Pedro Araújo

As informações que informam as verdades dos fatos, sem ferir ou denegrir pessoas ou imagens. Como também, nunca procurando agradar aos maus feitores.

https://s2.glbimg.com/Tp9VmoA6B5VdMgukCSOcAUPUwvA=/984x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_63b422c2caee4269b8b34177e8876b93/internal_photos/bs/2019/3/J/EAVybPQWefGKcNMLIpBw/foto24agr-101-manga-b10.jpg

O ano de 2019 foi de alerta para o Vale do São Francisco. Embora tenha crescido em 30,18% e 18,78% no volume de exportações de manga e uva, respectivamente, a receita foi menor. De acordo com dados da Associação dos Produtores e Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport), as reduções das receitas foram de 12,75% na uva e de 7,25% na manga.

A divergência entre o crescimento das vendas e a queda dos lucros se deu pela necessidade em reduzir o preço do quilo da fruta. Na manga, o desconto médio foi de US$ 0,10 e na uva chegou a US$ 0,29. Com preços mais acessíveis, o Vale do São Francisco vendeu para o mercado estrangeiro um total de US$ 227,5 milhões em mangas e US$ 96 milhões em uvas.

Nas contas da Valexport, um bom preço para vender a manga, por exemplo, foi aquele praticado em 2015. Na época, o quilo era comercializado por US$ 1,17. Em 2019, os Países Baixos (Holanda), principal cliente do Vale, comprou a fruta por US$ 0,95. A média geral do preço por quilo só sobe porque, para alguns mercados, a fruta chega a ser vendida por US$ 1,87, como é o caso da Alemanha.

Para o gerente executivo da Valexport, Tássio Lustoza, os números expõem a necessidade dos produtores do Vale do São Francisco diversificarem as culturas em que investem. Segundo ele, apenas 15% da produção da região é exportada, o restante é consumida pelo mercado interno, que já está saturado.

Sendo assim, quando há o aumento de produção de mangas e uvas, como houve no ano passado, o destino precisa ser o consumidor internacional. “É a regra da oferta e da demanda. Se eu tenho muito do mesmo produto, tenho que baixar o preço para ter competitividade. Mas isso acaba prejudicando as margens de lucro. Vendemos muito, mas lucramos menos”, ressalta Tássio. Continue reading

Por Divane Carvalho/DP

Preso às próprias armadilhas, o PT finge que pratica a democracia partidária quando atribui a grupos majoritários dentro do partido a prerrogativa de decidir sobre projetos políticos de grupos minoritários, como acontece com a possível candidatura da deputada federal Marília Arraes à Prefeitura do Recife.

O processo para definir o posicionamento do PT está em andamento mas o diretório municipal defende, abertamente, a manutenção da aliança com o PSB, deixando explícita sua rejeição pela candidatura da deputada federal, considerada a mais competitiva para enfrentar o principal concorrente do pleito, o deputado federal João Campos (PSB).

Bem, paralelamente, Marília, que reafirma a sua candidatura e espera o apoio do PT nacional, também criou o seu círculo vicioso. Quando se deixou rifar em 2018, desistindo de concorrer ao governo do estado contra a reeleição de Paulo Câmara (PSB), Marília deve ter presumido que em 2020 a pressão contra ela seria semelhante e com um agravante. Derrotada internamente em 2018, Marília chegaria enfraquecida no partido para a disputa de  2020 e ainda assim ela manteve o seu projeto.

A decisão do PT sobre o Recife envolve outras siglas como o PCdoB, que integra o governo Paulo Câmara com a vice-governadora Luciana Santos, presidente nacional da legenda. Até agora, portanto, nada de novo em relação a 2018, a menos que uma ambição ou uma articulação maior quebre esse círculo vicioso. Mas, ainda assim, Marília corre o risco de ser rifada novamente.

