Monthly Archives: julho 2018

Leia a 2ª parte da entrevista do ex-senador Luiz Estevão a revista Época.

Em setembro de 2014, Luiz Estevão chegou ao local na condição de detento e bancou pessoalmente os itens para equipar o bloco 5 do CDP, onde fica a ala dos vulneráveis. “Quando eu cheguei aqui, não tinha nada. Então eu tive de montar a cantina. Eu forneci a geladeira, micro-ondas, fogão, utensílios de cozinha, tudo, inclusive uma cafeteira. Eu não como açúcar, também não sabia fazer café. Na época, eu pedi, em vez de uma cafeteira, uma máquina de expresso, que qualquer um sabe fazer.” Cerca de dois meses depois, começaram a chegar os primeiros presos do mensalão: Cristiano Paz e Ramon Hollerbach, que eram sócios do publicitário Marcos Valério, operador do mensalão. Ambos dividiram cela com Luiz Estevão. “Quando eu voltei em 2016, tudo que eu deixei aí tinha continuado: a televisão, meu aparelho de tocar CDs, uma coleção grande de CDs de música”.

O empresário contou que todos esses itens, como as máquinas de café expresso, eram autorizados pela direção do presídio. “Como a cantina não tinha condições de fazer café sem açúcar para mim (…), eu pedi na época à chefia de pátio: ‘Olha, tenho uma cafeteira aqui, eu não quero tomar café com açúcar, a cantina não tem condições de fazer café sem açúcar para mim, porque nem dá tempo também para o cantineiro fazer, e, se ele fizesse no início do dia, não teria onde guardar’. Aí foi autorizado que eu trouxesse toda semana 48 cápsulas de café e que eu utilizasse essa cafeteira. Então essa cafeteira nunca foi segredo para ninguém, nada disso. Pelo contrário, as cápsulas de café eram entregues aqui na chefia de pátio, e a chefia de pátio repassava”, afirmou. Os CDs de música, compostos principalmente de discos de jazz e música clássica, o aparelho de som e outros itens inusitados foram sendo retirados após sucessivas inspeções na ala dos vulneráveis. “Naquela época, eu trazia CDs pelo menos todo mês. A chefia de pátio escutava, via se não tinha nenhuma irregularidade e me repassava os CDs normalmente. Quando houve aquela inspeção do dia 26 de janeiro de 2017, ninguém questionou sobre o tocador de CD. Mas uma semana depois houve uma vistoria nas celas e tudo aquilo que pudesse ser interpretado por alguém como uma coisa ilegal, tudo aquilo foi retirado, inclusive o tocador de CD.”

Segundo Luiz Estevão, o deputado afastado Paulo Maluf (PP-SP), com quem ele desenvolveu uma relação próxima durante a passagem do parlamentar pela Papuda, foi um detento “admirável”. “Ele teve um comportamento muito bom com todos. Foi muito gentil, muito educado com os presos, tanto que se tornou uma pessoa muito estimada por todos. Todos os dias ele ia conversar comigo. Depois do almoço, era obrigatório. Ele dormia um pouco, acordava e ia imediatamente sentar comigo na biblioteca e ia conversar comigo”, contou. Apesar de seu estado delicado de saúde, com câncer e dificuldade de locomoção, o que motivou sua mudança para prisão domiciliar, Maluf, segundo Estevão, reagia com bom humor às brincadeiras. “Eu brincava muito com ele: ‘Olha, Maluf, não se preocupe não que cadeia faz bem para a saúde’. Aí ele ria para mim. Primeira coisa, todo mundo emagrece. Eu, por exemplo, aqui há 861 dias. Se você fizer uma continha rápida, eu já almocei ou jantei 1.722 vezes. Todas às vezes, frango com arroz e cenoura. A comida é ruim? Não, a comida é decente, sadia, mas comer 1.722 vezes seguidas arroz, feijão, frango e cenoura evidentemente que é coisa que não agrada ao paladar de ninguém pela repetição.”

Ao ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, que ficou na Papuda durante um mês entre maio e junho e dividiu cela com Estevão, o empresário disse ter dado conselhos sobre como receber visitas da filha menor, de 7 anos de idade — a legislação prevê uma visita especial separada dos demais detentos. Segundo Estevão, seus colegas de prisão não queriam visitas das filhas pelo fato de a ala dos vulneráveis ser ocupada por criminosos sexuais. “Nós somos 70 aqui no bloco. Quando eu cheguei, eram 19. Desses 70, acredito que uns 40 estejam presos em função de crimes sexuais contra menores, o que é uma situação muito desagradável. É um cenário muito duro para a gente ter consciência de que essas pessoas cometeram esse tipo de crime. O restante dos presos está aqui por estelionato, por falsificação, por assassinato, por homicídio, parricídio, fratricídio. Tem de tudo que você pode imaginar”, contou.

