Pedro Araújo

As informações que informam as verdades dos fatos, sem ferir ou denegrir pessoas ou imagens. Como também, nunca procurando agradar aos maus feitores.

Pagamento do 13º salário deve injetar mais de R$ 210 bilhões na economia em 2018 — Foto: Reprodução

Termina nesta sexta-feira (29) o prazo para que as empresas paguem aos seus funcionários o adiantamento da primeira parcela do 13º salário. O prazo estabelecido em lei é até o dia 30 de novembro, mas como cai em um sábado, o empregador deve antecipar o pagamento para o último dia útil do mês.

A segunda parcela, por sua vez, precisa ser depositada na conta dos trabalhadores até o dia 20 de dezembro. Aqueles que pediram o adiantamento do 13º nas férias, contudo, não recebem a primeira parcela agora (pois já receberam), apenas a segunda. A primeira parte representa metade do salário que o funcionário ganha.

O pagamento do 13º salário é feito com base no salário de dezembro, exceto no caso de empregados que recebem salários variáveis, por meio de comissões ou porcentagens – nesse caso, o 13º deve perfazer a média anual dos valores.

Cabe ao empregador a decisão de pagar em uma ou duas parcelas. No caso de ser apenas em uma única vez, o pagamento deve ser feito até o dia 29.

Entenda os efeitos da liberação do 13º salário na economia:

Caso o empregador não respeite o prazo do pagamento, será autuado por um auditor-fiscal do Ministério do Trabalho no momento em que houver fiscalização, o que gerará uma multa de R$ 170,25 por empregado.

Quem não receber a primeira parcela até a data limite deve procurar as Superintendências do Trabalho ou as Gerências do Trabalho para fazer a reclamação. Outra opção é buscar orientação no sindicato de cada categoria.

O Imposto de Renda e a contribuição ao INSS incidem sobre o 13º salário. Os descontos ocorrem na segunda parcela sobre o valor integral do 13º salário. Já o FGTS é pago tanto na primeira como na segunda parcela. Continue lendo

O Instituto Federal do Sertão Pernambucano (IF Sertão-PE) publicou edital referente à doação de bens móveis inservíveis da Reitoria e campus Petrolina Zona Rural. Os cinco lotes disponíveis incluem veículos, mobiliário em geral e equipamentos eletroeletrônicos. Poderão participar órgãos públicos estaduais ou municipais, suas autarquias, empresas públicas ou sociedades de economia mista, instituições filantrópicas, associações ou cooperativas que atendam aos requisitos do Decreto nº 5.940, de 25 de outubro de 2006, e Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs).

As entidades e organizações interessadas deverão encaminhar suas solicitações, assinadas por seu representante legal, no período de 28 de novembro a 6 de dezembro, em expediente dirigido à Pró-reitora de Orçamento e Administração (PROAD) do IF Sertão-PE. As solicitações serão entregues exclusivamente no setor de patrimônio da Reitoria, instalada na Rua Aristarco Lopes, 240, centro de Petrolina, de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h30 e das 14h às 16h30.

Será facultada a vistoria dos bens postos para doação, entre os dias 28 de novembro e 6 de dezembro, mediante agendamento prévio com o setor de Patrimônio do campus Petrolina Zona Rural, pelo telefone (87) 2101-8050, ramal 8107. Havendo mais de um órgão ou entidade interessados nos bens, o atendimento terá como critério o sorteio, a ser efetivado em sessão pública às 10h do dia 16 de dezembro, na sala de reuniões do pavilhão do auditório da Reitoria do IF Sertão-PE. A publicação provisória da lista de inscritos está prevista para 10 de dezembro.

Mais informações em https://www.ifsertao-pe.edu.br/.

