Homem da Meia-Noite deixa a sede para iniciar desfile em Olinda

G1

O Homem da Meia-Noite trouxe a bandeira da conscientização ambiental para o desfile desse ano, com um arco-íris escrito ‘lute como uma praia do Nordeste’ nas costas, lembrando o óleo que atingiu praias em 2019, e a roupa exaltando o Sertão. Uma multidão acompanhou a saída do Calunga, que aconteceu à meia-noite do sábado (22) para o domingo (23), em Olinda.  

“Mais uma vez, a gente vem exaltando a vida. Nos últimos anos, o Homem da Meia-Noite vem falando disso e da resistência do nosso povo, principalmente o nosso povo sertanejo. Ele vem mais uma vez falando a cara do nosso povo, o que nós precisamos para sermos felizes”, disse presidente do Homem da Meia-Noite, Luiz Adolpho.

O Calunga veio vestido com uma cartola branca e um paletó branco, bordado com mandacarus verdes. Nas costas, era possível também ver referência à seca e ao tema deste ano, “Chover”, que buscou conscientizar às pessoas sobre a importância da água.

A roupa também com teve lembrou a Asa Branca, eternizada por Luiz Gonzaga, e ao filme “Bacurau”. O relógio, que muitos anos vinha dentro da roupa, veio pendurado do lado de fora.

Assim como em outros anos, a Mulher do Dia saiu especialmente para encontrar o amado. Neste ano, o casal de gigantes completou 30 anos de casamento na folia olindense. O encontro foi acompanhado por uma multidão, que seguiu o cortejo dos dois amados.

O Calunga homenageou, neste ano, a banda Cordel do Fogo Encantado, o compositor Rogério Rangel e o Maestro Oséas, que rege há anos a orquestra que anima o desfile do gigante. A banda fez uma homenagem ao gigante mais amado de Olinda, cantando antes da meia-noite.

 
bove=""