Interior

Ascom

Após inauguração da Praça Barão do Pajeú dentro das festividades do último mês de setembro, a Prefeitura de Serra Talhada anunciou nesta terça-feira (13), o inicio das obras de reforma da Praça Sérgio Magalhães. O ato de autorização de execução do serviço acontecerá no próximo dia 23 de novembro, às 16h30. Serão aproximadamente 3.560 metros quadrados de área pavimentada e reformada. “Um sonho do povo de Serra Talhada que está se concretizando. Entregamos a Barão do Pajeú e agora estamos retomando a obra na Sérgio Magalhães”, comemorou o prefeito Luciano Duque.

Orçada em aproximadamente R$ 750.000, com contrapartida no valor de R$ 45.000, a Praça Sérgio Magalhães receberá áreas de paisagismo, ornamentação com vegetações típicas da região, acessibilidade, iluminação com refletores em Led 30w, luminárias subaquática 9 w, luminárias em postes de 50 w, obras de arte e ornamentação com pergolado metálico, Espaço Rosa dos ventos, Espaço Molhado, esculturas de Maria bonita e Lampião e Escultura Caatingueira.

O secretário de Obras e Infraestrutura, Cristiano Menezes, detalha como será o cronograma de execução do serviço. “Pensando em diminuir o máximo possível os transtornos à população, uma vez que a Sérgio Magalhães é uma área muito movimentada da cidade em virtude da presença dos bancos, lotéricas e comércios no local, decidimos dividir a obra em duas etapas. Primeiro vamos fazer sessenta por cento da reforma, deixando livre a parte de baixo próximo aos bancos, e então quando a gente concluir a primeira etapa que já puder inaugurar, iniciaremos o restante da praça”, explicou. Ainda segundo ele, a previsão é que a obra esteja totalmente concluída no segundo semestre de 2019. “Nosso objetivo é inaugurar a praça na abertura da Festa de Setembro do ano que vem”, concluiu.

http://blogdofinfa.com.br/wp-content/uploads/2017/04/TANIA.jpg

Atento aos princípios da moralidade administrativa e da impessoalidade, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou à prefeita Tânia Maria dos Santos (foto), de Brejinho, no Sertão do Pajeú, que se abstenha de usar as cores de sua campanha eleitoral e partido político na pintura de bens públicos.

A promotora de Justiça Lorena de Medeiros Santos ressaltou que a Promotoria de Justiça local recebeu informações de que os últimos gestores municipais utilizaram as cores amarelo e vermelho em campanhas políticas e, após assumirem o cargo de prefeito, as mesmas cores eram adotadas na pintura de prédios públicos e no fardamento dos estudantes. “Tal fato identifica os prédios públicos com a pessoa do administrador, ferindo o princípio da impessoalidade. Além disso, essas cores vêm sendo mantidas pelo mesmo grupo político há mais de dez anos”, alertou a promotora de Justiça.

Por esse motivo, Lorena de Medeiros Santos recomendou à gestão municipal adotar outras cores ou acrescentar tonalidades diversas às cores já adotadas em placas, veículos e demais bens móveis e imóveis do município.

“Comete ato ímprobo o administrador que, ao promover reforma e pintura de imóveis municipais, deliberadamente opta por aplicar cores em injustificada correlação com a bandeira do partido político ao qual pertence, caracterizando promoção pessoal e, como tal, ofensa aos princípios da moralidade e da impessoalidade e indevida lesão ao erário”, ressaltou a promotora de Justiça.

A Fundação Altino Ventura (FAV) anunciou neste domingo (11) o fechamento da unidade da instituição em Arcoverde, Sertão de Pernambuco. Segundo a FAV, o motivo seria a falta de repasses de recursos da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), cujo débito somaria R$ 18,5 milhões. A FAV ainda acrescenta que o POA (orçamento aprovado pelo estado) de Arcoverde e Salgueiro também continua sem ser pago, desde maio de 2017 até junho de 2018 (13 meses), totalizando R$ 4,6 milhões. Na unidade Arcoverde, a FAV oferecia regularmente 1,4 mil consultas por mês, além de exames complementares e cirurgias.

Segundo a FAV, houve várias tentativas de negociação com a SES, e mesmo após o Ministério Público Estadual (MPPE) intervir, a Secretaria não saldou os acordos. A situação também foi comunicada oficialmente ao Ministério da Saúde. De acordo com a entidade, por conta da ausência de repasses, a FAV está atuando apenas com 35% da sua capacidade operacional.

Em nota, a SES lamentou a decisão da FAV e disse que o contrato ainda está vigente. O órgão afirmou que a participação do governo do Estado no gasto com saúde pública tem inclusive crescido nos últimos anos. A SES negou a informação de que estaria atrasando os repasses e declarou que de 2015 até 2018, a FAV recebeu de R$ 144,414 milhões, sendo R$ 32,281 milhões este ano (último repasse realizado neste mês de novembro).

Confira a nota da FAV na íntegra:

“A Fundação Altino Ventura (FAV) agradece à população de Arcoverde e mais 13 municípios do Sertão do Moxotó e Agreste pelo carinho que sempre acolheu suas equipes de trabalho, que tanto fizeram pela população desta região, ao longo de mais de 10 anos. É com coração apertado que a instituição comunica o fechamento da filial Arcoverde, devido à falta de repasses de recursos da Secretaria Estadual de Saúde – SES-PE, cujo débito soma, hoje, R$ 18,5 milhões. O POA (orçamento aprovado pelo estado) de Arcoverde e Salgueiro também continua sem ser pago, desde maio de 2017 até junho de 2018 (13 meses), totalizando R$ 4,6 milhões.

A FAV é uma entidade privada sem fins lucrativos, que atua como rede complementar ao Sistema Único de Saúde – SUS do estado de Pernambuco, e depende do repasse do governo. Apesar de diversas tentativas de negociação junto à SES, e mesmo após intermédio do Ministério Público Estadual – MPPE, a Secretaria de Saúde não saldou os acordos firmados. Essa situação também foi comunicada oficialmente ao Ministério da Saúde.

Em agosto de 2018, a diretoria da FAV teve reunião com representantes das prefeituras de Arcoverde e Salgueiro, propondo a formação de um consórcio intermunicipal para custear os serviços com recursos das prefeituras da região. Sem apoio, a FAV informou à Prefeitura de Arcoverde que a unidade encerraria suas atividades por falta de recursos financeiros.

Diante da falta de repasse por parte do governo estadual, a FAV está restrita a 35% de sua capacidade operacional, deixando de oferecer serviços fundamentais à população que tanto necessita. Em 32 anos de existência, a instituição já superou a marca de 13 milhões de beneficiados. A FAV é um patrimônio do povo pernambucano, e reafirma seu compromisso de combater à cegueira na população desassistida”.

Confira a nota da SES na íntegra:

“A Secretaria Estadual de Saúde (SES) lamenta a decisão da Fundação Altino Ventura em suspender, de forma unilateral e irresponsável, as atividades da unidade de Arcoverde, cujo contrato ainda está vigente. A SES reitera, no entanto, que a Saúde da população pernambucana deve ser tratada com seriedade e, reforçando esse compromisso, os moradores do Sertão do Moxotó não ficarão desassistidos. A Secretaria Estadual de Saúde já vem trabalhando para implantar o atendimento oftalmológico na UPAE de Arcoverde.

Importante destacar que a dificuldade de financiamento da Saúde Pública é um desafio comum ao Sistema Único de Saúde de todo o Brasil. Os repasses previstos pela Tabela de Procedimentos do SUS, sob gestão do Ministério da Saúde, há mais de uma década sem reajuste, estão muito aquém do custo real. Ao longo dos anos, só não houve queda na produção de serviço oftalmológico em Pernambuco, porque o Governo do Estado passou a complementar e garantir, com recursos próprios, a tabela SUS. Nos últimos anos, a participação do tesouro estadual na Saúde Pública vem aumentando consideravelmente, ao mesmo tempo, em que ocorreu uma dramática redução da participação federal. Em 2008, o Ministério da Saúde era responsável por 47% do gasto público com saúde na rede estadual, enquanto o Governo do Estado bancava 53%. Hoje, a participação do Governo Federal caiu para apenas 33% e a do Estado, que tem menor arrecadação, cresceu para 67%.

Nesse sentido, as dificuldades financeiras atingem todas as entidades do Sistema Único de Saúde. A SES mantém com todos os parceiros uma relação de extremo respeito e ética, além de permanente e franco diálogo. Isso não é diferente com a Fundação Altino Ventura, que não vem, infelizmente, agindo com reciprocidade e utiliza, irresponsavelmente, a chantagem para fazer pressão. Durante anos a Fundação utilizou do ‘monopólio’ no SUS para conduzir suas ações e para beneficiar, exclusivamente, os seus próprios interesses. No entanto, as decisões da Secretaria Estadual de Saúde são regidas pelo interesse público e a garantia da assistência à população.

Por fim, a Secretaria Estadual de Saúde esclarece que vem fazendo todos os esforços para honrar os pagamentos e garantir a assistência à população. De 2015 até 2018, a Fundação Altino Ventura recebeu um total de R$ 144,414 milhões em repasses da SES, sendo R$ 32,281 milhões este ano (último repasse realizado neste mês de novembro). Assim, a informação veiculada de que a Fundação não vem recebendo pagamentos do Governo do Estado é falsa”.

Os moradores do município de Pesqueira, no Agreste, acordaram a água do Rio São Francisco, que começou a chegar à Estação de Tratamento de Água (ETA) da cidade e já está sendo distribuída nos bairros do Centenário, Prado e Centro, as primeiras localidades atendidas pela integração no novo sistema mediante a interligação das Adutoras Moxotó e Agreste.

A chegada das águas ao município de Pesqueira marca um momento para os 65 mil habitantes e será a solução para o abastecimento. De acordo com a Compesa, as barragens de Santana, Pedra D’Água e Afetos entraram em colapso no fim de setembro deste ano, deixando a cidade em colapso.

O presidente da Companhia Pernambucana de Saneamento, Roberto Tavares, disse que o empreendimento beneficiará dez municípios da região.

