Monthly Archives: junho 2018

http://br.web.img3.acsta.net/newsv7/18/05/31/01/12/4287481.jpg

Com um público que desde cedo formou uma fila em torno do Edifício Duarte Coelho, onde fica o Cinema São Luiz, na noite desta quinta-feira (31), ocasião de abertura do Cine PE: Festival do Audiovisual 2018, que começou no maior alto-astral. A apresentadora Graça Araújo, que desde a primeira edição bate ponto no festival, estava mais do que inspirada.

Enquanto lia o texto, descontraída e desenvolta, a plateia que tomou quase todas as poltronas da sala – tinha gente também no mezanino – respondia criticamente quando Graça citava os patrocinadores, principalmente a Prefeitura do Recife. Além das vaias à administração municipal, a plateia não perdeu uma deixa para gritar “Fora, Temer”, que voltou com força, sem dúvida por causa da crise recente depois da paralisação dos caminhoneiros e da falta de combustível.

Embora o repúdio ao governo municipal e federal tenham marcado o início do festival, dois momentos emocionaram a plateia. O primeiro foi quando os participantes do movimento Legenda para Quem Não Ouve, mas se Emociona, criado há 14 anos, pediram mais responsabilidade ao projeto de acessibilidade comunicacional nas salas de cinema de todo o País.

O segundo foi à homenagem à cineasta pernambucana Kátia Mesel, que recebeu um Calunga de Ouro especial, como reconhecimento dos 50 anos de dedicação de cinema. Antes de subir ao palco, um vídeo produzido pelo Canal Brasil, com trechos da série Olhar, de Camilo Cavalcante, contou um pouco da história de Kátia.

Ela recebeu o Calunga de Ouro das mãos do secretário de Cultura do Estado, Marcelino Granja. Ele afirmou que Kátia teve uma importância muito grande na política audiovisual atual do Funcultura, a partir de uma homenagem que ela recebeu em Triunfo, há três anos. Granja disse que 42 dos projetos aprovados têm participação feminina ou transgênero.

No seu agradecimento, a cineasta falou de seu amor pelo audiovisual ao ler um texto poético intitulado Cinema Paixão, em que escreve que “o cinema é completo” e que sente “uma compulsiva ansiedade para fazer o próximo filme”.

http://s2.glbimg.com/dogWdld6P4OqOc04JbhmSCQiw-o=/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2015/01/21/choque4_1.jpg

JC

Eles deveriam estar fora de ação. Mas, mesmo atrás das grades, muitos dos 31,1 mil detentos espalhados pelas 22 unidades prisionais e 55 cadeias de Pernambuco continuam matando, traficando, roubando e desafiando o Estado. Não estamos falando da prática bastante comum desses crimes dentro dos presídios. E sim daquelas ocorrências registradas diariamente pelas ruas dos mais diversos municípios, cujas “ordens de serviço” saíram dos espaços onde os presos deveriam estar sendo ressocializados.

Estado e Judiciário não apresentam estatísticas sobre detentos que continuam atuando de dentro dos presídios. Mas rotineiras operações qualificadas da Polícia Civil vêm apontando um intenso envolvimento de presos no crime organizado. “A tecnologia ajuda a polícia, e também ajuda os criminosos, que muitas vezes utilizam o celular para continuar praticando os delitos. Ainda há os mensageiros, nas visitas”, observa o diretor de Polícia Especializada da Polícia Civil, José Cláudio Nogueira.

O celular permitiu até que um detento acompanhasse, em tempo real, pelo menos um dos dez assassinatos que encomendou, segundo investigações do delegado Ivaldo Pereira. John Caetano Rodrigues, o Jones, que cumpria pena desde 2001 no Presídio de Limoeiro, liderava uma quadrilha que atuava no Ibura, na Zona Sul do Recife. Dos 30 mandados de prisão da Operação Miracles, realizada em abril, 13 eram contra presidiários liderados por ele.

Na década de 2000, Jones ficou bastante conhecido por comandar sequestros e tráfico de drogas na área de Vila dos Milagres, no Ibura, sendo considerado muito perigoso. A polícia já havia identificado sua participação na explosão do muro da Penitenciária Barreto Campelo, em Itamaracá, em 2016, para fuga de presos, mas nem assim ele foi impedido de praticar novos delitos. “Nosso papel é investigar e prender. Se for preciso fazer isso diversas vezes com a mesma pessoa, vamos continuar fazendo, não podemos nos cansar”, defende José Cláudio.

