Imagem de gaveta mostra que não há gaze no hospital  — Foto: Reprodução/TV Globo

G1PE

Famílias de pacientes e funcionários do Hospital dos Servidores do Estado (HSE), na Zona Norte do Recife, denunciam a falta de medicamentos e de materiais. Vídeos enviados para o WhatsApp da TV Globo mostram que gavetas de remédios estão vazias e que há problemas no piso, cheio de buracos. Os problemas são alvo do Ministério Público de Pernambuco (MPPE).

Para os acompanhantes de pacientes e trabalhadores, as histórias da falta de condições do hospital viraram uma rotina. O irmão de Carla Patrícia, que tem diabetes, está internado desde a última sexta-feira (06). Por causa do problema, necessita de curativos, e se prepara para uma cirurgia.

Ela conta que não há insumos para o tratamento do irmão e se queixa de outros problemas. “A higiene do hospital é terrível. O pessoal do hospital faz milagre aí dentro. Não tem material para trabalhar”, declarou.

Uma mulher que acompanhou a mãe, internada no hospital durante 26 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), declarou que foi obrigada a contratar um médico particular para conseguir um melhor tratamento.

“Tinha problema na estrutura, um buraco na UTI. Também faltavam luvas e capotes para entrar na unidade de terapia. O médico particular mudou o tratamento e ela foi para casa e está sob cuidados”, afirmou a mulher, que preferiu não ser identificada.

Um áudio gravado e publicado em um grupo de WhatsApp de funcionários também mostra os problemas. “Passando para informar que estamos sem fraldas. Não tem no almoxarifado. O estoque será regularizado em breve. Temos a informação para economizar ao máximo”, disse uma trabalhadora.

Outro funcionário, que preferiu não ser identificado, afirmou que faltam medicamentos básicos, como omeprazol (medicamento para o estômago).

No bloco cirúrgico, faltam antibióticos. Às vezes, segundo o funcionário, eles conseguem em pequena quantidade, mas em regime de empréstimo. “Não tem gaze. Como é que se faz curativos sem gaze?”, questionou.

Investigação do MPPE

O MPPE abriu um inquérito civil para apurar as condições estruturais da unidade de saúde, irregularidades e negligência no atendimento. O Ministério Público aponta que esses problemas “colocam em risco a saúde e a vida dos pacientes”.

De acordo os promotores, os problemas existem desde 2015. As irregularidades, aponta o MP, fazem parte da rotina do hospital.

O inquérito diz, ainda, que a assistência é “feita em péssimas condições”, sem higiene, com descaso dos funcionários no atendimento, condições estruturais precárias, falta de medicamento e de outros insumos.

O inquérito civil foi encaminhado ao Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). O tribunal informou, por meio de nota, que as informações do MPPE estão anexadas aos autos da ação civil, que seguiu para a 6º Vara da Fazenda Pública Estadual.

Por meio de nota, o Instituto de Recursos Humanos do Estado (IRH/PE) informou que o HSE “vem passando por melhorias para atender com qualidade as necessidades dos beneficiários e que, atualmente, a unidade é referência em cirurgias por videolaparoscopia, bariátrica, cabeça e pescoço, urologia, oncológica e tratamento quimioterápico”.

Sobre as denúncias de desabastecimento, a instituição informou que “o Hospital está funcionando sem intercorrências”. O IRH menciona que foram registrados “problemas pontuais com fornecimento de alguns insumos, porém, as dificuldades foram sanadas, sem comprometer o atendimento”.

A respeito da infraestrutura, o hospital tem passado por obras de reestruturação do Serviço de Pronto Atendimento, bloco cirúrgico, lixeira, necrotério e sala de raio-X. O IRH também afirmou que a ação civil pública foi formalizada por “denúncias em tempos anteriores”.