“Essa foi uma obra hídrica prioritária do governador Paulo Câmara, que acompanhou todas as etapas do empreendimento e representa a capacidade que o Governo de Pernambuco teve se interligar sistemas e fazê-los funcionar, apesar das obras da transposição não terem sido concluídas pelo Governo Federal”, afirmou o presidente.

A obra de interligação da Adutora do Moxotó à Adutora do Agreste foi uma alternativa encontrada para viabilizar o atendimento da população com água do Rio São Francisco, sem a conclusão do Ramal do Agreste, componente essencial para o pleno funcionamento da Adutora do Agreste, o maior empreendimento hídrico e que salvará 68 cidades e 80 localidades do Agreste da seca.

A água que chegou a Pesqueira vem de Floresta, da captação da barragem de Itaparica, percorre 160 quilômetros até Rio da Barra, em Sertânia, e mais outros 120 quilômetros passando pelas adutoras do Moxotó e do Agreste.

Por causa dessa complexidade, os testes do novo sistema duraram mais de um mês.

“Surgiram vazamentos, fomos consertando, percorrendo pacientemente os trechos da antiga e novas adutoras, até chegarmos a esse dia histórico para Pesqueira, com a água disponível nas torneiras”, disse o presidente da Compesa, Roberto Tavares.

Segundo a companhia, houve um aumento de 73% na oferta de água para o município. A vazão passou de 45 litros de água por segundo (essa era a vazão dos sistemas que entraram em colapso) para 78 litros por segundo.

“Esses 33 litros por segundo farão a diferença. Nesse início, como a cidade estava em colapso, o consumo deve ser alto, mas a tendência é normalizar e conseguirmos abastecer de maneira satisfatória Pesqueira apenas com a água do Rio São Francisco”, afirmou Tavares.

Pesqueira é a terceira cidade do Estado a receber água da Transposição do Rio São Francisco. A primeira foi Sertânia e, em setembro, a água chegou a Arcoverde.

A população de Alagoinha, também localizada no Agreste, será atendida com a água que está chegando a Pesqueira. Os técnicos estimam um prazo de 30 dias para que ocorra o equilíbrio no novo sistema e que a água chegue com regularidade nas cidades de Pesqueira e Alagoinha.

“Esse período de ajustes é normal quando do início de qualquer operação de um novo sistema”, antecipa Roberto Tavares, que pede a compreensão da população para essa fase.

Outros municípios receberão água do Rio São Francisco, beneficiados pela interligação da Adutora do Moxotó com a Adutora do Agreste. São Venturosa, Pedra, Belo Jardim, Sanharó, Tacaimbó, São Bento do Una e São Caetano, beneficiando, ao todo, 400 mil pessoas. O empreendimento é a primeira ligação do Eixo-Leste da Transposição do Rio São Francisco com o Agreste pernambucano e conta com um investimento de R$ 85 milhões.

A Câmara de Vereadores de Afogados da Ingazeira inicia esta semana o Projeto Câmara nas Escolas. O Projeto é idealizado pelo presidente da Casa, vereador Igor Mariano, e conta com o apoio de todos os parlamentares. O presidente falou da sua expectativa; “Esse é um projeto que vinha batalhando para destravar desde o início do ano, visa educar nossos jovens sobre o papel do legislativo, estou muito feliz que vamos conseguir realizar este momento de discussão, agradeço demais a Secretaria de Educação e aos professores da rede municipal, sem eles isso não seria possível”, destacou Mariano.

O que é o Projeto?

O Projeto foi criado pela Câmara Municipal e conta com o apoio irrestrito da Secretaria de Educação e dos professores da rede municipal. Na sua essência o projeto visa aproximar os alunos da rede municipal com o Poder Legislativo, os alunos do 9º ano terão a oportunidade de visitar as instalações da Câmara Municipal e discutirem com os vereadores as funções e o papel do legislativo, suas comissões, formas de proposições, etc. Também teremos um momento de perguntas e respostas sobre as atividades do legislativo à luz da Constituição Federal, da Lei Orgânica Municipal e do Regimento Interno da Casa.

Quais as escolas que poderão participar do Projeto?

Todas as escolas da rede municipal de ensino, o público alvo acordado entre Câmara Municipal e Secretaria de Educação foram os alunos do 9º ano.

Os alunos receberão algum material didático?

Sim, foi elaborada uma cartilha detalhada pela Câmara Municipal sobre todos os temas que serão debatidos na visita até o Poder Legislativo, todos os alunos receberão este material. 

https://i.pinimg.com/originals/20/23/bf/2023bfde24032aeae238e3e43641f145.jpg

Com data de 7 de novembro, os vereadores Aristóteles Monteiro, Aldo Santana, Kleber Paulino, Claudicéia Rocha, Djalma das Almofadas e Dicinha do Calçamento que integram a oposição na Câmara de Tabira, deram entrada em um Mandado de Segurança contra a atitude da presidente da Casa, Nely Sampaio.

A justificativa é de que Nely teria contrariado o Regimento Interno do Poder Legislativo quando sem consultar o Plenário, que é soberano, e nem mesmo a Mesa Diretora, encerrou a sessão do dia 22 de outubro de 2018, apresentando como justificativa o requerimento do vereador Djalma das Almofadas retirando o seu nome da chapa I.