Os homicídios praticados pela quadrilha de Jones não são os únicos que poderiam ter sido evitados se os presídios cumprissem seu papel. Em janeiro, Ângela Maria da Conceição, 48 anos, a filha dela Rejane Gomes da Silva, 16, e a amiga Natali dos Santos Silva, 18, que estava grávida (uma outra mulher escapou), foram assassinadas a mando de Jurandir Francisco Xavier Júnior, conhecido como Júnior Box. Mesmo preso desde 2008, na Penitenciária Agroindustrial São João, em Itamaracá, ele continuava comandando o tráfico em Santo Amaro, segundo a Polícia Civil.

Em outubro, as operações Cerca Trova, Settanta e Novanta cumpriram 38 mandados de prisão em Paulista, no Grande Recife, desarticulando três quadrilhas que disputavam o tráfico na área. Os líderes (Vado, Teta e Juaninha) estavam presos há anos nos presídios de Igarassu e Limoeiro. E eram acusados de pelo menos 22 homicídios. Segundo a polícia, a maioria dessas mortes está diretamente ligada a atividades criminosas (como 44% dos 1.590 homicídios registrados de janeiro a abril, conforme a SDS), mas não são raros os cidadãos comuns serem vítimas desses grupos.

Foi o caso do assassinato, em agosto de 2017, do universitário Edvaldo José Valença da Silveira Neto, 21, em Goiana, na Zona da Mata Norte. Ele foi alvo de quatro criminosos que queriam lhe roubar o Jeep Renegade, encomendado, de dentro do Presídio de Igarassu, no Grande Recife, por Renato Lira Alves de Souza, 30, preso desde junho de 2014. O detento já tinha um comprador para o veículo na Paraíba, numa clara demonstração de que, além de extrapolar as barreiras dos presídios, eles extrapolam as divisas do Estado.

Na licitação para a escolha de “até” quatro agências de propaganda para dividir a verba publicitária de meio bilhão de reais, em 2 de agosto, o Banco do Brasil incluiu no edital de licitação uma exigência… que só pode ser atendida por quatro agências, todas estrangeiras. A exigência é que as interessadas comprovem patrimônio líquido (lucro) de R$12,5 milhões, no mínimo. No mercado, a suspeita é de direcionamento. A informação é do Colunista Cláudio Humberto.

O Banco do Brasil alega que “a lei prevê” a exigência, mas não explicou por que na licitação anterior o capital da agência vencedora era só R$250 mil.

Na licitação de R$450 milhões da Caixa, o patrimônio líquido exigido das agências participantes foi três vezes menor: R$4 milhões.

Na Petrobras, verba de R$550 milhões, nem se exigiu lucro mínimo. E a BR distribuidora, só R$1,5 milhão para o contrato de R$484 milhões.

Para dois contratos de R$205 milhões da Secretaria de Comunicação da Presidência, o lucro exigido das agências foi de R$3,057 milhões.

Ford Bahia

Mais uma montadora, a Ford de Camaçari, na Bahia, retoma produção nesta sexta-feira (1º), depois de sete dias de paralisação. A fábrica produz os modelos Ka e EcoSporte  e opera em três turnos de trabalho. Segundo a empresa, todos eles serão retomados. Incluindo o pessoal das empresas de componentes que operam no complexo, são cerca de 7,7 mil trabalhadores.

As unidades de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, onde são feitos o Fiesta e caminhões, e a de Taubaté, no interior de São Paulo, que produz motores devem voltar a produzir na próxima semana.

O grupo avalia hoje se retoma ou não as atividades nas duas fábricas na segunda-feira. A decisão depende da volta à normalidade do abastecimento de peças, prejudicado pela greve dos caminhoneiros.

Ontem, a Fiat também retomou atividades na fábrica de Betim (MG), e a Jeep na unidade de Goiana (PE). Grandes fabricantes de veículos, incluindo Volkswagen e General Motors também estão com fábricas paradas desde meados da semana passada.

