A definição do relator da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara teve lances curiosos. Rodrigo Maia, presidente da Casa, manobrava para o Partido Novo indicar o relator, mas a opção foi vetado pelo PSL, o partido do presidente Jair Bolsonaro, que nem sequer foi consultado. O veto foi o “troco” do PSL ao comportamento do Novo na eleição para presidente da Câmara.

As razões do veto foram expostas em mensagem de WhatsApp do presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE), a Rodrigo Maia.

No texto, Luciano Bivar lembrou que o Novo não apoiou Maia e nem o PSL para a segunda vice-presidência da Câmara.

“Não foram parceiros”, lembrou Luciano Bivar a Maia, referindo-se ao Novo. Concluiu a mensagem com divertida imprecação: “Que se f(*)!”. A informação é do Diário do Poder.