É proibido conversar com os outros presos sobre os crimes que cometeram? “É um assunto que eu evito”, disse Estevão. “Logo que eu cheguei, comecei a ser muito procurado pelas pessoas para conversar sobre seus crimes e principalmente para pedir ajuda porque quase todos eles são defendidos pela Defensoria Pública, e a Defensoria presta um trabalho extremamente deficiente. Na prática, grande parte dos internos não tem nenhuma assistência jurídica. Ou se tem é totalmente fora dos prazos da razoabilidade. Como eu comecei a ver que teria problemas, porque eu fui advertido de que qualquer serviço que eu prestasse aos demais detentos poderia caracterizar exercício de liderança, o que é malvisto pelas autoridades, evito conversar sobre os processos dos outros para não ter de me envolver. Pelo fato de eu ter recurso, de eu ter uma estrutura, eles esperam que eu possa disponibilizá-la para servir a eles”. Ainda assim, Estevão admite ter colocado seus advogados à disposição de alguns detentos, como Funaro.

Estevão continua alegando inocência em relação aos crimes pelos quais foi condenado. Diz que não participou das obras do Fórum Trabalhista e que nem conhecia o juiz Nicolau dos Santos — o Ministério Público Federal apresentou extratos de transferências de uma conta no exterior atribuída a Estevão para uma conta atribuída ao juiz Nicolau, consideradas pagamento de propina pelas irregularidades na obra. Estevão nega que tenha feito às transferências e diz que apenas se beneficiou vendendo terrenos para Fábio Monteiro de Barros, dono da Incal, construtora que tocou as obras do TRT de São Paulo. O empresário diz que Barros lhe pagou com dinheiro desviado das obras do TRT-SP, mas afirma nunca ter tomado conhecimento das irregularidades na obra, das quais diz não ter participado. Nas investigações, o Ministério Público apreendeu um contrato de gaveta entre Estevão e a Incal que, de acordo com a denúncia, comprova que Estevão era o verdadeiro responsável pelas obras. “Existe uma diferença aí, uma coisa é ser autor, outra coisa é ser beneficiário. Se você me perguntar se eu sou autor de alguma das irregularidades ou alguma das ilegalidades apontadas no processo do TRT, minha resposta é não. Não tenho nada a ver com aquilo, não conheço o juiz Nicolau, nunca estive na obra do TRT, nunca tive envolvimento com a condução daquilo ali. Se eu tivesse tido envolvimento, não tinha dado no que deu, eu teria terminado a obra corretamente”, defendeu-se.

Até o fim deste ano, Estevão prevê cumprir os requisitos para progredir para o regime semiaberto, quando poderá trabalhar fora do presídio durante o dia, ficando obrigado a voltar à noite e nos fins de semana. “A primeira missão que você tem quando sai daqui é voltar a se adaptar ao mundo lá fora. Da mesma maneira como ingressar aqui envolve um processo de adaptação: quanto mais rápido você conseguir fazer essa transição, menos você vai sofrer aqui dentro. Da mesma forma, sair daqui também representa (um processo de adaptação), principalmente num mundo tão acelerado como o de hoje. Então eu acho que o desafio depois que sair daqui é passar um processo de adaptação e conseguir conviver bem com o mundo lá de fora”, concluiu Estevão, proferindo a última frase da entrevista.

O empresário não sabia naquele momento que precisaria passar por um novo processo de adaptação dentro da Papuda. Por ordem da juíza Leila Cury, da VEP, no último dia 19, Estevão foi transferido para uma cela de isolamento no Pavilhão de Segurança Máxima. Nas palavras da juíza, Estevão “já foi flagrado, pelo menos duas vezes, na posse de objetos proibidos, tudo estando a indicar que, se não for imediatamente realocado em outro local, além de dificultar a efetiva apuração dos fatos, pode vir a conseguir novamente outros privilégios”. Em sua decisão, a juíza afirmou também que Estevão é suspeito de ter doado um imóvel a um agente penitenciário em troca de facilidades. A defesa de Estevão nega a suspeita e diz que prestará esclarecimentos sobre a acusação. Em nota, o advogado de Estevão, Marcelo Bessa, declarou que a cela para onde ele foi transferido não atende aos requisitos básicos de salubridade, está em condições “degradantes” e o deixa vulnerável a outros presos por estar na unidade “mais violenta e exposta do presídio”. A realidade do novo espaço de Estevão é bem mais dura: lá, os presos só recebem visitas de familiares a cada 15 dias, não têm acesso à biblioteca e o banho de sol dura apenas duas horas, entre outras restrições.

