Por Ademar Rafael Ferreira (Papa) *

Ade maleu lapa-el – Uma vez sanadas dúvidas sobre montagem de carteira ideal, preciso mais informações sobre os Fundos de Renda Fixa. Quais são suas principais características, riscos e composição?

Papa – Fundos de Renda Fixa são investimentos que possuem remuneração definida no momento da aplicação, referida taxa de retorno pode variar uma vez que são admitida fixação em taxas prefixadas ou pós-fixadas.

Os fundos desta classe são apresentados com os seguintes sufixos: Renda Fixa Curto Prazo; Renda Fixa Referenciados; Renda Fixa Simples e Renda Fixa Dívida Externa.

Nestes ativos normalmente estão presentes uma boa gestão, uma carteira diversificada e boa liquidez. Em virtude do rendimento baixo é importante avaliar a Taxa de Administração, sendo o ideal algo próximo de 0,5% ao ano.

Os investidores que buscam segurança, comodidade e baixos riscos esta opção é válida. O acompanhamento da rentabilidade e o comportamento perante outros ativos são praticas que o poupador deve incluir em seu cotidiano.

Os grandes bancos apresentam vasto estoque de fundos com estas características. A leitura prévia de lâminas dos últimos meses deve anteceder a decisão de investimento, neste caso o cuidado é com a rentabilidade uma vez que os riscos são baixos.

Por mais ética que exista na relação o Gerente é sempre induzido a indicar fundos que promovam maiores ganhos para instituição que representa. Nesta queda de braço o investidor tem maior grau de exposição.

Encerrando, poderíamos afirmar que Poupança, Certificado de Depósito Bancário – CDB e Renda Fixa são os primeiros degraus que o investidor iniciante deve subir.

(*) – Textos adaptados livremente de registros nos sites da SUNORESEARCH, CVM, INFOMONEY, INVESTIDOR e ANBIMA pelo autor.