A peça assinada pela advogada Laudicéia Rocha assegura que o Regimento Interno é omisso quanto a retirada do nome de um vereador da chapa que concorre a eleição e adianta que o mesmo Regimento em seu artigo 112 prevê que “Os casos não previstos neste regimento serão resolvidos pela Mesa “ad referendum” do Plenário. Ou seja, pendente de aprovação do Plenário. E segue a argumentação: Doutra banda, o artigo 10 do mesmo Regimento Interno determina que “quando o presidente se omitir ou exorbitar de suas funções, qualquer vereador poderá protestar contra o fato recorrendo ao Plenário, cuja decisão soberana deverá ser cumprida pelo presidente, sob pena de destituição”.

Com isso, o vereador Aristóteles Monteiro, 1º secretário, consultou o Plenário ao reabrir a sessão, e promoveu a eleição com a vitória da chapa II por 6 votos a zero. Todos os ocupantes e apoiadores da Chapa I já haviam se retirado. A revelia da decisão soberana do Plenário da Câmara Municipal, integrado por seis (06) dos onze (11) vereadores e, portanto, da maioria deles, a senhora presidente não registrou a referida ata em livro próprio. Ainda, na sessão imediatamente posterior foi apresentada e dada como aprovada a suposta ata redigida pela presidente e somente assinada pela minoria de 05 (cinco) vereadores.

O Regimento Interno da Câmara prever, em seu artigo, 56, I, que durante o expediente de cada sessão será aprovada a ata da sessão anterior. Porém, na sessão posterior à sessão número 32ª a presidente, em ato isolado e sem consultar o Plenário, não fez o registro da ata da 32ª Sessão Ordinária e declarou aprovada uma ata que não foi votada pelo Plenário e sequer tem a assinatura da maioria da Câmara. Ainda, em arrepio a legislação e sem consultar o Plenário, a presidente publicou um novo edital de reconvocação de eleição para registro de novas chapas e realização de novas eleições para à Mesa Diretora para o biênio 2019/2020.

Ainda, se faz justo destacar que os seis vereadores, ora impetrantes, deram conhecimentos dos fatos ao Ministério Público local para as providencias legais. O Mandado de Segurança sugere a nulidade absoluta do edital de reconvocação de novas eleições, datado de 24 de outubro de 2018, bem como seja determinado o registro em livro próprio da ata da 32ª Sessão Ordinária realizada pela Câmara Municipal de Tabira, com a presença da maioria dos seus vereadores, maioria da Mesa Diretora e na qual está registrada a eleição da Mesa Diretora para o biênio 2019/2020, com a proclamação da chapa 2 como vitoriosa. As informações foram repassadas ao blog PE Notícias pelo comunicador Anchieta Santos, das rádios Pajeú FM 104,9 e Cidade FM, de Tabira.

Por Charles Araújo*

A COHAB sem fim, como já é conhecida pelo povo de Santa Filomena, no Sertão pernambucano, em praticamente 2 anos do atual prefeito Cleomatson no poder, ainda é um sonho distante a conclusão do primeiro lote de 30 e o segundo lote de 40 casas populares do programa habitacional do Governo Federal, Minha Casa, Minha Vida. A obra está parada desde a gestão da ex-prefeita Evaneide Melo, por conta de irregularidades na execução da obra por empresas terceirizadas.

Desde então, já passou o ex-prefeito Gildevan Melo e nada resolveu, mas o então vereador Cleomatson que muito criticava que as casas não eram concluídas, porque a gestão municipal era incompetente. Porém agora que ele (Cleomatson) está à frente da Prefeitura, quase 2 anos depois, tudo continua do mesmo jeito.

Enquanto isso, o dinheiro dessas casas foi gasto ou está parado sabe-se lá onde. O povo sofrendo, aqueles que já entraram para debaixo das moradias inadequadas para servir como um lar, outros estão a espera de concluir o básico, como paredes, portas e piso, além do saneamento e pavimentação que faltam nos 2 lotes.

Essa é mais uma prova de que Santa Filomena continua de mal a pior, mesmo com a tão destacada nas mídias, gestão diferente do prefeito Cleomatson e da vice Alcilene do Sindicato. 

*Charles Araújo é blogueiro em Santa Filomena, no Sertão do Araripe, e defende projetos de políticas públicas pela educação e igualdade social na região.

A visita para conhecer os indicadores e o modelo de gestão era para ter acontecido antes, mas a agenda corrida do prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota, não permitia. Os prefeitos José Aílton, de Arara, e Douglas Lucena, de Bananeiras, ambas cidades Paraibanas, conheceram Patriota nos diversos encontros municipalistas promovidos pela CNM – Confederação Nacional dos Municípios, e se encantaram pelos relatos sobre Afogados. 

Esta semana eles vieram conhecer de perto nossa cidade e como funciona a sua administração. Ao lado de José Patriota, eles conheceram o funcionamento da Usina de Asfalto, adquirida com recursos próprios em 2013, bem como os benefícios e a economia que ela proporciona quando o assunto é pavimentação de vias públicas e operação tapa-buraco. No centro de logística, Patriota apresentou vídeos sobre diversas ações da Prefeitura, como o do sistema de reuso de água do Vianão, da Serra do giz, balanço de gestão e um vídeo sobre as potencialidades culturais e turísticas de Afogados da Ingazeira. Eles também foram apresentados ao funcionamento do modelo de gestão com monitoramento semanal e foco em resultados. 

