A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) informou nesta sexta-feira (30), que manterá bandeira vermelha em setembro. Na prática, os consumidores vão continuar pagando taxa adicional de R$ 4 a cada 100 kWh consumidos.

Segundo a Aneel, setembro é um mês típico de estiagem nas áreas dos principais reservatórios de usinas hidrelétricas do sistema elétrico.

“A previsão hidrológica para o mês sinaliza permanência do quadro de estiagem, com vazões abaixo da média histórica. Esse cenário requer a manutenção de parcela relevante da oferta de energia sendo atendida por meio de acionamento do parque termelétrico”, informou a agência.

A diminuição do volume nos reservatórios reduz a quantidade de energia elétrica produzida nas usinas hidrelétricas. Para garantir que não faltará energia, são acionadas mais usinas termelétricas movidas a diesel ou óleo combustível, que são mais caras e poluentes.

Os custos extras para produzir energia nesses períodos são pagos pelos consumidores por meio da cobrança das bandeiras tarifárias. Os recursos pagos pelos consumidores vão para a conta bandeira. São posteriormente repassados às distribuidoras de energia para compensar o custo extra da produção de energia no período.

ENTENDA AS BANDEIRAS TARIFÁRIAS 

O sistema de bandeiras tarifárias foi instituído pela agência em 2015, com objetivo de sinalizar ao consumidor o custo real da geração de energia elétrica. A Aneel define a bandeira tarifária mensalmente, com base nas condições climáticas e no nível de água nos reservatórios das usinas hidrelétricas.

As cores das modalidades –verde, amarela ou vermelha– indicam se haverá ou não acréscimo a ser repassado ao consumidor final. Para o acionamento das bandeiras, são considerados o custo de geração térmica mais cara, a expectativa de chuvas e o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas.