Pedro Araújo

As informações que informam as verdades dos fatos, sem ferir ou denegrir pessoas ou imagens. Como também, nunca procurando agradar aos maus feitores.

Uma carta escrita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi lida nesta terça-feira (11). No documento, o petista acata decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e anuncia a desistência da candidatura presidencial e indica Fernando Haddad (PT) como postulante ao Planalto e Manuela D’Ávila (PC do B) como sua vice.

A Executiva Nacional do PT já havia aprovado nesta terça a candidatura de Haddad e Manuela. A declaração foi lida durante ato em Curitiba por um dos fundadores do partido Luiz Eduardo Greenhalgh. Leia a íntegra.

“É diante dessas circunstâncias que tenho de tomar uma decisão, no prazo que foi imposto de forma arbitrária. Estou indicando ao PT e à Coligação ‘O Povo Feliz de Novo’ a substituição da minha candidatura pela do companheiro Fernando Haddad, que até este momento desempenhou com extrema lealdade a posição de candidato a vice-presidente”, consta em trecho da carta de Lula.

Em seu 1º discurso como candidato a presidente, Haddad pediu desculpa por não poder apresentar Lula como candidato. “Eu vejo muitas pessoas aqui muito emocionadas, e eu peço desculpas, por eu mesmo estar emocionado no dia de hoje, porque eu sinto a dor de muitos brasileiros e brasileiras que sentem a dor de não ver Lula subir a rampa do Palácio do Planalto”.

Na mensagem lida em Curitiba, Lula também comentou sobre as alianças com o PC do B e o Pros e “setores do PSB”.

“Ao lado dele, como candidata a vice-presidente, teremos a companheira Manuela D’Ávila, confirmando nossa aliança histórica com o PC do B, e que também conta com outras forças, como o PROS, setores do PSB, lideranças de outros partidos e, principalmente, com os movimentos sociais, trabalhadores da cidade e do campo, expoentes das forças democráticas e populares.”

O TSE barrou por 6 votos a 1 a candidatura de Lula. Ele está fora por causa da Lei da Ficha Limpa, que impede candidaturas de quem já foi condenado em duas Instâncias da Justiça.

O ex-presidente foi condenado pelo TRF-4 (Tribunal Superior Eleitoral da 4ª Região), pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Cumpre a sentença em regime fechado desde abril em Curitiba.

O prazo para substituição dado pelo Tribunal era até as 17 horas desta 3ª. Apesar do partido ter entrado com recurso no STF (Supremo Tribunal Federal) para adiar a data limite para o dia 17 de setembro, dirigentes da sigla preferiram fazer a substituição dentro do prazo dado pelo TSE.

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira vai iniciar na próxima semana uma ampla campanha de vacinação de cães e gatos. A partir da próxima segunda, seguindo o calendário, a Prefeitura inicia a vacinação pelos bairros, nas Unidades Básicas de Saúde.

No dia 29 de setembro, será realizado o grande dia “D” de vacinação, em frente à Secretaria Municipal de Saúde, para atender a quem não pode vacinar o seu animal no próprio bairro. Na zona rural, a vacinação pode ser agendada junto ao agente comunitário de saúde. Os profissionais da Secretaria também farão a busca ativa para realizar a vacinação também em cães e gato errantes.

Confira o calendário durante todo o mês de Setembro e programe-se para vacinar o seu animal de estimação:

São Braz (17), Sobreira (18), São Cristóvão (19), Borges (20), Brotas/Macambira (21), Costa/São Sebastião (24), Padre Pedro Pereira (25), São Francisco (26), Conj. Laura Ramos (27). No dia 29 de Setembro, o dia “D” de mobilização e vacinação antirrábica em frente à Secretaria Municipal de Saúde. 

https://i1.wp.com/gazetadajurema.com.br/wp-content/uploads/2017/04/charge2010-isca_promessa.jpg?fit=700%2C523

Pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (08) aponta o grau de interesse dos eleitores de Pernambuco com relação ao horário eleitoral gratuito de candidatos ao governo do estado exibido na TV:

  • Nenhum interesse: 48%
  • Um pouco de interesse: 30%
  • Muito interesse: 21%
  • Não sabe: 1%

