Por Naldinho Rodrigues*

Na semana que antecede o Carnaval, vamos falar de Orlando Garcia da Silva, ou simplesmente Orlando Silva, o cantor das multidões. Que nasceu no dia 03 de outubro de 1915, no bairro de Engenho de Dentro, no Rio de Janeiro, tendo falecido em 07 de agosto de 1978 aos 62 anos, vítima de Acidente Vascular Cerebral.

Orlando Silva tinha um clube de coração: o Clube de Regatas Flamengo. Foi um dos mais importantes e famosos cantores brasileiros da primeira metade do século XX.

Filho de Balbina Garcia e José Celestino da Silva, antes da fama, foi sapateiro, vendedor de tecidos, mensageiro e office boy.

Francisco Alves, o rei da voz, foi o seu padrinho, abrindo-lhe as portas para o sucesso, para muitos, Nelson Gonçalves foi considerado o sucessor de Orlando Silva. Ainda garoto, ao saltar de um bonde quando se dirigia para entregar uma encomenda, sofreu um acidente, tendo um de seus pés parcialmente amputado.

Um dos grandes admiradores do cantor Orlando Silva foi o presidente Getúlio Vargas. O auge de sua trajetória se deu entre 1937 e 1942, quando tornou-se o maior vendedor de discos e o mais alto cachê entre as estrelas da época.

O seu primeiro sucesso foi ‘Lábios que Beijei’ em 1940, o cantor iniciou um romance com a atriz Zezé Fonseca que durou cerca de três anos e terminou de forma traumática. Muitos creem que o turbulento relacionamento foi o grande responsável por levá-lo a se entregar a bebida e ao uso da morfina, (determinada droga).

Orlando Silva também foi chamado de Frank Sinatra brasileiro, gravando musicas inesquecíveis como: Carinhoso, Rosa, Sertaneja, Sempre no meu Coração, Aos pés da Cruz e o grande sucesso carnavalesco: Jardineira.

*Naldinho Rodrigues é locutor de Rádio, e aos domingos, das 5 às 7 da manhã, comanda juntamente com o comunicador José Tenório, o Programa Tocando o Passado, na Rádio Afogados FM.