Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Em participação na missa especial no Morro da Conceição na manhã desta quinta-feira (06), o governador Paulo Câmara (PSB) disse que a paralisação do fornecimento de merenda em 15 unidades de ensino do Estado desde dessa segunda-feira (03) “são casos pontuais” e que a situação será regularizada até esta sexta-feira (07). A empresa responsável pelo fornecimento é a Casa de Farinha, alvo das operações Ratatouille e Castelo de Farinha. A fornecedora denunciou uma dívida de R$ 8 milhões do governo estadual.

“Eu falei agora pela manhã com o secretário (de Educação, Frederico Amâncio) e ele disse que estava regularizando (o fornecimento da merenda). São casos pontuais que a gente vai regularizar até amanhã (07)”, disse o governador.

Questionado sobre algumas escolas que teriam suspendido as aulas por falta de merenda, o socialista reiterou que são “questões pontuais” e que vão ser resolvidas até esta sexta.

Nessa quarta-feira (05), a Secretaria de Educação já havia afirmado que a suspensão no fornecimento nas unidades era um “caso isolado” e que “a rede estadual funcionou normalmente”. No mesmo dia, a Casa de Farinha afirmou que o atendimento seria restabelecido a partir desta sexta (60), após a Secretaria de Educação se comprometer a fazer o pagamento parcial dos débitos.

Investigação

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) abriu uma auditoria nos contratos sem licitação da Casa de Farinha com o Governo de Pernambuco para o fornecimento de alimentação hospitalar ao Hospital dos Servidores do Estado. Desde 2015, a contratação foi por dispensa de licitação.

A Casa de Farinha esteve ainda no foco de investigações nas operações Ratatouille e Castelo de Farinha, que apuraram supostas irregularidades em contratos para a merenda escolar nos municípios do Cabo de Santo Agostinho e de Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife. Além disso, foi alvo de um alerta do Tribunal de Contas para que a empresa fosse substituída pela Prefeitura do Recife.