 Em Pernambuco, o PT forçaria a saída de sua pré-candidata, a vereadora Marília Arraes, abrindo caminho para a candidatura à reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). / Foto: Hélia Scheppa/SEI

Dirigentes do PT disseram nesta terça-feira (31), durante reunião do Conselho Consultivo do partido, em São Paulo, que os petistas não negociam mais uma coligação nacional com o PSB. O objetivo do PT, agora, é evitar que o PSB se alie formalmente a Ciro Gomes (PDT), e libere suas lideranças estaduais para apoiar o candidato a presidente que considerem melhor.

A negociação passa por acordos entre PT e PSB em Pernambuco e Minas Gerais. Em Pernambuco, o PT forçaria a saída de sua pré-candidata, a vereadora Marília Arraes, abrindo caminho para a candidatura à reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). Em Minas, seria o inverso. O ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) abandonaria a disputa, em favor do petista Fernando Pimentel, que concorre à reeleição.

O PT já adiou duas vezes o encontro nacional que vai definir a posição do partido em Pernambuco em nome das negociações com o PSB. Segundo petistas pernambucanos, Marília tem hoje a maioria do diretório estadual.

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, negou os termos da negociação. Segundo ele, a possibilidade de apoiar o PT ainda não foi totalmente descartada. No domingo, o partido vai decidir entre uma coligação com os petistas, apoio a Ciro ou liberar as lideranças estaduais. O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), defende uma candidatura própria, mesmo que seja para perder a eleição. França não quer abrir mão do tempo do partido no horário eleitoral da TV, mas é minoria.

“Não discuti isso (acordo regional envolvendo Lacerda) com ninguém. O PT condicionou a retirada da Marília a um acordo nacional”, afirmou Siqueira.

Alianças

O PT ainda negocia alianças com o PROS e o PCdoB. Segundo dirigentes do partido, emissários levaram ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pela Lava Jato e preso em Curitiba, a sugestão de que Manuela d’Ávila, pré-candidata do PCdoB, seja a vice na chapa petista. Lula não se manifestou.

A escolha do vice é motivo de divergências no PT. Correntes influentes dizem que o partido deve escolher logo um nome dentro de suas próprias fileiras. Um grupo prefere que o vice seja um nome “fraco”, que não seja visto como possível “plano B” a Lula. Outros petistas acham melhor que o vice seja o possível substituto de Lula.

Presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (PR) publicou um texto na página do partido no qual critica lideranças da esquerda que admitem uma eleição sem Lula. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

http://www.charlesaraujo.com.br/site/wp-content/uploads/2018/07/silva1.jpg

Após entrevista que repercutiu muito no município e até fora dele, onde o deputado federal Daniel Coelho criticou a postura do prefeito Romonilson Mariano, de São José do Belmonte, no Sertão pernambucano, foram os motivos do prefeito rescindir um contrato que o filho do blogueiro e jornalista Silva Lima, que apresenta o programa Ponto a Ponto, numa emissora de rádio local e comandou a entrevista, tinha com a Prefeitura. O contrato foi rescindido logo após a entrevista (cerca de uma hora depois), contrato esse que foi obtido, segundo o próprio Silva Lima, após seleção simplificada na área da saúde, que aconteceu no mês de Abril do corrente ano.

Na verdade, o prefeito Romonilson Mariano, ao rescindir o contrato do filho, tentou atingir o jornalista Silva Lima, ato este lastimável, apenas por que o jornalista conduziu uma entrevista no qual o entrevistado, no caso o deputado Daniel Coelho, foi contra a alguns pontos e atos de sua gestão.

O comunicador não tem nenhuma responsabilidade pelas palavras dos seus entrevistados, o programa Ponto a Ponto, conduzido pelo Jornalista Silva Lima, desde sua criação em 26 de Junho de 2018, sempre convidou pessoas ligadas ou não ao grupo do atual gestor, e continuar fazendo da mesma forma, trabalhando de forma imparcial, independentemente dos fatos ocorridos.

