Pedro Araújo

As informações que informam as verdades dos fatos, sem ferir ou denegrir pessoas ou imagens. Como também, nunca procurando agradar aos maus feitores.

https://oimparcial.com.br/media/2017/04/energia-eletrica-eficiencia-formobile.jpg

O diretor geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Eduardo Barata, disse ontem (08) que, embora o nível de chuva no Brasil tenha melhorado no mês de agosto, os resultados baixos desde fevereiro não favorecem um bom desempenho para a geração de energia até o fim do período seco, no fim de novembro.

De acordo com Barata, essa condição pode determinar a manutenção da bandeira vermelha na tarifa de energia até novembro. Apesar de dizer que não gosta de comentar uma situação que pertence à seara da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), acrescentou que as previsões não são favoráveis. 

“De fato já estamos agora basicamente no meio do período seco e os sinais que temos dos institutos de clima são de que não deve ter mudança nenhuma em relação ao que a gente tem. Devemos continuar com uma primavera seca”, observou, após palestra no evento Brazil Windpower 2018, no Rio de Janeiro. O encontro é organizado pela Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), pelo Conselho Global de Energia Eólica (GWEC) e pelo Grupo CanalEnergia.

Barata acrescentou que ainda assim, conta com a chuva, agora, para reduzir o impacto no futuro. “Essa chuva não penetra e não se transforma em energia. A vantagem é que como ela umidifica o solo, quando chegarmos ao período úmido o solo não estará tão seco e, rapidamente, as chuvas do período úmido se transformam em vazão. Essa é a torcida que a gente tem”, relatou.

O diretor da Aneel Sandoval de Araújo Feitosa Neto afirmou que ainda não é possível assegurar que a bandeira vermelha vai seguir até o fim do período seco, em 30 de novembro. Ele informou que a definição da bandeira segue a metodologia elaborada em uma norma do órgão baseada em avaliação mensal dos reservatórios. Embora reconheça que o ONS tem condições de estimar, com mais antecedência, o tempo de permanência de uma cor para estipular a tarifa de energia, o diretor completou que a partir da análise da Aneel é que a cor da bandeira é determinada.

“Não posso precisar se até o fim do ano a bandeira ficará vermelha. O ONS acompanha e tem maiores informações para antecipar este fato. O que posso dizer é que a definição do patamar da bandeira é feita em norma da Aneel. Somente se verifica a cor da bandeira no momento em questão. Por exemplo, estamos no mês de agosto, a definição da bandeira foi em julho. Ao final de agosto se avaliarão as condições energéticas e se chegará à bandeira de setembro e assim sucessivamente”, afirmou, após participar de um painel no Brazil Windpower.

Despacho de térmicas 

Com a falta de chuvas, o ONS precisa acionar as usinas térmicas para garantir o abastecimento. Segundo o diretor, atualmente estão sendo despachados, pelo programa, cerca de 13,5 mil a 14 mil megawatts (MW), volume que foi beneficiado pela queda da temperatura nessa semana. “A temperatura caiu, com isso a gente despacha menos térmicas”, apontou.

Hidrologia

Segundo Barata, o ONS estima para o final do período seco, em 30 de novembro, chegar na faixa de 18% a 20 % de participação das térmicas no sistema na região Sudeste, mas isso depende das condições da Região Sul. “Se o Sul ficar muito ruim fica no limite inferior de 15% ou 16%”, completou.

O panorama pode mudar se as condições da Região Sul se alterarem com a chegada do El Niño previsto para o fim do ano. “Se, ao contrário, as condições no Sul se modificarem, fala-se na chegada do El Niño no final do ano. El Niño significa chuvas no Sul e reduz a necessidade do Sudeste exportar para o Sul, então, poderemos concluir o ano com um
nível maior Sudeste”, disse.

Já no Nordeste, o quadro está diferenciado do ano passado. “Pela estratégia que temos hoje de operação na cascata do São Francisco , nós devemos terminar o ano na faixa de 30%, o que é bem acima do que chegamos no ano passado. 

Fabiano Rocha

Quem pode, pode.

Terça-feira (07), o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro, decidiu que o banqueiro Eduardo Plass (de camisa clara), preso na operação Hashtag na sexta-feira passada, só poderia deixar Bangu 8 se pagasse uma fiança de R$ 90,6 milhões.

