https://cdnbr4.img.sputniknews.com/images/1447/64/14476481.jpg

Em maio de 2018, um movimento nacional de motoristas de caminhão parou o país. As prateleiras dos mercados ficaram vazias e postos de gasolina, desabastecidos. Após a mobilização, o governo do então presidente Michel Temer (MDB) cedeu e atendeu as demandas dos grevistas. Foi criada uma tabela com preços mínimos para fretes e o preço do diesel baixou por meio de decreto. 

O resultado deste acordo é um dos pontos de descontentamento dos caminhoneiros no momento. Carlos Alberto Litti Dahmer, diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL), acusa o governo de não cumprir o prometido nas negociações e diz que o Ministro dos Transportes, Tarcísio Gomes de Freitas, descumpriu a promessa de criar um organismo para fiscalizar o cumprimento da preço mínimo da tabela dos fretes. 

“É hora de dar um basta a essa enrolação e dizer ao governo que a categoria não consegue mais sobreviver, não é possível através do trabalho ter uma remuneração digna”, diz Dahmer.

Como a categoria é atomizada e não tem representação unificada, Dahmer afirma que é difícil prever a adesão à paralisação prevista para a manha da segunda-feira (16). O diretor da CNTTL acredita que há “motivos de sobra” para protestar e que o quadro atual é igual ao que gerou a greve de 2018.

Dahmer afirma que outras três categorias de servidores do Rio Grande do Sul irão participar da mobilização dos caminhoneiros: professores, técnicos de saúde e Polícia Civil. 

Já Ivar Luiz Schmidt, líder do Comando Nacional do Transporte, é contrário ao movimento grevista e diz que a “grande maioria da categoria” também defende sua posição. 

“Percebe-se nos discursos que há uma motivação muito forte ligada à política, então a gente não quer esse tipo de contaminação dentro do nosso movimento de caminhoneiros”, conta Schmidt.

Apesar de ser contrário à paralisação prevista para o dia 16, o líder do Comando Nacional do Transporte defende que os caminhoneiros precisam “cuidar” um dos outros, mas são necessárias outras medidas para beneficiar a categoria. Para Schmidt, os caminhoneiros grevistas querem “ficar sob a tutela do Estado” e o momento atual é de “pedir menos Estado”. 

O governo de Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, por meio do porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, que uma nova greve de caminhoneiros é uma possibilidade “pequena” e que o Palácio do Planalto acompanha a situação. As informações são do site Sputnik Brasil.