Depois que o jornal O Globo revelou nesta terça-feira os detalhes de um contrato de R$ 8,8 milhões firmado pelo INSS com uma empresa de informática sediada em um pequeno estoque de bebidas, em Brasília, o presidente do INSS, Francisco Lopes, divulgou nota para anunciar o cancelamento do contrato com a RSX Informática Ltda.

“O contrato com a empresa RSX Informática foi cancelado hoje por determinação do presidente do INSS, Francisco Lopes. O Instituto determinou abertura de diligências e procedimentos no sentido de esclarecer todos os fatos. A presidência do INSS informa ainda que prestará todos os esclarecimentos necessários à opinião pública e aos órgãos de controle”, diz a nota.

Principal responsável pela contratação da empresa, o presidente do INSS admitiu ter determinado a assinatura do negócio milionário sem sequer ter investigado se a RSX de fato existia.

— As diligências deveriam ter sido feitas antes da contratação? Isso eu concordo. Eu conversei com os meninos (assessores do gabinete) e perguntei se eles fizeram diligência na empresa. Eles disseram que não foram, porque outros órgãos já haviam contratado a mesma empresa. Eu determinei uma diligência no contrato, e que eles peçam o currículo de todas as pessoas que vão trabalhar no nosso contrato, se elas têm vínculo com a empresa e qual a capacidade técnica deles, disse o presidente do INSS.

Em nota, a RSX Informática nega que haja irregularidades no contrato. A empresa justifica que possui uma “estrutura é modular” que  “pode ser ampliada ou reduzida, segundo a demanda de cada projeto”.

 “No caso do projeto desenvolvido junto ao INSS, a equipe prevista em contrato é formada por um gerente de conta e dois analistas, todos especialistas em segurança da informação. O objetivo do contrato é auxiliar no combate a fraudes que somam cerca de R$ 90 bilhões por ano”, diz o texto.

A empresa alega também que Raul Maia, apontado como proprietário, “jamais foi sócio da RSX” . De acordo com a nota, ele é “gestor de negócios, um colaborador sem participação societária” e não teria feito declarações sobre a capacidade técnica da empresa.

Leia a nota na íntegra:

“A RSX Informática Ltda vem a público prestar esclarecimentos sobre a matéria “INSS faz contrato de R$ 8,8 milhões para compra de software em sede de distribuidora de bebidas”, publicada hoje pelo jornal O Globo, que traz inverdades e imprecisões sobre nossa atuação mercado de tecnologia:

– A RSX foi fundada em Brasília, em 1998, com objetivo de integrar soluções em tecnologia para fornecimento ao mercado público e privado. Representamos soluções nas áreas de tecnologia da informação e desenvolvimento, como as disponibilizadas pela HP, Chakara, Safeval, dentre outras.

– Nos últimos 12 anos levamos nossos serviços a diversos órgãos públicos, como os ministérios da Integração, do Trabalho e Emprego, Petrobras, Funasa, Fundação Banco do Brasil e INEP, sempre por meio de processos de licitação pública com contratos protegidos por cláusulas de confidencialidade.

– Nossa estrutura é modular e pode ser ampliada ou reduzida, segundo a demanda de cada projeto. Nossos colaboradores atuam junto aos clientes para garantir e reforçar a segurança e o sigilo que os serviços exigem.

– No caso do projeto desenvolvido junto ao INSS, a equipe prevista em contrato é formada por um gerente de conta e dois analistas, todos especialistas em segurança da informação. O objetivo do contrato é auxiliar no combate a fraudes que somam cerca de R$ 90 bilhões por ano.

Em relação às ilações e erros grosseiros da reportagem, destacamos:

– Raul Maia apontado no texto como proprietário da empresa jamais foi sócio da RSX. Trata-se de um gestor de negócios, um colaborador sem participação societária.

– Raul ou qualquer sócio da empresa jamais afirmou a O Globo que a RSX não teria capacidade técnica para tocar seus contratos, como afirma o texto.

– Os pagamentos feitos pelo INSS até agora se referem à concessão de licenças de uso de softwares, previsto em contrato.

– A RSX sempre esteve e está disponível para as diligências de seus contratantes.

– A RSX possui atestados de capacidade técnica emitidos por diversos contratantes.

– Como representante de diversos fabricantes, a RSX comercializa as licenças, faz a capacitação de equipes

para o uso dos softwares e serviços de análises de dados, segundo as UST (Unidades de Serviços Técnicos (UST) previstas no contrato.

– Conforme pode ser verificado no pregão eletrônico vencido pela RSX, a empresa apresenta as mais baixas UST do mercado, quando comparada aos concorrentes.

– Desde sua fundação, a empresa jamais foi objeto de qualquer suspeita de ilegalidade”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *