Em semana de feriado, sem votações previstas no Congresso, foram poucos os parlamentares que apareceram em Brasília nesta segunda-feira (29). Com o costume já consolidado entre os congressistas de retornar a suas bases eleitorais na quinta e só estar de volta ao Parlamento na terça-feira, o feriado do Dia do Trabalho, nesta quarta-feira (1º), propiciou uma folga prolongada de 11 dias. Alguns aproveitaram a semana sem votação para missões oficiais fora do país, caso do próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que viajou na noite de ontem para o Oriente Médio, onde visita o Líbano e o Azerbaijão.

Até 17h38 de ontem, apenas 105 dos 513 deputados haviam registrado presença na Câmara, conforme informações da Secretaria Geral da Mesa. Já no Senado, onde não há necessidade de marcar presença quando a sessão não é deliberativa – não há votações -, também segundo a SGM, somente oito dos 81 senadores apareceram no plenário e fizeram uso da palavra.

Para evitar burburinhos de feriadão emendado como ocorreu no Carnaval, a Câmara até chegou a convocar sessão deliberativa para essa segunda-feira (29), embora pelos corredores, na quinta e na sexta da semana passada, os próprios líderes partidários já dissessem que haviam liberado suas bancadas para permanecerem em seus redutos eleitorais essa semana inteira. Já o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), preferiu convocar somente sessões de debates.

Apesar de alguns deputados estarem na Casa no fim da tarde, às 14h, quando a sessão não deliberativa da Câmara foi aberta, não havia quórum. Coube ao deputado Leo Moraes (Podemos-RO) formalizar o que já se sabia: o cancelamento das votações nessa semana. Há, porém, sessões solenes e de debates programas, assim como no Senado. Nenhuma expectativa de grande quórum no dia de hoje (30), menos ainda na quinta (02), após o feriado.

Do outro lado, no Senado, apenas os senadores Confúcio Moura (MDB-RO), Jorge Kajuru (PSB-GO), Rogério Carvalho (PT-SE), Álvaro Dias (Pode-PR), Reguffe (S/Partido-DF), Izalci Lucas (PSDB-DF), Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) e Chico Rodrigues (DEM-RR) estiveram no plenário em uma sessão de 2h15 destinada apenas a debates entre os oito parlamentares.

O combo costume de só haver votações entre terça e quinta-feira mais a liberação dos líderes devido a ausência de votações ao longo dessa semana resultou nessa “folga” de 11 dias das atividades no Congresso Nacional. A justificativa que deputados e senadores costumam usar nesses momentos é que, em suas bases, não deixam de estar trabalhando em seus respectivos mandatos.

As atividades, tanto na Câmara, quanto no Senado, voltam no dia 6 de maio. Mas o quórum mesmo só é esperado na terça-feira (07). Inclusive, a agenda mais importante do momento, o início dos trabalhos da comissão especial da reforma da Previdência, está prevista para esse dia. Com informações do Congresso em Foco.