“São prefeitos amigos que fiz, que se encantaram com o que eu dizia sobre nossa querida Afogados, e me cobravam para vir conhecer a cidade e o nosso modelo de gestão. E agora foi possível atende-los e poder divulgar nossa cidade, nossas potencialidades, e poder também trocar conhecimentos, sobretudo na área turística e de empreendedorismo, onde eles têm alguns projetos interessantes em execução,” destacou Patriota.

A cidade de Bananeiras fica situado na Serra da Borborema, a 141 km de João Pessoa. Têm 22 mil habitantes. Já Arara, fica em uma zona de transição entre o Brejo e o Sertão, com uma população de 13 mil habitantes. Distante 155 km de João Pessoa. Os prefeitos vieram acompanhados de alguns secretários municipais. A agenda contou também com a participação do vereador Franklin Nazário. 

Explosão foi registrada no fim da manhã deste domingo (11) no Paba / Foto: Reprodução / Google Street View

Uma explosão foi registrada por volta das 11h40 da manhã deste domingo (11), no muro do Presídio Advogado Brito Alves (Paba), em Arcoverde, Sertão de Pernambuco. De acordo com a Polícia Militar, um efetivo da polícia estava de prontidão e conseguiu evitar uma possível fuga.

Sem tumulto

Segundo os policiais, o buraco causado pelos explosivos foi de pequeno porte e não dava para uma pessoa passar. A polícia agora está investigando quem poderia ter colocado o material no muro e a mando de quem. Não houve tumulto no presídio, segundo a polícia, e a situação foi controlada rapidamente.

Resultado de imagem para fotos aereas de serra talhada pe

Previsão de investimento no terminal é de R$ 35 milhões. Inauguração mudou mais uma vez e deve ocorrer agora em 90 dias. O voo que liga Serra Talhada, no Sertão do Estado, ao Recife deve ficar para o próximo ano. Isso porque o Aeroporto Santa Magalhães, do município sertanejo, ainda precisa de ajustes antes de receber certificação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), como o alargamento da pista e a construção de uma cerca ao redor do sítio aeroportuário. A Azul garante que está pronta para iniciar as operações em Serra Talhada e está “apenas aguardando” a certificação do aeroporto.

O voo comercial estava previsto para começar a operar ainda este ano. De acordo com o secretário de Transportes do Estado, Antônio Júnior, o alargamento das laterais da pista para ficar com 75 metros de largura em cada lado e 150 metros no eixo central, com uma terraplanagem, foi uma exigência nova da Anac. 

“O que falta para o aeroporto ficar pronto e receber a certificação é a cerca e a terraplanagem. O resto já está pronto, o atraso é justamente por causa das exigências da Anac, que chegou a mudar os projetos. A gente entende que é por questões de segurança, perfeitamente aceitável. O prazo (para início) é de 90 dias”, disse o secretário. 

No total, a previsão é de que o investimento no aeroporto seja de R$ 35 milhões. O valor inclui verba do Ministério dos Transportes para a construção de um terminal de passageiros definitivo. A construção da cerca já começou e o projeto da terraplanagem está sendo elaborado.

Procurada, a Anac respondeu que o operador aeroportuário local precisa cumprir as adequações necessárias solicitadas para o início dos voos regulares. “O prazo para o cumprimento das adequações depende do operador local responsável”, disse a agência.

Até o fim do mês, o governo estadual também deve lançar a licitação para escolher uma nova administradora para o Aeroporto Santa Magalhães. A última empresa à frente do equipamento, a Dix Empreendimentos, deixou a administração após o Estado atrasar repasses. Um acordo foi firmado com a Dix e o pagamento será providenciado, garante o secretário. A Dix Empreendimentos afirma que está mantendo contato constante com a Secretaria de Transportes para solucionar a pendência. Também não descarta a possível participação em uma nova licitação para administrar o aeroporto de Serra Talhada.

A expectativa do Sertão pelo modal é grande. O evento “O voo do desenvolvimento” debateu a estratégia que a região vai utilizar para fortalecer a rede de turismo e atrair empreendimentos. Participaram os prefeitos de Triunfo, Afogados da Ingazeira e Solidão, além de representantes de associações ligadas ao turismo, como a Associação Brasileira de Agências de Viagem (Abav) e a Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH).

“Triunfo está preparando a infraestrutura da cidade para o aeroporto. Já abrimos três museus nos últimos anos e vamos inaugurar a Casa dos Caretas também. O aeroporto é a oportunidade que temos de agarrar com unhas e dentes para gerar emprego e renda”, comenta o prefeito de Triunfo, João Batista. A cidade, que recebe 250 mil visitantes por ano, possui 1,2 mil leitos. Já o vice-presidente da ABIH, Eduardo Cavalcanti, expressou preocupação com a sustentabilidade do voo. “A Azul é uma empresa privada, então, se não houver demanda para o voo, ele será cancelado. É preciso que os empresários da região se mobilizem e façam ações, como oferecer desconto para hóspedes que chegarem de avião”, sugeriu. Com informações do JC.