O levantamento, que foi encomendado pela TV Globo e pelo jornal “Folha de S.Paulo”, também mostra o grau de importância do horário eleitoral gratuito na televisão na decisão do voto do eleitorado em Pernambuco para o governo estadual:

  • Nada importante: 41%
  • Muito importante: 35%
  • Um pouco importante: 24%
  • Não sabe: 1%
  • Margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos
  • Quem foi ouvido: 1.229 eleitores de 50 municípios do Estado de Pernambuco, com 16 anos ou mais
  • Quando a pesquisa foi feita: 4, 5 e 6 de setembro de 2018
  • Registro no TSE: PE 00338/2018

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.

Horário eleitoral gratuito na TV

A Datafolha também questionou os eleitores se eles assistiram algum dia ao horário eleitoral gratuito na TV, iniciado em 31 de agosto, dos candidatos ao governo de Pernambuco. Veja o resultado:

  • Não assistiu: 66%
  • Assistiu: 34%

Propagandas durante a programação na TV

Os eleitores consultados pela pesquisa também apontaram se assistiram ou não às propagandas dos candidatos a governador de Pernambuco exibidas durante os intervalos da programação das emissoras de televisão. Confira os índices:

  • Não assistiu: 64%
  • Assistiu: 36%

http://sinamitu.com.br/wp-content/uploads/2016/10/19-de-agosto-1.png

A saúde é a área mais prioritária que deve ser acompanhada pelo próximo governador de Pernambuco na opinião de pelo menos 47% dos pernambucanos, como mostra a pesquisa Ibope encomendada pelo Jornal do Commercio e TV Globo. As outras áreas citadas são educação (12%), segurança pública (11%) e a geração de empregos (7%). “A crise na saúde é mais séria no Brasil e no Estado. As pessoas estão elegendo como prioridade coisas mais vitais ligadas à sobrevivência, como saúde, alimentação e segurança. Por causa da recessão, a população ficou mais pobre”, resume o professor aposentado da UFPE, Aécio Gomes de Matos.

A saúde passou a ser uma preocupação grande, porque milhares de pessoas ficaram sem condições de pagar pelos planos de saúde, voltando a ser usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) por causa da recessão, que provocou a perda do emprego. Somente para o leitor ter ideia, deixaram de ter plano de saúde no Brasil 465.476 pessoas, incluindo 34.525 pernambucanos no período de outubro de 2016 a outubro de 2017. 

A cientista política Priscila Lapa explica que várias das preocupações citadas pelo eleitor na pesquisa estão relacionadas às perdas do poder de compra incluindo serviços como educação e saúde. Além dos planos de saúde, muitas pessoas tiraram os seus filhos de colégios particulares e colocaram na rede pública de ensino. “O SUS continua com os problemas que sempre teve, mas as pessoas voltaram a usá-lo e aí passaram a se preocupar mais com isso”, argumenta.

Ônibus com romeiros capota e deixa mortos e feridos no Ceará

Um acidente envolvendo um ônibus deixou pelos menos dois mortos e outros passageiros feridos, na noite dessa sexta-feira (07), na CE-292, entre Nova Olinda e Crato, no Ceará. As vítimas seguiam para as festividades de Nossa Senhora das Dores, em Juazeiro do Norte, segundo o Corpo de Bombeiros.

De acordo com o G1, o veículo, que saiu de Ararendá, no Sertão cearense, capotou após passar direto em um entroncamento da rodovia. Os feridos foram atendidos por quatro viaturas do Samu. Eles informaram que havia cerca de 40 pessoas no transporte.

O candidato ao governo de Pernambuco pela coligação ‘Pernambuco Vai Mudar’, Armando Monteiro (PTB), está participando de uma maratona de compromissos de campanha por 15 cidades do Sertão do Estado, que começou nesta quinta-feira (06) em Exu, Bodocó, Ipubi e Araripina. Nessa sexta-feira (07) visita Trindade, Ouricuri, Carnaubeira da Penha, Mirandiba e São José do Belmonte. Sempre encontrando lideranças políticas nessas localidades e apresentando suas propostas de governo para diversas áreas, principalmente segurança, saúde e infraestrutura.