Paralisação total

Nessa sexta-feira, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) informou que todas as montadoras estavam com suas linhas produtivas paradas. Ontem, a entidade divulgou que “a maioria das empresas retoma a produção de veículos, de maneira gradual, a partir de segunda-feira”.

Cálculos preliminares, com base no volume de produção diário de vendas em abril, indicam que cerca de 60 mil veículos deixaram de ser produzidos desde o início da greve.

Dilma Rousseff

Estado de S.Paulo

A presidente cassada Dilma Rousseff afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está apto a vencer a corrida pela Presidência neste ano, como candidato do PT. “Temos certeza de que ele tem condições de participar das eleições e ser eleito”, disse a jornalistas na quinta-feira (31), em Curitiba, após visita a Lula, condenado e preso pela Operação Lava Jato em 7 de abril.

Dilma disse que encontrou o petista em “estado de indignação” por ter a ciência de foi condenado sem provas concretas. “A cada dia fica mais claro que ele é um preso político inocente. Acusam o presidente de um apartamento que é de outrem”, afirmou.

“Esta é a única candidatura capaz de barrar o golpe”, acrescentou Dilma em referência ao processo de impeachment que a tirou da presidência e deu lugar a seu vice, Michel Temer.

Ela também citou que as pesquisas de intenção de voto realizadas até o momento comprovam a capacidade de reeleição de Lula. Questionada sobre sua eventual candidatura a uma cadeira no Senado, Dilma declarou que ainda está avaliando, pois observa esta questão como parte de processo mais extenso, envolvendo a estratégia do partido.

Petrobrás

A ex-presidente comentou que a situação da Petrobrás foi uma das pautas de discussão entre os petistas. “Lula discutiu comigo como está sendo a destruição da maior empresa estatal brasileira”, afirmou. 

Dilma destacou algumas diferenças entre as políticas de preço que são adotadas atualmente para o petróleo, de livre mercado, e as definidas em seu governo, consideradas mais restritivas. “Se você deixar os preços fluírem de acordo com o andamento do mercado, você tem vários fatores que influenciam”, disse a ex-presidente. 

A petista ainda criticou “o processo de privatização do refino” e acredita que esta seja uma ferramenta para “abrir o mercado brasileiro desnecessariamente à importação de petróleo”. 

https://static.gazetaonline.com.br/_midias/jpg/2018/05/31/605x330/1_age20180531220-5635646.jpg

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), pré-candidato à Presidência da República, disse que ainda sonha com o senador Magno Malta (PR-ES) como vice em uma chapa na disputa presidencial.

Após participar da Marcha para Jesus, nesta quinta-feira (31), em São Paulo, onde foi tanto vaiado como aplaudido, o parlamentar afirmou que tem mandando “cartinha de amor” para Malta.

“Já mandei cartinha de amor para ele”, disse Bolsonaro, afirmando que o senador é seu “vice dos sonhos” também pelo fato de Magno Malta ser evangélico.
O deputado destacou que tem uma aproximação “enorme” com a bancada evangélica. Ele ainda disse que não existe a possibilidade de o empresário Josué Alencar, filiado ao mesmo partido que Malta, ser seu vice.

Após defender os caminhoneiros que participaram da greve da categoria e na sequência dizer que a paralisação precisaria acabar, o deputado reforçou que nunca defendeu uma intervenção militar, em referência à presença das Forças Armadas no fim da greve.
“Nunca falei a palavra intervenção militar. Se um dia um militar chegar ao poder, será através do voto”, declarou, dizendo ser ele próprio um exemplo da possibilidade.