Ainda de férias, o senador Humberto Costa, principal liderança petista no estado, disse que o partido vai acelerar o processo sobre as eleições no Recife para “evitar o lenga-lenga” sobre uma  possível candidatura do PT. A decisão deve ser anunciada em 1° de fevereiro, data da próxima reunião do diretório municipal do Recife. Humberto chega amanhã para a posse do diretório nacional em São Paulo.

A previsão do tempo desta quinta-feira (16), no Estado de Pernambuco indica céu parcialmente nublado, sem chuva ao longo do dia em todas as regiões. Na Região Metropolitana do Recife, a temperatura máxima pode atingir os 34° C.

Nas regiões da Zona da Mata Norte e Sul, a previsão é semelhante a da RMR, segundo a Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac).

Já na região do Agreste, a temperatura mínima pode atingir os 17° C, o que pode ser a menor temperatura registrada no dia em Pernambuco.

Confira a previsão completa:

Região Metropolitana

Parcialmente nublado sem chuva ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 34° Mínima: 23°

Mata Norte

Parcialmente nublado sem chuva ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 34° Mínima: 22°

Mata Sul

Parcialmente nublado sem chuva ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 34° Mínima: 22°

Agreste

Parcialmente nublado sem chuva ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 35° Mínima: 17°

Sertão de Pernambuco

Parcialmente nublado sem chuva ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 36° Mínima: 20°

Sertão de São Francisco

Parcialmente nublado sem chuva ao longo do dia.
Temperatura (ºC): Estável
Máxima: 37° Mínima: 24°

O plenário da Câmara dos Deputados em Brasília Foto: Jorge William / Agência O Globo

No Congresso, há uma articulação para derrotar o governo e derrubar um veto presidencial logo no início de fevereiro. No fim de dezembro, o presidente Jair Bolsonaro vetou uma proposta que dá poder a deputados e senadores sobre a ordem em que serão executadas as emendas parlamentares pelo governo federal.

O trecho do projeto de lei vetado estipulava que os deputados e senadores seriam responsáveis por determinar a prioridade de execução das emendas de sua respectiva autoria. Por conta disso, o relator do Orçamento, Domingos Neto (PSD-CE), controlaria sozinho R$ 30 bilhões — valor total destinado às emendas de relator no Orçamento de 2020.

Pela primeira vez, o Poder Executivo não poderá deixar para pagar emendas parlamentares só no fim do ano. O Orçamento Impositivo, aprovado no ano passado, impede a suspensão total do pagamento de quatro tipos de emendas: individuais, de bancadas estaduais, do relator e das comissões.

Somados, são R$ 46 bilhões em despesas. São verbas de investimentos, custeio e seguridade social. A distribuição dessas emendas aos municípios no início do ano pode ter um efeito nas eleições municipais, segundo deputados — especialmente se o veto for derrubado e as prioridades de pagamento forem ditadas pelo Congresso, e não pelo Executivo. Mais de um quinto dos deputados são pré-candidatos a prefeito. Eles controlariam a prioridade dos pagamentos para suas próprias bases eleitorais.

Redação original

Justificando o veto, o líder do governo no Congresso Nacional, Eduardo Gomes (MDB-TO), diz que o governo e a assessoria do Ministério da Economia entenderam que, com a proposta, poderia haver “dificuldades de execução”. Ele aponta que o veto não é nenhum tipo de “afronta”, e sim uma questão de “capacidade gerencial” do Orçamento. Continue reading

Nesta quinta-feira (16), vence o prazo para o pagamento integral, com desconto de 3%, ou da primeira parcela do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de 2020 para os veículos com final de placa 6. O calendário segue até 22 de janeiro para os veículos com placa final 0, desconsiderando os finais de semana.

A quitação pode ser de três maneiras: à vista com desconto de 3% (janeiro); à vista sem desconto (fevereiro) ou em três parcelas, de janeiro a março, de acordo com a data de vencimento da placa.

Para efetuar o pagamento, basta se dirigir a uma agência bancária credenciada com o número do Registro Nacional de Veículo Automotor e realizar o recolhimento do IPVA 2020.