Art. 73 da lei Eleitoral nº 9504/97

Pela lei – “nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, extra ofício, remover, transferir ou exonerar servidor público, na circunscrição do pleito, nos três meses que o antecedem e até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados: a) a nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança”

A penalização descabida gerou indignação na comunidade local e repercute no estado, a não observância das cinco exceções, atitude que desloca o gerir do foco principal, que também é, proporcionar estabilidade social e transparência de gestão em todos os âmbitos. Com informações do blog CA Notícias.

A Escola de Contas Públicas vai oferecer gratuitamente o curso Auditoria em Folha de Pagamento que acontecerá nos dias 06 e 07 de agosto, das 8h às 18h, na Inspetoria Regional de Arcoverde.

Com o objetivo de capacitar os servidores públicos em auditoria de folha de pagamento, visando ao aperfeiçoamento da realização dos trabalhos de controle, o professor Araken Ypiranga, analista de controle externo do TCE-PE, abordará temas como fiscalização e controle, tipos de auditoria, roteiro para realização de auditorias de pessoal, pontos de controle, SAGRES – Módulo de Pessoal e a Resolução TC nº 26/2016.

Os cursos também serão oferecidos nos municípios de Recife, Garanhuns, Petrolina e Surubim, como parte do programa de interiorização da Escola. “Essa é mais uma etapa do nosso compromisso no sentido de levar conhecimento aos gestores municipais de todo Estado”, disse o conselheiro Ranilson Ramos, diretor da Escola de Contas.

Para realizar a inscrição e conhecer as regras de participação clique aqui. Mais informações entre em contato pelo (81) 3181.7955 e ead@tce.pe.gov.br.

http://imagens.ebc.com.br/Twyj931-DBN2MnMF8Y09w3RebJo=/375x183/smart/http://agenciabrasil.ebc.com.br/sites/default/files/thumbnails/image/enem_2018a.jpg?itok=CbGaoDW9

Professores da rede pública e servidores públicos federais que queiram trabalhar na aplicação das provas do Exame Nacional do Ensino Médio de 2018 podem se inscrever a partir de hoje (31), pela internet. No caso dos professores, podem participar os das redes estaduais e municipais de ensino.

As inscrições vão até o dia 20 de agosto. As provas do Enem 2018 serão aplicadas nos dias 4 e 11 de novembro.

Os inscritos que forem aprovados vão receber capacitação por meio de um curso à distância. Quem já participou da aplicação de provas anteriores do Enem também deverá fazer a capacitação. Para atuar no dia da prova é preciso ter, no mínimo, 70% de aproveitamento nas atividades do curso.

Critérios para inscrição

Alguns dos critérios para se inscrever são: ter o ensino médio; ser servidor público federal ou docente da rede estadual ou municipal de ensino efetivo e registrado no censo escolar; não estar inscrito ou ter cônjuge, companheiro ou parentes inscritos para as provas do Enem 2018; não ter vínculo com as atividades do processo de elaboração, impressão, distribuição, aplicação e correção da redação exame. Ainda é indispensável ter smartphone ou tablet com acesso à internet móvel.

O trabalho é remunerado e o valor pago é de R$ 318 por dia de atuação na Rede Nacional de Certificadores (RNC) do Enem 2018. A carga horária diária é de 12 horas.

O Programa “Território Vivo” tem como público-alvo lideranças empresariais, instituições privadas ou públicas, representantes de movimentos, associações e pessoas que batalham, produzem e constroem a identidade e o cotidiano das cidades.

O objetivo é construir de forma coletiva uma agenda de trabalho e planejamento para o desenvolvimento da nossa região.

Pensando nisso, em parceria com o Governo Municipal de Sertânia, por meio da Secretaria de Juventude, Esporte, Cultura e Turismo, o programa realiza uma reunião com produtores culturais e de eventos, proprietários de hotéis ou pousadas, bares ou restaurantes, artesãos ou artistas, nesta quarta-feira, dia 1° de agosto, às 19h. 

O encontro acontece na sede da Seject, na Antiga Estação Ferroviária. Quem se interessar por turismo, eventos, cultura e artesanato estão convidado a participar.

Advogado pede prisão preventiva de cantor Jonny Hoocker que chamou Jesus Cristo de “travesti e bicha” em festival

A polêmica apresentação no festival de inverno de Garanhuns pode parar na delegacia. O advogado criminalista Jethro Silva Júnior (foto abaixo) ingressou na Chefia de Polícia da Policia Civil de Pernambuco, com uma notícia crime contra o cantor Jonh Donovan Maia, conhecido como Johnny Hoocker. Se condenado o cantor que chamou Jesus Cristo de “bicha, viado e transexual” pode pegar até cinco anos de prisão.