No sábado, a jornada de Armando Monteiro começa logo, conforme agenda recebida pelo Blog PE Notícias.

Veja a agenda do candidato neste sábado:

06h – 07h – Deslocamento aéreo Recife – Serra Talhada

07h – 08h20 – Deslocamento terrestre Serra Talhada – Afogados da Ingazeira

08h20 – 10h – Visita à Feira de Afogados da Ingazeira com lideranças

10h – 11h10 – Deslocamento terrestre Afogados da Ingazeira – São José do Egito

11h10 – 13h – Visita à Feira de São J.do Egito e Encontro Regional na Fazenda do ex-deputado José Marcos de Lima

13h – 14h – Almoço na Fazenda Melancia, do ex-deputado José Marcos

14h – 16h – Deslocamento Terrestre São José do Egito – Serra Talhada

16h – 17h – Procissão de Nossa Senhora da Penha, Padroeira do Município

17h – 18h40 – Deslocamento Terrestre Serra Talhada – Tabira

18h40 – 21h – Comício com Sebastião Dias, prefeito de Tabira

21h – 22h40 – Deslocamento Terrestre Tabira – Serra Talhada

22h40 – 23h40 – Deslocamento Aéreo Serra Talhada – Recife.

Ao apresentar suas propostas de governo, Armando Monteiro enfatiza: “As famílias estão assustadas com as explosões de bancos, com a violência crescente. Mas nós vamos resgatar a autoridade do governo no nosso Estado. Os bandidos não terão vida fácil. E isso não é uma promessa, é um aviso”, diz o candidato, continuando:

“Na área da saúde, há cidades onde as pessoas precisam sair para buscar atendimento em outras regiões, enfrentando as estradas em péssimas condições. Isso não pode continuar, Pernambuco pede mudança e vem do Sertão uma força extraordinária para esse projeto”, acrescenta.

https://www.acritica.com/uploads/news/image/750343/show_sarampo.jpg

Com quatro casos de sarampo já confirmados este ano – em quatro pessoas de uma mesma família do Recife – a Secretaria de Saúde do Estado (SES) investiga agora notificações em 23 cidades, em todas as regiões. Os registros aumentaram de 50 para 65 nos últimos 15 dias. De acordo com a SES, o crescimento do número de casos em investigação no Estado é esperado e demonstra que a vigilância está sendo realizada de maneira eficiente. Na noite de ontem, a assessoria não conseguiu colocar a reportagem em contato com um representante da pasta. 

A investigação acontece em oito dos 15 municípios da Região Metropolitana: Abreu e Lima, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Igarassu, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Paulista e Recife. Em Vitória de Santo Antão e Timbaúba, na Zona da Mata; Sirinhaém, no Litoral Sul; Orobó, Bezerros, Caruaru, Cupira, Sanharó e Pedra, no Agreste. Também há registros em análise no Sertão: Custódia, Solidão, Venturosa, Salgueiro, Petrolina e Bodocó.

Na manhã de ontem, no Recife, houve ação de prevenção, promovida pela Secretaria de Saúde do município. Alunos e professores do Colégio Militar do Recife (CMR), na Zona Oeste da capital, foram vacinados contra o sarampo. A medida foi tomada depois que um professor da instituição apresentou sintomas da doença. O bloqueio seletivo, que analisa a situação vacinal, foi realizado pela equipe de epidemiologia. 

O professor, de 33 anos, ainda não retomou as atividades no CMR. Segundo o coronel João Alberto Nunes, que comanda a instituição, o controle sanitário é forte e a vacinação é um hábito no ambiente militar. “Para entrar no Colégio Militar, os jovens passam por uma série de exames e acompanhamentos médicos. Como aqui 85% dos alunos são filhos de militar, há uma cultura muito forte de vacinação, já que viajamos por todo o País”, comenta. 

Ainda segundo ele, foi analisada a situação vacinal de alunos do 2º e 3º ano do ensino médio e professores, além da família do docente. “Ele foi atendido em um hospital da rede privada e a unidade notificou a Secretaria de Saúde, que foi até a casa dele e fez a imunização da família. Por último, veio ao colégio para a ação preventiva.” 

