Economia

Pedro Serra

A falta de produtos em pontos de vendas do varejo chegou a 12,7% em maio, segundo dados inéditos da Neogrid, empresa de gestão automática de cadeias de suprimentos.

O percentual é o mais alto desde junho de 2018, mês em que terminou a greve dos caminhoneiros e o desabastecimento chegou a 10,9%. Para reduzir os impactos da falta de produtos no varejo, a Nielsen e a Neogrid vão passar a coletar informações sobre estoque e preço em todos os pontos de vendas para conseguir dados de desabastecimento diários de diversos produtos e seus concorrentes.

Em maio, os produtos que tiveram os maiores índices de ruptura de estoque foram álcool em gel, com 42,7%, álcool de limpeza e leite longa vida, com 35,1% e 20,5%, respectivamente.

A Caixa Econômica Federal vai criar mais de 55 milhões de contas de Poupança Social digital para realizar o pagamento do chamado saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

No total, R$ 37,8 bilhões serão liberados para cerca de 60 milhões de trabalhadores com direito ao saque. Os 5 milhões restantes já possuem conta Poupança Social.

De acordo com a Medida Provisória (MP) que estabelece o pagamento, o valor do saque é de até R$ 1.045 por trabalhador, considerando a soma dos saldos de todas as suas contas do FGTS.

O dinheiro será depositado na conta Poupança Social do trabalhador a ser aberta, de graça, até a próxima sexta-feira (19) pela Caixa Econômica, segundo detalhou Guimarães.

Em um primeiro momento, o crédito vai estar limitado ao uso digital da Poupança. Depois, será disponibilizado as opções de saque e transferências, assim como acontece com o auxílio emergencial de R$ 600.

“Então, nós temos ao redor de um mês entre o depósito na conta digital e a possibilidade de saque”, disse o presidente da Caixa. Ele justificou a decisão com base no volume de pagamentos de outros benefícios.

Dessa maneira, quem nasceu em dezembro poderá sacar o FGTS apenas a partir de 14 de novembro deste ano. O anúncio do saque emergencial, por sua vez, foi feito em março.

Caso não haja movimentação na conta Poupança Social digital até 30 de novembro, o valor será devolvido à conta FGTS com a devida remuneração do período, sem prejuízo ao trabalhador.

​Depois que os recursos voltarem ao fundo, o trabalhador ainda poderá efetuar o saque, desde que solicite formalmente até 31 de dezembro, prazo final da MP para o pagamento do FGTS emergencial.

Poupança Social

A Poupança Social digital da Caixa é uma modalidade de poupança simplificada, aberta para beneficiários de programas governamentais e, agora, aos trabalhadores com direito ao FGTS.

Os brasileiros poderão enviar dinheiro agora via WhatsApp. Foi o que informou o executivo-chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, nesta segunda-feira (15) em seu perfil nas redes sociais.

“Hoje estamos começando a lançar pagamentos para pessoas que usam o WhatsApp no Brasil. Estamos facilitando o envio e o recebimento de dinheiro como o compartilhamento de fotos”, informou.

Segundo o chefe da marca, que também administra o aplicativo WhatsApp, pequenas empresas também poderão fazer vendas diretamente pelo mecanismo Facebook Pay.

No Brasil, a parceria será feita com o Banco do Brasil, Nubank, Sicredi e Cielo, ainda de acordo com Zuckerberg. “O Brasil é o primeiro país em que estamos lançando amplamente pagamentos no WhatsApp”.

Imagem mostra notas de dois, vinte e dez reais

Apesar de um socorro bilionário do governo federal, os estados devem sair da crise ainda mais endividados do que já estavam antes da pandemia do novo coronavírus. Ao mesmo tempo, o ritmo da recuperação ainda incerto coloca dúvidas sobre o momento em que a arrecadação voltará ao patamar pré-crise. A combinação desses fatores tem levado especialistas a apostar numa nova rodada de resgates ou até numa renegociação da dívida dos governos estaduais.

