair Bolsonaro (PSL), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede).

Os dados são de levantamento do Poder360 feito por meio da plataforma Google Trends, que mostra os termos mais pesquisados no Google. Foram comparados de 1º de janeiro a 25 de junho o nível de popularidade dos 5 pré-candidatos mais bem colocados em pesquisas eleitorais.

A média de interesse de buscas por Lula durante o período foi de 5 e de Jair Bolsonaro foi de 1. A busca pelos outros pré-candidatos representaram um valor médio menor que 1. Devido a isso, o Google Trends não apresenta a média deles.

O nível médio de popularidade de busca varia de 0 a 100. Um valor de 100 representa o pico de popularidade de um termo. Um valor de 50 significa que o termo teve metade da popularidade. Uma pontuação de 0 significa que não havia dados suficientes sobre o termo.

A busca por Lula durante os seis meses teve 5 picos de alta popularidade. Um foi em 24 de janeiro, com popularidade equivalente a 80, quando o TRF-4 manteve a condenação do ex-presidente no caso tríplex do Guarujá e ainda aumentou a pena do petista de 9 anos e 6 meses de prisão para 12 anos e 1 mês.

O 2º foi em 4 de abril, 1 dia antes do julgamento do habeas corpus de Lula pelo STF (Supremo Tribunal Federal). O nível de popularidade saltou de 4, no dia anterior, para 43. A partir disso, apresentou um crescimento acentuado. No dia 5, houve um alcance de 71, quando a Corte negou o pedido e Sérgio Moro decretou a prisão de Lula.

Em meio à expectativa da prisão do ex-presidente, no dia 6, a popularidade das buscas foi a 81, alcançando nível máximo (100) no dia 7 de abril, quando Lula foi preso e encaminhado à superintendência da PF (Polícia Federal), em Curitiba. Posteriormente, o nível foi caindo, chegando a 7, em 11 de abril.

Jair Bolsonaro teve 4 picos de popularidade. Comparando com os outros pré-candidatos, em 28 de março, Bolsonaro alcançou o nível 2 de popularidade. Neste dia, o ator Alexandre Frota publicou um vídeo em seu Twitter em que o pré-candidato brincou que o escolheria como ministro da Cultura se fosse eleito.

Outro pico foi no dia da prisão de Lula, 7 de abril. O índice de popularidade do ex-capitão do Exército chegou a 3. Houve um aumento repentino de busca sobre “partido de Bolsonaro” e 40% das consultas utilizaram o termo “projetos de Bolsonaro”.

Em 13 de abril, as buscas pelo ex-capitão chegou ao nível 2. No dia, a PGR (Procuradoria Geral da República) apresentou uma denúncia contra ele ao STF. O deputado foi acusado de racismo. No dia seguinte, 14 de abril, o nível aumentou para 3, devido à repercussão da denúncia. Sem compará-lo com os outros pré-candidatos, seu nível foi de 50 e 100 nos 2 períodos, respectivamente.

Outro pico foi em 29 de maio, quando o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) analisaria se Lula e Bolsonaro, réus em ações, poderiam disputar as eleições. O TSE rejeitou analisar o assunto.

Índice de busca por Estado

Analisando os 26 Estados e o Distrito Federal, o ex-presidente Lula também é o que tem maior índice de busca em todos eles em comparação aos outros pré-candidatos. Em seguida, está Jair Bolsonaro, e depois, Ciro Gomes.

No comparativo, em 15 Estados, Geraldo Alckmin aparece tendo mais popularidade que Marina, que tem mais índice de busca que o tucano em 12 Estados.

Os Estados que tiveram maior índice por buscas no Google sobre o ex-presidente Lula foram: Paraná (81%), Santa Catarina (79%), Bahia (79%), Rio Grande do Sul (79%) e Minas Gerais (78%).

As buscas por Lula estiveram presentes em pesquisas realizadas em 96 cidades do país.

Os Estados onde houve maior busca pelo deputado Jair Bolsonaro foram: Roraima (29%), Amapá (28%), Rio Grande do Norte (24%), Rio de Janeiro (23%) e Espírito Santo (23%).

Apesar de menor popularidade que Lula, Bolsonaro teve popularidade em buscas de 104 cidades, 8 a mais que o petista.

Já Ciro Gomes teve mais índice de buscas nos seguintes Estados: Ceará (8%), Rio Grande do Norte (6%), Piauí (5%), Rio de Janeiro (5%) e Tocantins (5%). O pedetista foi procurado no Google em 29 cidades.

