Educação

Nesta quinta-feira (26), professores da rede estadual de ensino de Pernambuco se reuniram em frente ao Palácio do Campo das Princesas, área central do Recife, para reivindicar o pagamento do piso salarial e o plano de cargos e carreiras. Esta é a segunda paralisação que a categoria realiza pedindo o ajuste salarial.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), o projeto de atualização do piso salarial foi entregue à Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) com aproximadamente um ano de atraso. 

“A atualização do piso deve ser feita sempre a partir do primeiro dia de janeiro de cada ano. O governo enviou o projeto no dia 20 de novembro, quase no final do ano. Por tanto, com praticamente um ano de atraso. Além disso, ele só contempla os profissionais que estão abaixo do piso e exclui uma grande parcela da categoria quando não implementa o percentual de atualização para toda a carreira”, informou o presidente Fernando Melo.

“Pelo projeto que foi enviado pelo governo, todas as pessoas, hoje, que estão na classe inicial -profissionais que têm licenciatura plena, com curso universitário- estão recebendo o mesmo valor das pessoas que têm o antigo curso de magistério. E as pessoas que estão na faixa inicial de matriz de vencimento – profissionais que concluíram a pós-graduação- também estão recebendo o mesmo salário. Isso destrói o nosso plano de carreira, que foi uma luta de duas décadas”, acrescentou Fernando.

Com a manifestação, aulas presenciais e remotas nas escolas estaduais foram suspensas nesta quinta. Segundo a categoria, também há um receio nos casos de contaminações de funcionários nas instituições. 

Na Escola Técnica Estadual Arlindo Ferreira dos Santos, que reúne estudantes do Ensino Médio no município de Sertânia, no Sertão pernambucano, as aulas presenciais foram suspensas por tempo indeterminado após funcionários da unidade testarem positivo para a Covid-19. Até o momento, 21 casos foram confirmados. Continue lendo

WELLINGTON LIMA/JC IMAGEM

Em um intervalo de um mês de retorno das aulas presenciais nas escolas de ensino médio da rede estadual de Pernambuco, entre 26 de outubro e a última terça-feira (24), o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) recebeu denúncias de 89 casos suspeitos ou confirmados de covid-19 entre alunos e profissionais de 37 colégios de 18 municípios pernambucanos. Também na Gerência Regional de Educação Metropolitana Sul. Mas a entidade acredita que esse número é maior pois diariamente chegam novos relatos de casos de pessoas da comunidade escolar infectadas pelo novo coronavírus.

Na Escola Técnica Estadual Arlindo Ferreira dos Santos, localizada em Sertânia, no Sertão, uma das que fazem parte da lista, as aulas presenciais, suspensas desde a última terça-feira (24), não têm data prevista para voltarem. Lá são 21 casos suspeitos (pelo menos 10 confirmados), segundo informações de professores da escola. A Secretaria Estadual de Educação não confirmou esse número. 

“Com certeza a quantidade de casos na rede estadual é maior pois não param de chegar denúncias. O cenário de uma manhã não é o mesmo do período da tarde ou do dia seguinte. Sempre que possível enviamos um representante do Sintepe até a escola para confirmar a informação. O clima entre os profissionais é de muita apreensão. Professores estão trabalhando preocupados”, destaca uma das diretoras do Sintepe, Ivete Caetano. Continue lendo

Foto: Yacy Ribeiro/ JC Imagem

Blog de Jamildo

Professores da rede estadual de ensino anunciaram paralisação na próxima quinta-feira (26) em protesto contra projeto do governo de Pernambuco sobre plano de cargos e carreiras dos educadores.

Nesta terça-feira (24), o governador Paulo Câmara enviou projeto de lei à Assembleia Legislativa de Pernambuco pela implantação do piso dos professores, mas a proposta alega que não haverá aumento ao resto da carreira alegando restrições da covid-19.

https://imagens1.ne10.uol.com.br/blogsne10/jamildo/uploads//2020/11/ola-5.jpg

Após o projeto do Executivo Estadual, a categoria dos educadores reagiu e disse que “o Governo do Estado enviou para a Assembleia Legislativa o Projeto de Lei 1.720/2020 que enterra nosso Plano de Cargos e Carreira conquistado com tanto suor e lutas há 22 anos”.