Servidores do Hospital Getúlio Vargas, no Recife, fizeram foto que mostra rachadura dentro da unidade hospitalar — Foto: Reprodução/WhatsApp

G1

Pacientes e funcionários foram retirados de um dos prédios do Hospital Getúlio Vargas (HGV), no bairro do Cordeiro, na Zona Oeste do Recife, na madrugada desta sexta-feira (29). Segundo os relatos, foram ouvidos um estalo na estrutura do edifício e tremores. De acordo com os Bombeiros, três blocos do local foram isolados.

O HGV é referência no estado na área de ortopedia e realiza, mensalmente, mais de 2.700 atendimentos na emergência e outros 20 mil no ambulatório, segundo a Secretaria de Saúde. O G1 se houve transferência de pacientes e interrupção de cirurgias, mas não recebeu resposta da secretaria até a última atualização desta reportagem.

O técnico de enfermagem Fábio Lucena contou que estalos foram ouvidos por volta das 3h e uma área foi isolada. “No meu setor, que é clínica cirúrgica, eles estão dispersando os pacientes. Há mais de dois anos, o primeiro andar e o subsolo estão escorados. Tem rachadura que cabe uma mão dentro”, afirmou Lucena.

Outros servidores, que preferiram não se identificar, relataram que cirurgias tiveram de ser canceladas. Imagens do WhatsApp mostram faixas amarelas e pretas isolando parte do bloco, além do escoramento em um dos blocos que seria da unidade de saúde.

O Corpo de Bombeiros informou que enviou equipes, durante a madrugada, para o HGV. Não houve vítimas ou tumulto durante o isolamento da área, segundo a corporação.

Parte do forro de gesso do bloco cirúrgico caiu em 2014, suspendendo cirurgias. Na época, imagens feitas dentro do HGV já mostravam rachaduras percorrendo paredes e chegando até o teto. O vídeo também mostrava pedaços de gesso que despencaram do forro do teto – um deles caiu próximo da cama de um paciente que estava em recuperação.

O desabamento ocorreu, em 2014, por acomodações naturais dos materiais dos blocos A e G, construídos com estruturas diferentes e interligados por passarelas, segundo foi informado pela secretaria na ocasião.

O zero três vai percorrer o país para defender o governo de Jair Bolsonaro e pavimentar seu caminho para, em suas palavras, herdar “o Brasil do pai”. Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo

Por Guilherme Amado/Época

Nenhum Bolsonaro terá tantos motivos para comemorar o fim de ano como Eduardo. O mais jovem dos três filhos políticos do capitão e último a entrar na política encerra 2019 em êxtase. Enquanto fantasmas pairam sobre seus irmãos, Eduardo é só festa. Flávio é investigado, sob a suspeita de ter ficado com parte dos salários de seus assessores durante anos, e Carlos é acusado por diferentes ex-aliados da família de comandar uma milícia digital, destruidora de reputações. Eduardo não conseguiu os votos no Senado para ser embaixador, ok, mas a campanha para chegar lá o fez ser paparicado pela direita populista mundial ao longo do ano — posou com o americano Donald Trump, o italiano Matteo Salvini e o húngaro Viktor Orbán. Lidera o PSL e, tão logo decole o Aliança pelo Brasil, será o único dono em São Paulo do partido que sua família está montando. No Rio de Janeiro, há uma antiga rivalidade entre Carlos e Flávio. Mas, mais importante que tudo isso, Eduardo deu início neste ano à trajetória para ser o principal herdeiro do bolsonarismo. Agora, sabe, é hora de arregaçar as mangas. Na quarta-feira (27), revelou à coluna quais são os próximos passos: em 2020, o zero três coloca o pé na estrada e, no melhor estilo candidato presidencial, “vai rodar o Brasil”. Visitará estado a estado, “fazendo um trabalho de formiguinha, pregando o conservadorismo e defendendo” o governo da família. Com 35 anos, Eduardo mira lá na frente: “Não sou candidato a nada, eu só poderia me candidatar a presidente em 2030. Aqui não é terra de Evo Morales. Não vou herdar o governo. Vou herdar o Brasil de meu pai”, disse, com ar decidido.