Marina Silva teve mais buscas pelo seu nome em: Roraima (2%), Acre (2%), Piauí (1%), Distrito Federal (1%) e Paraíba (1%). A popularidade de busca pela ex-ministra no Google foi registrada em 7 cidades.

O nome de Geraldo Alckmin teve alta de buscas em: São Paulo (2%), Piauí (1%), Acre (1%), Rio de Janeiro (1%) e Minas Gerais. As buscas pelo tucano predominaram em 8 cidades.

Ciro responde a quase cem ações por calúnia, difamação ou danos morais

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) foi processado por 50 pessoas, nos últimos 25 anos, por calúnia, injúria ou difamação após declarações feitas pelo político. De acordo com o jornal O Globo, o pré-candidato à Presidência acumula quase cem ações e recursos em andamento, oito delas protocoladas neste ano.

Os dados foram coletados nos sites dos Tribunais de Justiça do Ceará, Distrito Federal, Rio de Janeiro e de São Paulo, além do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Em pelo menos seis dos casos, o ex-ministro foi condenado a pagar R$ 315 mil em indenizações. Os processos que informam os valores das causas somam R$ 914,7 mil.

O caso mais recente que em Ciro se envolveu tem o vereador paulista Fernando Holiday (DEM) como autor do processo. O presidenciável o chamou de “capitãozinho do mato” na última semana.

https://i1.wp.com/www.radiopajeu.com.br/portal/wp-content/uploads/2016/11/IFPE-AFOGADOS.jpg?fit=547%2C330

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE) realiza, amanhã, as provas do vestibular 2018.2. Ao todo, 8.972 candidatos concorrerão a 2.585 vagas, distribuídas em 42 cursos técnicos e superiores, ofertados em 16 cidades.

As provas terão início às 9h, mas a recomendação da Comissão de Vestibulares (Cvest) é que os candidatos cheguem ao local de prova com uma hora de antecedência. 

Os candidatos devem levar o cartão de inscrição (disponível para impressão no site cvest.ifpe.edu.br), um documento de identificação com foto (RG, carteira de trabalho, carteira de reservista, por exemplo), e caneta esferográfica azul ou preta. Os candidatos de cursos técnicos serão submetidos a uma prova de 30 questões e com três horas de duração. Já os candidatos às vagas dos cursos superiores terão quatro horas para finalizarem a prova de 50 questões, mais uma redação. Os inscritos para o Curso Técnico Subsequente em Instrumento Musical, em Barreiros, serão submetidos a uma Avaliação Específica em Música (AEM), de caráter classificatório. Essa avaliação será realizada no campus Barreiros, também amanhã, das 14h às 17h.

O gabarito preliminar será divulgado ainda no domingo, e o dia 2 de julho será reservado à interposição de recursos. O gabarito definitivo será publicado dia 5 de julho e o listão dos aprovados, no dia 11.

Cartório Eleitoral de Betânia fechará para atos preparatórios

Com a proximidade das Eleições 2018, alguns Cartórios Eleitorais precisarão fechar para atos preparatórios, procedimentos de organização para o processo eleitoral.

É este o caso da 108ª Zona Eleitoral, de Betânia (que tem como município termo Calumbi).

O local não funcionará durante os dias 11, 12 e 13 de julho, voltando ao seu funcionamento normal na segunda-feira, 16 de julho.

http://roberiosa.com.br/wp-content/uploads/2018/01/prefeito-de-petrolina-miguel-coelho-roberiosa.jpg

A Agência Reguladora de Serviços Públicos do Município de Petrolina aplicou uma nova multa no valor de R$ 800 mil à Compesa por irregularidades praticadas na estação elevatória do bairro Pedra Linda.

De acordo com a assessoria do prefeito Miguel Coelho (PSB), após fiscalização a Armup constatou que a estação de tratamento não vinha funcionando devidamente e que os dejetos estavam sendo lançados diretamente num dos afluentes do rio São Francisco.

Segundo o diretor-presidente da Agência, Rubem Franca, a Compesa já havia sido notificada várias vezes para corrigir a situação, mas não tomou conhecimento do problema.

No início de junho, a Compesa foi multada também em cerca de R$ 800 mil por irregularidades no loteamento Vale Dourado onde os esgotos estavam sendo lançados no Riacho das Porteiras, outro afluente do Rio São Francisco. As informações são de Inaldo Sampaio.