Entre o início de janeiro e o fim de abril, o estoque da dívida dos estados saltou R$ 53,5 bilhões, e a maior parte do aumento (R$ 52,2 bilhões) é explicada pela variação cambial, de acordo com dados do Banco Central. A alta foi de R$ 41,1 bilhões no saldo da dívida externa e de R$ 11,1 bilhões na dívida interna atrelada ao dólar.

Com a aprovação do socorro, os governos estaduais poderão deixar de pagar as parcelas das dívidas com União, bancos públicos e organismos internacionais até o fim de 2020.

Segundo dados do Ministério da Economia, a medida deve abrir um espaço de R$ 52,5 bilhões no orçamento dos estados. Mas eles terão que reincorporar esse débito (com correções) ao saldo restante dos contratos no início de 2022, o que aumentará o valor do serviço da dívida e pressionará o caixa dos governadores em pleno ano eleitoral.

Até lá, ainda não se sabe se a arrecadação já terá retomado o nível anterior à crise. Os estados começaram 2020 com alta nas receitas próprias, mas o resultado se inverteu em abril, já refletindo as medidas de isolamento social. Continue lendo

Congresso em Foco

O secretário especial do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, pediu demissão do cargo. A informação foi confirmada pelo Congresso em Foco com uma fonte importante do governo. “A expectativa é que ele saia até o fim deste mês”, disse o interlocutor do Planalto.

Mansueto pediu exoneração há cerca de três semanas, mas, após acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiu permanecer no cargo por mais alguns dias. Ainda não está definido quem vai substituí-lo.

O secretário deve migrar para o mercado privado. Antes terá de cumprir quarentena imposta a quem deixa o comando do Tesouro. As especulações sobre a saída de Mansueto vêm desde o ano passado.

Remanescente da equipe do ex-ministro Henrique Meirelles, do governo Michel Temer, ele entrou em rota de colisão com o secretário da Fazenda, Waldery Rodrigues.

Waldery chegou a anunciar a saída do secretário em dezembro, mas foi desmentido pelo colega. “Zero chance de sair”, disse Mansueto, em dezembro, conforme mostrou o Congresso em Foco.

Considerado um técnico qualificado e bastante assediado pelo setor privado, Mansueto tinha o  compromisso do ministro Paulo Guedes de que seria nomeado secretário-executivo do Conselho Fiscal da República, órgão previsto na PEC do Pacto Federativo. Com a pandemia, a PEC saiu de pauta, e não há previsão de quando será votada no Senado, onde tramita.

Guedes já havia declarado que se preparava para perder Mansueto para o mercado. No início do ano, o secretário afirmou, ainda antes da pandemia, que perdia o sono com os resultados negativos da economia brasileira.

O governo publicou, ainda em abril, medida provisória liberando saques extraordinários das contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Pelo texto, os saques devem acontecer a partir da segunda-feira (15) e até 31 de dezembro. A Caixa Econômica Federal (CEF) ainda não divulgou a data em que cada trabalhador poderá acessar seus recursos. Questionado, o banco respondeu que “os procedimentos para pagamento do Saque Emergencial FGTS serão divulgados em breve”.

Terão direito aos saques os trabalhadores que tenham contas ativas (do emprego atual) ou inativas (de empregos anteriores) do FGTS. Cada trabalhador poderá sacar até R$ 1.045. A dinâmica deverá ser a mesma das demais liberações do FGTS: os saques serão feitos de acordo com o mês de nascimento do trabalhador.

Essa nova liberação do saque do FGTS se deu em razão da pandemia de coronavírus, que afetou as atividades econômicas e a renda dos trabalhadores.

Se o trabalhador tiver mais de uma conta de FGTS, o saque será feito primeiro das contas de contratos de trabalho extintos (inativas), iniciando pela conta que tiver o menor saldo. Depois, o dinheiro será sacado das demais contas, também iniciando pela que tiver o menor saldo. Independentemente do número de contas do trabalhador, o valor não pode passar de R$ 1.045.

Assim, ninguém poderá tirar mais do que esse valor, ainda que tenha duas ou três contas com saldos superiores a essa quantia. Continue lendo

O governo federal vai pagar o auxílio emergencial para mais 4,9 milhões de brasileiros. São trabalhadores que pediram o benefício no mês de maio, mas ainda estavam aguardando seus dados serem avaliados pelo governo e tiveram o cadastro aprovado nesta sexta-feira (12).

