https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn%3AANd9GcTo9tmOK1yZ4PsTwIPreeXUseRvznLWLuJxDvsa9cTy9XwjoR-s

Há três dias um incêndio de grandes proporções atinge a zona rural do município de Floresta, no Sertão pernambucano. O Corpo de Bombeiros estima que as chamas já destruíram 700 hectares. Segundo a prefeitura, pelo menos 15 fazendas foram atingidas pela queimada. Apesar de invadir as propriedades, o fogo não chegou nas casas e não foi necessário que a população deixasse a localidade. Não há registro de feridos. Municípios vizinhos, como Serra Talhada, Petrolândia, Caruaru e Garanhuns enviaram reforços para controlar o incêndio.

Nas regiões não habitadas, já foram consumidos 150 quilômetros quadrados de caatinga. “Por enquanto, o fogo está controlado, mas não acabou. Estamos monitorando a área para saber quais são as proporções. Ainda precisamos investigar se teve causa natural ou foi provocado. A caatinga é praticamente um combustível, o que dificulta que esse fogo seja apagado”, informou o secretário de Produção Rural e Meio Ambiente de Floresta, Túlio Ferraz.

O novo comandante do Corpo de Bombeiros, Coronel Rogério Coutinho, viajou para o Sertão e sobrevoou as regiões afetadas na sexta. O objetivo é justamente dimensionar a abrangência das queimadas para adotar estratégias de contenção. Além dos brigadistas, equipes da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), Defesa Civil, do Ibama estão envolvidas no monitoramento.

“Algumas condições complicaram o combate, como o acesso, já que é uma área que fica a 40 quilômetros da zona urbana do município, dificultando o pedido de apoio. Além disso, para chegar é preciso abrir caminho. O vento muda muito de direção e ainda a vegetação é muito seca”, explicou.

Os primeiros focos de incêndio foram constatados em Santa Maria da Boa Vista, na madrugada do dia 6. Segundo os Bombeiros, a área está sob controle, restando três focos. A corporação ainda utiliza técnicas de abertura na vegetação e solo para evitar a propagação do fogo, abafamento, e lançam jato de água com uso de bomba-tanques. Caminhões-pipa foram levados dos municípios de Surubim, Afogados, Serra Talhada e Petrolândia para ajudar na contenção.