A pauta internacional não será mais prioritária. Eduardo quer se voltar para dentro. Embora vá continuar no PSL até a legalização do Aliança pelo Brasil, ele anunciou que deixará espontaneamente a liderança da sigla e não tentará presidir nenhuma comissão na Câmara. “A estratégia para me expulsar (do PSL) é conseguir voltar a compor a maioria dessa ala, que está sendo chamada de bivarista, e assim retomar a liderança. Estou tranquilo. O que me preocupa é se eu andar na rua e for vaiado por meus eleitores. Mas quem está perdendo seguidores é a Joice (Hasselmann). #DeixeDeSeguirAPepa bombou”, cutucou, em referência à hashtag de mau gosto que compara Joice Hasselmann à porquinha Peppa Pig. “Para mim, é indiferente ( se me expulsarem ). Virando o ano, não vou mais ser presidente da Comissão de Relações Exteriores”, disse, confirmando que não tentará se impor no PSL para presidir outra comissão.

Os planos para 2020 serão um avanço natural ao papel que vem desempenhando desde que o caldo com o PSL entornou de vez. Quando falou à coluna, Eduardo cumpria mais uma missão de primeiro soldado: havia ido à Comissão de Cultura para defender Ernesto Araújo, convocado para explicar o que o Itamaraty vem fazendo para divulgar o Brasil no exterior. Empenhou-se no microfone nos elogios a Araújo. “O melhor em décadas”, ainda tweetou, ao comentar mais tarde a performance do ministro, o mais próximo dele na Esplanada e o único que, a diferentes interlocutores, ele chama de amigo.

Eduardo está bem mais relaxado do que semanas atrás, quando teve de lidar com a tensa crise do PSL e ainda se desdobrar para criar uma narrativa positiva capaz de amenizar o fracasso da empreitada da embaixada — as projeções eram de que não conseguiria mais que 15 votos no Senado. Continue lendo

Na noite desta quinta-feira (28), em uma sessão solene em Brasília, o deputado federal Gonzaga Patriota (PSB) foi empossado, na cadeira 333 da Academia Latino-Americana de Ciências Jurídicas (ALACH), ocupando o posto de imortal, com o privilégio de ter como patrono, o político e advogado, Ulysses Sibeira Guimarães, que teve forte atuação na oposição da ditadura militar.

Quatro novos conselheiros foram empossados na solenidade em diversos colegiados, sendo eles o Colegiado de Ciências Humanas, Ciências Sociais, Ciências da Religião, quando diversas autoridades de todo o país passaram a compor o Colégio Acadêmico e reconhecidos pelos relevantes serviços prestados nas áreas jurídicas e humanas.

Sobre a Alach

A Alach, criada em novembro de 1939, foi inspirada por seus fundadores na forma idealizada no começo do século XVII, quando intelectuais franceses instituíram a Academia Francesa (Académie Française), sendo ela uma associação composta pelas mais proeminentes pessoas conhecedoras dos assuntos relativos ao idioma francês.

No caso da Alach, ela é constituída de personalidades que se destacaram nos quatro campos de suas atividades relacionados como Colegiados Acadêmicos de Ciências Humanas, como também nos moldes do “Institut de France”.

É uma associação de âmbito e abrangência em todos os países da América Latina, tem caráter cívico, cultural, científico, filosófico, progressista e evolucionista. O culto aos heróis e o respeito aos antepassados são pilares da Alach.

O intuito é cultuar e divulgar os valores morais e intelectuais dos grandes colaboradores da América Latina e manter vivo o sentimento cívico de nacionalidade.

Paulo Uchôa/LeiaJáImagens/Arquivo

O Diário Oficial da União (DOU) da última terça-feira (26) divulgou informações referentes ao novo concurso público da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Com 15 vagas disponíveis, o certame seleciona profissionais para o cargo de professor de magistério superior.

