https://1.bp.blogspot.com/-2YSbLK-_drA/XEICIolCR5I/AAAAAAAAUEk/Tbd2JBqoAsYy5VAoTg4aTd48-AaldQglACLcBGAs/s1600/Apagando%2Bo%2BLampi%25C3%25A3o_Tomo%2BLiter%25C3%25A1rio_03.JPG

A Academia Pernambucana de Letras recebe hoje, às 15h, a apresentação e o lançamento de Apagando o Lampião: Vida e Morte do Rei do Cangaço (São Paulo, Global Editora, 2018/19, R$ 60), escrito pelo historiador Frederico Pernambucano de Mello. 

O trabalho é resultado de uma pesquisa minuciosa, realizada ao longo de quinze anos de estudos, e se propõe a apontar “o verdadeiro autor material da morte de Lampião”. 

“Apoiada em testemunhos diretos, em documentos e até mesmo em perícia balística, a biografia de mais de trezentas páginas e cem imagens de época inovará muito do que se conhece até hoje sobre a vida do maior dos bandoleiros do Brasil”, afirma Mello.

Décimo segundo livro do autor, Apagando o Lampião: Vida e Morte do Rei do Cangaço traz, ainda, considerações sobre o primeiro conflito em que se envolveu o jovem Virgulino Ferreira da Silva, em 1916; o modo como o comerciante, industrial e exportador Delmiro Gouveia, introdutor da mentalidade capitalista nos sertões brasileiros, influenciou Virgulino; as razões que levaram o já então famoso cangaceiro Lampião a deixar momentaneamente os estados ao norte do Rio São Francisco e atravessar para a Bahia e Sergipe, em 1928; e o plano de abandonar o Nordeste, em meados de 1938, e partir ao oeste de Minas Gerais, com todo seu bando, para se envolver na questão política que havia entre as famílias Borges e Maciel.

A Academia Pernambucana de Letras fica na Avenida Rui Barbosa, 1596, Graças (estacionamento com entrada pela Av. Dr. Malaquias). Fone: 3268–2211.