Segundo o Ministério da Cidadania, o governo concluiu a análise de 8,9 milhões de cadastros, realizados entre 01 e 26 de maio pelo site ou pelo aplicativo do auxílio emergencial, nesta sexta-feira. Desses, 4,9 milhões foram considerados elegíveis para receber os R$ 600 e vão ter o recurso depositado em conta na próxima semana. Já os outros 4 milhões tiveram o cadastro negado por motivos não informados pelo governo.

Pagamento

O Ministério da Cidadania enviou os dados dos 4,9 milhões de brasileiros que foram aprovados para receber os R$ 600 para a Caixa ainda nesta sexta-feira. Por isso, esses trabalhadores vão receber a primeira parcela do benefício na próxima terça (16) e quarta-feira (17).

“Os créditos em poupança digital serão feitos dia 16/06 para os nascidos entre janeiro e junho, e 17/06 para os nascidos entre julho e dezembro. O valor total é de R$ 3,1 bilhões”, informou em nota o Ministério da Cidadania.

Com isso, chegará a 64,1 milhão o número de brasileiros contemplados pelo programa, segundo os números da Caixa. Ainda de acordo com o banco, 10,7 milhões de pessoas estavam na lista de espera do auxílio emergencial antes da conclusão de mais esse lote de cadastros. Portanto, mais 1,8 milhão de brasileiros continuam aguardando uma resposta do governo para saber se terão acesso aos R$ 600.

Os trabalhadores que estão pensando em sacar recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) devem ficar atentos. Com a queda da taxa básica de juros (Selic) na próxima quarta-feira (17), de 3% para até 2,25% ao ano, o rendimento do FGTS, de 3% anuais mais a variação da Taxa Referencial (TR), passará a ser quase o dobro da caderneta de poupança. 

Trata-se de uma situação inédita no país. A poupança, como se sabe, rende o correspondente a 70% da taxa Selic. Com os juros básicos baixando para 2,25% ao ano, a caderneta pagará 1,57% a cada 12 meses. 

A expectativa, porém, é de que a Selic caia ainda mais em agosto, podendo ir a 2% ou mesmo a 1,75% ao ano, como forma de o Banco Central estimular a economia. Se isso acontecer, o ganho da poupança baixará para até 1,22% anuais, tomando uma sova da inflação. 

Renda fixa 

O rendimento de 3% ao ano do FGTS, com a queda da Selic, será maior do que o de quase todas as aplicações de renda fixa, como os fundos DI e os fundos de renda fixa, que acompanham a variação dos Certificados de Depósito Interfinanceiro (CDIs), semelhante à da taxa básica. 

O FGTS tem ainda outra vantagem: todos os anos, o governo distribui parte dos lucros do fundo com seus cotista, o que acaba elevando muito o ganho final dos trabalhadores. 

Em 2017, quando foi depositado o primeiro rateio do lucro do FGTS, o rendimento alcançou 7,14%. Em 2018, atingiu 5,59%. No ano passado, ficou em 6,18%, já superando a remuneração da poupança, de 4,6%.  Continue lendo

O governo deve disponibilizar, na próxima segunda-feira (15), até R$ 1.045 (valor do salário mínimo) do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para trabalhadores com saldo em contas ativas ou inativas, totalizando R$ 36 bilhões. De acordo com a informação divulgada pelo Valor Investe, nos primeiros 30 dias, a quantia só poderá ser acessada pelo aplicativo Caixa Tem — o mesmo usado para movimentações do auxílio emergencial. Somente após o prazo, o dinheiro poderá ser sacado ou transferido, seguindo um calendário com base no mês de aniversário. Todos esses detalhes devem ser anunciados na semana que vem.

Segundo uma fonte ouvida pela reportagem, o dinheiro do “novo saque emergencial” do FGTS não estará disponível em espécie porque não há papel moeda suficiente para todos os saques previstos. A recente liberação de três parcelas de R$ 600 para desempregados, informais, microempreendedores individuais e autônomos levou a Casa da Moeda a produzir novas notas em grande escala, ampliando a circulação de dinheiro no país de R$ 256 bilhões, em março, para R$ 326 bilhões, conforme dados do Banco Central.