De acordo com a secretaria, só foi imunizado quem não estava com o cartão de vacinas ou quem não tinha como comprovar o esquema completo de vacinação. O bloqueio faz parte das medidas para reduzir os riscos de epidemia da doença. Desde o início do ano, 41 casos suspeitos foram notificados no Recife. Desses, 24 foram descartados, 4 confirmados e 13 seguem em investigação. 

Até a última terça-feira, foram confirmados 1.579 casos de sarampo no Brasil. Outros 7.513 continuam sendo investigados. O País registrou surtos nos Estados do Amazonas e Roraima, com 1.232 e 301 casos confirmados.

https://2.bp.blogspot.com/-4s8LC81yQfo/W2lmauZ7aWI/AAAAAAAAo1M/7acC0EKQ2-kCEcgUCD1L5oSG9GRwTG_lQCLcBGAs/s1600/5.jpg

Após o presidenciável pelo PSL, o deputado federal Jair Bolsonaro, ser atingido por golpe de faca durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG), candidatos pernambucanos lamentaram e expressaram mensagens de repúdio à violência. Pelas redes sociais, os políticos também pressionaram por um inquérito minucioso sobre a agressão sofrida pelo deputado.

“Atitudes extremas e de ódio, como a ocorrida hoje (ontem) em Minas Gerais, não podem ser admitidas pela sociedade brasileira. Lamentamos o atentado sofrido pelo candidato Jair Bolsonaro, prestamos nossa solidariedade e reafirmamos nosso compromisso com a democracia”, lamentou o governador e candidato à reeleição Paulo Câmara (PSB) em sua conta do Twitter.

O senador Armando Monteiro (PTB), candidato ao governo – que tem o PSL, partido de Bolsonaro, na sua coligação –, também utilizou a internet para se manifestar e classificar o atentado como inaceitável. “Espero que o candidato se recupere. A democracia se apoia num diálogo pacífico permanente. Violência e eleições não se misturam. Campanhas são disputas legítimas entre adversários. Não se trata de uma guerra sem lei entre inimigos”, afirmou. 

Além desses dois já citados, os candidatos ao Palácio do Campo das Princesas Julio Lossio (Rede), Danielle Portela (PSOL), Maurício Rands (PROS) e Simone Fontana (PSTU) também divulgaram mensagens de repúdio ao atentado contra Bolsonaro. “Independente de como cada pessoa pense, merece ser respeitado. Precisamos discutir os problemas do Brasil. Precisamos ganhar as eleições com propostas e não com violência”, disse Lossio em um vídeo divulgado nas suas redes sociais. 

Danielle, por meio de uma nota, também condenou o ataque. “Precisamos fazer um convite à reflexão de toda a sociedade para a tolerância e respeito com as divergências políticas”. Já o candidato pelo PROS, Maurício Rands, afirmou que o debate político “deve ser conduzido no campo da divergência das ideias”. 

Simone utilizou mesma nota divulgada pela candidata à Presidência Vera Lúcia (PSTU), para se pronunciar. “Esse discurso (de ódio) acaba por estimular este tipo de atitude da qual ele agora é vitima, embora não a justifique.” 

Os postulantes que disputam as vagas no Senado também se solidarizaram com o momento e se manifestaram contra o ataque. O senador Humberto Costa (PT), que concorre à reeleição pela Frente Popular de Pernambuco, lamentou e propôs que o próprio Bolsonaro repensasse sobre “seu discurso de ódio”. “Lamento profundamente esse episódio. É absolutamente reprovável que diferenças políticas e ideológicas sejam tratadas com uso da violência. Que o próprio Bolsonaro repense seu discurso de ódio e tenha a consciência do quão nocivo é o estímulo a isso”. 

Também coligado à chapa encabeçada por Paulo Câmara, o deputado federal Jarbas Vasconcelos (MDB) se pronunciou em sua página no Facebook contra qualquer tipo de violência e disse que “a agressão contra Bolsonaro atinge nosso regime democrático”.