Os proprietários também podem utilizar os terminais de autoatendimento, os guichês de caixa, pela internet ou débito agendado, ou outros canais oferecidos pela instituição bancária para fazer o pagamento. O IPVA também pode ser pago em casas lotéricas.

Parcelamento no cartão de credito

É possível quitar o IPVA 2020 com cartão de crédito nas empresas credenciadas pela Secretaria da Fazenda e Planejamento. As operadoras financeiras conveniadas têm autonomia para definir o número de parcelas e adequar a melhor negociação com o contribuinte. Consulte os endereços neste link.

Os valores pagos ao correspondente bancário são repassados ao Governo do Estado de forma imediata, e sem qualquer desconto ou encargo.

Para mais informações, os proprietários dos veículos podem entrar em contato com a Secretaria pelo telefone 0800-170110 (por telefone fixo), (11) 2450-6810 (exclusivo para chamadas por telefone móvel) e pelo canal Fale Conosco, no portal.fazenda.sp.gov.br.

Licenciamento Antecipado 2020

Para antecipar o licenciamento anual, deverão ser quitados integralmente todos os débitos que recaiam sobre o veículo, compreendendo o IPVA, a taxa de licenciamento, o prêmio do Seguro DPVAT e, se for o caso, multas de trânsito.

Salário mínimo será de R$ 1.045 a partir de fevereiro

Em três meses, o Brasil acumula três salários mínimos diferentes: R$ 998 em dezembro, R$ 1.039 em janeiro e R$ 1.045 em fevereiro. A mudança ocorreu porque, a princípio, o governo não havia concedido aumento real ao mínimo, corrigido apenas pela inflação. No entanto, para consertar a defasagem que havia feito com que o aumento do piso ficasse abaixo da inflação de 2019, o presidente Jair Bolsonaro anunciou na terça-feira (14) que o valor vigente em 2020 será de R$ 1.045. Por causa disso, os empreendedores têm que ficar atentos para fazer o pagamento do fundo de garantia de seus funcionários de forma correta.

Marcus Morais de Souza, sócio da MR2C consultoria e contabilidade, explica que o recolhimento de 8% é referente ao salário do mês anterior. Ou seja, em janeiro, os empregadores tiveram que pagar 8% em cima do valor do salário vigente em dezembro, R$ 79,84 no caso do mínimo (referente ao salário de R$ 998). Ainda com base nesse exemplo, no dia 7 de fevereiro, a contribuição deverá ser R$ 83,12 (referente ao salário de R$ 1.039); e, em março, deverá ser de R$ 83,60 (referente ao salário de R$ 1.045).

— O pagamento é de total responsabilidade do empregador. Grandes empresas têm sistemas que já fazem esse cálculo de forma automática. O maior problema será para os autônomos e pequenos empreendedores, opinou.

Alíquota do INSS também muda

O valor descontado do salário do trabalhador como contribuição ao INSS, pago até o dia 20 de cada mês, também mudou. Como o percentual até então é de 8%, quem ganha um salário mínimo teve um desconto maior, porém também teve o salário aumentado. Em janeiro, esses empregados receberam líquido R$ 918,16; em fevereiro, R$ 955,88; e em março irão receber R$ 961,40. Continue reading

O relator da PEC do Pacto Federativo, senador Márcio Bittar (MDB-foto), pretende usar o texto que acaba com municípios menores de 5 mil habitantes para endurecer também as regras de gastos das câmaras de vereadores das maiores cidades brasileiras. O senador ainda defende a desvinculação total dos gastos de saúde e educação nos orçamentos da União, Estados e municípios.

“No que depender de mim, vamos desvincular tudo. Isso não é tirar dinheiro da saúde e da educação. Os recursos estarão lá e cada governante decidirá suas prioridades. Tutelar esses gastos não resolveu os problemas”, disse o senador após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Na proposta enviada pelo governo ao Congresso, os mínimos exigidos para despesas em saúde e educação poderão ser somadas para fins de cumprimento da norma, ou seja, o gasto com educação poderá compensar a despesa em saúde. O governo cogitou autorizar a contabilização de gastos com inativos para o cumprimento da regra, mas voltou atrás antes do envido da proposta.