Mesmo assim, para evitar que faltasse dinheiro em espécie, a Caixa decidiu liberar os recursos através do aplicativo Caixa Tem, no qual é possível pagar contas, boletos e fazer compras em lojas. Dessa forma, quando os saques são liberados, a quantidade de dinheiro que os beneficiários têm disponível é menor e, consequentemente, a necessidade de papel moeda também é reduzida. Continue lendo

No início de abril, com a suspensão das obras em Pernambuco, o polo gesseiro do Araripe sofreu um grande impacto com o recuo das vendas em até 80%. Dois meses depois, e mesmo com o retorno gradual da construção civil, o percentual permanece igual. Além disso, as demissões atingiram 40% dos trabalhadores do setor, tendo em vista o fato de que muitas fábricas tiveram que reduzir sua produção e outras paralisaram as suas atividades. Há, entretanto, expectativa de melhoria, ainda tímida, a partir do mês de julho.

A presidente do Sindusgesso Araripe, Ceissa Costa, conta que as empresas estão operando, atualmente, com 35% da sua capacidade de produção, em média. “No momento, temos que aguardar como será a demanda pelos produtos de gesso para então termos uma projeção melhor da recuperação”, avalia. Ela relembra, ainda, o fato de que este é um setor com respostas mais lentas. “Mesmo quando a construção voltar integralmente, o gesso é a última etapa”, acrescenta.

Sobre as estratégias para minimizar os efeitos da crise neste retorno, Ceissa acredita que o isolamento dos consumidores e a limitação de funcionamento das empresas levou o mercado a procurar canais de atendimento e vendas utilizando a internet. “Mesmo setores tradicionais como a construção civil e o varejo buscaram estratégias para usar o digital para minimizar as perdas e ganhar fôlego para passar a crise. Então vimos que esse é o momento para Polo de Gesso do Araripe entre no digital de forma profissional”, afirma. Para isso, o sindicato desenvolveu o projeto GESSO 5.0 – vendas e marketing digital, que une empresas do cluster do gesso para oferecer o material certificado de qualidade para o mercado nacional usando canais digitais. Continue lendo

Os shoppings de Pernambuco estão fechados desde o dia 22 de março, por conta do decreto do governo do estado para conter a disseminação do coronavírus. Com o plano de retomada, pouco a pouco as atividades econômicas voltam a funcionar.

Na semana passada, os centros de compras foram autorizados a funcionar com delivery em todas as suas operações. Ontem (08), com a antecipação em uma semana do primeiro calendário do plano, foi à vez da permissão de atuar também através de ponto de coleta, com o drive thru. São medidas que começam a amenizar os impactos sofridos pelo setor com a pandemia, porém as perspectivas, ainda assim, são de um recomeço difícil.

A estimativa é que, após a reabertura dos shoppings, ainda sem data definida, entre 15% e 20% das duas mil lojas de Pernambuco não tenham fôlego para manter a operação em funcionamento. Apesar do início das operações com delivery ou coleta, os lojistas aguardam a sinalização para a reabertura dos shoppings. “Os lojistas estão sugerindo o retorno para o dia 22, quando completa 90 dias do fechamento. Até então, as medidas do governo federal ajudaram a manter os empregos, mas depois disso, as lojas vão acabar tendo que demitir. Os lojistas de shopping são, em sua maioria, de pequeno porte e passar todo esse tempo sem faturar é difícil”, explica Paulo Carneiro (foto), presidente da Associação Pernambucana de Shoppings (Apesce). “Nosso receio é que tenha lojista que não chegue para além. Ainda não temos um número fechado de quantas lojas devem fechar, mas existe uma previsão de o percentual chegar de 15% a 20%”, acrescenta.