Os docentes poderão lecionar em vários segmentos, tais como as áreas de Ciências da Vida, gestão, artes, expressão gráfica, música, terapia ocupacional e engenharia química. Confira no edital de abertura o detalhamento das áreas exigidas.

Além de análise de títulos, o processo seletivo terá prova escrita, avaliação didática e prova prática. Segundo o DOU, dependendo da qualificação do educador, as remunerações salariais podem variar de R$ 2.236,32 a R$ 9.616,18 para jornadas de trabalho de 20 a 40 horas semanais.

Os interessados em participar do concurso poderão se inscrever de 2 de dezembro a 16 de janeiro do próximo ano, nos endereços descritos no edital de abertura. A taxa de participação custa R$ 239.

O Diário Oficial ainda informa que cada departamento e núcleos responsáveis pelas vagas contam com um cronograma específico para a realização do processo seletivo, cuja data máxima é 15 de maio de 2020. Para todas as oportunidades, os candidatos devem ter ensino superior finalizado, além de especialização, mestrado ou doutorado. Mais detalhes informativos podem ser obtidos no DOU.

Google Maps

Cerca de 240 funcionários terceirizados que prestam serviço em hospitais públicos espalhados pelas regiões de Pernambuco denunciam que não recebem o salário há cerca de 90 dias. Endividados e sobrevivendo a condições extremas, os trabalhadores relatam que são oprimidos pela empresa responsável quando tentam obter informações sobre a quitação das dívidas. A empresa aponta que não cumpriu o compromisso, pois não vem recebendo os repasses do Governo do Estado.

No geral, os cargos são ocupados por recepcionistas e agentes de serviços gerais e almoxarife. Em média, eles recebem entre R$ 1.000 e 1.500; salário conquistado com o esforço de um mês de trabalho para manter as contas em dia e garantir a sobrevivência da família. Sem o pagamento de setembro e outubro, eles também informam que a situação piorou em novembro, mês que o ticket alimentação foi cortado.

“Nessa empresa nunca tinha acontecido, mas aconteceu e a gente já tá há mais de 82 dias sem receber. Outras empresas de limpeza que estão lá, sempre andam atrasando. Sempre mudam de empresa, só que essa não sai de lá e também nem paga a gente”, revela um funcionário da Real JG Serviços, que preferiu não se identificar.

Há dois anos no posto do Hospital Agamenon Magalhães, na Zona Norte do Recife, ele relata que os funcionários que reclamam ou tentam obter informações sobre o prazo do pagamento são demitidos. “Todo mundo que reclama está sendo demitido. Uma menina que operava o elevador foi demitida por causa disso, só porque queria saber um prazo”, destacou.

Devendo e sem crédito na praça, ele descreve a dificuldade para pagar suas contas e afirma que tem se desdobrado para cumprir com seus compromissos financeiros mensais. “Infelizmente, tudo que a gente pode tentar fazer é tentar pegar emprestado com alguém. O cartão que a gente usou no primeiro mês estourou e a gente não têm como pagar”, afirmou, antes de complementar: “eles dizem que só vão pagar aos funcionários quando a Secretaria de Saúde pagar o combinado com eles”.

O que diz a empresa

Procurado pela reportagem, o representante jurídico da Real JG alegou que, desde 2017, a Secretaria de Saúde não arca com os valores da repactuação acordada com a categoria; além do adicional de insalubridade. “A Secretaria não repassa nada. A gente tá pagando do bolso para trabalhar”, apontou.

Segundo Expedito Barbosa, só esta dívida atinge R$ 10.560.224,14 milhões, que somada às faturas atrasadas, atinge o montante de aproximadamente R$ 14 milhões. “As repactuações de 2017, 2018 e 2019 não foram pagas até hoje e as faturas estão em aberto”, ressaltou. O advogado garante que a Secretaria foi notificada pela empresa em diversas oportunidades e apenas responde que ‘vai providenciar’.