Ontem (08), foi feita uma transferência da conta de Plass no BTG Pactual para a Justiça. (Plass, hoje dono da gestora Opus, do Tag Bank, já foi presidente do Pactual).

Ainda ontem seus advogados pediram que Bretas indicasse “o número da conta judicial para depósito do valor da fiança”.

Plass foi preso a partir de informações dadas nas delações premiadas dos diretores da H. Stern, entre eles, Roberto Stern, presidente da empresa.

A joalheria usava offshores de fachadas em nome de Plass e outros para ocultar os valores recebidos da quadrilha de Sérgio Cabral pela venda de joias.

Em 15 estados, o PT se aliou a partidos que apoiaram o impeachment de Dilma e integraram o governo Michel Temer

Por ora, a discussão a respeito de ter sido golpe ou não a derrubada de Dilma Rousseff do governo federal, em 2016, parece que vai ter que ser colocada de lado. Isso porque, às vésperas das eleições, novas alianças estão sendo feitas pelo Brasil – inclusive entre petistas e partidos que apoiaram o impeachment da presidente.

De acordo com um levantamento feito pelo jornal O Estado de S.Paulo , em 15 estados, o PT se aliou a partidos que apoiaram o impeachment de Dilma e integraram o governo Michel Temer. Em seis deles, o PT será cabeça de chapa ao governo em coligações com partidos que foram favoráveis à queda de Dilma.

Em outros nove estados, ainda segundo o levantamento, candidatos de siglas que votaram pelo afastamento da presidente vão ter o apoio petista . Desses, há filiados ao MDB, PSD, PTB, PR e Rede.

Além disso, outros quatro são do PSB, um partido que não tem um posicionamento claro quanto aos petistas. Isso porque, embora se aliem em alguns estados, em 2016, o partido votou pela cassação do mandato de Dilma Rousseff e, hoje, fechou um acordo nacional com o PT para não apoiar formalmente nenhum candidato à Presidência. Antes de 2016, o PSB era um aliado histórico do PT.

Nesse isolamento do PSB, buscando uma neutralidade na corrida presidencial, um candidato saiu prejudicado. Afinal, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) acabou não obtendo o apoio nem do chamado ‘Centrão’ – grupo composto por partidos de centro – nem do PSB, que angaria votos da esquerda. 

Ainda segundo o jornal O Estado de S.Paulo , na prática, o PT espera que a maior parte dos diretórios do PSB engrossem o apoio à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ou do seu possível substituto, o ex-prefeito da capital paulista Fernando Haddad. 

Questionada, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirmou que não há nenhuma contradição entre as conveniências eleitorais do partido e o discurso da direção. “Não há (contradição) porque estamos deixando claro que eles têm de apoiar Lula. Em todos esses casos, tem apoio a Lula e uma autocrítica inclusive.”

Ou seja, o apoio ao que foi chamado pelos petistas de ‘golpe’ a Dilma Rousseff, o impeachment em 2016, agora não faz tanta diferença, contanto que haja apoio ao ex-presidente Lula – figura centro do partido, que nunca deixou de ser a prioridade da militância petista.

Ciro diz que tem posições diferentes de sua vice sobre armas e aborto

O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, afirmou, nesta quarta-feira (08) que tem posições diferentes de sua vice, Kátia Abreu, que afirmou ser a favor da facilitação do porte de armas e contra o aborto.

“São posições diferentes, claro. Ora, mas você imagina que o vice pensa igual a mim? Qual o vice pensa igual ao titular na história do Brasil?”, disse Ciro, visivelmente irritado.

Segundo o candidato, no entanto, a Folha de S. Paulo “fraudou a manchete como costuma fazer” e “só quer fazer intriga”. Ele se negou ainda a responder qual posição deverá prevalecer na chapa do PDT sobre os dois temas.

Em entrevista ao jornal, Kátia Abreu disse não achar “justo alguém ficar armado até os dentes e a população totalmente abandonada”.

“Eu sou [favorável à facilitação do porte de armas], não para ficar andando na rua, nos bares, restaurantes, trabalho. Mas se a pessoa se sentir segura”, afirmou a senadora.

