Com André Luis/Portal da Rádio Pajeú

Um fato inusitado aconteceu nesta sexta-feira (23), no centro de Afogados da Ingazeira. um número barulhento de moradores do Conjunto Habitacional Miguel Arraes voltaram a protestar por calçamento em ruas da comunidade.

Após promoverem um panelaço em frente à Prefeitura Municipal, uma comissão formada por três moradores, conseguiram se reunir com o secretário de Finanças, Ney Quidute, com o secretário de Governo, Elias Silva, e com o procurador do município Carlos Marques.

Em nome do governo municipal, Ney Quidute informou que foi passado aos moradores a necessidade de oficializar o pedido pelos calçamentos e que assim que isso for feito, o pedido será analisado pelo prefeito José Patriota, mas o secretário deixou claro que não poderia prometer que as reivindicações serão atendidas em curto prazo.

Jenailson, um dos representantes dos moradores, disse que irá providenciar a oficialização do pedido para entregar a Prefeitura e que ‘por enquanto’ se disse satisfeito com o resultado da reunião.

Chamou a atenção à fala do secretário Ney Quidute, quando afirmou que o secretário-executivo de Obras e Infraestrutura, Carlos Rabelo, que foi o negociador durante o primeiro protesto que aconteceu no dia 3 de agosto, “teria falado por conta própria” quando prometeu o início das obras para o dia 5 do mesmo mês. Na ocasião, Rabelo também prometeu a conclusão da obra de duplicação da saída para Carnaíba. O que também não aconteceu.

Uma pergunta: Porque após ampla divulgação feita através da imprensa local, ninguém do governo municipal se pronunciou para dizer que não tinha, ou tomara conhecimento das negociações do secretário-executivo Carlos Rabelo? Que inclusive contou com a participação da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e moradores? Estão falando com duas línguas?

Ney afirmou que na ocasião, Rabelo falou sem autorização do prefeito José Patriota e que ele [Ney], sim estava falando autorizado pelo gestor. Mas, e a solução do problema?