Após conciliação no Ministério do Trabalho, a Secretaria de Saúde pagou cerca de R$ 400 mil, segundo o representante. No entanto, a quantia não engloba as dívidas da operação da Real JG. “Eles pagaram R$ 422 mil na semana passada, de um montante de mais de R$ 14 milhões; ou seja, a empresa não tem como pagar. Ela é uma prestadora de serviços, o dinheiro entra e ela repassa aos funcionários”, explicou.

Sobre o prazo para que os funcionários possam ter o direito do salário garantido, ele destacou: “a gente não tem condição de manter um contrato onde a gente não recebe […] Assim que a gente receber, pelo menos o suficiente para pagar a folha e os débitos de todo o período, a gente vai repassar. A gente não vai ficar com o dinheiro”, garantiu.

As origens de Maria Bonita, uma das personagens históricas mais representativas do Nordeste, são desvendadas no livro Lampião e o nascimento de Maria Bonita (Editora Oxente, 195 páginas), do pesquisador e sociólogo Voldi de Moura Ribeiro. O lançamento no Recife será nesta sexta-feira (29), a partir das 18h30, na Biblioteca Pública do Estado, no Centro. O ineditismo da obra está em uma nova data de nascimento Maria Gomes de Oliveira (nome de batismo). A historiografia até então apontava a data 8 de maio de 1911, mas o autor argumento que o nascimento ocorreu no dia 17 de janeiro de 1910.

A pesquisa para o livro foi feita, inicialmente, através de registros das paróquias de São João Batista de Jeremoabo (BA) e de Santo Antônio da Glória (BA), bem como nos Cartórios dos registros civis. “Em setembro de 2011 dei publicidade aos quase 370 pesquisadores que participavam do Cariri Cangaço, e, na sua maioria, aceitaram a nova datação encontrada por mim”, diz Voldi, piauiense radicado em Paulo Afonso, na Bahia. Ele foi professor adjunto da UNICAP por 10 anos ensinando algumas disciplinas da área de humanas.

A publicação também descreve a formação histórica e geográfica da região do Sertão do São Francisco, na Bahia, e monta a árvore genealógica a partir de José Gomes de Oliveira (Zé de Felipe) e de Maria Joaquina da Conceição (Dona Déa), pais da biografada. Segue descrevendo toda a sua vida, encerrando com uma análise acerca dos policiais que afirmaram ter cortado a cabeça de Maria, cujo número chega a seis homens diferentes.

Lampião e o nascimento de Maria Bonita ainda agrega três artigos do padre Celso Anunciação, um de Frederico Pernambucano de Mello, imortal da Academia Pernambucana de Letras, e outro de Luiz Rubem de Alcântara Bonfim. Fotos de Maria Bonita feitas por Bejamim Abraão Calil Botto, em 1936, aparecem colorizadas por Rubens Antônio.

SERVIÇO

Lançamento de Lampião e o nascimento de Maria Bonita, de Voldi de Moura Ribeiro

Onde: Biblioteca Pública do Estado de Pernambuco (Rua João Lira, s/n, Santo Amaro)

Quando: Sexta-feira (29), a partir das 18h30

Quanto: Entrada gratuita, com exemplares vendidos por R$ 50

Por Ademar Rafael Ferreira (Papa)*

Ade maleu lapa-el – Empréstimos e financiamentos são nomes diferentes para a mesma coisa ou são coisas distintas?

Papa – Muita gente tem esta dúvida, mas, são cosias distintas. Cada um tem características próprias, regras específicas e destinos diferentes.

O Banco Central nos ensina que: “Empréstimo é um contrato entre o cliente e uma instituição financeira (banco, cooperativa de crédito, caixa econômica) pelo qual o cliente recebe uma quantia em dinheiro que deverá ser devolvida em prazo determinado, acrescida dos juros acertados. Os recursos obtidos no empréstimo não têm destinação específica.” – “Financiamento também é um contrato entre o cliente e o cliente e uma instituição financeira para a aquisição de veículo ou de bem imóvel, que funcionam como garantia para o crédito concedido”.