Os candidatos ao Senado da coligação Pernambuco Vai Mudar – Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB) – também se manifestaram em suas contas virtuais. Bruno declarou que a “violência é absurda” e cobrou uma investigação sobre o fato. “Que o responsável pelo crime seja punido exemplarmente pela Justiça”, disse o tucano. Já Mendonça comentou que é “lamentável que a intolerância no Brasil esteja se sobrepondo ao exercício democrático da liberdade de opinião, de divergir, de ir e vir”, disse o ex-ministro.

https://jconlineimagem.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/2018/04/03/normal/a0055c399d1faa26d235ea5301586815.jpg

O governo suíço determinou que a fabricante de armamentos Ruag suspenda o projeto de implantação de uma fábrica de munições no Brasil. Em dezembro do ano passado, a empresa tinha assinado protocolo de intenções com o governo de Pernambuco para investir R$ 58,5 milhões na indústria. A localização da unidade ainda não estava decidida, mas a expectativa era que ficasse nos municípios do entorno de Suape.

Acionista único da Ruag, o governo suíço ponderou que a construção da fábrica poderia representar um risco para a reputação da empresa e do país. A decisão foi publicada ontem por meio de um comunicado do Conselho Federal da Suíça (equivalente ao Poder Executivo no Brasil), em resposta a uma moção apresentada pela deputada socialista Priska Seiler e a um questionamento do deputado também socialista Angelo Barrile. 

Em abril deste ano, 16 entidades da sociedade civil suíça questionaram sobre o interesse do governo de investir numa fábrica de munições em um país que enfrenta uma escalada da violência. O argumento se tornou mais forte depois do assassinato da vereadora Marielle Franco, em março, no Rio de Janeiro, que ganhou repercussão internacional. O 12º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado em agosto pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), mostra que o País contabilizou 63.880 mortes violentas intencionais no ano passado, com crescimento de 2,9% sobre 2016 e taxa de 30,8 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes. 

O anuário aponta Pernambuco como o quarto Estado mais violento do Brasil, atrás apenas do Rio Grande do Norte, Acre e Ceará. Em 2017 foram 5.426 mortes violentas intencionais, com índice bem superior à média nacional (57,3 mortes/100 mil habitantes). 

Os dados contribuíram para que o governo suíço determinasse que a Ruag suspenda seus planos de ingressar no “promissor” mercado brasileiro de munições. A empresa seria a primeira empresa estrangeira a entrar no setor depois da quebra do monopólio autorizada pelo governo Temer em maio do ano passado, mudando uma regra que vigorava desde os anos 30. 

A fábrica em Pernambuco estava projetada para produzir 20 milhões de munições por ano para armas pequenas, com calibres de 9 milímetros, ponto quarenta e 380. A ideia inicial era vender para forças policiais e empresas privadas de segurança, mas num segundo momento a estratégia era exportar para o mercado norte-americano e outros países alinhados à regulamentação suíça. 

O secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Antonio Mario Pinto, diz que foi surpreendido pela notícia de suspensão do projeto da fábrica. “Fica difícil fazer qualquer pronunciamento agora porque não recebemos qualquer notificação da empresa. Tentamos entrar em contato com a Ruag, mas a informação que obtivemos foi de que eles estavam discutindo a questão politicamente e internamente. Apesar da informação, mantemos o otimismo de que o empreendimento seja mantido e reafirmamos que Pernambuco é o melhor lugar para receber o investimento”, defende. 

O Ministério da Defesa disse por meio da sua assessoria de comunicação que não recebeu qualquer notificação da Ruag sobre a desistência do projeto. A reportagem também procurou a Ruag, mas não obteve retorno do pedido de entrevista. com informações do JC.

Quase 12 milhões ainda não sacaram cotas do PIS; prazo termina dia 28

Cerca de 11,8 milhões de brasileiros ainda não realizaram o saque das cotas do PIS (Programa de Integração Social) a que têm direito. O valor total disponível ultrapassa R$ 20,2 bilhões. As informações são da Agência Brasil.

O prazo para o saque termina em 28 de setembro para os cotistas do PIS com idade inferior a 60 anos. Por força da lei 13.677/18 e decreto 9.409/18, os trabalhadores cadastrados no PIS entre 1971 e 4 de outubro de 1988 podem resgatar o dinheiro, independentemente da idade.