Os pais e os próprios alunos da Escola Estadual de Referencia Jacob da cidade de Orocó, no Sertão do São Francisco, fizeram nesta sexta-feira (29), uma manifestação em frente à escola para cobrar do Governo do Estado o pagamento de salários atrasados dos funcionários terceirizados da merenda e da limpeza.

Segundo um dos pais de alunos, os mesmos foram prejudicados por falta de aulas, uma vez que não tinha quem fizesse a merenda e a limpeza do prédio. Por essa razão eles cobraram providencias urgente, ainda de acordo com esse representante dos pais de alunos os servidores estão há quase três meses com salários atrasados.

Ainda de acordo com informações de um dos pais de alunos, nesta semana só teve aula apenas um dia e isso só foi possível porque um professor resolveu pagar aos servidores do próprio bolso. Eles esperam uma resposta rápida por parte do Governo do Estado de Pernambuco, na manifestação desta sexta-feira pais e alunos denunciaram em vídeo a caótica situação da escola. As informações são do Blog de Didi Galvão.

Augusto Coutinho, que preside o SD, reúne a cúpula do partido para resolver se fica ou deixa o Governo

O deputado Augusto Coutinho (foto), presidente do Solidariedade em Pernambuco, reúne a cúpula do partido, leia-se o deputado federal Kaio Maniçoba, o deputado estadual Alberto Feitosa, o vereador Rodrigo Coutinho, o prefeito Lupércio, Cadoca e a executiva, na próxima segunda-feira (02), às 8h, na sede do SD, antes do jogo Brasil x México.

No encontro, vão discutir se a sigla fica na base do governo Paulo Câmara ou migra para a oposição e apoia a candidatura de Armando Monteiro.

O patamar 2 da bandeira vermelha é a taxa mais cara da Aneel / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A exemplo de junho, as contas terão bandeira vermelha no patamar 2 também no mês de julho – o que acarretará em uma cobrança extra de R$ 5,00 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

A manutenção da tarifa extra foi decidida nesta sexta-feira (29) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), tendo por base a “manutenção das condições hidrológicas desfavoráveis e a tendência de redução no nível de armazenamento dos principais reservatórios do Sistema Interligado Nacional”.

Nos quatro primeiros meses do ano, vigorou a bandeira verde, o que não implicava em cobrança extra na conta de luz. Em maio, vigorou a bandeira tarifária amarela, em que há adicional de R$ 1 na conta de energia do consumidor a cada 100 kWh consumidos.

Sistema

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado, de acordo com a Aneel, para sinalizar aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica.

A adoção de cada bandeira, nas cores verde, amarela e vermelha (patamar 1 e 2), está relacionada aos custos da geração de energia elétrica. No patamar 1, o adicional nas contas de luz é de R$ 3,00 a cada 100 kWh; já no 2, o valor extra sobe para R$ 5,00.

Dicas de economia

Diante da situação atual dos reservatórios, a Aneel apresentou algumas dicas para que os consumidores economizem energia. Entre elas a de, no caso do uso de chuveiros elétricos, se tomar banhos mais curtos e em temperatura morna ou fria.

Sugere também a diminuição no uso do ar condicionado e que, quando o aparelho for usado, que se evite deixar portas e janelas abertas, além de manter seu filtro limpo. A Aneel sugere, ainda, que o consumidor tenha atenção para deixar a porta da geladeira aberta apenas o tempo que for necessário, e que nunca se coloque alimentos quentes em seu interior.

Uma outra dica da Aneel para que o consumidor economize energia é a de juntar roupas para serem passadas de uma só vez, e que não se deixe o ferro de passar ligado por muito tempo. Sugere também que, durante longos períodos de ausência, o consumidor evite deixar seus aparelhos em stand-by. Nesse caso, o mais indicado é retirá-los da tomada.

As novas regras do cheque especial entram em vigor neste domingo (1º), mas, se o cliente quiser renegociar suas dívidas, não conseguirá saber com exatidão quais as condições que os bancos oferecem. Até agora, as instituições não divulgaram claramente quais as linhas que serão criadas para dar uma alternativa mais barata para o parcelamento de débito nesse tipo de empréstimo, cuja taxa de juros média é de 311,9% ao ano, segundo os dados de maio do Banco Central (BC). O Santander afirma que não criará uma linha e usará outras já existentes, como a do consignado. A Caixa seguirá como referência outras linhas de crédito existentes. As novas linhas devem ser oferecidas a clientes que comprometerem mais de 15% do limite do cheque especial por 30 dias consecutivos.