Em seu site o nosso órgão fiscalizador alerta que as instituições financeiras podem estabelecer critérios para concessão de empréstimos e financiamentos e ao julgar como uma operação não enquadrada em suas análises pode negar. Obriga, no entanto, os agentes de crédito a divulgarem em forma de percentual anual o Custo Efetivo Total – CET da operação. Novamente chamamos atenção dos tomadores para que façam uma pesquisa sobre a melhor opção quanto ao custo, prazo e valor das parcelas.

Ao simplificarmos o tema podemos dizer que no caso dos empréstimos a utilização do valor concedido é livre, não é vinculado com compra de bens. As principais modalidades de empréstimos são: Consignado, crédito direto ao consumidor – CDC, rotativo, limite de cheques especiais e empréstimo pessoal. Os juros são elevados e os prazos inferiores aos dos financiamentos.

No tocante aos financiamentos o crédito é concedido para a compra de algo especificado no contrato, sendo necessária a comprovação da compra por meio de Nota Fiscal e o bem adquirido é vistoriado por prepostos do agente de crédito. Normalmente é exigido seguro do bem e a apólice deve indicar a cláusula de beneficiário. Em caso de sinistro o valor pago pela seguradora é direcionado para o agente. Tal valor é descontado no saldo devedor da operação e havendo sobra é colocada à disposição do devedor. Não sendo suficiente para quitar o financiamento o saldo remanescente é cobrado na forma indicada no contrato. Principais tipos de financiamento: Máquinas e implementos para indústria, agricultura, equipamentos de uso médico ou odontológico, veículos e imóveis. Os prazos são longos e os juros compatíveis com a atividade desenvolvida pelo tomador do crédito.

(*) – Transcrições e adaptações extraídas dos sites FINANCASFOREVER, LENDICO e BCB.  

O ditado que diz ‘não cutuque a onça com vara curta’, nunca esteve tão em moda na política de Solidão, no Sertão pernambucano. Foi o que aconteceu com o prefeito Djalma Alves (PSB). O gestor teria vazado para a imprensa a notícia de que o presidente da Câmara de Vereadores, Antônio Bujão, iria leiloar no final de novembro o carro do Poder Legislativo para aquisição de outro veículo no valor estimado em R$ 104.834,00.

Um detalhe: o carro que a Câmara tem hoje é um Fiat Siena ano 2017 modelo 2018 adquirido na gestão da vereadora Eliana Nascimento, a menos de dois anos. Na quarta-feira, dia 27, data que o leilão seria realizado, o presidente Antônio Bujão procurou o Ministério Público para comunicar a desistência do leilão e o pedido de mediação para que o valor seja devolvido com o propósito de adquirir ou construir algo para a municipalidade. (Viva a imprensa que denunciou. A ação do presidente não era ilegal, mas era imoral).

Ao mesmo tempo, o presidente Antônio Bujão formalizou um documento com várias queixas contra a gestão do atual prefeito Djalma Alves. Nesta quinta-feira durante a sessão ordinária da Câmara, a vereadora Edleuza Godê fez uso da tribuna para apresentar as denúncias: Prática de improbidade com a contratação de dois irmãos do gestor, Djaci Alves de Souza, que recebeu R$ 36.603,56 nos anos de 2017/2018 e Decival Alves de Souza, com valor de R$ 7.892,00 em 2017.

O documento requenta a denúncia contra o carro do gabinete do prefeito cujo aluguel é de R$ 8 mil enquanto que em Afogados da Ingazeira, a Prefeitura paga a mesma empresa e por caminhonete semelhante, o valor de R$ 4,2 mil.