Segundo a Caixa Econômica Federal, até o fim de agosto, 8,3 milhões de cotistas sacaram o benefício, somando R$ 7,8 bilhões em pagamentos. Deste total, 7,6 milhões de cotistas têm idade inferior a 60 anos e aproveitaram a janela temporal de disponibilidade para sacar R$ 6,7 bilhões. Cerca de 4,4 milhões clientes da Caixa receberam o valor por depósito automático em 8 de agosto.

Para saber se tem direito, o trabalhador pode consultar o site, informando o CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) ou NIS (Número de Identificação Social), a data de nascimento e o valor que tem a receber, mediante a informação de senha na internet. Para realizar o saque, o trabalhador deverá apresentar documento oficial de identificação com foto.

HERDEIROS

Os beneficiários legais, na condição de herdeiros, poderão comparecer a qualquer agência da Caixa, portando o documento oficial de identificação e o documento que comprove sua condição de herdeiro para realizar o saque.

Deverão ser apresentados o documento de identificação pessoal válido do sacador, o comprovante de inscrição do PIS (opcional, caso os dados apresentados não permitam a identificação da conta do PIS) e documento que comprove a relação de vínculo com o titular, dentre os seguintes: certidão ou declaração de dependentes habilitados à pensão por morte expedida pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social); atestado fornecido pela entidade empregadora (no caso de servidor público); alvará judicial designando o sucessor/representante legal; formal de partilha/escritura pública de inventário e partilha.

O saque poderá ser realizado pelo representante mediante procuração particular, com firma reconhecida, ou por instrumento público que contenha outorga de poderes para solicitação e saque de valores do PIS.

Haddad diz que não é preciso que o PT escreva outra carta ao mercado

Candidato à vice na chapa do PT ao Planalto, Fernando Haddad afirmou nesta quinta-feira (06) que não é preciso obrigar seu partido a escrever outra carta ao mercado. Em referência à Carta aos Brasileiros, divulgada em 2002 para tentar mostrar uma face mais moderada do ex-presidente Lula, Haddad afirma que o programa econômico petista não será radical caso o partido seja eleito em outubro.

“A única intervenção que estamos propondo é em relação ao cartel de bancos”, disse Haddad em entrevista à GloboNews. “Estão querendo obrigar o PT a escrever outra carta ao mercado, e não precisa”, completou. O candidato a vice na chapa de Lula -que teve sua candidatura barrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na semana passada- admitiu erros na condução da política econômica do governo Dilma Rousseff entre 2013 e 2014, mas evitou contabilizá-los como a causa para o impeachment da petista.

“A crise política tem que ser colocada na conta da recessão econômica”, afirmou. Para ele, uma espécie de “sabotagem” dos adversários de Dilma a impedia de aprovar medidas importantes para a estabilidade econômica.

Haddad deve ser anunciado como o substituto de Lula na chapa do PT ao Planalto na terça-feira (11), mas evitou, como sempre tem feito, colocar-se como candidato.

DENÚNCIAS

Haddad atacou o Ministério Público e disse que a Promotoria “nunca ganhou nem vai ganhar” uma ação contra ele.

O MP acusa o petista de improbidade por suposto recebimento de caixa dois. Segundo o órgão, Haddad soube de repasse para pagar dívidas de sua campanha pela empreiteira UTC já durante seu mandato como prefeito de São Paulo.

Haddad negou as acusações e argumentou que as ações do MP apareceram somente depois que ele foi indicado a vice na chapa do ex-presidente Lula, que teve sua candidatura barrada na semana passada pelo TSE.

“Quantas ações o MP perdeu para mim? O MP nunca ganhou uma ação movida contra mim e nem vai ganhar. E essas ações foram protocoladas agora, coincidentemente quando me tornei vice do Lula”, afirmou o petista em entrevista à GloboNews. “Porque cancelei uma obra superfaturada pela UTC”, completou.

POLARIZAÇÃO

O ex-prefeito disse que a polarização entre direita e esquerda “não trouxe prejuízo institucional para o país”. Na opinião do petista, o agravamento do cenário aconteceu somente quando a vitória de Dilma Rousseff (PT), em 2014, foi contestada pelo PSDB.