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) afirma que a intenção das novas regras é conscientizar os consumidores e aumentar a transparência nesse tipo de empréstimo, que se tornou a modalidade de crédito mais cara no país em maio, ultrapassando a taxa média do rotativo do cartão de crédito. Apesar de as diretrizes começarem a ser aplicadas, as instituições financeiras ainda não informaram detalhadamente quais serão os novos produtos, e há poucos dados nos sites dos bancos.

Ione Amorim, economista do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), afirma que as normas são pouco eficazes:

— Há pessoas que usam o limite do cheque especial como parte da renda mensal. Essa segunda linha de crédito poderá ser somada aos custos se a pessoa voltar a entrar no especial.

Mais clareza nos extratos

Para Ione, faltam informações sobre o cálculo do Custo Efetivo Total (que inclui todas as taxas envolvidas) das operações. A economista avalia como positivas a separação entre o saldo da conta e o limite do cheque especial e o alerta que os bancos serão obrigados a enviar ao consumidor que entrar no especial.

— Hoje, o consumidor vê o saldo total, incluindo o limite do cheque especial, o que induz aos gastos. Nem sempre o consumidor entende que se trata de linha de crédito, a mais cara delas.

O Banco do Brasil afirmou que informará o cliente sobre o uso do cheque especial via SMS ou notificações no aplicativo e que vai ofertar linhas de crédito parceladas com menor custo. As condições variam de acordo com o perfil de cada cliente, e as soluções passam pelo crédito consignado (em média, 2,45% ao mês) até a linha de parcelamento de cheque especial, mas o banco não informou quanto de juro será cobrado do cliente. Segundo dados do Banco Central, as taxas de juros do cheque especial no BB são de 11,99% ao mês e 288,97% ao ano.

O Bradesco informou que terá uma linha de crédito específica. O refinanciamento será com taxas e prazos pré-fixados. Como o BB, não informou os juros aplicados e o número de parcelas. Hoje, clientes da rede pagam juros de 11,95% ao mês e 287,39% ao ano no cheque especial.

O Santander não vai criar um produto, mas oferecerá opções existentes, com juros de 1,40% ao mês (crédito consignado) até 7,89% (crédito pessoal), dependendo do relacionamento do cliente com o banco. As taxas no cheque especial são de 14,76% ao mês e 421,83% ao ano.

A Caixa, que cobra juros de 12,43% ao mês e 308,08% ao ano no cheque especial, afirma que as linhas estarão disponíveis nas agências e que seguirão outras existentes como referência, como a do crédito consignado, de 1,4% ao mês, entre outras. O Itaú não respondeu. O banco cobra 11,52% ao mês e 269,97% ao ano. O BC afirmou que não tabela juros, e as instituições são livres para fixarem suas taxas.

O Globo

Parece faltar equilíbrio emocional ao time, especialmente nos jogos penais. O vestiário está em briga. Ninguém se entende dentro e fora de campo. Há apenas defesa e ataque; o meio-campo não existe. Os resultados da última semana, sobretudo a soltura do petista José Dirceu, provocaram a ira da torcida. Que, vá lá, já não estava com tanta paciência assim — são meses e meses de resultados frustrantes. Nas arquibancadas das redes sociais, muitos voltaram a pedir a saída de metade do time titular. Os criticados, por sua vez, reclamam que não podem jogar para a torcida. Ainda assim, todos vaiam a instabilidade do time: nunca se sabe como ele jogará.

Nos rachões de terça e quinta, a Primeira e a Segunda turma exibem estilos opostos de jogo. A Primeira, liderada por Luís Roberto Barroso e Luiz Fux, é uma potência no ataque. Para marcar, porém, eles precisam dos passes da Procuradora-geral da República, Raquel Dodge, uma atacante com menos vocação para o gol do que seu antecessor, Rodrigo Janot. A sintonia fina entre a Primeira Turma e o Ministério Público é criticada por quem entende do jogo, nas mesas redondas de Brasília.

A Segunda Turma mudou sua proposta de jogo desde a chegada de Dias Toffoli: passou a atuar em função da defesa. Vale carrinho, bicuda para o alto e até tesoura nos adversários. Não há procurador ou delegado que fure essa retranca, para desespero da torcida. As quartas, no campo do plenário, os dois estilos enfrentam-se. Falta fair play, a torcida quase nunca entende o esquema tático e os jogos mais importantes terminam somente na prorrogação, com vitórias magras de um dos lados. Ainda assim, não raro muda-se o resultado no tapetão. Como pedir paciência à torcida?