Ciro Gomes

Estadão

Os cenários eleitorais em São Paulo, Minas e Pernambuco dificultam as negociações de três presidenciáveis com o PSB – o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o nome do PT, que mantém a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado pela Lava Jato. O partido passou a ser cobiçado por diversos presidenciáveis após o ex-ministro Joaquim Barbosa decidir que não disputaria a eleição.

Dirigentes do PSB foram procurados por interlocutores de pelo menos três presidenciáveis. O presidente nacional da legenda, Carlos Siqueira, teve encontros com os dirigentes do PDT, Carlos Lupi; do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (PR); e do Podemos, a deputada federal Renata Abreu (SP). Nas conversas, o partido avisou que vai levar em conta o alinhamento político e programático e a convergência nas alianças nos Estados. “São conversas iniciais para podermos tomar uma decisão com pé no chão mais para frente. O que está sendo avaliado é uma identidade política e como esse partido pode colaborar com os projetos regionais do PSB”, disse ao Estadão o ex-governador do Espírito Santo e secretário-geral do PSB, Renato Casagrande, que esteve nas negociações.

Em Pernambuco, sétimo maior colégio eleitoral do País, a reeleição do governador Paulo Câmara é prioridade para o PSB. Para isso, a legenda quer o apoio do PT, que condiciona a negociação ao apoio do PSB a Lula no plano federal. A contrapartida é considerada uma “fatura muito alta” dentro da legenda. Em Minas, o PT exige apoio à reeleição de Fernando Pimentel, mas o PSB também é cobiçado pelo PSDB. 

PSB e PSDB também negociam aliança em São Paulo. O governador Márcio França (PSB) sonha em ter apoio de Alckmin. As negociações do PSB com o PSDB e o PT preocupam Ciro, que tenta trazer a legenda para a vice de sua chapa.