Bittar disse nesta quarta-feira (15), que está elaborando uma modelagem para limitar os gastos dos legislativos municipais e estaduais. Segundo ele, o ministro Guedes demonstrou apoio à iniciativa. “Os pagadores de impostos desembolsam R$ 4 bilhões por ano para manterem municípios que não conseguem caminhar com as próprias pernas. Esses recursos não vão para construção de pontes, estrada e escolas, mas, sim, para pagar vereadores, câmaras e prefeitos. Mas as câmaras das capitais também não podem continuar gastando o que estão gastando. A Câmara do Rio de Janeiro gasta R$ 880 milhões por ano, enquanto a Câmara de São Paulo gasta R$ 660 milhões em um município muito maior”, completou.

O senador não quis adiantar a proposta de limitação de gastos das câmaras legislativas, mas prometeu apresentá-la já no começo de fevereiro. A PEC do Pacto Federativo do governo prevê a extinção, a partir de 2025, de municípios com menos de 5 mil habitantes e que não tenham pelo menos 10% de receitas próprias.

Escola não pode exigir marcas de material escolar

Todo início de ano os pais recebem a lista de material escolar de seus filhos para o ano letivo. Apesar da extensa quantidade de material solicitado, nem tudo é direito da escola pedir.

“A lista de material às vezes vem com uma questão de indicação de marca e deve ser discutida. Se não vai comprometer o desempenho da atividade proposta, não é uma obrigatoriedade. Isso também é algo que os pais podem questionar a direção. Isso pode representar um exagero de rigor da escola”, afirmou Ione Amorim, economista do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

Amorim também disse que a escola não pode pedir material que fuja do plano didático. “Não é permitido o que foge da atividade didática. Materiais que são de apoio operacional, como algodão, papel higiênico, cartões, durex. Coisas que já estão no custo que a escola já opera para fornecer estrutura para que os alunos tenham acesso ao material”, avalia.

No site do Procon o consumidor pode encontrar uma lista com informações de como economizar na compra e sobre o que uma escola pode pedir. A lista diz que uma escola não pode “solicitar a compra de materiais de uso coletivo – tais como material de higiene e limpeza – ou cobrar taxas para suprir despesas com água, luz e telefone” e “exigir a aquisição de produtos de marca específica; determinar a loja ou livraria onde o material deve ser comprado”. Continue reading

O chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom), Fábio Wajngarten, afirmou que se afastou das empresas das quais era sócio, entre elas a FW Comunicação e Marketing, antes de ser nomeado para o governo de Jair Bolsonaro. A declaração foi dada em um pronunciamento feito pelo secretário no Palácio do Planalto na noite desta quarta-feira (15).

“Na época da minha nomeação, em abril do ano passado, fui orientado pela Subsecretaria de Assuntos Jurídicos e pela Comissão de Ética a sair do quadro societário da FW, ordem imediatamente cumprida”, afirmou.

Wajngarten realizou o pronunciamento para se defender de uma reportagem veiculada pelo jornal Folha de S.Paulo. Segundo a matéria, o chefe da Secom recebe dinheiro de emissoras de televisão e de agências de publicidade, por meio da FW. Ainda segundo o jornal, a empresa de Wajngarten recebeu 109 mil reais da Band, em 2019. A emissora confirmou o valor à Folha.

Três agências de publicidade ouvidas pela reportagem também confirmaram que contratam serviços da FW ao custo de 4.500 reais mensais. As empresas (Artplan, Propeg e Nova/SB) são responsáveis pela publicidade da Caixa Econômica Federal. Ainda segundo a Folha, em agosto do ano passado, Wajngarten prorrogou um contrato da Secom com a Artplan por 12 meses, no valor de 127 milhões de reais.