Na ação o advogado afirmou que, segundo dados do IBGE, cerca de 86% da população brasileira se declara cristã. Ou seja, ainda que o Brasil seja um pais constitucionalmente laico, mais de 178 milhões de brasileiros possuem ou professam a fé cristã, ou seja, têm na pessoa de Jesus Cristo o centro e a razão de sua crença.

Lembrou ainda que Jesus Cristo também é considerado para os cristãos como modelo de uma vida virtuosa, e tanto como o revelador quanto a encarnação de Deus. Os cristãos chamam a mensagem de Jesus Cristo de evangelho (“boas novas”), e por isto referem-se aos primeiros relatos de seu ministério como evangelhos.

Argumenta que as pessoas que professam a fé cristã têm a pessoa de Jesus Cristo como uma pessoa do sexo masculino, heterossexual, segundo a bíblia sagrada, que é o livro que contém os ensinamentos cristãos.

“Qualquer afirmativa diferente desses dogmas é considerada uma ofensa à fé cristã. Daí, qualquer manifestação que implique, de alguma forma, em ofensa a Jesus é uma ofensa aos cerca de 178 milhões de brasileiros”, explicou.

Pessoalmente ele se disse ofendido, quando na noite do último dia 28 de julho de 2018, na cidade de Garanhuns, durante um “show” realizado no âmbito do chamado Festival de Inverno de Garanhuns, o noticiado John Donovan Maia, que se apresenta com o vulgo de Johnny Hooker, afirmou que “Jesus é transexual sim, Jesus é bicha sim, porra!”, além de ter puxado o coro “ih, ih, ih, Jesus é travesti“.

“A circunstância de Johnny Hooker ter-se expressado por ocasião de uma manifestação artística de duvidosíssima qualidade, e que, portanto, nessa circunstância, in thesi, estaria albergada pela liberdade estabelecida no inciso IX do art. 5º da constituição federal, não é menos certo que essa mesma liberdade deve amoldar-se à lei. Assim, ainda que arte seja, substancialmente, liberdade, o direito à liberdade artística não pode ser ilimitado e encontra balizas em outros valores constitucionalmente assegurados.”

Ele lembrou ainda que o art. 20, §2°, da lei federal n° 7.716, de 05 de janeiro de 1989, dispõe, que “praticar ou incitar a discriminação de religião” é crime com pena de até 5 anos de reclusão.

O advogado arrolou, como testemunhas, o prefeito de Garanhuns, o arcebispo de Olinda e Recife, o bispo diocesano de Garanhuns, o presidente da ordem dos pastores evangélicos de Garanhuns e região, além da cantora Daniela Mercury e lembrou, ainda, a possibilidade da representação pela decretação da prisão preventiva do cantor.

SECRETARIA DE CULTURA

A Secretaria de Cultura de Pernambuco, do secretário Marcelino Granja, e a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), presidida por Márcia Souto, emitiram uma nota oficial para se posicionar sobre os conflitos que permearam a última edição do Festival de Inverno de Garanhuns (FIG).

Leia a nota na íntegra:

“Sobre a atitude isolada de alguns artistas no Palco Dominguinhos, na 28° Edição do FIG, a SECULT e FUNDARPE pedem desculpas aos cristãos e a todos que tenham se sentido ofendidos.

Não concordamos com tais atitudes.

O que prevaleceu largamente no FIG foram as suas mais de 500 apresentações, que fizeram do Festival um grande espaço de confraternização, transcorrido em paz, tranquilidade e segurança, com as ruas, praças, parques, restaurantes, hotéis, teatros, Catedral, Circo, pavilhões e polos de apresentações artísticas lotados durante os seus 10 dias!!

Também não compactuamos com a irresponsabilidade pública do Prefeito, pautado pelas ideias reacionárias do projeto de Temer em Pernambuco.

O Prefeito espalhou uma campanha de ódio, preconceitos e intolerância nas redes sociais, fazendo proselitismo político da oposição ao Governo, como revelou na entrevista que foi ao ar nesta segunda-feira, caindo sua máscara ao falar abertamente de eleição.

Por fim, reafirmamos os valores cristãos e humanistas da compaixão, do amor e do perdão, da solidariedade e da união pela paz e contra a violência.

Recife, 30 de setembro de 2018.

SECULT e FUNDARPE”.

