No segundo encontro de 2019, os governadores da região Nordeste assinam hoje, no Maranhão, um protocolo para criação o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste. A reunião será realizada no Palácio dos Leões, em São Luís (MA), a partir das 10h, tendo o governador Flávio Dino (PCdoB) como anfitrião. A intenção dos gestores com a instalação do consórcio é firmar parcerias, otimizar resultados nos estados e economizar recursos públicos.

Ao falar sobre a iniciativa, o governador Paulo Câmara (PSB) afirmou ser uma “proposta inovadora” e o grupo tem a expectativa de melhorar à  eficiência da máquina pública na área de aquisição, troca de informação e tecnologia. “O Nordeste tem cenários muito parecidos. Desafios muito próximos e é muito importante a unidade dos estados. O Brasil precisa de unidade nesse momento de tanta dificuldade, de uma crise que não passa, da necessidade de geração de emprego e de crescimento econômico. O Nordeste, mais uma vez, vai mostrar para o país que com unidade, trabalho e com boas práticas podemos avançar e seguir crescendo”, definiu o socialista.

De acordo com informações do governo do Maranhão, o consórcio também vai permitir parcerias em diversas áreas, como desenvolvimento econômico e social, infraestrutura, tecnologia e inovação, segurança pública, administração prisional e proteção do meio ambiente. “Vamos ganhar na escala das aquisições governamentais, podemos formatar e fomentar o desenvolvimento de políticas públicas e também captar recursos em organismos nacionais e internacionais”, destacou Rodrigo Maia, procurador-geral do Estado do Maranhão. Durante o Fórum será feita uma reunião específica para a criação do Consórcio Nordeste.

O primeiro encontro do Fórum aconteceu em Brasília, no início de fevereiro. Na ocasião, foi lançada a Carta dos Governadores do Nordeste, quando foi solicitada uma solução imediata para o déficit de Previdência. No documento, os gestores também pediram uma discussão mais aprofundada sobre segurança pública, com alvo no combate à facções criminosas, tráfico de armas e explosivos, além de um maior controle nas fronteiras. Apresentaram, ainda, proposta para o novo Fundeb e retomada de assuntos federativos na Câmara e Senado.