De acordo com plano de retomada do governo do Estado, centros de compra ainda não têm data de reabertura. Para Thomaz Lera, diretor da Associação dos Lojistas do Shopping Guararapes, o setor é importante para a economia estadual. “Entre os grandes contribuintes para arrecadação do estado, a indústria e o setor de combustíveis são sempre citados, mas os shoppings também são. Além disso, as lojas dos centros de compras são um dos maiores distribuidores de renda e têm uma empregabilidade grande. Em uma loja de 40 metros quadrados, trabalham entre seis e sete pessoas, além de garantir uma qualificação boa. Esse aspecto social também é importante porque existe uma grande quantidade de famílias que dependem do shopping para sobreviver”. O diretor ressalta que cerca de 10% dos funcionários foram demitidos e que o restante conseguiu permanecer por conta da adoção das medidas do governo federal. Continue lendo

gasolina

A Petrobras aumentou em 10% o preço da gasolina nas refinarias a partir da meia-noite desta terça-feira (09). De acordo com a estatal, a alta é de R$ 0,13 por litro.

Apesar de ser o quinto aumento seguido da gasolina, o preço do combustível acumula recuo de 24% no ano. Não houve reajuste para o diesel.

O repasse de reajustes nas refinarias até os consumidores finais não é imediato e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de biodiesel.

O aumento na gasolina vem após um salto de mais de 19% na última semana nas cotações do petróleo Brent, referência internacional, em meio a movimentações da Opep para manter os cortes na produção. No câmbio, por outro lado, o dólar tem caído na comparação com o real nos últimos dias. Ontem, a divisa fechou em R$ 4,85, no mesmo valor desde o início de março.

Nos postos, os preços médios praticados até a semana passada apontavam queda acumulada de 14,5% em 2020, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), embora com elevação nas últimas duas semanas, depois dos reajustes da Petrobras.

No diesel, combustível mais vendido do Brasil, a Petrobras já reduziu os preços nas refinarias em 35% em 2020, enquanto a baixa acumulada nas bombas é de 19,4%.

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/01/RioMar_Shopping_-_Recife%2C_Pernambuco%2C_Brasil.jpg

A partir desta segunda-feira (08), o cenário das cidades pernambucanas volta a se parecer um pouco com o da pré-pandemia da covid-19. Depois das lojas de material de construção, que reabriram há uma semana, outras atividades vão se readaptando à nova normalidade. Hoje será a vez da construção civil, do comércio atacadista inaugurar sua retomada e das clínicas médicas, enquanto o setor de shopping centers estreia o serviço de drive-thru. Reações negativas dos empresários ao Plano de Convivência com a Covid-19 fizeram com que o governo antecipasse a reabertura de algumas atividades.

O setor de shoppings foi uma das atividades que reagiu à falta de data para abertura pelo governo de Pernambuco e foi atendido no pleito de antecipar a operação do drive-thru para aproveitar as vendas do Dia dos Namorados. Pelo plano inicial, o serviço só poderia funcionar a partir do dia 15, mas foi antecipado para esta segunda.

No Brasil, alguns shoppings já haviam adotado a operação do drive-thru para permitir que os lojistas voltassem a vender. Em Pernambuco, os centros de compra estavam trabalhando com delivery, a partir de plataforma online.

Agora, os consumidores podem comprar pelos sites das lojas, por WhatsApp e por telefone. Depois, a compra é retirada em pontos de entrega instalados nos estacionamentos dos shoppings.

“Os shoppings e os seus lojistas ficaram satisfeitos com a antecipação do prazo para funcionamento do sistema de coleta/drive-thru. O governo reconheceu o pleito dos lojistas, e isso é muito importante neste processo. Continuaremos dialogando para implementar a volta das outras operações”, diz o presidente da Associação Pernambucana de Shopping Centers (Apesce), Paulo Carneiro. Segundo ele, os shoppings e os lojistas se esforçaram para implantar o drive-thru para que funcione a partir de hoje. O governo ainda não definiu a data da abertura efetiva. Continue lendo

Combustíveis têm primeira variação de preço em 2018

O comportamento de baixa no preço médio para todos os tipos de combustível se manteve em maio, apontam dados da Ticket Log. A gasolina, que em abril era encontrada nos postos por R$ 4,253 o litro, registrou no último mês a média de R$ 4,005, uma queda de 6%. Já o etanol passou de R$ 3,451 para R$ 3,206 em maio, recuo de 7,1%. Quando comparado com as maiores médias registradas para esses combustíveis no ano, o recuo médio nas bombas chega a 14%.