Os dois bancos, que foram explodidos pelos criminosos, ficam na mesma rua ao redor da Praça Cônego João Rodrigues de Melo / Foto: Cortesia

Duas agências bancárias foram alvo de explosão em São Bento do Una, no Agreste de Pernambuco, na madrugada desta terça-feira (31). A investida aconteceu por volta das 2h30. Houve confronto entre policiais do Batalhão Especializado do Interior (Bepi) e a quadrilha e um dos criminosos morreu.

De acordo com a Polícia Militar, cerca de dez homens participaram da ação, que terminou com a explosão das agências do Banco do Brasil e Bradesco. Ainda não se sabe se o grupo conseguiu roubar valores das instituições bancárias. Durante o roubo, uma família foi feita refém dentro de uma residência e houve negociação com a polícia para liberação das vítimas.

Além disto, um carro foi incendiado na frente do destacamento da Companhia da Polícia Militar de São Bento do Una para impedir a saída dos policiais. Na ação, foram apreendidos um fuzil, duas espingardas calibre 12, algumas bananas de dinamite e uma quantia em dinheiro não informada.

Outra explosão

Além de São Bento do Una, a cidade de Santa Cruz do Capibaribe, também no Agreste, foi alvo de criminosos, também nesta madrugada. Um grupo chegou ao local e explodiu uma agência da Caixa Econômica Federal (CEF) que fica no centro da cidade, por volta das 4h30. Os moradores ouviram a explosão e barulhos de tiros. Em abril deste ano, uma quadrilha tentou roubar a mesma agência, mas não conseguiu.

Após levantamento feito sobre o número de vítimas de crimes violentos letais e intencionais em Pernambuco no primeiro semestre do ano, foram registrados no estado, 2.279 casos, entre janeiro e junho de 2018. Sendo 308 casos na capital, 691 na Região Metropolitana e 1.280 casos no interior do estado.

Serra Talhada, na região do Pajeú, lidera isoladamente o ranking de casos de mortes, foram 15 casos registrados neste semestre, de acordo com os números da Secretaria de Defesa Social do Estado (SDS). Foram três casos em Fevereiro, cinco em Março, quatro em Abril, três em Junho.

Os municípios de Brejinho, Calumbí, Ingazeira, Quixaba, Santa Terezinha, Solidão e Triunfo se destacam por não ter registro mortes este ano, de acordo com os números apresentados pela secretaria de defesa social de Pernambuco (SDS). O levantamento é do Blog Leia Mais PE.

Confira a lista da SDS:

AFOGADOS DA INGAZEIRA – 02 casos

BREJINHO – 00

CALUMBÍ – 00

CARNAÍBA – 01 caso

FLORES – 01 caso

IGUARACÍ – 02 casos

INGAZEIRA – 00

ITAPETIM – 02 casos

QUIXABA – 00

SANTA CRUZ DA BAIXA VERDE – 02 casos

SANTA TEREZINHA – 00 casos

SÃO JOSÉ DO EGITO – 02 casos

SERRA TALHADA – 15 casos

SOLIDÃO – 00 casos

TABIRA – 02 casos

TRIUNFO – 01

TUPARETAMA – 00

Até a sexta-feira desta semana, o Centro Cultural dos Correios, que fica na Av. Marquês de Olinda, 262, Bairro do Recife, recebe o 1º Encontro Nordestino de Violonistas, organizado pelo Quarteto de Violões Tapioca de Shark. A partir das 19h, são apresentados recitais que passam por diversos estilos, passando pela música erudita, popular e de câmara.

O evento homenageia o músico Antônio Madureira, um dos principais nomes do Movimento Armorial, integrando o Quinteto Armorial. Entre as atrações estão: Djalma Marques, Lucas Oliveira, Mirael Lima, Aristide Rosa,  Guilherme Calvazara, Quinteto de Bandolins do Recife, Duo Soma, além do próprio Quarteto de Violão Tapioca de Shark.

Cada recital terá uma hora de duração e a entrada é gratuita. O evento ainda conta com mesas-redondas e masterclasses durante a tarde. 

 

http://blogdomarioflavio.com.br/vs1/wp-content/uploads/2018/01/img_3402.jpg

Apesar das tentativas do grupo do senador Fernando Bezerra Coelho de retirar das mãos do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski a responsabilidade por decidir o destino do MDB de Pernambuco, será o magistrado que julgará se a disputa entre as cúpulas nacional e estadual da agremiação deve ou não ser analisada com urgência pela Corte.

