Aloizio Mercadante

Por Bela Megale/O Globo

A Justiça Eleitoral de São Paulo arquivou a investigação sobre os ex-ministros do PT Aloizio Mercadante e Edinho Silva, com base na delação da Odebrecht. 

Os fatos relatados pelos delatores Benedito Júnior e Carlos Armando Paschoal estavam relacionados à campanha de Mercadante ao governo de São Paulo, em 2010. Na época, Edinho, que hoje é prefeito de Araraquara (SP), atuava como presidente do PT paulista. 

Os executivos narraram o pagamento de R$ 1 milhão para a campanha petista via caixa dois.

“Observa-se que os fatos narrados pelos colaboradores não foram confirmados por outras pessoas ou documentos, remanescendo somente as suas versões dos fatos”, escreveu o promotor Flávio Turessi.

A partir da manifestação do Ministério Público, o juiz eleitoral determinou o arquivamento do caso. 

O advogado Pierpaolo Bottini afirmou que o arquivamento era necessário, “uma vez que o próprio Supremo Tribunal Federal entende que a mera palavra do delator não é suficiente para a instauração de ação penal”.

Ministério Público pede arquivamento de inquérito sobre atuação de Edinho em campanha de Dilma de 2015

O procurador regional eleitoral Pedro Barbosa Pereira Neto também pediu o arquivamento de outra investigação que apurava a atuação de Edinho Silva na campanha da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2014. Na época, ele era tesoureiro da campanha.

O caso era baseado em relatos do delator da Odebrecht Alexandrino Alencar, que afirmou ter pago caixa dois para a campanha presidencial de Dilma, por meio de Edinho. O procurador solicitou arquivamento, sob alegação de que não há provas para corroborar os fatos narrados pelo ex-executivo da Odebrecht.