A vice na chapa de Ciro disse ainda que “todas as mulheres e homens do Brasil são contra o aborto” e fez questão de ressaltar ter votado contra a descriminalização do aborto em caso de anencefalia, que é autorizado pelo Supremo Tribunal Federal -estupro e caso de risco de vida da mãe são as outras duas situações em que o aborto é permitido no país.

Questionado se a senadora terá um papel de “vice decorativa” -termo usado pelo então vice Michel Temer em carta a Dilma Rousseff em 2015-, Ciro disse que Kátia “vai representar o que ela é: uma mulher de grande valor”.

“[Ela] ficou viúva aos 25 anos de idade, criou os filhos com maior dificuldade e sacrifício, virou uma líder do setor agrícola e pecuário do Brasil, foi a primeira mulher presidente do sindicato rural da história do Brasil e tem tido um comportamento no Congresso Nacional absolutamente respeitável”.

Ciro falou a jornalistas após evento com presidenciáveis organizado pelo BTG Pactual, em São Paulo. Com informações da Folhapress. 

Por 7 votos a 4, os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) aprovaram proposta de reajuste de 16,38% no salário da magistratura. O aumento constará na proposta de orçamento do Supremo para 2019. O salário dos ministros é de R$ 33.763 e é o teto do funcionalismo. Agora, o valor deve passar para mais de R$ 39,3 mil e gera um efeito cascata.

O aumento foi aprovado na noite desta quarta-feira (08) em sessão administrativa de cerca de uma hora no gabinete da presidente da Corte, a ministra Cármen Lúcia. Acompanharam a discussão membros de diversas categorias da magistratura e a imprensa. O gabinete ficou lotado.

Ministros favoráveis ao aumento:

  • Ricardo Lewandowski;
  • Gilmar Mendes;
  • Marco Aurélio;
  • Luiz Fux;
  • Dias Toffoli;
  • Roberto Barroso;
  • Alexandre de Moraes.

Ministros contra o aumento:

  • Cármen Lúcia;
  • Celso de Melo;
  • Rosa Weber;
  • Edson Fachin.

Cármen Lúcia não incluiu o aumento na proposta orçamentária e deixou a decisão final para os ministros. Ela foi voto vencido. A maioria seguiu a argumentação de Ricardo Lewandowski. Quando presidente da Corte ele apresentou ao Congresso a proposta de reajuste. O projeto de lei (eis a íntegra) foi aprovado pela Câmara e está no Senado.

O mesmo PL será citado na proposta orçamentária de 2019. Se os senadores aprovarem o reajuste é confirmado. Segundo a proposta, apenas no STF o impacto financeiro será de R$ 2.279.354,77. Em todo o Poder Judiciário da União o valor sobre para R$ 717.170.790,67. No entanto, esses valores foram calculados na apresentação do PL, em 2015, e devem ser atualizados.

Durante a discussão nesta 4ª, o futuro presidente da Corte Dias Toffoli afirmou que o reajuste não vai aumentar os gastos com o STF e virá de remanejamento interno. Segundo o ministro, a verba para bancar o aumento virá de setores como comunicação institucional e TV Justiça.

Com a palavra, os ministros

Ao defender o aumento, Lewandowski chamou o reajuste de “modestíssimo”. Os 16,38% representam a reposição da inflação de 2009 a 2014. Na mesma linha, Marco Aurélio disse que a mudança salarial não é um aumento e sim um reajuste, ao citar a perda inflacionária.

Barroso teve que sair logo no início da sessão e disse apenas ser favorável ao reajuste e à tomada de decisão pelo Congresso. Gilmar voltou a defender que o teto não deve ser o salário do STF. Defendeu o aumento, mas condicionando a mudança a essa discussão.

Os que foram contra o aumento lembraram que o momento é de escassez financeira nos cofres públicos. Rosa Weber e Celso de Melo chamaram a decisão de “escolha trágica”. Alexandre de Moraes concordou com os argumentos de Gilmar de que as leis sobre a remuneração da magistratura estão defasadas. Mas, ao contrário de Gilmar, Moraes votou pelo envio da proposta de orçamento sem o reajuste. Com informações do Poder360.

