O presidente Jair Bolsonaro visitará o Japão, a China, a Arábia Saudita, o Qatar e os Emirados Árabes Unidos neste mês de outubro. As viagens durarão 10 dias e estão sendo planejadas desde o início do ano. A saída de Brasília é esperada para 20 de outubro, às 13h10. Antes de deixar o país, ele passa em Salvador, na Bahia, onde participa da Missa em Homenagem à Canonização de Irmã Dulce, às 16h.

O 1º destino do presidente será Tóquio (Japão). O presidente participa da cerimônia de entronização que marca a ascensão de um novo imperador ao trono japonês.

Na China, terá reunião com o presidente Xi Jiping, com o primeiro-ministro Li Keqiang e com o presidente da Assembleia Popular Nacional, Li Zhanshu. Deve buscar reaproximar a relação entre os dois governos –durante a campanha eleitoral, Bolsonaro disse que os chineses estavam “comprando o Brasil”. Bolsonaro também deve decidir se o Brasil entrará na nova “Rota da Seda”, um grande projeto de investimentos em infraestrutura proposto pela China.

Ainda na China, Bolsonaro receberá um jantar em sua homenagem organizado por Paulo Skaf, presidente da Federação de Indústrias do Estado de São Paulo. Skaf foi candidato ao governo estadual nas três últimas eleições.

No Oriente Médio, o governo também buscará atrair investimentos. Em 2018, a balança comercial brasileira com os 22 países que compõem a Liga Árabe foi positiva em US$ 3,9 bilhões.

Bolsonaro foi criticado pelos árabes no início do ano por afirmar a intenção de transferir a embaixada brasileira em Israel –de Tel Aviv para Jerusalém. Os Estados Unidos fizeram isso. Bolsonaro recuou. No final, decidiu pela abertura de um escritório em Jerusalém como saída diplomática.