ÉPOCA

A paralisação dos caminhoneiros esvaziou prateleiras nos supermercados, fechou postos de combustível, cancelou voos, suspendeu aulas, afetou o funcionamento de hospitais, provocou perdas econômicas ainda não totalmente contabilizadas e jogou na berlinda o presidente da Petrobras, Pedro Parente, um gestor até agora incensado como grande especialista em debelar crises. Convidado a assumir a empresa em meio ao turbilhão da Operação Lava Jato, ainda com Michel Temer interino na Presidência, Parente vinha acumulando êxitos. O balanço do primeiro trimestre de 2018 foi divulgado como a mais bem-acabada tradução do sucesso: lucro de R$ 4,45 bilhões, revertendo prejuízo de R$ 1,25 bilhão registrado no mesmo período de 2017. Esse resultado, avaliou Parente na ocasião, contribuiria para tornar ainda mais atraentes os leilões de blocos de exploração programados para este ano. Acertou. Os que haviam sido realizados até agora foram um sucesso, fato que promete se repetir no próximo dia 7, quando está prevista a Quarta Rodada de Partilha de Produção para venda de blocos na área do pré-sal, com participação de 16 empresas de 12 países, um recorde. Parecia que, mais uma vez, se cobriria de glória o engenheiro que enfrentou galhardamente tarefas espinhosas como a coordenação do racionamento de energia em 2001 e o comando da transição do governo FHC depois da eleição de Lula, em 2002. Mas não.

Depois de até ter sido sugerido como candidato a presidente da República no site de uma corretora, a situação de Parente ficou claudicante. Ele foi apontado por parte da direita e da esquerda como pivô da crise desencadeada pela paralisação dos caminhoneiros. Aos adversários de sempre, como a Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet) e a Frente Única dos Petroleiros (FUP), que desde o início questionam os rumos “neoliberais” da companhia, juntam-se vozes de todos os matizes ideológicos contra a política de preços praticada desde outubro de 2016, que atrelou os preços do diesel e da gasolina às flutuações do dólar e do valor do petróleo no mercado internacional. De início, com reajustes mensais. A partir de junho de 2017, com variações até diárias.

Desde essa mudança, o preço do diesel foi reajustado 121 vezes, resultando em alta de 56,5%, segundo o Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE). Só neste ano, o diesel subiu 38 vezes. A Petrobras pondera que é responsável por pouco mais de 50% desse preço, e cerca de um terço do preço da gasolina. Sobre o valor cobrado na refinaria, incidem impostos federais (Cide e PIS/Cofins) e o ICMS (estadual), e ainda há a margem da revenda, uma vez que a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados. Isso reduz a responsabilidade da companhia sobre o preço ao consumidor e pode impedir que as variações nas refinarias cheguem até a ponta. Por outro lado, essa situação permite que os preços subam nas bombas sem que haja qualquer alteração nas refinarias.

Na hora de cobrar, no entanto, é a Petrobras que leva pedrada. De Guilherme Boulos, do PSOL, a Jair Bolsonaro, do PSL (este último indo contra o pensamento do autor de seu programa econômico, o economista Paulo Guedes), todos condenam a variação diária dos preços dos combustíveis. Ciro Gomes, do PDT, classificou de “criminosos” os preços e pediu publicamente a cabeça do “senhor Parente” durante entrevista ao programa Roda viva, da TV Cultura. E Henrique Meirelles, do MDB, que acompanhou à frente do Ministério da Fazenda todos os movimentos da Petrobras, agora fala na necessidade de um fundo de estabilização que absorva eventuais oscilações das cotações internacionais.

Em um país do tamanho do Brasil, onde dois terços do transporte de carga são feitos por caminhões, o impacto de variações diárias no preço do diesel é previsível. Junte-se a essa escolha equivocada, feita nos anos JK, o fato de que o caminhoneiro autônomo está para o transporte rodoviário como o motorista de Uber está para o transporte urbano de passageiros, representando uma saída para um grande contingente de desempregados, e está pronta uma fórmula explosiva, como se constatou há pouco mais de dez dias.

Não deveria surpreender, mas surpreendeu. E o motivo está expresso em uma fala espantosamente singela de Parente em um café da manhã com jornalistas, no início de 2017. Ao divulgar os dados sobre produção de petróleo no Brasil no ano anterior, ele respondeu a uma pergunta sobre a política de preços adotada pela empresa explicando que os combustíveis são commodities, por isso não têm preço fixado, e precisam seguir o movimento do mercado internacional. “É como acontece com uma padaria quando o trigo aumenta, e ela tem de refletir isso no preço do pão. Acontece na soja, no café e no minério de ferro. Então, aqui não é uma questão que a Petrobras esteja criando qualquer situação. Ela está reagindo a movimentos dos preços das commodities nos mercados internacionais”, disse.