Paulo Câmara, governador de Pernambuco Foto: Reprodução / Facebook

O PT convidará governadores do PSB para ato de apoio ao ex-presidente Lula nas próximas semanas. São esperados Ricardo Coutinho, da Paraíba, e Paulo Câmara, de Pernambuco. Os dois foram os principais fiadores da aliança do PT com o PSB.

Eles pretendem aproveitar a popularidade de Lula para ganhar votos. Paulo Câmara tentará ser reeleito. Ricardo Coutinho busca uma vaga no Senado.

https://1.bp.blogspot.com/-HZe07BrXjYY/W2raNqUW9HI/AAAAAAAAU58/jivdTTk9TN0U1_l2n0T7VWJNLiIBMf-8ACLcBGAs/s400/camara_madalena.jpg

Informações do Palácio do Campo das Princesas é de que nesta quarta-feira (08), a prefeita de Arcoverde, Madalena Britto (PSB), teria uma audiência com o governador Paulo Câmara (PSB). Em pauta as eleições deste ano e os nomes que a prefeita vai apoiar para deputado estadual e federal na Capital do Samba de Coco. A chefe do executivo e seu núcleo político partiram logo cedo desta quarta-feira para Recife.

Aliada do deputado federal João Fernando Coutinho (PROS), a prefeita deverá rifar o nome do parlamentar devido à decisão dele de ficar na oposição ao governo Paulo Câmara. Coutinho apoia a candidatura de Maurício Rands (PROS) ao Governo de Pernambuco. Entre os nomes cotados para tomar o lugar de Coutinho está o filho do ex-governador Eduardo Campos, João Campos (PSB).

Já na esfera estadual, com a saída do nome do filho da prefeita do páreo (André Britto – PROS), Madalena terá que escolher um nome que agrada aos seus subordinados e ao Palácio do Campo das Princesas. Nos bastidores dão conta de que dois nomes estão completamente descartados: Eduíno Britto e Luciano Pacheco, este último por estar na oposição, candidato pelo PROS. Já a vereadora Cybele (PR) não teria a aprovação do Palácio do Campo das Princesas por fazer parte da chapinha rebelde comandada por Dudu da Fonte (PP) e Sebastião Oliveira (PR). Os outros da terra e que são alinhados com os governos Madalena/Paulo Câmara (Israel – PRP, Regis Capoteiro – PRTB e Maria José – PT) não entram nem na mesa de discussão.

A expectativa é de que a prefeita de Arcoverde anuncie os escolhidos neste final de semana, já que a campanha começa oficialmente na próxima quinta-feira (16). Com informações do Blog Folha das Cidades.

A dois meses do 1º turno das eleições presidenciais, Jair Bolsonaro e Geraldo Alckmin empatam, dentro da margem de erro, na preferência do eleitor paulista.

O militar está numericamente na frente, com 18,9% das intenções de voto. O tucano registra 15,0%. O candidato do PT, Fernando Haddad, pontua 8,3%, empatado com Marina Silva, da Rede, (8,4%) e Ciro Gomes, do PDT, (6,0%).

A pesquisa CNT/MDA (Confederação Nacional do Transporte) foi divulgada nesta quarta-feira (08) com intenções de voto para presidente da República, governador e senador em São Paulo. O levantamento inclui dois cenários da disputa para presidente da República em 1º turno, sendo um com a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outro sem a sua presença no pleito. Leia a íntegra do relatório.

Cenário com Lula

No cenário em que é testado, o ex-presidente Lula lidera, empatado na margem de erro com Bolsonaro. O petista fica com 21,8% das intenções de voto e o deputado federal marca 18,4%. Nesse cenário, Alckmin aparece logo atrás, com 14%.

Foram entrevistados 2.002 eleitores em São Paulo, entre os dias 2 e 5 de agosto. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais e o grau de confiança é de 95%. O estudo está registrado no Tribunal Superior Eleitoral sob o nº BR-05911/2018.

As últimas pesquisas realizadas pela MDA foram nacionais. Em março, a corrida presidencial sem Lula indicava que Marina, Ciro e Alckmin disputavam uma vaga no 2º turno contra o deputado federal Jair Bolsonaro.

Já a pesquisa divulgada em maio, revelou que o pré-candidato do PSL, Jair Bolsonaro, liderava quase todos os cenários de 2º turno. Só empatava, à época, com a candidata da Rede, Marina Silva, obteve exatamente a mesma pontuação do militar no confronto direto: ambos registram 27,2%.