Em sua 4ª edição, a Feira de Empreendedorismo de Afogados da Ingazeira vem crescendo ano a ano e consolidando-se como uma das maiores do segmento no Sertão Pernambucano. Na sua 1ª edição a Feira contou com 52 empreendedores participantes. No ano seguinte, passamos para 77. No ano passado, foram 113 empreendedores e um volume total de negócios de cerca de dez milhões de reais. A expectativa desse ano é de que 150 empreendedores participem.

Na última semana, o prefeito José Patriota, de Afogados da Ingazeira, reuniu mais de cem empreendedores para apresentar o modelo e o formato da Feira este ano. Esta semana, os stands começarão a serem comercializados a um custo de 400 reais, podendo ser dividido em até seis parcelas. O dinheiro é destinado ao Sebrae, parceiro na organização do evento. A previsão é de que no dia 27, os stands já estejam montados. A Feira tem início no dia 28 de novembro e segue até o dia 1º de dezembro. 

Este ano, mais uma vez, o destaque será para a força e a riqueza da cultura do Pajeú. Quem for à Feira, vai poder conferir apresentações de Lindomar Souza, grupo Infância Rimada (Tabira), Orquestra Sanfônica (Carnaíba), Coco de Roda do Leitão, grupos de pífano e reisado, mesa de glosas e show com o poeta Antônio Marinho. Uma novidade para este ano será a realização de aulões de aeróbica, organizados pelo segmento fitness da cidade.  

“Temos que ser ousados. Estamos crescendo ano a ano, porque a Prefeitura tem apoiado a ousadia dos nossos empreendedores. Movimentando o ambiente de negócios e enfrentando a crise com criatividade, gerando emprego e renda para o nosso povo,” destacou o prefeito José Patriota. A reunião contou com a participação do vice-prefeito Alessandro Palmeira, secretária de Administração, Flaviana Rosa, de Agricultura, Valberto Amaral, empreendedores de diversos segmentos, além de representantes do IFPE, Sebrae e CDL-Afogados.

Informações sobre aquisição de stands podem ser obtidas na sala do empreendedor, na Secretaria de Administração. Rua Dr. Roberto Nogueira Lima, 167. Com informações da Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura de Afogados da Ingazeira.

https://i2.wp.com/nilljunior.com.br//wp-content/uploads/2015/07/Serra-Talhada.jpg?resize=535%2C364

Por Bianca Bion/JC

Em meio à paisagem seca e árida, cidades do Sertão de Pernambuco entraram na rota do desenvolvimento. É o caso de Serra Talhada, localizada a 414 quilômetros de distância do Recife. Com vocação natural para o comércio e logística, devido à localização estratégica no centro do Estado, o município está recebendo novos empreendimentos com potencial de impulsionar a economia da região. O otimismo é reforçado pela perspectiva do início de voos comerciais regulares para a cidade, que podem diminuir distâncias. Mas isso depende da operação do Aeroporto Santa Magalhães (veja na matéria ao lado).

O município possui cerca de 80 mil habitantes e atende a 52 cidades de Pernambuco, Ceará e Paraíba. A estimativa da prefeitura é de que 25 mil pessoas visitam a cidade diariamente. Entre os motivos para esse fluxo, estão as universidades privadas e públicas, como a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e a Universidade de Pernambuco, que oferece curso de medicina; e o polo médico, que é o 4º maior de Pernambuco, com 482 médicos. Outros empreendimentos estão na lista, como novas empresas, shopping, unidades do Sesc e Senac e o Hospital Geral do Sertão, que somam R$ 122 milhões em investimentos.

“O que Serra Talhada e a região esperam, com o aeroporto, é a diminuição da distância. Esperamos que os empresários venham e escoem a produção aqui. Estamos estruturando um condomínio industrial para atrair empresas de dentro e de fora da região”, disse o secretário de Turismo e Desenvolvimento Econômico de Serra Talhada, Marcos Oliveira. O condomínio possui 328,2 mil metros quadrados e ainda depende de instalações de serviços básicos. Hoje, duas empresas estão se instalando lá, a Serra Plast, que investiu R$ 1,5 milhão, e a Fachini Energia Solar, que planeja investir R$ 5 milhões no primeiro ano. Além disso, dez indústrias enviaram cartas de intenção de se instalar no município.

Outro empreendimento já em obras é o Shopping Serra Talhada, com investimento de R$ 30 milhões, previsto para iniciar as operações na metade de 2019. O centro de compras vai ter 80 lojas e deve gerar 400 empregos diretos. Também abrigará uma universidade privada. “Identificamos, através de pesquisas, viabilidade de um shopping na região pelo contingente populacional, já que em um raio de 75 quilômetros há 500 mil habitantes”, explica o diretor da JDS Incorporadora, Murilo Duque.