“Após oito meses de insistência e tentativas de negociação por parte do Sintepe, o Governo decidiu desobedecer duas leis federais e uma lei estadual de uma só vez. Descumpre a Lei do Piso Salarial do Magistério e rasga a Lei 11.559/1998 – que institui nosso Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos (PCCV). Também, descumpre a Lei 173/2020, que trata de congelamentos de reajustes na pandemia, mas que excetua “determinação legal anterior à calamidade pública”. A lei do Piso Salarial é uma determinação legal anterior à calamidade pública”, diz o sindicato dos educadores. Continue lendo

Unidade do Sesi em Paulista, no Grande Recife — Foto: Reprodução/Google Street View

O Serviço Social da Indústria em Pernambuco (Sesi-PE) prorrogou até 11 de dezembro as inscrições para 410 vagas gratuitas no processo seletivo do novo ensino médio. Esse programa possibilita ao estudante cursar as três séries e escolher entre um curso técnico e o aprofundamento dos conhecimentos em matemática ou ciências da natureza. As vagas são para unidades no Recife, em Paulista, Ipojuca, Caruaru, Araripina e Petrolina.

Do total de vagas, 230 são para o curso técnico em eletrotécnica no Senai e 180 para os itinerários de formação. As inscrições podem ser feitas das 8h às 17h, diretamente nas escolas em que o candidato deseja estudar. É preciso levar identidade, CPF, histórico escolar de conclusão do ensino fundamental e comprovante de residência.

A seleção é voltada para estudantes de até 16 anos, completos até 31 de dezembro de 2020. Além disso, é preciso que o candidato seja dependente de trabalhador da indústria, microempreendedor individual enquadrado na categoria “indústria” e instalado em Pernambuco, ou, ainda, dependente de colaborador do sistema da Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe).

A avaliação dos candidatos, segundo o Sesi, deve ser feita de acordo com a melhor média-geral dos anos concluídos. A previsão é que a relação dos aprovados seja divulgada no dia 30 de novembro, no site da instituição e nos quadros de avisos das escolas.

Confira as escolas com vagas abertas

  • Sesi Ipojuca (ensino médio/técnico em eletrotécnica): 90 vagas.
  • Sesi Caruaru (ensino médio/técnico em eletrotécnica): 80 vagas.
  • Sesi Araripina (ensino médio/técnico em eletrotécnica): 30 vagas.
  • Sesi Petrolina (ensino médio/técnico em eletrotécnica): 30 vagas.
  • Sesi Ibura: 45 vagas para os cursos do ensino médio/itinerário matemática e 45 vagas para o ensino médio/itinerário ciências da natureza.
  • Sesi Paulista: 45 vagas para o ensino médio/itinerário matemática e 45 vagas para o ensino médio/itinerário ciências da natureza.

TJPE determina que greve dos professores do Estado é ilegal

O Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Pernambuco (Sintepe), anunciou, depois de uma assembleia geral realizada na última quarta-feira, que fará uma paralização da categoria para reivindicar ao governo de Pernambuco a atualização do piso salarial do magistério.

A categoria vai protestar em frente ao Palácio do Campo das Campo das Princesas, no dia 18 de novembro, a partir das 9h.

Leia a nota na íntegra

A Assembleia Geral do Sintepe da quarta-feira, 11 de novembro, aprovou a realização de uma Paralisação da Categoria em 18 de novembro, com protesto em frente ao Palácio do Campo das Princesas, a partir das 9h, para reivindicar a atualização do Piso Salarial do Magistério com repercussão em toda a carreira da Educação.

O Sintepe vai realizar uma campanha nas mídias sociais e convencionais para denunciar a falta de vontade política do Governo do Estado em cumprir o Piso Salarial do Magistério.