A atuação empresarial e no governo configuraria conflito de interesses, já que as emissoras e agências de publicidade também são contratadas pela própria Secom, ministérios e demais órgãos do governo.

A Secom é responsável pelos gastos com propaganda do Planalto e também define as regras de contratação de publicidade das demais áreas do governo federal. Em 2019, a Secretaria gastou quase 200 milhões de reais.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva minimizou nesta quarta-feira (15) a possibilidade de o apresentador Luciano Huck vir a ser candidato a presidente em 2022. Rebateu ainda a tese de que ele representa à centro-esquerda do país.

“O Luciano Huck não representa a esquerda, nem de centro-esquerda. Ele representa a central Globo de Televisão. É isso que ele representa neste momento. Porque, de um lado, você tem o Ciro Gomes, de um partido historicamente de esquerda. Você tem o Flávio Dino, o Haddad, o Psol que teve candidato. E quem é o do centro-esquerda? Ninguém. Na verdade, o Luciano Huck está sendo discutido pelo dono da Ambev, que é o novo formador de quadros políticos do Brasil. Possivelmente ele gostaria de transformar o Brasil em uma Ambev. Ainda é cedo pra você dizer qual é o espectro político de Luciano Huck”, disse Lula em entrevista de 1 hora e 20 minutos aos jornalistas Juca Kfouri, Talita Galli e José Trajano, da TVT – emissora sindical.

Sobre as eleições presidenciais de 2022, o ex-presidente disse que não descarta a construção de uma frente ampla progressista, mas disse não considerar que isso inclua todos os espectros da política.

“Hoje eu acho que é possível criar uma frente ampla para conquistar de volta a soberania nacional, mas quando você olha no espectro político, você vê que no Congresso o Guedes aprova tudo o que quer”, afirmou. “O PT tem alianças amplas até demais”, disse.

Ao ser questionado se apoiaria uma chapa tendo Flávio Dino, governador do Maranhão pelo PC do B, encabeçando, Lula afirmou: “Admito que sim, como não? O PC do B já me apoiou quatro vezes. Eu tenho um apreço por ele”.

“Eu não tenho nenhum problema em apoiar um candidato de outro partido político”, completou.

No entanto, para Lula, “é muito difícil se imaginar eleger alguém de esquerda sem o PT”. Continue reading

Funcionários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) dizem que o governo criou um grande factoide ao anunciar a contratação de 7 mil militares para colocar os processos em dia e reduzir as filas de pedidos de benefícios. Eles não darão conta do trabalho, não na velocidade prometida pelo presidente Jair Bolsonaro. 

Segundo integrantes do INSS, a ideia de contratação de militares surgiu do nada, porque não se tinha nada de concreto a ser feito. O instituto está sucateado, apesar de o governo propagar a história do INSS digital, que mais de 90 serviços podem ser realizados por meio da internet. 

“O INSS tem, sim, que passar por uma grande reestruturação, mas nada foi feito pelo atual governo nem pelos anteriores para modernizar de verdade o sistema de gestão”, afirma um gerente de um dos mais movimentados postos de atendimento do Distrito Federal. 

Ele ressalta que sai governo, entra governo, tudo continua na mesma. “Por isso, impera o descaso no atendimento, sobretudo aos mais pobres, pois aqueles que têm amigos no poder furam as filas de atendimento, têm tratamento vip”, ressalta o mesmo gerente. 

Tempestade perfeita  

Para técnico, os militares contratados terão que passar por um amplo processo de treinamento. “Não será da noite para o dia que vão resolver tudo. Estamos falando de um trabalho complexo, que demanda tempo para aprendizado”, frisa. “Pelo que fomos informados, nem se sabe quem são esses militares. Ou seja, anunciam coisas sem combinar o jogo.” 