De olho no desenvolvimento econômico, o Sistema S vai abrir uma Unidade de Educação Profissional em Serra Talhada para impulsionar a qualificação dos trabalhadores. A estimativa é de que pessoas de dez municípios sejam beneficiadas com a oferta de cursos de beleza, turismo, saúde, informática, entre outros. O investimento é de R$ 14 milhões. Já o Sesc vai criar um Centro de Atividades Esportivas, Culturais, de Lazer e Turismo Social por R$ 12 milhões. O projeto está em fase de aprovação de edital de licitação. As obras devem ser concluídas no primeiro semestre de 2019 e de 2021, respectivamente.

“O município de Serra Talhada situa-se numa região estratégica de desenvolvimento econômico de Pernambuco. Além disso, o surgimento de investimentos imobiliários através do turismo e do desenvolvimento comercial e educacional tem gerado maior crescimento da demanda por educação profissional. Esta é uma região cujo potencial econômico não é tão bem aproveitado”, comenta o presidente do Sistema Fecomércio/Senac/Sesc-PE, Josias Albuquerque. Para somar, o município também terá o Hospital Geral do Sertão, com capacidade para 500 internamentos por mês. O investimento é de R$ 60 milhões. 

As potencialidades de Serra Talhada e de 14 cidades do entorno são objeto de estudo do Instituto Fecomércio e Sebrae, que contrataram a Ceplan para o levantamento de oportunidades de negócios e formulação de diretrizes. Os municípios registraram PIB de R$ 3,326 bilhões, em 2015, sendo que Serra Talhada tem participação em 1/3 do valor. Em seguida, vêm Afogados da Ingazeira (11%), Floresta (10,8%) e Custódia (10,2%).

“Os 15 municípios envolvem cinco regiões de desenvolvimento: Pajeú, Itaparica, Araripe, Moxotó e Sertão Central. Em média, 59% são urbanizados. O maior peso no PIB é da administração pública por causa dos municípios pequenos. Já em Serra Talhada e Afogados da Ingazeira, o foco é comércio e serviços. Também há presença de indústrias na região. Entre 2007 e 2017, Serra Talhada recebeu R$ 131 milhões em investimentos de implantação e modernização de indústria. Floresta teve R$ 40 milhões; Afogados da Ingazeira recebeu R$ 36 milhões. Também há oportunidades de turismo, como a Rota do Cangaço e Lampião e a Serra do Giz, um dos mais importantes sítios arqueológicos da pré-história nordestina”, diz o sócio-diretor da Ceplan e coordenador do estudo, Osmil Galindo. 

Apesar da potencialidade, ainda é necessário melhor a infraestrutura. “É uma região de grande potencial, independente do aeroporto. Porém, a infraestrutura é um dos gargalos em questões como as estradas sem acostamentos. Também se concentra ali uma mão de obra jovem que precisa se qualificar”, comenta a diretora executiva do Instituto Fecomercio-PE, Brena Castelo Branco.

Prezado Pedro,

O Governo Municipal de Sertânia vem por meio desta nota prestar esclarecimentos à população sertaniense, e ao povo em geral, a respeito de uma matéria jornalística, inverídica, publicada pelo portal Tribuna do Moxotó, e replicada no seu conceituado blog. A notícia afirma que o advogado João Ferreira Neto apresentou junto ao Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, uma denúncia contra a Prefeitura de Sertânia, acusando a gestão de superfaturamento em licitação para compra de combustível.

Em conversa com o prefeito Ângelo Ferreira, o inspetor regional do TCE em Arcoverde, Ivan Camelo Rocha, NEGOU que exista qualquer denúncia no órgão sobre este assunto. O membro do Tribunal entrou em contato com o redator daquele blog citado e DESAUTORIZOU o uso das informações contidas no ofício, solicitando a retirada do documento. A instituição requereu apenas esclarecimentos sobre a licitação em questão e informou que trata-se de uma ação corriqueira.

A matéria jornalística faz comparativos infundados, com valores de contratos anteriores, indicando que a Prefeitura estaria praticando superfaturamento. Mostrando total desconhecimento sobre gestão pública, o autor da notícia não menciona que o valor da licitação, que é de R$ 5 milhões, não foi gasto, como dá a entender, mas diz respeito a uma estimativa, ou seja, o valor máximo que pode ser empregado em combustível pelos próximos 12 meses e podendo ainda o contrato ser prorrogado por mais um ano, dentro desse limite.

Na licitação passada, por exemplo, foi estimado um valor de pouco mais de um milhão, que não foi suficiente para os gastos com combustível, sendo necessário fazer um aditivo para manter os serviços essenciais em funcionamento, como transporte escolar, ambulâncias, ônibus e outros veículos para a saúde.

Para não comprometer o andamento desses trabalhos, a equipe de licitação estimou um valor maior para este novo processo, realizado no fim de outubro. O contrato que foi firmado para os próximos dois meses, novembro e dezembro, é R$ 271.450,00. Sendo R$ 150 mil para a Prefeitura, R$ 110 mil para a Secretaria de Saúde e R$ 11.450 para Ação Social.

A estimativa também é justificada pelos constantes aumentos dos combustíveis. Sendo importante destacar ainda, que houve acréscimo na frota de veículos da prefeitura, com a aquisição de ônibus escolares e de TFD, além de outros carros para a secretaria de saúde.

O Governo Municipal de Sertânia está prestando todos os esclarecimentos solicitados ao Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, a fim de sanar todas as dúvidas e mostrar a lisura e transparência da gestão.

