Por Naldinho Rodrigues*

Às vésperas do Carnaval, a música popular brasileira ficou triste e de luto. É que faleceu na última sexta-feira, 21 de fevereiro, a cantora Cláudia Telles, aos 62 anos. Claudinha Telles, chamada carinhosamente no meio artístico da música, foi uma cantora, compositora e instrumentista brasileira, de  ascendência portuguesa e francesa, intérprete de canções românticas, dentre elas as mais tocadas “Fim de Tarde” e “Eu Preciso te Esquecer”.

Quando lançou o LP de estreia, e de maior sucesso em sua carreira, Claudinha tinha apenas 19 anos. Mas não era novata nos palcos. Ainda menina, juntou-se à mãe em um show do espetáculo reencontro, quando cantou “Arrastão” ao lado dela e de Edu Lobo.

Na adolescência, entrou no conjunto feminino vocal de uma amiga da escola, o Trio Esperança, e logo estava nos estúdios, fazendo coro para os grandes artistas a época. Claudinha participou de vocais em discos de gente como Dominguinhos, The Fevers, Roberto Carlos, José Augusto, Gilberto Gil, Jerry Adriani, Jorge Ben, Belchior, Simone, Rita Lee e Fafá de Belém.

A gravação do compacto “Fim de Tarde” aconteceu após convite do produtor Mauro Motta da CBS. A casa era dele e de seu parceiro, Robson Jorge, assim como o outro grande sucesso do disco de estreia, Eu Preciso te Esquecer.

Filha do violinista Candinho e de uma das precursoras da Bossa Nova, a cantora  Sylvinha Telles, Cláudia Telles, no fim dos anos 70 gravou outros compactos e um LP “Miragem”, mas desde então não conseguiu atingir o mesmo sucesso comercial do início de carreira.

No final da década de 1980, Cláudia Telles passou a fazer shows em homenagem à sua mãe, como “Tributo a Sylvinha Telles” e “Saudade da Bossa Nova”, que permaneceram em cartaz em diversas capitais. Nos anos 90, a cantora distanciou-se do gênero romântico que marcou o início de sua carreira e aproximou-se da MPB, particularmente da Bossa Nova.

Entre outras canções regravadas por Claudinha, estão “Dindi” e “Se Todos Fossem Iguais a Você”. Ela também  lançou um CD com músicas de Cartola e Nelson Cavaquinho, um álbum em homenagem à mãe Sylvinha “Por Causa de Você”, em 1997, e em 2000 lançou um tributo a Vinícius de Moraes.

Cláudia Telles morreu por volta das 23 horas da sexta-feira de pré-carnaval (21), aos 62 anos, por falência múltipla de órgãos após sofrer uma parada cardíaca. Fumante inveterada, enfrentava insuficiência cardíaca, insuficiência renal e uma infecção no revestimento interno do coração e estava internada há duas semanas no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, no Rio de Janeiro.

Ela foi velada  e cremada na tarde do domingo (23), no Memorial do Carmo, no bairro do Caju, na zona norte do Rio.

Um fã de Claudinha Telles escreveu em homenagem a sua morte, a seguinte frase: Cláudia Telles é a perpetuação de um sonho com sua voz personalíssima. Outro, escreveu: “O importante não é fazer coisas grandes, mas saber ser grande nas coisas que se pode fazer”.

Você que sempre vai admirar a voz suave e romântica de Claudinha Telles, mate as saudades curtindo o seu maior sucesso…Fim de Tarde.

*Naldinho Rodrigues é locutor de rádio. Apresenta o programa Tocando o Passado, na Rádio Afogados FM, sempre aos domingos, das 5 às 8 da manhã.

 
bove=""