Julho teve o pior desempenho de chuvas desde 1931

O diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema), Luiz Eduardo Barata, disse que a redução de chuvas fará com que a bandeira 2 das contas de luz fiquem em vigor até o final do período seco, que termina em outubro, deixando a conta mais cara para o consumidor. 

Segundo Barata, o setor está repetindo o comportamento de 2017 e, por isso, os consumidores devem continuar pagando mais caro pela energia, com a Bandeira 2 acionada.

“Vamos ter 2018 de novo com atenção, mas temos tranquilizado o governo, não corremos risco de desabastecimento de energia, mas sabemos que vamos ter custo alto da energia”, disse ele, durante debate no Brazil Windpower 2018.

Barata informou ainda que o mês de julho foi o pior em termos de chuvas do histórico do ONS, que vem desde 1931.

Rede oficializou a candidatura de Lóssio na última sexta-feira (3) / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Rede Sustentabilidade apresentou, nesta quarta-feira (08), o empresário e advogado Luciano Bezerra como candidato a vice-governador de Pernambuco e a advogada Adriana Rocha como candidata ao Senado. Os dois eram os nomes que faltavam para fechar a chapa majoritária.

“Vou propor e não ficar batendo. Vamos cuidar da alma das pessoas e lutar por igualdade. A Rede tem duas principais bandeiras: luta e paz. Vou defender a paz, mas se for para lutar estou preparado”, afirmou o pré-candidato ao governo Júlio Lossio, durante o evento em um restaurante do Recife.

Foi na última convenção realizada na sexta-feira (03), que ocorreu o anúncio da candidatura de Júlio Lossio (Rede) a governador do Estado e a do pastor Jairinho Silva para disputar a vaga ao Senado.

Candidatura

Até o início da semana, o ex-prefeito de Petrolina, que busca o governo de Pernambuco, ainda não havia definido um nome para ocupar o posto de vice em sua chapa. Entretanto, para o Senado, Pastor Jairinho (Rede) ficou como o primeiro evangélico a concorrer ao cargo. Confira quem são os seis candidatos ao governo de Pernambuco neste link.

https://imagens1.ne10.uol.com.br/blogsne10/jamildo/uploads//2017/12/fernando-bezerra-coelho-fbc.jpg

Na manhã desta quarta-feira (08), o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) foi condenado pelo Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) a pagar R$ 5,1 milhões aos cofres do governo estadual pelo prejuízo que o Porto de Suape obteve quando o parlamentar era o presidente da instituição. Entre 2007 e 2008, segundo o TCE, Fernando Bezerra fez doações de areia a empresas que faziam o serviço de aterro na área do porto, sem cobrar por isso.

O processo no TCE teve origem com um pedido de rescisão do Ministério Público de Contas de Pernambuco (MPCO), assinado pela procuradora geral Germana Laureano e pelo procurador Cristiano Pimentel. A relatora do processo no TCE foi a conselheira Alda Magalhães, auditoria concursada do TCE.

Apesar de alguma divergência sobre o recebimento ou não do pedido de rescisão, no mérito, os conselheiros condenaram Fernando Bezerra por unanimidade. Votaram pela condenação os conselheiros Alda Magalhães, relatora, Carlos Porto, Dirceu Rodolfo, João Campos, Ranilson Ramos e Luiz Arcoverde Filho. O julgamento foi presidido por Marcos Loreto, presidente do TCE.

https://i0.wp.com/nilljunior.com.br/wp-content/uploads/2016/11/ifpe.jpg?fit=630%2C380

A Diretoria de Assistência ao Estudante (DAE), do IFPE divulgou, nesta terça-feira (07), o edital do Programa Bolsa Permanência referente ao semestre letivo de 2018.2 dos campi Afogados da Ingazeira, Belo Jardim, Caruaru, Garanhuns, Igarassu, Ipojuca, Olinda, Palmares, Paulista, Pesqueira e Recife.

As inscrições serão feitas exclusivamente pela internet e no período estabelecido nos cronogramas de cada campus. Para o campus Afogados da Ingazeira, as inscrições acontecem de 13 a 21 de agosto. O sistema online permitirá que os (as) estudantes submetam todos os documentos e formulários no formato eletrônico através do endereço workflow.ifpe.edu.br. No momento de inscrição, é preciso escolher a opção de acordo com o Campus onde a pessoa está matriculada.

