Por Maria Lúcia de Araújo Nogueira*

Uma pétala de uma flor é igual à tez de uma mulher: fina, delicada, perfumada. Um raio resplandecente no céu é assim a força de uma mulher. Seu sorriso pode iluminar o seu semblante e de quem mais estiver por perto.

Ela pode subir os degraus da vida, sem ser podada. Ela pode espetar sua ansiedade nas tenras manhãs da sua melancolia, sem que seja agredida. A mulher tem uma força que nem ela mesma se dá conta.

Toda mulher quer entrar e sair dos verões de sua vida. Invernar onde seu coração quiser. Outonar no ninho que seu querer escolher. Mulher é um mistério e quer caminhar ao vento na primavera juvenil dos seus afetos.

A mulher não quer grilhões, ela quer somente ternura e amor. Não merecemos ser ignoradas, queremos ser enxergadas em dias nebulosos, mimadas, amadas, respeitadas.

Mulher não é ser maluco, é um ser ritmado, que trilha a vida com mãos cheias de afeto, prendendo-se ali, acolá, impregnando seu perfume, e recusa-se em ficar trancada numa gaiola bordada em tijolo e aço.

Mulher é nada mais que uma fortaleza de ternura e amor criada por Deus e que merece toda a admiração. Assim, complemento com Provérbios 31:25-26: “reveste-se de força e dignidade; sorri diante do futuro. Fala com sabedoria e ensina com amor”.

*Maria Lúcia de Araújo Nogueira é advogada, aposentada como funcionária de carreira do Banco do Brasil, escritora e poetisa – gentilmente para o Blog PE Notícias.