https://2.bp.blogspot.com/-MaQTorUJVLU/WkQFFFU8A2I/AAAAAAAC5CY/tChfMfEIZh8Yk6PpLbAM17YWKAHU7oezACLcBGAs/s1600/carro%2Bpipa%2Babastecendo%2Bcasa%2Bde%2Bs%25C3%25A1vio%2Btorres%2Btuparetama.jpg

Mesmo com o alto índice de chuvas registradas nos municípios do Pajeú, a figura do carro-pipa ainda se faz presente na região. Estranhando o fato, a Rádio Pajeú FM através do programa vespertino Rádio Vivo, ouviu em sua edição de ontem (1º), as famílias rurais durante a pesquisa do dia.

De acordo com a produção do programa, 95% dos ouvintes informaram não precisar mais do abastecimento com carro-pipa por estarem com cisternas, barreiros e açudes cheios.

Para surpresa do comunicador Anchieta Santos, que apresenta o programa, 90% deles disseram ter recebido orientação da representação do Exército Brasileiro a não abastecer as suas cisternas com a água de chuva para não serem cortados do programa.

O fato mostra que a indústria da seca invade até o período chuvoso no Sertão. A unanimidade, os agricultores e agricultoras disseram que o ideal seria suspender o carro-pipa durante o inverno e fazê-lo voltar quando a estiagem retornar.

Com a palavra a Coordenação do Programa de carro-pipa executado pelo Exército Brasileiro.