Os funcionários do INSS dizem que o atual governo sabia de todos os impactos da aprovação da reforma da Previdência nos sistemas de concessão de benefícios, mas não fez nada de efetivo para preparar o órgão para as mudanças. E mais: boa parte dos processos encalhados deu entrada no INSS antes da reforma. Portanto, os processos já poderiam ter sido solucionados. 

O que se fez, em vez de agilizar o atendimento do INSS, foi criar uma série de burocracias para a concessão de benefícios. O governo se preocupou em reter os processos para não aumentar a fatura com aposentadorias. Deu no que deu. “Estamos assistindo no INSS a tempestade perfeita: falta de pessoal, governo despreparado e mudança de regras”, completa outro funcionário do INSS.

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB) participou nesta quarta-feira do ato de filiação ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), do vereador Gilberto de Belchior, em Custódia. A cerimônia para celebrar a filiação ao partido aconteceu no Estillus Recepção e contou com as presença do deputado estadual Antonio Coelho, de vários ex-prefeitos da região do Moxotó e Pajeú, vereadores das cidades de Betânia, Sertânia, Flores, Iguaracy, além suplentes de vereadores, muitas lideranças políticas, comunitária e o povo em geral. 

O ex-prefeito de Afogados da Ingazeira e pré-candidato Totonho Valadares, que se filiou ao partido recentemente, foi convidado pelo senador e pelo recém-filiado para se fazer presente ao ato de filiação, como também os ex-prefeitos Arnaldo da Pinha, de Flores e Luiz Carlos, de Custódia.

Em Custódia, os vereadores Marcílio Ferraz, Ronny Barbalho, Cristiano Lira, Joãozito Moura e Didi de Quitimbu, além de Gilberto de Belchior, que fazem oposição ao atual gestor, irão na data oportuna determinada pela legislação eleitoral, se filiarem ao MDB, conforme declarou o vereador Joãozito Moura. Após a filiação do grupo, o MDB irá lançar a candidatura, já posta pelo grupo, do jovem vereador Marcílio Ferraz a prefeito daquele município.

O Governo de Pernambuco recebeu, no dia 31 de dezembro de 2019, R$ 247,4 milhões provenientes do leilão excedente da cessão onerosa do pré-sal, realizado pelo Governo Federal em novembro do ano passado. O leilão teve o objetivo de arrecadar recursos para aliviar as contas públicas da União, bem dos estados e municípios.

O valor obtido nesse último leilão gerou para o Brasil R$ 69,96 bilhões em bônus de assinatura, o que representa um recorde de arrecadação. De acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis  (ANP), o valor supera o somatório de todos os bônus oferecidos até hoje em rodadas no país. Desse montante, 15% ficou para os Estados e o Distrito Federal, 15% para os municípios, 67% para os gastos da União e 3% para o Rio de Janeiro, onde ficam as áreas arrematadas (Búzios e Itapú).

Pernambuco recebeu R$ 247,4 milhões e o montante terá como prioridade abastecer o fundo previdenciário, cujo déficit é de R$ 2,8 bilhões, segundo a Secretaria da Fazenda de Pernambuco (Sefaz-PE). “Pernambuco irá utilizar o valor integralmente na redução do déficit que existe atualmente, de forma imediata”, explicou o órgão por meio de nota.

Já as 185 cidades pernambucanas dividirão R$ 260,1 milhões que deverão ser destinados para investimentos locais e as despesas com a Previdência. Dentre os municípios, Recife recebeu R$ 28,7 milhões.

Para o presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) e prefeito de Afogados da Ingazeira, no Sertão, José Patriota (PSB), houve uma expectativa frustrada com relação ao valor que o Estado e os municípios iriam receber. Segundo ele, o valor é paliativo. 

“O valor alivia, mas não resolve em definitivo. Temos mais de cem municípios. E a maioria está tirando um pedaço para cobrir a Previdência e para aplicar em investimentos, para fazer contrapartida em captação de recursos, para fazer pequenas obras, porque não dá para fazer grandes obras. Mas o peso maior é a Previdência”, explicou Patriota.