Os argumentos utilizados pelo governo não consideram que a Lei 173/2020 exclui as leis aprovadas anteriormente, entre elas, a lei do Piso do Magistério e a lei do Plano de Cargo e Carreira. O Plano de Cargo e Carreira foi uma conquista de muitas lutas e não pode ser destruído por falta de compromisso de um governo com a valorização dos trabalhadores em educação, que são responsáveis pela qualidade da educação em Pernambuco e se reinventaram nesta pandemia com seu próprio salário para garantir o direito à educação. Continue lendo

Foto: Cristiano Estrela /Secom SC

O ano de 2020 será lembrado mundialmente por conta da pandemia causada pela Covid-19, em que as pessoas precisaram se recolher dentro de casa para se proteger de um vírus desconhecido e altamente contagioso. E isso modificou um cenário bem comum por todo Brasil: portões das escolas fechados e alunos distantes das salas de aulas. E não foi apenas uma cena para se gravar na memória, mas um fato que marcou profundamente a história do ensino no Brasil, com consequências que podem demorar alguns anos para serem revertidas.

A pandemia paralisou as atividades presenciais de ensino com a suspensão de aulas e de quaisquer outras atividades presenciais, da creche à pós-graduação, fato que resultou em uma enorme reviravolta no ensino brasileiro que precisou se adaptar às dificuldades para continuar levando conhecimento e aprendizagem aos brasileiros.

Então, a partir de um mapeamento de projeções tributárias e uma análise da base de dados do Tesouro Nacional, foi feito o relatório COVID-19 – Impacto Fiscal na Educação Básica, que apresenta um cenário de receitas e despesas nas redes estaduais e municipais em 2020. De acordo com o documento, as redes estaduais e municipais devem perder entre R$ 13 bilhões e R$ 40 bilhões em tributos vinculados à Manutenção e Desenvolvimento do Ensino neste ano, a depender do cenário de crise econômica.

Se fizermos a soma dos mais de 38 milhões de estudantes matriculados nas redes de Educação Básica, isso pode significar uma redução média no investimento anual por estudante que pode ficar entre R$ 345, no melhor cenário, e R$ 1.038, no cenário mais pessimista. Esses dados foram compilados pelo Instituto Unibanco e o Todos Pela Educação, em parceria com o Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed). Continue lendo

Seguem até a próxima segunda-feira (16) as inscrições para o preenchimento de 8.445 vagas em Cursos Técnicos, ofertados na forma Médio-Integrado à Educação Profissional, em jornada integral, pelas Escolas Técnicas Estaduais (ETEs). Até esta quarta-feira (11), foram recebidas 16.345 inscrições, que são realizadas pelo site www.educacao.pe.gov.br. Caso o candidato não tenha acesso à internet, as ETEs disponibilizarão um local de apoio com computador para efetivação da inscrição. 

São 26 cursos disponíveis em diversas áreas de atuação. Destes, seis estão sendo ofertados pela primeira vez: Farmácia, Rádio, TV e Internet, Produção de Áudio e Vídeo, Artes Visuais, Teatro e Sistemas de Energia Renovável.

“Os novos cursos atendem uma demanda da população e também do mercado, a intenção é que a gente siga formando os jovens pernambucanos para que eles consigam acessar as oportunidades oriundas de novos empreendimentos que estão chegando no estado”, pontuou Maria Medeiros, secretária executiva de Educação Integral e Profissional. 

No ranking dos cursos mais procurados estão Administração, Desenvolvimento de Sistemas e Rede de computadores em primeiro, segundo e terceiro lugar, respectivamente. Em quarto lugar está Logística.

Inscrição

Para participar da seleção, o candidato deve apresentar declaração provisória de conclusão de ensino fundamental; certidão de nascimento (Original ou cópia autenticada); carteira de Identidade – RG (Original ou cópia autenticada); cadastro de pessoa física – CPF (Original ou cópia autenticada); preenchimento da ficha de matrícula fornecida pela Secretaria da Escola; duas fotos 3X4; comprovante de residência com CEP (Original ou cópia autenticada); e cópia do Cartão de Vacina atualizado (Original ou cópia autenticada). É importante destacar que no ato da inscrição o estudante deve informar o local e horário da prova. Continue lendo

YACY RIBEIRO/ JC IMAGEM

JC Online

O período de férias dos professores da rede estadual deve ser motivo de impasse entre a categoria e o governo de Pernambuco. A proposta da Secretaria Estadual de Educação é que o ano letivo de 2020 acabe em 15 de janeiro, segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), Fernando Melo. As férias seriam de 18 de janeiro a 17 de fevereiro. O último dia do descanso cai na Quarta-feira de Cinzas. Dias 18 de fevereiro seria para os docentes voltarem ao trabalho, mas o ano letivo de 2021, para os estudantes, começaria em 22 de fevereiro.