O ator norte-americano Danny Glover, mais conhecido por sua participação no filme “Máquina Mortífera” (1978), visitou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR), nesta quinta-feira (31). Lula está preso desde 7 de abril.

Segundo o ator, Lula está “muito calmo e confiante do trabalho que os movimentos sociais brasileiros estão fazendo”. “Eu tive a oportunidade de conversar com muitas pessoas no Brasil, pessoas que são apoiadoras da Justiça não apenas ao povo brasileiro, mas também para o Lula.”

Glover disse que levará as informações que recebeu de integrantes de movimentos sociais no Brasil para os Estados Unidos, onde levantará “o debate sobre a democracia no Brasil”. E afirmou que apoia a candidatura de Lula à Presidência porque “ele é o presidente do povo”.

Danny Glover participou também de eventos na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, e esteve em São Paulo. Além disso, participou ontem de vigília em Curitiba.

As obras em rodovias foram diretamente afetadas pelos cortes orçamentários que vão garantir a queda do preço no óleo diesel. Segundo o anúncio feito pelo governo federal nesta quinta-feira (31), foram cancelados R$ 366 milhões de 37 projetos para melhorias nas estradas.

O valor faz parte da redução bilionária no orçamento do Ministério dos Transportes. A pasta foi a mais atingida pelas medidas de readequação de verbas, com o corte de R$ 1,47 bilhões.

Isso significa que os protestos dos últimos 11 dias também devem resultar em problemas para os próprios caminhoneiros. As obras que perderam recursos no orçamento de 2018 abrangiam a construção, adequação e manutenção de trechos rodoviários em 18 Estados (AC, AM, AP, BA, GO, MG, MS, PA, PB, PE, PI, PR, RN, RO, RR, RS, SC e TO) e no Distrito Federal.

Entre as maiores verbas canceladas está a construção do contorno rodoviário na BR-376, no Paraná. Só desse projeto, o governo retirou R$ 45,4 milhões. Já para a adequação de trecho rodoviário na mesma BR-376, na fronteira paranaense com a Argentina, foram cortados R$ 43,1 milhões.

O Paraná foi o Estado com o maior número de obras afetadas pelo cancelamento das verbas, com seis projetos e R$ 104,2 milhões. Em 2º lugar está o Rio Grande do Sul, com quatro projetos retirados e R$ 111,1 milhões.

Ficaram livres de cortes os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Maranhão, Alagoas, Sergipe, Mato Grosso e Ceará.

Medida atinge 25 de 29 ministérios

Dos 29 ministérios, 25 tiveram suas verbas canceladas para garantir a redução do preço do diesel. Além dos Transportes, Portos e Aviação Civil, registraram cortes significativos os ministérios da Fazenda (R$ 994,02 milhões), Minas e Energia (R$ 939,48 milhões) e Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (R$ 820,63 milhões).

Também chamou a atenção outros dois valores cancelados: os de encargos financeiros da União, com corte de R$ 1,67 bilhão, e reservas de contingência (R$ 2,48 bilhões) utilizadas para cumprir a meta fiscal.

Circulação sem CRLV poderá acarretar a remoção do veículo e pagamento de multa / Foto: Oswaldo Corneti/ Fotos Públicas

Os condutores de veículos com placas terminadas nos números 1 e 2 só poderão circular, a partir desta sexta-feira (1º), com o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV) 2018. Para ter acesso ao certificado, os motoristas precisam ter quitado todas as multas, o IPVA, taxa de bombeiros, licenciamento e o seguro obrigatório DPVAT.

De acordo com o presidente da Autarquia Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE), Charles Ribeiro, a circulação sem o porte desse documento poderá acarretar a remoção do veiculo para depósito, pagamento de multa no valor de R$ 293,47, além das taxas para liberação do carro.

IPVA

Este ano os condutores precisam também estar atentos à mudança no pagamento do Imposto Sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). As multas não estão mais constando no carnê de licenciamento, ou seja, no demonstrativo de débitos. Portanto, para pagar, o usuário precisa acessar o site do Detran-PE www.detran.pe.gov.br, gerar o boleto com as multas vencidas, já com juros e correção monetária. A mudança é resultado da Lei Federal 13.281, sancionada em 2016 e normatizada pelo Contran.

