https://1.bp.blogspot.com/-WJsXtQyq2lI/XjAdIbPegjI/AAAAAAAAecw/SWMZmDcYwLcixAlJYv3k5DCF_GGQFzbkACNcBGAsYHQ/s640/SmartSelect_20200128-083614_Textgram%2BX.jpg

Durante uma “live” promovida pelo Blog do Silvinho, a delegada Patrícia Domingos, pré-candidata à Prefeitura do Recife, pelo Podemos, declarou que, acaso venha a ser eleita prefeita da Capital pernambucana, determinará a realização de auditorias nos contratos realizados pela gestão Geraldo Júlio, do PSB. Patrícia fez a declaração ao responder pergunta enviada pela Editora do Blog da Noélia Brito, que foi lida por Silvinho Silva, durante a “live”. Leiam a resposta da delegada, na íntegra:

“Na hora que eu pisar naquela Prefeitura, a primeira coisa que eu vou fazer é auditar todos aqueles contratos, especificamente aqueles onde eu sei ou eu suspeito que tenha bronca e a gente já faz mais ou menos ideia de onde estão e o meu objetivo, Silvinho, é auditar todos esses contratos e empurrar  membros dessa gestão e inclusive o prefeito se tiver cometido crimes para trás das grades. Eu sonho com o dia em que eu vou ver esse prefeito na cadeia, como eu disse ontem na live, no dia que esse prefeito for preso, ele e esses secretários dele, eu vou pra porta da cadeia e eu vou aplaudir de pé. Então, eu serei uma das pessoas que trabalharei para conseguir isso”.

A delegada Patrícia Domingos foi a responsável pela prisão, no âmbito da Operação “Castelo de Farinha”, da extinta Decasp, dos até então intocáveis donos da empresa Casa de Farinha, que segundo o juiz federal Cesar Arthur, da 13ª Vara Federal, na Operação Torrentes, pertence, na verdade, ao socialista Romero Pontual, considerado pela Polícia Federal no inquérito da Operação “Farda Nova” como “homem forte do PSB”. Em decisão prolatada no Inquérito da Operação Torrentes, o Juiz da 13ª Vara Federal apontou que a Romero Pontual utilizaria a própria família como seus “laranjas” no comando da Casa de Farinha, empresa beneficiária de contratos multimilionários com a Prefeitura do Recife e com o Estado de Pernambuco, bem como com diversas prefeituras de Pernambuco.

Na live, a delegada fez uma cronologia da extinção da Decasp apontando que a decisão do governador de extinguir a delegacia se deu logo após a prisão dos donos da Casa de Farinha, dentre os quais o filho de Romero Pontual, o empresário Romero Pontual Filho, já denunciado pelo MPPE em razão da Operação Castelo de Farinha, dirigida por Patrícia e pelo MPF, em razão de contratos com o o Instituto de Recursos Humanos do Estado de Pernambuco.