A proposição foi apresentada em mesa de negociação na última segunda-feira (09) e informada pelo Sintepe, aos professores, durante assembleia realizada na tarde desta quarta-feira (11). “O desejo da categoria é manter todo o mês de janeiro para as férias. O Estatuto do Magistério prevê férias por 30 dias e um recesso de 15 dias. Embora não seja lei, é algo incorporado há décadas que as férias são em janeiro e o recesso em julho”, diz Fernando Melo.

“Apenas colocamos a proposta do governo durante a assembleia mas não votamos nada a respeito disso. O assunto será debatido novamente com o governo na próxima rodada de negociação”, explica Fernando. De acordo com ele, a previsão é voltar a se encontrar com a Secretaria de Educação ainda esta semana ou no começo da próxima.

“Com a pandemia, tivemos um ano atípico. O trabalho remoto, jornada dupla, mais tempo para preparar as aulas, mais atenção aos alunos e os problemas emocionais causados pela covid-19, tudo isso está deixando a categoria cansada e desejando as férias em janeiro”, comentou o presidente do Sintepe. Continue lendo

Organizada pelo Espaço Ciência, a 26ª edição da Ciência Jovem será realizada à distância. Por conta da pandemia do Covid-19 e para evitar aglomerações, ela utilizará ferramentas digitais em 2020. A feira de ciências pernambucana, uma das maiores e mais antigas do país, recebeu 290 projetos de todos os estados do país e também do exterior. Em três dias de realização, são esperados mais de 12 mil visitantes.

Fred Amancio, secretário de Educação e Esportes de Pernambuco, participou da solenidade de abertura, realizada através do  canal oficial da Ciência Jovem no youtube. “É muito mais que uma feira de ciências, é um espaço de produção de conhecimento para nossas escolas, de instituições de outros estados e até mesmo de outros países, visto que ela também atrai estudantes internacionais”, comentou sobre a Ciência Jovem. 

“Nossas escolas participam todos os anos porque o evento não representa somente a produção do projeto. Ele está diretamente relacionado com o currículo trabalhado da escolas, fortalecendo todo o planejamento e atividades desenvolvidas, e esse é um momento extremamente importante”, pontuou Amancio sobre o que representa a participação dos estudantes e professores da rede pública de ensino.  “Ao longo dos anos é possível perceber que a Ciência Jovem vem influenciando, sim, no projeto de vida dos estudantes. A gente viu muitas vidas serem transformadas começando com a participação nesta feira e expandindo para outras feiras nacionais e internacionais, e isso é muito bonito de ver”, completou.

Do número total de projetos enviados, 97 são trabalhos científicos de estudantes e professores da rede pública de ensino. Estão envolvidos 97 professores, 194 estudantes e 32 técnicos de ciências das 16 Gerências Regionais de Educação (GREs). Um destes trabalhos é o Musilibras, projeto que ensina Libras por meio de músicas e foi desenvolvido por Mércia Passos, professora de Sociologia da Escola Técnica Estadual (ETE) Jurandir Bezerra Lins, localizada em Igarassu. Você pode conferir a matéria que fizemos sobre o projeto aqui. Continue lendo

Campus Recife da UFPE

Uma pesquisa da Plos Biology aponta que vinte professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) estão entre os mais influentes do mundo. A pesquisa é realizada anualmente com dados de cerca de 100.000 cientistas espalhados pelo mundo. 

O banco de dados traz dois rankings. O primeiro apresentando o impacto do pesquisador ao longo da carreira e o segundo para um único ano (2019). Dez docentes estão em cada uma das listas, divulgada no mês de outubro.

As produções acadêmicas dos professores são os critérios para a avaliação. “São fornecidas métricas com e sem autocitações e proporção de citações para artigos citados. Os cientistas são classificados em 22 campos científicos e 176 subcampos. Os percentis específicos de campo e subcampo também são fornecidos para todos os cientistas que publicaram pelo menos cinco artigos”, explica o documento.

São 12 docentes na lista dos 2% mais influentes do mundo ao longo da carreira (em ordem alfabética e incluindo professores aposentados): Adiel Teixeira de Almeida (Departamento de Engenharia de Produção), Anderson Gomes (Departamento de Física), Cid Bartolomeu de Araújo (Departamento de Física), Dmitrii Vassilievitch Petrov (atuou como professor visitante nos Departamentos de Física e Química Fundamental), Francisco Carvalho (Departamento de Ciência da Computação), Gauss Cordeiro (Departamento de Estatística), Gilberto de Sá (Departamento de Química Fundamental), Marcelo dos Santos Guerra Filho (Departamento de Botânica), Marcelo Tabarelli (Departamento de Botânica), Oscar Manoel Loureiro Malta (Departamento de Química Fundamental), Sérgio Machado Rezende (Departamento de Física) e Ulysses Paulino Albuquerque (Departamento de Botânica). Continue lendo

Alunos do ensino fundamental de escolas privadas voltaram às aulas nesta terça-feira (10) — Foto: Danilo César/TV Globo

As escolas particulares foram autorizadas pelo governo de Pernambuco a retomar, a partir desta terça-feira (10), as aulas para estudantes do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, respeitando os protocolos de prevenção à Covid-19.

No final de outubro, foi liberada a retomada de atividades presenciais para crianças e adolescentes obedecendo a um cronograma, que vai até 24 de novembro, quando volta o ensino infantil. O retorno ocorre, inicialmente, apenas para colégios da rede privada. O governo ainda estuda como fará a liberação para as escolas públicas.

Em uma escola na Madalena, na Zona Oeste do Recife, os alunos foram recebidos com álcool em gel e receberam orientações para manter o distanciamento social. “A gente vai ter que se adaptar. como a gente se adaptou ao online, a gente vai ter que se adaptar às aulas presenciais assim”, disse Lara, aluna do 8º ano.

Na instituição de ensino, foi preciso afastar cadeiras na sala de aula e demarcar espaços em pátios e áreas para o lanche dos estudantes, permitindo apenas um estudante por mesa na hora de comer. Como parte da adaptação, os alunos também recebem orientações para o cumprimento das normas de segurança. Continue lendo

Foto: FNDE

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) liberou R$ 73,8 milhões a estados e municípios para fortalecimento do transporte escolar. Os recursos são referentes à décima parcela do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (Pnate).

Segundo o Ministério da Educação, a verba garante a manutenção das ações voltadas para o transporte dos estudantes, mesmo sem aulas presenciais na rede pública de ensino por conta da pandemia de Covid-19.

A liberação é automática e o depósito em conta corrente ocorre em até 72 horas após a liberação. Ao longo do ano, são repassadas dez parcelas do programa, de fevereiro a novembro. São beneficiados os entes federados que possuem estudantes da educação básica pública residentes nas zonas rurais. Para receber os recursos, estados e municípios precisam manter as prestações de contas do transporte escolar em dia.

Os valores detalhados destinados a cada beneficiário podem ser conferidos no portal eletrônico do FNDE em Liberação de recursos.

Quatro estudantes de Pernambuco tomaram posse, na última sexta-feira, no Programa Parlamento Jovem Brasileiro (PJB), realizado pela Câmara dos Deputados. Este ano, por conta da pandemia da Covid-19, a solenidade aconteceu de forma remota e contou com a participação de 78 representantes de todos os estados do Brasil.  

Os estudantes Júlia Bastos Puke, da Escola Técnica Estadual (ETE) Professor José Luiz de Mendonça, Dayane Camile Bezerra de Lima, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (Campus Recife), e João Victor Bezerra de Arruda e João Vitor Sales Zaidan, ambos do Colégio Militar do Recife, irão representar Pernambuco na jornada legislativa em Brasília.  

Nesta edição, o projeto acontecerá de forma híbrida, sendo uma parte virtual e outra presencial. A fase virtual ocorrerá no período de 22 de outubro de 2020 a 30 de abril de 2021. A fase presencial está prevista para maio de 2021. A estudante Júlia Bastos, que conquistou o primeiro lugar, elaborou um projeto para acrescentar artigos à Lei Nº 7.291/84, que dispõe sobre atividades de equideocultura no país. No texto, a estudante sugere métodos menos dolorosos no abate de cavalos.  