Na relação dos chamados fatos ilícitos tem também empresas sem funcionários e sem maquinários. A nota é assinada pelos vereadores Antônio Marinheiro (Bujão), Edleuza Godê e Vitorino Melo. As queixas são graves, mas pelo tempo da ocorrência, cheira a vingança pela denuncia contra o leilão do carro. As informações foram repassadas ao blog PE Notícias pelo comunicador Anchieta Santos, das rádios Pajeú FM, e Cidade FM, de Tabira.

Trinta fogões e banheiros ecológicos serão entregues nesta sexta-feira (29), em duas comunidades do município de Carnaíba, localizado no Sertão do Pajeú. A iniciativa do Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS), beneficia moradores dos sítios Gangorra e Chico Pereira. Ação busca combater a desertificação no Semiárido do Estado, através do Projeto de Implantação de Módulos de Manejo Sustentável da Agrobiodiversidade.

O governo vai investir R$ 770 mil na construção de fogões ecológicos, banheiros com fossas sépticas, unidades produtivas, barragens sucessivas e cordões de pedra, recuperação de nascente, perfuração de poço artesiano e capacitação dos agricultores. Serão contempladas 30 famílias que residem na zona rural do município. Elas moram próximas a áreas que podem ser transformadas em Unidades de Conservação da Caatinga.

Os fogões ecológicos, que reduzem o uso de lenha, e os banheiro com fossas, visam melhorar a qualidade de vida dessas famílias.

A Diocese de Pesqueira, no agreste de Pernambuco, promoverá a primeira edição do Simpósio Diocesano de Catequese entre esta sexta-feira, 29 de novembro e 1º de dezembro. O evento deverá reunir cerca de 150 catequistas dos níveis infantil, juvenil e adulto, no Centro Pastoral São João Paulo II (foto), em Pesqueira.

As inscrições ainda estão abertas. Os interessados devem se inscrever
preenchendo o formulário pelo link https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfJmfBiCiCht5YAYr8PemREN-YilD8qmIAte9I5BBqJeEi8vA/viewform. O investimento para participar do 1º Simpósio Diocesano de Catequese é de R$50.

De acordo com a Comissão Diocesana Pastoral Bíblico-Catequética, organizadora do encontro, durante os três dias os catequistas estudarão os desafios da catequese para os tempos atuais. O objetivo é que desses debates e momentos de reflexão nasçam propostas que possam orientar a caminhada das paróquias de Pesqueira no que diz respeito a esse trabalho pastoral de formação cristã.

Para auxiliar os participantes, o simpósio contará com a assessoria do padre Humberto Robson Carvalho, da Arquidiocese de São Paulo. O sacerdote é mestre em educação e especialista em catequese, espiritualidade e liturgia. Com formação também em pedagogia, ele coordena a pós-graduação em catequese e espiritualidade do Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unisal).

Padre Humberto Robson também é autor de livros publicados pela Paulus Editora como, por exemplo, “Elementos fundamentais da – espiritualidade do catequista”, “Paróquia missionária Projeto de evangelização e missão paroquial na cidade” e “Liturgia: Elementos básicos para a formação de catequistas”.

“Que nossos queridos catequistas participem desse momento importante de avaliação e também de traçar linhas e metas, a partir do nosso plano pastoral, para a catequese diocesana”, afirmou o bispo da Diocese de Pesqueira, dom José Luiz Ferreira Salles.

Planta da usina de biogás no aterro sanitário de Petrolina / Foto: Divulgação

A primeira usina de biogás em aterro sanitário do Sertão do Estado, inaugurada em Petrolina, entra em plena operação na segunda-feira (02). A companhia Gera Energia Brasil investiu mais de R$ 6 milhões na planta com capacidade de 1 MW, direcionado ao mercado de geração distribuída (GD) com expectativa de geração de energia de 8.240 MW/h por ano, correspondente a 4,3 mil residências.

“Proveniente da decomposição do lixo no aterro sanitário, a unidade vai produzir energia através da queima do metano, que assim, deixa de ir para a atmosfera”, explica Carlos Innecco, gerente da companhia, que inaugurou  sua primeira planta de geração distribuída a biogás em Barra Mansa, no Rio de Janeiro.