É necessário destacar também que o pedido do TCE-PE para os questionamentos foi equivocadamente enviado a ex-secretária de finanças do município de Sertânia, a senhora Juliana Lins, que provavelmente, de forma irresponsável enviou para o proprietário do blog Tribuna do Moxotó, o senhor Esequias Cardoso que intencional e maldosamente interpretou de maneira errônea as informações as quais teve acesso, o que não é o caso do Blog PE Notícias, tendo em vista de o mesmo ter usado a matéria do Blog citado acima.

Repudiamos assim a irresponsabilidade com que os documentos foram interpretados e divulgados.

Atenciosamente,

Ângelo Ferreira – Prefeito de Sertânia (PE).

Indígenas da etnia Atikum-Umã estão ocupando desde a última quarta-feira (07), a Gerência Regional de Educação (GRE) Sertão Central, situada em Salgueiro. Eles reivindicam a normalização do transporte escolar dos alunos nativos da rede estadual, que foram prejudicados com a paralisação de motoristas esta semana. Os profissionais que atendem as 11 aldeias do 2° distrito, na região de Conceição das Crioulas, pararam de trabalhar alegando que está há três meses sem receber.

De acordo com o professor e liderança indígena, Ademilson Luiz da Silva, a manifestação está ocorrendo de forma coordenada em diversas cidades do Sertão pernambucano. Outras etnias, como Pankararu, Truká, Pipipã e Kapinawá, estão nas GREs de Petrolina, Floresta e Arcoverde. Nas unidades o expediente interno foi suspenso. Os povos indígenas tomaram todos os espaços e praticam até as tradições de seus antepassados nos locais.

“Só vamos desocupar quando a Secretaria Estadual de Educação regularizar os pagamentos dos nossos motoristas, para que a gente possa voltar às nossas aldeias e terminar o ano letivo de 2018. No momento em que for feito o acordo, que for confirmado o pagamento das parcelas, nós vamos desocupar”, disse Ademilson ao Blog Alvinho Patriota, na companhia do cacique Aldenor Manoel Oliveira.

Ao longo do ano letivo os motoristas recebem 10 parcelas, mas estão atrasadas a sétima e a oitava. O Governo do Estado informou às lideranças do movimento que irá pagar a sétima parcela nessa sexta-feira e já deixou empenhada a oitava, que deve ser quitada até o fim do mês. Os índios querem que a secretaria se comprometa a pagar as outras duas até dezembro

https://nodetalhe.com.br/wp-content/uploads/2018/04/Adutora-do-Agreste-1.jpg

O Ministério da Integração Nacional autorizou o repasse, nesta sexta-feira (09), de mais R$ 39,2 milhões para garantir a plena execução das obras da Adutora do Agreste Pernambucano, localizadas no interior do estado. Desde o último mês de setembro, mesmo a adutora em fase pré-operacional, os moradores do município de Arcoverde já contam com o reforço das águas do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco.

Atualmente, cerca de dez quilômetros da estrutura já estão em testes. A Adutora Moxotó (trecho interligado à Adutora do Agreste) já capta as águas na barragem Moxotó do Projeto São Francisco, em Sertânia (PE). A previsão do governo estadual é de que Pesqueira seja a próxima cidade beneficiada pelo Velho Chico.

Os recursos da União são liberados para o governo estadual, responsável pelos serviços. No último mês de outubro, o Ministério da Integração repassou R$ 28,9 milhões para o empreendimento hídrico.

A Adutora do Agreste é dividida em duas fases, totalizando 640 quilômetros de extensão, além das interligações. Quando totalmente concluída, a primeira fase vai garantir água para 1,3 milhão de pessoas em 23 municípios da região Agreste do estado.

Além de Arcoverde e Pesqueira, outras oito cidades na região também serão contempladas pela Adutora Moxotó, conforme avanço das águas ao longo dos 70 quilômetros de comprimento: Venturosa, Pedra, Alagoinha, Sanharó, Belo Jardim, Tacaimbó, São Bento do Una e São Caetano. Mais de 300 mil pessoas vão ter abastecimento regular em suas casas.

Obra

As estruturas de engenharia da Adutora do Agreste incluem, principalmente, a construção de reservatórios e de estações de tratamento que vão permitir o fornecimento de água à população de cidades que têm convivido com a maior seca dos últimos 100 anos.  Ao ser finalizada, a obra irá beneficiar os municípios de Pesqueira, Sanharó, Belo Jardim, Tacaimbó, São Caetano, Caruaru, Arcoverde, Alagoinha, Venturosa, Pedra, Buíque, Tupanatinga, Itaíba, Águas Belas, Iati, Toritama, Santa Cruz do Capibaribe, São Bento do Una, Lajedo, Brejo da Madre de Deus, Cachoeirinha, Bezerros e Gravatá.

Garantia de água

Após a inauguração do Eixo Leste do Projeto São Francisco, em 2017, mais de um milhão de pessoas nos estados de Pernambuco e Paraíba recebem as águas do Velho Chico em suas residências. Com informações da Assessoria de Comunicação Social do Ministério da Integração Nacional.