Podem se inscrever estudantes nas seguintes condições: a) cotistas com renda per capita familiar de até 1,5 do Salário Mínimo, ingressantes a partir do semestre de 2015.2 e estudantes contemplados com o Programa Moradia Estudantil dos Campi Agrícolas a partir do semestre 2015.1; b) estudantes e/ou familiares participantes de programas sociais; c) demais estudantes requerentes que não se incluem em nenhum dos perfis citados anteriormente.

Para finalizar a inscrição, os (as) estudantes deverão digitalizar e anexar os documentos solicitados pelo sistema conforme seu perfil socioeconômico. Após a finalização, a aluna ou aluno receberá um e-mail de confirmação de inscrição no e-mail que este (a) registrar no sistema.

Acesse o Edital Unificado Bolsa Permanência 2018.2

Acesse o Manual de Perguntas e Respostas

Acesse o checklist da documentação para inscrição

RENOVAÇÃO DA BOLSA PERMANÊNCIA

A coordenação de Apoio ao Ensino e ao Estudante (CAEE) do campus Afogados da Ingazeira, chama atenção dos alunos que, para renovar o recebimento do auxílio Bolsa Permanência 2018.2, os alunos contemplados com o Bolsa Permanência 2018.1 que estiverem matriculados em pelo menos três disciplinas nesse segundo semestre de 2018 devem entregar o histórico escolar constando essas disciplinas. Os alunos devem entregar o documento até a sexta-feira (10), na CAEE. Caso tenha mudado a situação financeira, o aluno deverá trazer uma documentação comprobatória da nova situação.

https://www.tce.pe.gov.br/internet/images/tce.jpg

A Segunda Câmara do TCE homologou uma Medida Cautelar expedida monocraticamente pelo conselheiro Carlos Porto determinando à Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude do Estado que se abstenha de firmar qualquer tipo de parceria financiada com recursos de emendas parlamentares, até que comprove condições de garantir o controle, a fiscalização e o monitoramento sobre a correta aplicação dos recursos transferidos.

A Secretaria terá que comprovar também a “boa e regular” execução da parceria, a fim de demonstrar a exatidão e efetividade da prestação dos serviços. A Cautelar se originou de uma Auditoria de Acompanhamento realizada na mencionada pasta, referente ao exercício de 2017, com o objetivo de analisar a legalidade e legitimidade de convênios e contratos celebrados com recursos de emendas parlamentares.

CONLUIO 

 A equipe técnica do TCE recomendou a expedição da Cautelar em virtude das “graves irregularidades” apontadas no relatório, bem como da “prática de conluio e fraude em parcerias celebradas com a Secretaria, e ainda, em virtude do dano total provocado ao erário, no montante de R$ 10.902.566,60”.

De acordo com o relatório dos auditores, a Secretaria não realizou o devido chamamento público para escolher suas entidades parceiras, nos exercícios de 2015 e 2016. O TCE analisou 93 parcerias firmadas com 12 entidades, sem fins lucrativos, e concluiu que em relação a todas elas não houve o prévio chamamento público e nem decisão fundamentada da autoridade competente justificando a sua dispensa.

Segundo o TCE, “o fato de liberar as entidades do chamamento público, sem a devida decisão fundamentada, afrontou os princípios constitucionais da legalidade e impessoalidade, bem como o Decreto Estadual nº 39.376/2013”.

FRAUDE 

O relatório de auditoria constatou também fraude nas contratações envolvendo as convenentes “Missão Internacional de Proteção à Criança e ao Adolescente”, “Associação Saúde Solidária para Desenvolvimento da Saúde, Educação, Ciência e Cultura” e “Associação Projeto Universal”, pertencentes a um mesmo grupo econômico, liderados pelo casal Letícia Lopes da Silva Santos e Cícero Alfredo dos Santos.