Ontem, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, que está atuando no plantão durante o recesso Judiciário, decidiu que o próprio Lewandowski deve julgar o pedido de urgência impetrado pela Executiva Nacional do partido, e não ela. A magistrada argumentou que, como o diretório regional do MDB mudou a data da convenção do dia 20 de julho para 3 de agosto, o próprio ministro relator poderia julgar a questão.

“O MDB (de Pernambuco) fez uma manobra, mudou a data da convenção para tirar a análise pelo plantão. A convenção ia ser em julho e eles alteraram para 3 de agosto, esvaziando o nosso pedido, que era que fosse analisada a petição ainda em julho por causa do fato novo, que seria a convenção”, afirmou Renato Ramos, advogado da Executiva Nacional do partido. 

Ramos acrescentou que espera que o ministro aprecie o pedido esta semana, antes da convenção pernambucana, expectativa compartilhada pelo próprio FBC, que se beneficiaria de uma decisão desfavorável ao vice-governador Raul Henry, atual presidente estadual do partido. “Vamos aguardar a decisão do ministro”, cravou FBC.

Nos bastidores, comenta-se que, caso o STF não se posicione até a convenção pernambucana, a Executiva do MDB pode judicializar o ato partidário. A defesa da Nacional não nega o movimento. Carlos Neves, advogado do diretório regional da sigla, diz desconhecer meios que possibilitem a manobra.

“Não sei qual a tese que eles podem levantar, uma vez que há três decisões de ministros do Supremo que garantem a integridade do MDB de Pernambuco”, disse Neves. 

Raul Henry foi procurado pela reportagem, mas preferiu não se pronunciar. As informações são do Jornal do Commercio.

Chico Peixoto/LeiaJáImagens/Arquivo

A pré-candidatura do filho do ex-governador Eduardo Campos, João Campos, pode estar sendo um dos motivos para desavenças no meio político pernambucano. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, parlamentares do PSB e de outras legendas aliadas que irão tentar a reeleição na Câmara dos Deputados se mostram insatisfeitos.

De acordo com a reportagem, um dos prováveis insatisfeitos é o ex-secretário estadual de Turismo, o deputado federal Felipe Carreras (PSB), o mais votado em Recife na eleição de 2014. Ele teve que começar a “dividir” algumas áreas da capital pernambucana com João. Carreras, ainda de acordo com a matéria, tem visto vereadores da base do prefeito Geraldo Júlio (PSB) migrarem para a pré-candidatura de Eduardo. 

 Em meados deste mês, Felipe Carreras chegou a se posicionar sobre a novela envolvendo a possível aliança do PSB com o PT. O socialista disse, por meio do Twitter, que não vota no ex-presidente Lula e em nenhum candidato petista. Por sua vez, o filho de Eduardo disse considerar “natural” a possível aliança entre o PSB e PT em Pernambuco.  

O ex-chefe de gabinete do governador Paulo Câmara, durante uma entrevista, justificou que o momento de acirramento só tem feito mal à vida das pessoas. “É importante que se deixe divergências de lado e se busque convergências em torno de objetivos que possam melhorar a vida das pessoas”, salientou. 

Além de cotado para ser o deputado federal mais bem votado em 2018, assim como Carreras, João Campos também é especulado como candidato a prefeito em 2020. A vitória pode credenciá-lo para ser o candidato majoritário como prefeito do Recife. 

Júlio Gomes/LeiaJáImagens

Agora no time da oposição ao governador Paulo Câmara (PSB), o ex-governador de Pernambuco João Lyra Neto (foto) vem participando ativamente dos encontros do grupo “Pernambuco Vai Mudar” afirmando sobre a necessidade de dar um “novo rumo” ao estado. Lyra que já chegou a dizer que foi expulso do PSB se mostrou confiante sobre uma possível vitória do pré-candidato a governador Armando Monteiro (PTB) e não poupou críticas a Câmara. 

João Lyra disse que Paulo Câmara não tem força. “Eu faço parte da grande maioria da população pernambucana que acredita que o governador não tem força, não tem liderança política e que não tem demonstrado ser um bom gestor”, disparou. Lyra, que foi ex-prefeito de Caruaru e também vice do ex-governador Eduardo Campos, ainda ressaltou que Pernambuco está perdendo. “Isso significa que Pernambuco está perdendo e perdendo muito em todas as áreas. Ele não foi formado para ser liderança política”, reiterou. 