Durante entrevista à GloboNews, Haddad rechaçou a ideia de que a tese de “uns contra os outros”, habitualmente alardeada pelo ex-presidente Lula durante as campanhas eleitorais, levou à radicalização do processo político.

“Uns contra os outros, na qualidade de inimigos, sim [incita radicalização]. Na qualidade de adversário é benefício”, completou.

A declaração do candidato à vice foi feita horas depois de um atentado ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que foi esfaqueado durante evento em Juiz de Fora (MG) nesta quinta. Haddad lamentou o ocorrido e disse que, em respeito à audiência do programa, não havia desmarcado o compromisso. Mais cedo, o petista classificou o ataque a Bolsonaro como “absurdo” e “lamentável”. Com informações da Folhapress.

Um avião que levava o candidato ao governo de Goiás, Daniel Vilela (MDB), sofreu um acidente nesta quinta-feira (06), durante o pouso. 

De acordo com informações preliminares de assessores do político, o trem de pouso da aeronave quebrou ao tocar na pista, em Itapaci, na região central do estado. 

A assessoria de imprensa de Vilela informou que apesar do susto, ninguém se feriu. O avião, um monomotor, bateu a asa no solo e teve a hélice danificada por conta do acidente, e foi para em meio a uma plantação. Não se tem informações do que teria causado o acidente. 

Jair Bolsonaro na Santa Casa

O deputado federal por São Paulo Eduardo Bolsonaro (PSL), filho de Jair Bolsonaro, disse no início da madrugada desta sexta-feira (07), que o presidenciável “consegue falar, mas ainda está um pouco baqueado por conta da cirurgia”. Segundo o parlamentar, seu pai está se recuperando bem do ataque à faca sofrido na tarde de quinta e sua transferência para a capital paulista ou Rio de Janeiro será avaliada sem pressa. Mais cedo, o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL) afirmou que o pai está “mais forte do que nunca”.

“Ele está estável. Consegue falar já, mas você ainda percebe que ele está um pouco baqueado por conta da cirurgia”, disse Eduardo, logo após visitar o pai na Santa Casa de Juiz de Fora, onde Jair Bolsonaro foi operado e se recupera em uma ala da UTI. Ele está melhorando, e acredito que o quadro esteja mais pra melhor do que pra pior”.

O parlamentar falou rapidamente na saída do hospital. Segundo ele, uma transferência de seu pai para algum hospital do Rio ou de São Paulo vai ser avaliada sem pressa. Segundo Eduardo, não há urgência em levar o presidenciável – que sofreu perfurações no intestino após um ataque à faca – para outra unidade hospitalar.

“Está dependendo de avaliações médicas. Em princípio a gente não quer mexer muito nele. Se o quadro continuar estável não há necessidade de uma remoção de emergência. Estamos deixando nas mãos dos médicos (para avaliar se) precisa 48 horas, 72 horas, uma semana, pra depois ver para onde ele vai”, considerou o parlamentar.

Apesar disso, Eduardo Bolsonaro afirmou que seu pai ainda requer cuidados. “Ele fala com uma certa dificuldade, bem pálido, perdeu muito sangue. Não está 100% fora (de perigo), mas eles (médicos) falam que se manter como está ele não morre. Não tem risco de morte iminente, mas tem que acompanhar”.

‘Mais forte do que nunca’

Mais cedo, o deputado estadual pelo Rio de Janeiro Flávio Bolsonaro afirmou que o presidenciável “está mais forte do que nunca, está consciente, conversando, bem humorado como sempre”.

Antes de ir embora, Flavio Bolsonaro, que concorre ao Senado, ainda declarou que o atentado dessa quinta-feira significou a vitória de seu pai no pleito presidencial do próximo mês.

“Só um recado pra esses bandidos que tentaram arruinar a vida de um pai de família,  de um cara que é esperança de milhões de brasileiros: vocês acabaram de eleger o presidente. Vai ser no primeiro turno”, comentou.