A nova legislação alterou o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e passou a autorizar que o cálculo dos valores das multas vencidas, com os devidos acréscimos de juros de mora, seja feito de forma automática no próprio site do Detran.
Os acréscimos no valor da multa são baseados na taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) para títulos federais e são calculados a partir do mês subsequente ao da consolidação até o mês anterior ao pagamento da multa, além de mais 1% relativo ao mês em que o pagamento estiver sendo efetuado.

Feriado

Por conta do feriado de Corpus Christi, celebrado ontem, e determinação do governo do Estado, o Detran-PE não realizará atendimentos na sede do órgão, no bairro da Iputinga, Zona Oeste do Recife, Ciretrans, e unidades de atendimento dos shoppings e Expressos Cidadão nesta sexta-feira e sábado.

https://www.portaljipa.com.br/restrito/img/informacoes/6c5a4c502a6a6d82efb98ad1fd981e02.jpg

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou na noite desta quinta-feira (31) que o governo vai firmar um acordo com a Fecombustíveis (Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes) para garantir o repasse do desconto de R$ 0,46 no litro do óleo diesel ao consumidor.

Segundo Padilha, aqueles postos que não repassarem o desconto estarão sujeitos a multas de até R$ 9,4 milhões, suspensão temporária das atividades, interdição dos estabelecimentos e até mesmo cassação da licença.

O ministro afirma que o acordo será assinado nesta sexta-feira (1º), às 11h, no Ministério de Minas e Energia.

A fiscalização será realizada pelos Procons estaduais. Caso um consumidor, ao abastecer com diesel, verificar a não aplicação do desconto, poderá fazer a denúncia ao Procon.

Padilha informou ainda que um número de telefone será usado como canal de comunicação para essas denúncias.

Rodovias livres

De acordo com o diretor-geral da PRF (Polícia Rodoviária Federal), Renato Dias, não existe mais nenhum ponto de aglomeração dos caminhoneiros nas rodovias federais. Dias fez um apelo para que os caminhoneiros fiquem atentos a lideranças que incitam novas paralisações.

“A pauta foi exaurida. O governo está garantindo os R$ 0,46 na bomba. Não deixem que falsos líderes com interesses diversos dos interesses dos caminhoneiros usem vocês para agitar e fazer baderna nas rodovias federais”.

O diretor-geral da PRF destacou também que podem haver eventuais interdições parciais em rodovias, mas não significam que se trata do mesmo movimento. De acordo com ele, a PRF lida com interdições diariamente, provocadas por motivos diversos.

https://www.folhape.com.br/obj/10/276536,475,80,0,0,475,365,0,0,0,0.jpg

Com a publicação de uma edição extra do Diário Oficial da União com decretos e medidas provisórias, o novo preço do diesel com desconto de R$ 0,46 passou a valer já nesta quinta-feira (31) nas refinarias.

Como o sistema de subsídios ao combustível passou a vigorar nesta quinta-feira, o diesel vendido neste feriado teve de deixar a refinaria mais barato. “O diesel já tem de sair da refinaria com menor valor hoje”, disse o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid.

Ministério da Fazenda disse que não poderia garantir a queda dos valores nos postos de combustíveis.

“No âmbito da Fazenda, as medidas são encaminhadas no sentido de garantir o preço na refinaria 46 centavos menores. Garantir isso [redução ao consumidor] foge do escopo do Ministério da Fazenda”, disse o chefe da assessoria especial do ministro da Fazenda, Marcos Mendes.

De acordo com Mendes, “existem vários órgãos, seja de concorrência ou de proteção ao consumidor” para tratar desse tema, como o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), Procon e a ANP (Agência Nacional do Petróleo). “Cada um tem que exercer o seu papel”, disse.

Ainda que os órgãos ligados ao governo não confirmem a redução no valor do diesel nas bombas, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou na última quarta-feira que haverá fiscalização para garantir a queda no preço praticado aos consumidores finais.

“O Ministério da Justiça está ultimando a portaria que vai regulamentar tudo isso, inclusive as punições, e a necessidade para que os postos coloquem uma placa com o valor praticado em 21 de maio, o desconto e o preço atual”, afirmou Marun.