O índice tem como base os abastecimentos realizados nos 18 mil postos credenciados da Ticket Log, marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil. A empresa monitora o abastecimento de 1 milhão de veículos em todo o país.

“Nossa base de dados nos permite analisar o cenário desde janeiro, que mês a mês revela um comportamento de baixa. A gasolina, por exemplo, manteve uma constância no recuo, porém ainda não é possível prever se permanecerá nesse ritmo em junho, tendo em vista os últimos anúncios de alta no repasse às refinarias”, afirma o head de Mercado Urbano da Edenred Brasil, Douglas Pina.

Embora o Estado de São Paulo tenha o etanol mais barato do Brasil, encontrado a R$ 2,375, a Região Centro-Oeste liderou a menor média para o combustível, vendido a R$ 2,832, recuo de 7,42% em relação a abril. Quando o valor da região é comparado ao da Região Norte, onde o litro é encontrado à média de R$ 3,547, a diferença fica em 20%. O Nordeste se manteve com queda em todos os combustíveis, com destaque para recuo de 7,5% no diesel, que teve o litro vendido ao preço médio de R$ 3,210.

á a gasolina é vendida ao menor valor na Região Sul, com média de R$ 3,763, recuo de 5,38%, ante abril. O Norte concentra o maior valor médio da gasolina, vendida a R$ 4,094. No recorte por Estados, o valor mais alto para o combustível continua no Rio de Janeiro, com preço médio de R$ 4,436, mesmo com o recuo de 4,3%. Já o litro mais barato foi registrado no Amapá, comercializado a R$ 3,341.

Em maio de 2019 o preço médio do diesel no Brasil era de R$ 3,822. Em maio de 2020, o preço médio é de R$ 3,238, ou seja, uma redução de 15,27%. Já a gasolina tinha média de R$ 4,704 em maio/19 e R$ 4,005 em maio deste ano, queda de 14,85%. Para finalizar, o etanol era vendido à média de R$ 3,711 em maio do ano passado e em maio de 2020 teve média de R$ 3,206, um recuo de 13,60%.

Mansueto Almeida

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida (foto), disse que o País precisa discutir a qualidade do gasto social em vez de simplesmente querer prorrogar o auxílio emergencial, que custa cerca de R$ 50 bilhões ao mês e não tem lugar dentro do Orçamento da União. Torná-lo permanente demandaria um aumento na carga tributária equivalente a 10 pontos porcentuais do PIB, disse o secretário.

Mansueto explicou que a informalidade é muito grande no País e atinge cerca de 40% da mão de obra. “Pegar 40% de mão de obra e jogar num programa social, esse debate nem deveria começar”, afirmou em debate virtual promovido pela Verde Asset Management. “Não há espaço para aumentar despesa pública no Brasil”.

Segundo o secretário, o valor de R$ 600 definido para os três meses de duração inicial do auxílio emergencial é alto para a realidade brasileira. Prova disso, afirmou ele, é que mais de 90% do público do Bolsa Família migrou para o benefício temporário. O benefício médio do Bolsa é 1/3 do valor do auxílio.

Mansueto ainda desconversou sobre a reedição do 13º para os beneficiários do Bolsa Família, que teria custo aproximado de R$ 2,5 bilhões. O presidente Jair Bolsonaro disse que aventava essa possibilidade, mas o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, afirmou que a equipe analisaria o espaço orçamentário para o 13º.

“Vi colega falando em 13º do Bolsa Família. O beneficiário recebeu 18 meses em 3 meses. Eles tiveram coisa muito melhor que 13º”, disse o secretário do Tesouro.

É necessário arrecadar

Na visão de Mansueto, país terá que fazer um esforço para recuperar parte da arrecadação perdida nos últimos meses. Segundo ele, uma parte dessa perda pode ser atribuída ao menor crescimento econômico, mas outra está relacionada a decisões judiciais que reduziram a base tributária. Continue lendo