VEJA

Era abril de 2019 quando Jair Bolsonaro jogou luz sobre um esquema que vem drenando os cofres públicos ao longo dos anos. Em sua tradicional live semanal, o presidente disse que dois terços dos pagamentos do seguro-defeso – um benefício a pescadores artesanais garantido na época em que as espécies estão em período de reprodução – são fraudados. O porcentual não é novidade. Desde 2017, a Controladoria-Geral da União (CGU) estima que são irregulares 66% dos desembolsos do seguro-defeso, que somaram, em 2018, 2,89 bilhões de reais, valor suficiente para bancar o reajuste do salário mínimo anunciado nesta semana. A novidade agora é que o governo identificou com mais detalhes o nível de informalidade e de descuido que favorecem a sangria dessa verba pública.

A revista VEJA teve acesso a levantamentos sigilosos de órgãos da administração responsáveis pela triagem dos beneficiários. Em um dos casos, uma suposta pescadora aparece cadastrada no sistema que reúne os Registros Gerais de Pescadores (RGP) como “Caloteira Safada”. Nas tabelas encaminhadas ao governo para o pagamento do seguro, “Caloteira Safada” está registrada como pescadora artesanal no Espírito Santo, mas um cruzamento de seus números de CPF e de NIS aponta que ela atuaria como pescadora a mais de 3.000 quilômetros das terras capixabas. “Caloteira Safada” sacou parcelas do seguro-defeso entre 2013 e 2018 nos municípios de São Sebastião da Boa Vista, Soure, Ponta de Pedras e Salvaterra, todos no Pará. Os pagamentos só foram interrompidos após o caso dela cair em uma peneira feita pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), responsável por analisar os requerimentos de seguro e habilitar os benefícios.

O governo suspeita que “Caloteira Safada” seja personagem de um antigo esquema de fraude no seguro-defeso: a atuação de atravessadores especializados em arregimentar pessoas para se cadastrarem como pescadores artesanais, mesmo que jamais tenham exercido a profissão, e depois levá-las até agências bancárias para o recebimento ilegal do benefício. No esquema, o atravessador fica com parte dos valores recebidos. O assédio a pessoas para se registrarem como falsos pescadores é comum no período pré-eleitoral e estará no foco de fiscalização nos meses que antecedem as eleições municipais de outubro. A atuação de políticos como atravessadores já levou o Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA) a cassar o mandato do então deputado estadual Paulo Sérgio Souza, conhecido como Chico da Pesca. Continue reading

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (15) que não vai “se meter em política municipal” caso o seu partido não tenha candidato próprio. A declaração foi feita um dia depois de o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), que deve tentar a reeleição, ir ao Palácio do Planalto e não ser recebido pelo presidente.

“Não é que não foi recebido. Nem sabia que ele estava. Tenho o dever de receber qualquer autoridade. Não tenho nada contra o Crivella, pelo contrário. Foi meu colega de Exército. Vou ver o que ele quer”, disse Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência.

Ao chegar ao Planalto na terça-feira (14), Crivella disse aos jornalistas que daria uma entrevista na saída. Porém, ao deixar o local, ignorou os chamados dos profissionais da imprensa, que o aguardavam no local combinado.

CANDIDATURAS NO RIO

Apesar de dizer que não vai se meter na eleição municipal, Bolsonaro teria dado aval para a candidatura do deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ) à Prefeitura do Rio, de acordo com o próprio congressista.

Naquela ocasião, Otoni afirmou que estava chegando a Brasília só para conversar com o presidente. No dia seguinte, disse que havia a possibilidade de ter outra audiência com Bolsonaro –o que se confirmou– e depois retornaria ao Rio.

O deputado federal disse acreditar que o presidente Jair Bolsonaro não tornará explícito seu apoio a ninguém na hora do pleito. Mas disse que sua candidatura estaria sendo construída com a “estrutura”, nas palavras dele, que elegeu Bolsonaro. Continue reading