A região Nordeste conta hoje com dez plantas com produção média de 345 mil Nm³/dia, todas elas a partir do saneamento. O potencial da região, no entanto, é de aproximadamente 7,6 bilhões Nm³/dia, segundo cálculos da ABiogás, o que, em termos de geração elétrica, poderia gerar 17 mil GWh/ano. A produção viria não apenas do saneamento, mas considerando também outras fontes de produção, como os resíduos produzidos pelos setores agroindustrial e sucroenergético.

Além de Petrolina, a Gera também está trabalhando na implantação de uma usina em Caruaru, no Agreste, e prospectando outros lugares. “Ainda existe um grande potencial de crescimento em cidades grandes e do interior de geração de energia a partir do biogás”, relata Innecco.

Geração distribuída

Em outubro deste ano, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu abrir uma consulta pública para rever as regras que tratam da chamada geração distribuída, modalidade na qual os consumidores também podem gerar a própria energia elétrica em suas residências, geralmente por meio de painéis solares ou outra solução com fontes renováveis. As contribuições poderão ser recebidas até o dia 30 de dezembro. Continue lendo

A comunidade acadêmica do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) elegeu, na quarta-feira, o professor José Carlos de Sá Júnior para reitor da instituição. Ele recebeu  43,31% dos votos. O professor Sérgio Gaudêncio foi o segundo colocado, com 15,59%, seguido do professor Ênio de Lima, com 5,52%. 

Professor Zé, como é conhecido o reitor eleito, ficará à frente do instituto no quadriênio 2020-2024. A consulta eleitoral foi realizada nos 16 campi, na Reitoria e Polos de Educação à Distância, com a participação de estudantes, docentes e servidores.

O futuro reitor é ex-aluno do IFPE, onde cursou eletrotécnica na época da então Escola Técnica Federal de Pernambuco, e se graduou em Engenharia Elétrica na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), onde também fez o mestrado em Sistemas de Potência. É docente do IFPE Garanhuns desde setembro de 2010. Em 2011, foi nomeado diretor-geral pró-tempore (interino). Em 2015, foi eleito diretor-geral do Campus Garanhuns. Atualmente, também atua nas áreas de Ensino e Gestão, integra grupo de pesquisa sobre eficiência energética e é membro do Conselho Superior do Instituto.

Segundo o IFPE, as eleições ocorreram com tranquilidade. De acordo com a Comissão Eleitoral Central, 7.753 eleitores compareceram. Foram registrados 0,99% de votos nulos, 1,32% de votos em branco e 33,26% de abstenção. A apuração foi acompanhada através de planilha online disponibilizada no portal do IFPE pela Comissão.

O prazo para recursos ao resultado preliminar se encerra hoje. A segunda-feira será reservada para apresentação de contrarrazões. O resultado final será publicado em 3 de dezembro e homologado pelo Consup em 6 de dezembro.

A sexta-feira (29) chegou! E a previsão do tempo divulgada para o Grande Recife é de céu nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia, a temperatura máxima deve chegar aos 32° C.

Já no Sertão de Pernambuco a ameaça de chuva deve parar. Segundo a Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac), a região deve ter céu nublado a claro, com máxima de 39° C. Os moradores do local devem se hidratar bastante e ficar atentos com a baixa umidade.

Confira a previsão completa:

Região Metropolitana

Parcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.

Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 32° Mínima: 24°

Mata Norte

Parcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 32° Mínima: 23°

Mata Sul

Parcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 34° Mínima: 22°

Agreste

Parcialmente nublado sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 35° Mínima: 18°

Sertão de Pernambuco

Parcialmente nublado a claro sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 39° Mínima: 20°

Sertão de São Francisco

Parcialmente nublado a claro sem chuva em toda a região ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 39° Mínima: 24°