Jair Bolsonaro, durante a reunião dos líderes dos BRICS.

O presidente Jair Bolsonaro celebrou em tom exultante o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul, concluído nesta sexta-feira (28). E, para assegurar que anotava o tento perante a opinião pública, foi o primeiro a anunciá-lo em um tuíte do Japão, onde participa do G20, depois que fontes do Governo brasileiro informaram à imprensa que o pacto era iminente. “Histórico. Nossa equipe, liderada pelo embaixador Ernesto Araújo, acaba de fechar o acordo Mercosul-UE, que vinha sendo negociado sem sucesso desde 1999.” Bolsonaro quis aproveitar que finalmente tem uma boa notícia a oferecer aos seus compatriotas, após meses em que o caos do seu Governo e diversas polêmicas foram dilapidando o enorme capital político com o que começou o mandato. Paralelamente, as perspectivas econômicas foram piorando.

Apenas na última semana, o mandatário brasileiro enfrentou um escândalo de magnitude inimagináveis e a notícia de que sua popularidade continuava em queda. Nos preparativos para a ida ao Japão, um dos militares que fazia parte de sua comitiva de apoio —ainda que voasse em outro avião—foi flagrado na terça-feira na Espanha carregando 39 quilos de cocaína em uma mala de mão, ao descer para uma escala. Na quinta-feira, pesquisa CNI-Ibope apontou que cresceu, mais uma vez, a insatisfação popular com a sua gestão: 32% avaliam seu Governo como ruim ou péssimo. O aspecto econômico teve um grande peso neste índice: dentre as maiores críticas a ele pela população estão aspectos como a taxa de juros e o combate ao desemprego.

á para o argentino Mauricio Macri, o acordo pode servir para impulsionar sua campanha nas eleições gerais de outubro, quando concorre à reeleição. O acordo foi recebido com um alto impacto emocional, a tal ponto que o chanceler Jorge Faurie não conseguiu conter as lágrimas ao comunicar a notícia a Macri. “Presidente… Felicito-o… Em sua presidência se conseguiu… 20 anos de negociação… temos acordo União Europeia-Mercosul”. Faurie levou mais de 30 segundos para dizer a frase, entre soluços e longos silêncios. Macri publicou o áudio de WhatsApp na sua conta oficial do Twitter. Em menos de uma hora, 100.000 pessoas tinham escutado em seus telefones o chanceler argentino chorar.

O Governo Bolsonaro, necessitado de alegrias, imediatamente pôs cifras a um acordo que ainda deve ser ratificado por cada um dos 28 países da UE. O Ministério da Economia, chefiado por Paulo Guedes, calcula que o PIB brasileiro aumentará em 87 bilhões de dólares em 15 anos, podendo alcançar um incremento de 125 bilhões de dólares com as reduções das barreiras tarifárias. E espera que os investimentos europeus no Brasil cresçam 113 bilhões de dólares.

O último obstáculo na longuíssima e laboriosa negociação para selar o pacto foi a política ambiental do novo presidente do Brasil. Bolsonaro se viu forçado a comprometer-se publicamente com o presidente da França, Emmanuel Macron, a não abandonar o Pacto de Paris contra a mudança climática, horas depois de este lhe advertir, às vésperas do G20, que sem essa garantia não haveria acordo de livre comércio com os 28 países da UE. Como com um alicate, a chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, também lhe advertiu sobre o desmatamento —uma pressão que irritou notavelmente a delegação brasileira.

Bolsonaro, que de entrada respondeu ao ultimato francês cancelando uma reunião bilateral em Osaka, acabou mantendo encontro informal com Macron, no qual lhe confirmou que permanecerá no acordo para frear as emissões de poluentes e o convidou a visitar a Amazônia. Embora o presidente tenha dado o mérito da negociação ao seu chanceler, representante do núcleo mais ideológico da Esplanada dos Ministérios, a titular da Agricultura, Tereza Cristina Dias, também participou da negociação, representando o poderoso setor do agronegócio.

Ainda que o superministro da Economia, Paulo Guedes, tenha afirmado antes de assumir a pasta que o “Mercosul não é uma prioridade” e sim que “a prioridade é comercializar com todo mundo”, o Governo logo deixou claro que queria impulsionar o aspecto mais técnico do acordo comercial dos países sul-americanos e retirar o peso ideológico. Com informações do jornal El País.

 
bove=""