Suspeito de esfaquear Bolsonaro

O líder do PSL na Câmara, Delegado Francischini, disse no início da madrugada desta sexta-feira (07), que o suspeito de realizar um ataque à faca contra o presidenciável Jair Bolsonaro não pode ser solto porque “pode aparecer como mais um morto do sistema”. Segundo o deputado federal pelo Paraná, que visitou Bolsonaro na Santa Casa de Juiz de Fora, a Polícia Federal já teria informações de que há mais pessoas envolvidas no atentado ocorrido na tarde de quinta-feira.

“Nós não podemos aceitar que amanhã (sexta) uma audiência de custódia coloque na rua esse bandido. Ele pode aparecer como mais um morto do sistema”, afirmou Francischini, fazendo referência ao acusado do ataque, Adélio Bispo de Oliveira. “Ele pode ser morto pelas pessoas que encomendaram o crime”.

Segundo o parlamentar, o acusado “tem que ser protegido pela polícia porque ele também é uma testemunha, não só o autor de um crime”. De acordo com Francischini, existem indícios de que mais pessoas estejam envolvidas.

“Vamos exigir uma investigação se houve mandante desse crime. As informações que temos dos bastidores são graves. A polícia tem informações que não foram só uma ou duas pessoas envolvidas nessa situação”, declarou o deputado.

“Na questão criminal nós exigimos agora uma investigação rigorosa. Queremos quebra de sigilo para identificar se isso é uma ação individual, orquestrada ou há algo maior por trás disso. Muitos fatos colaboraram nos últimos dias, de demonstração de que estava muito bem. (Bolsonaro) continuava líder nas pesquisas, e pra nós é muito importante tirar a limpo essa história”. Com informações do Estado de S.Paulo.

Jair Bolsonaro

Por Afonso Benites/El País

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) é o único presidenciável com escolta da Polícia Federal. Desde o início da campanha, ele é acompanhado por até 30 agentes que se dividem em dois ou três turnos, conforme o EL PAÍS apurou. Por razões de segurança, a PF não costuma divulgar quantos policiais estão à disposição em cada ato político do candidato. Além desses PFs, há ainda policiais militares da reserva (vários deles militantes do PSL) que ajudam na segurança de Bolsonaro.

Foi o próprio candidato que solicitou essa escolta policial. E, como concorrente à presidência, ele tem direito a receber esse acompanhamento. Em outras ocasiões, Bolsonaro já afirmou estar sob o “máximo risco de morte”. Em todas as cidades pelas quais passa, costuma fazer os deslocamentos por terra em viaturas da PF.

Na carreata realizada na quarta-feira em cidades satélites do Distrito Federal, o EL PAÍS identificou ao menos dez policiais em sua escolta. No ato, enquanto ele estava em um dos trios elétricos que atravessaram as cidades de Taguatinga e Ceilândia uma policial feminina ficava o tempo inteiro atrás do candidato. Outros quatro cuidavam para que galhos de árvores não tocassem em sua cabeça e miravam as pessoas que estavam ao redor dele para tentar identificar qualquer ameaça. Havia ainda ao menos mais dois que se alternavam correndo a pé atrás do veículo no qual Bolsonaro estava. E outros três dirigiam veículos nos quais o candidato e sua equipe se deslocavam.

Apesar de estar sempre monitorado, o candidato vive em constante desconfiança. Nessa carreata de quarta-feira, um de seus filhos, o também deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), estendeu a mão pelas costas de Jair e lhe deu uma garrafa de água mineral aberta para que ele se hidratasse. Antes de beber, o presidenciável olhou novamente de onde tinha vindo a garrafa e só a levou à boca depois que Eduardo lhe disse: “Pode beber, não está batizada, não”.

Em Juiz de Fora, quando foi esfaqueado, boa parte de seus seguranças fazia a sua proteção, segundo aliados dele. Mas como esse era um ato no meio de uma multidão, o controle sobre quem se aproximava do candidato é mais difícil. “Quando você está entre 5.000 ou 10.000 pessoas, como estava em Juiz de Fora, é difícil controlar”, alertou o deputado Fernando Francischini (PSL-PR), que é delegado da Polícia Federal.

Bolsonaro levou uma facada no abdômen na tarde desta quinta-feira enquanto participava de uma passeata no centro da cidade mineira. Seu agressor foi identificado como Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos. Ele foi preso em flagrante pela Polícia Federal.