Deflagrada na manhã desta terça-feira (26), a Operação Hárpalo, que apura fraudes em licitação, corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa, tem como principal alvo o prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB). O petebista foi alvo de mandado de busca e apreensão. Um carro de luxo do gestor, avaliado em R$ 100 mil, foi apreendido na operação.

“Tudo faz parte da administração do prefeito. Isso é objeto da operação da Polícia Civil, que está investigando a gestão do prefeito e seus auxiliares”, disse o delegado Jean Rockfeller, da Diretoria Integrada Especializada (Diresp).

Meira não foi afastado do cargo, mas não poderá manter contato com um assessor que é uma das testemunhas da investigação. Segundo o delegado, Demóstenes Meira, provavelmente, vai ser chamado a depor.

“A medida serve para proteger a testemunha de possíveis agressores. Portanto, o prefeito e o assessor não podem se aproximar da testemunha, para não atrapalhar as investigações”, explicou o delegado.

Em nota, a Prefeitura de Camaragibe afirma que todos os processos de licitação da gestão foram realizados de “forma transparente e legal”.

 “A respeito da Operação Hárpalo da Polícia Civil em Camaragibe, a Prefeitura Municipal esclarece que todos os processos de licitação têm sido realizados de forma transparente e legal. O órgão municipal irá aguardar as investigações para que todas as medidas legais e necessárias sejam tomadas, a fim de que tudo seja esclarecido”, diz a nota.

O secretário de Serviços Públicos e Infraestrutura do município, Silvano Jadson Queiroz, foi alvo de mandado de afastamento cautelar e não poderá voltar às suas funções na prefeitura. Assim como Meira, o secretário não poderá manter contato com a mesma testemunha.

Em entrevista à coletiva, o delegado Jean Rockfeller afirmou que se os elementos colhidos na operação desta terça forem robustos a Polícia Civil poderá pedir o afastamento do prefeito do cargo. Ainda segundo o delegado, se o gestor continuar à frente da prefeitura “talvez” possa atrapalhar as investigações. “Se os elementos de prova forem robustos, com certeza a Polícia Civil de Pernambuco vai fazer seu papel e pedir não só o afastamento do prefeito, como de outras pessoas, se for necessário”, disse Jean Rockfeller.

Hárpalo

Na Grécia Antiga, Hárpalo foi um homem acusado de subornar e corromper diversas pessoas com influencia na sociedade da época, entre elas estava Demóstenes, um importante político grego. Hárpalo acabou sendo morto pelo crime de corrupção. Demóstenes, antes acusado, não estava na lista divulgada por um dos servos de Hárpalo, em que constavam os nomes de todos que aceitaram suborno