PJB

O Programa Parlamento Jovem Brasileiro tem como objetivo possibilitar aos estudantes do ensino médio/técnico das escolas públicas e privadas brasileiras o exercício da cidadania, da representação política, da vivência do processo legislativo e da liderança, por meio de sua diplomação, posse, investidura e atuação em mandato legislativo, além de propiciar a oportunidade de conhecer a rotina dos trabalhos legislativos na Câmara dos Deputados, difundindo o processo democrático e despertando os estudantes para a reflexão crítica e para a representação política.

NE10

Já são seis escolas privadas em Pernambuco com suspensão de aulas por causa de alunos e professores infectados com covid-19. Na noite desta segunda-feira (02), o Sindicato dos Professores Particulares do Estado informou que no Colégio Anglo Líder, unidade da Tamarineira, Zona Norte do Recife, um docente testou positivo para a doença. Por isso, as atividades presenciais para o 1º e o 3º ano do ensino médio só voltarão no dia 9. No Colégio São Bento de Olinda, no Grande Recife, a informação é que uma aluna do 2º ano está com suspeita de ter contraído o novo coronavírus. Também conforme o sindicato, por precaução a unidade de ensino suspendeu as aulas presenciais por uma semana.

No comunicado enviado para as famílias do Colégio Anglo, a direção informa que foi notificada neste final de semana sobre a resultado positivo de um docente. “O professor, que vem se mantendo assintomático, foi afastado imediatamente e por medida de segurança resolvemos cancelar as aulas presenciais desta semana para o 1º e 3º ano do ensino médio, visto que ele esteve presente na instituição na semana passada”, explica a escola, ressaltando que vai manter as aulas remotas nesse período.

“Retornaremos às nossas aulas presenciais no dia 09/11, por já ter completado os 14 dias de recomendação a partir do dia da execução do teste. Reforçamos que a transmissão não ocorreu na escola e que, pelos protocolos rigorosos adotados, acreditamos que não houve uma retransmissão do vírus.

Por fim, esclarecemos que esta decisão foi tomada, único e exclusivamente pela saúde de toda comunidade escolar e pela transparência que o momento exige”, enfatizou o Colégio Anglo Líder. Continue lendo

Suellen Dias, de 21 anos, não consegue vaga para filhos na creche, em Santa Cruz do Sul (RS) Foto: Bruno Pedry / Agência O Globo

O Globo

Pela primeira vez nos últimos seis anos, o Brasil registrou queda no número de matrículas em creches públicas. Num cenário em que o país necessita criar cerca de 1,5 milhão de vagas até 2024, apenas para garantir o mínimo exigido pelo Plano Nacional de Educação (PNE), foram 30 mil crianças a menos nessa etapa escolar em 2020 em relação a 2019.

Os dados são do Censo Escolar, colhidos em março — ou seja, ainda antes da pandemia. Especialistas acreditam que o número será ainda maior quando forem incluídos o segundo e terceiro trimestres deste ano.

— A demanda por creche é muito alta. É muito preocupante detectar a diminuição do número de matrículas, alerta Karina Fasson, educadora da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, voltada à infância.

De acordo com o Índice de Necessidade de Creche (INC), métrica criada pela instituição, mais de 5 milhões de crianças de 0 a 3 anos precisam de vaga em creche por serem de famílias pobres, com apenas um responsável ou porque a pessoa cuidadora é economicamente ativa, ou teria potencial para ser. Isso significa que pelo menos 1,2 milhão dessas famílias precisam, mas não encontram hoje vagas na creche.

A educação infantil é responsabilidade das prefeituras. Segundo o Anuário Brasileiro da Educação Básica 2020, publicação do Todos Pela Educação com dados de 2019, 35,7% das crianças até 3 anos estão matriculadas em creche. São 3,8 milhões de matrículas, nas redes pública e privada.

De acordo com o PNE, em vigor desde 2014, é preciso atender, até 2024, no mínimo, 50% das crianças de até 3 anos. Para isso, teríamos de ter 5,3 milhões de crianças matriculadas — portanto, o país precisaria abrir mais 1,5 milhão de vagas. Continue lendo