“Diante do conluio existente entre os membros dessas convenentes e das fraudes em cotação de preços e concessão de atestados de capacidade física, levando a indícios de forjamento nos processos das convenentes, com o objetivo de que os recursos provenientes das emendas parlamentares ficassem em poder do casal Cícero e Letícia, a equipe de auditoria concluiu pela impossibilidade de atribuir credibilidade aos documentos, sugerindo a devolução aos cofres públicos dos valores transferidos por meio dos instrumentos celebrados com as mencionadas convenentes”, diz a justificativa do conselheiro Carlos Porto, que deu um prazo de 90 dias ao atual secretário, Cloves Benevides, para tomar uma série de providências visando à regularidade da situação “sob pena de responsabilização pessoal no âmbito das contas anuais”.

Por fim, o conselheiro determinou o encaminhamento do presente processo ao Departamento de Controle Estadual do TCE “para acompanhamento do cumprimento da presente cautelar”.

A Secretaria de Meio Ambiente do Estado, promove no dia 15 (quarta-feira), das 13 às 17h, no auditório Tabocas do Centro de Convenções de Pernambuco, Seminário de Integração Construindo a “Política de Educação Ambiental de Pernambuco – PEAPE”, como espaço final para consolidação do Projeto de LEI da PEAPE.

O evento leva em consideração as contribuições de representantes de municípios de todas as regiões de desenvolvimento do Estado, num esforço para o avanço na definição de referências normativas e diretrizes para a ação da Educação Ambiental em Pernambuco.

O evento é dirigido a prefeitos, secretários de Meio Ambiente, Educação, Saúde, entidades que trabalham com a questão ambiental e a população interessada pelo tema, principalmente quem participou das oficinas e seminários para construção dos conteúdos da PEAPE.

O secretário de Meio Ambiente do Estado, Carlos André Cavalcanti, lembra que já foram realizados 4 seminários e 12 oficinas de trabalho com ampla participação de representantes dos municípios e sociedade civil, das diferentes regiões de  Pernambuco.

https://abrilveja.files.wordpress.com/2016/05/alx_gas-20150901-01_original.jpeg

Uma quadrilha especializada em roubo de carga foi desarticulada, nesta terça-feira (06), após a prisão de cinco integrantes do bando, incluindo a suposta vítima, que teria sido mantida como refém por mais de duas horas. Enquanto prestava depoimento à polícia, o motorista do caminhão que havia sido roubado pela manhã – com carga de botijão de gás avaliada em R$ 115 mil – foi detido por participação no crime. Os outros quatro suspeitos foram capturados em um depósito em Jardim Atlântico, Olinda, pelo Grupo de Apoio Tático Itinerante (Gati) com auxílio do GPS do veículo.

O caminhão carregado de botijões de gás foi abordado por dois carros quando passava por Paudalho, na BR-408, sentido Carpina, por volta das 10h40. Ao todo, 538 botijões foram levados pelos assaltantes. Segundo a versão divulgada inicialmente, o motorista teria sido mantido como refém por cerca de 2h30. Nesse período, ele contou ter ficado com uma arma apontada à cabeça até ser deixado no Cabo de Santo Agostinho. Enquanto isso, o caminhão, que estava sendo monitorado pela empresa dona da carga através do GPS, seguia em direção ao bairro de Jardim Atlântico, uma rota totalmente diferente da planejada e que, por isso, despertou a atenção dos proprietários. Desconfiados, eles acionaram o sistema de segurança e fizeram com que o veículo travasse num ponto já próximo ao depósito onde os suspeitos pretendiam descarregar o material.

A Polícia Militar, que tinha a informação sobre a localização da carga devido ao GPS, chegou ao local e prendeu quatro integrantes da quadrilha: Shirleide Almeida de Azevedo, 38 anos, irmã do dono da revenda; José Carlindo dos Santos Diniz, 34, motociclista do depósito; Paulo José Apolinário da Silva, 52, que ajudou a empurrar o caminhão quando ele travou; e Juliano Ramos de Souza, 38, que conduziu o caminhão com a carga roubada. Um outro suspeito chegou a ser detido, mas, posteriormente, foi liberado pelos investigadores. No trajeto, um dos presos acabou contando à polícia que o motorista supostamente sequestrado estava, na verdade, dentro do esquema. A informação culminou na prisão de Valdenis Roque da Silva, 37.

Todos os suspeitos de envolvimento no crime foram encaminhados para a Delegacia do Varadouro.