João Lyra Neto afirmou que há chances de vitórias de Armando contra o atual governador e também dos deputados federais Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB), que são pré-candidatos ao Senado Federal. “Eu acho que há chances em torno das três candidaturas. Pernambuco precisa mudar, isso é um slogan que não é dos partidos, é da população pernambucana. Eu acho que Mendonça e Bruno se incorporando a essa campanha como candidato majoritário com certeza fortalece, unifica e dá muita força à candidatura de Armando”. 

Ele ainda acredita que a chapa da oposição representa renovação política. “Eu acho que Armando, Mendoncinha e Bruno representa o sentimento não apenas de renovação, mas fundamentalmente de restabelecimento de Pernambuco”. 

ACM Neto

O prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM, ACM Neto, afirmou na noite desta segunda-feira (30), em evento do PSDB na capital baiana, que uma decisão sobre o candidato a vice-presidente da chapa do presidenciável tucano Geraldo Alckmin nas eleições 2018 pode sair até quarta-feira (1º). Nesta data, o Centrão – grupo de partidos formado por PP, DEM, PRB, PR e Solidariedade – se reúne em Brasília com o pré-candidato ao Palácio do Planalto.

Segundo ACM Neto, “os partidos estão desprendidos” do cargo e não há disputa pela vaga. “Nosso desejo é fazer um movimento coletivo, pensando no melhor para a chapa. Não tem essa coisa de (a vaga) ser do partido A, B ou C”, afirmou ao Estado.

Um dos principais articuladores do Centrão, ACM Neto disse ainda que, apesar de prever para quarta-feira, não descartou que a definição possa ficar para o sábado, penúltimo dia previsto na legislação eleitoral para as convenções partidárias. Nesta segunda-feira, ao participar da convenção do PSDB em Belo Horizonte, Alckmin disse o vice em sua chapa será definido “sem correria” até o próximo sábado. Na ocasião, o tucano descartou que o nome a ser escolhido será de São Paulo ou de seu partido.

ACM Neto disse que não foi convidado para coordenar a campanha de Alckmin. Afirmou que “quer ajudar, mas que não precisa de “títulos”. “A própria campanha e a dinâmica dela vai se incumbir de demonstrar o papel de cada um. Eu quero ajudar. Não preciso de posição nenhuma. Já tenho contribuindo muito e vou estar colaborando como puder. Não preciso ter título, cargo ou função”, disse.

O prefeito de Salvador defendeu o Centrão de críticas de outros presidenciáveis, que na última semana chamaram o grupo, formado por lideranças como o ex-deputado Valdemar da Costa Neto,  condenado no mensalão, de fisiologista. Segundo ele, essas críticas são “preconceito”. ACM Neto afirmou que não houve negociações por cargos e ministérios durante as conversas do grupo.

“Tem muito preconceito por trás disso. Se Geraldo Alckmin não recebesse o apoio desses partidos, diriam que ele estava isolado, enfraquecido. Agora que ele recebe o apoio de todo mundo, tem que encontrar um motivo para criticar. Eu acompanhei todas as conversas e todas foram transparentes e republicanas. Ninguém negociou nada, ninguém falou em espaço de governo, em ter ministério, isso não existe. O que eu vi foi muito preconceito, uma tentativa de diminuir o fato político mais relevante dessa campanha até agora, que deu a Geraldo a condição de favorito para disputar essa eleição”, afirmou.

Ele disse ainda que o grupo “não vai se limitar a uma disputa ou enfrentamento no campo do centro e da direita”, ao responder se o pré-candidato Jair Bolsonaro, do PSL, será atacado preferencialmente pelo presidenciável tucano. “Não existe um adversário. Todos são adversários. A gente tem que buscar cada voto, conversar com todos os campos públicos”, defendeu ACM Neto.

https://cultura.estadao.com.br/blogs/direto-da-fonte/wp-content/uploads/sites/290/2018/06/1524793273919-460x289.jpg

O PSB negocia com o PDT a retirada de pré-candidaturas deste último em dois Estados, segundo fonte credenciada. A de Lígia Feliciano, no Piauí, e a de Peniel Pacheco, no DF – onde Rodrigo Rollemberg, do PSB, busca a reeleição e defende uma aliança nacional com Ciro.

Ciro e o PDT contam ainda com apoio de cinco lideranças estaduais do PSB – entre elas Marcio Lacerda (MG), Beto Albuquerque (RS) e Alessandro Molon (RJ) – e os socialistas têm tendência pró-Ciro outros cinco Estados. O grupo que prefere fechar com o PT domina em PE, BA, AC e RN.