Saúde

Os municípios brasileiros já podem receber os recursos do Programa de Apoio à Informatização e Qualificação dos Dados da Atenção Primária à Saúde, o Informatiza APS, do governo federal. O objetivo é concentrar em uma única plataforma todos os dados que chegam ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Os valores, destinados à informatização dos dados levantados pelas equipes de saúde da família, variam entre R$ 1,7 e R$ 2,3 mil, por mês, de acordo com a tipologia dos municípios, ou seja, se é urbano, intermediário ou rural, como estabelece o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para solicitar os recursos mensais, os gestores municipais precisam enviar o pedido pelo site e-gestorab.saude.gov.br. O repasse financeiro pela União deve começar a partir do primeiro envio dos dados à plataforma.

O Informatiza APS vai integrar as informações de saúde do cidadão, e de acordo com o governo federal, isso vai permitir que os profissionais de saúde e gestores tenham mais eficiência no atendimento e continuidade ao cuidado com os pacientes.

ctv-jdj-gripe

Estado de S.Paulo

O Ministério da Saúde anunciou para 2020 mudanças nas indicações de duas vacinas do calendário nacional. A partir do ano que vem a vacinação contra febre amarela será estendida a todos os municípios brasileiros e uma dose de reforço será dada a crianças de quatro anos. Além disso, a vacina contra a gripe passará a ser oferecida a partir dos 55 anos (até 2019, ela era dada para idosos a partir dos 60).

As novas diretrizes estão em ofício enviado pelo Ministério da Saúde no final de novembro a representantes das secretarias estaduais e municipais de Saúde. No documento, a pasta detalha três campanhas de vacinação que serão feitas ao longo do ano que vem, com as datas das ações e os públicos-alvo.

O ofício anuncia ainda alterações na estratégia contra a febre amarela. Todo o País passará a ser considerado área de recomendação para a vacina. Com isso, parte dos Estados do Nordeste que ainda não tinham essa recomendação também deverão ter sua população vacinada. Isso inclui 1.101 municípios de sete estados nordestinos: Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí.

De acordo com o ofício do ministério, a mudança foi definida “em virtude da situação epidemiológica no País e a necessidade de proteger esta população contra a doença”.

A outra mudança na indicação dessa vacina é direcionada a crianças de quatro anos, que, mesmo já vacinadas, precisarão tomar uma dose de reforço nessa idade. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma única dose desse imunizante é capaz de proteger a pessoa por toda a vida. No entanto, estudos indicam que quando a vacina é dada a crianças muito novas, a eficácia pode ser menor, como explica o presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Juarez Cunha.

“Isso (eficácia menor) acontece principalmente em crianças vacinadas antes dos dois anos. Nessa idade, o sistema imunológico ainda é imaturo e há uma interferência dos anticorpos passados pela mãe”, explica o especialista.

Gripe

No caso da vacina contra a gripe, foram mantidos os públicos-alvo já conhecidos, como crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, idosos, portadores de doenças crônicas, mas foi adicionada ao grupo prioritário a população de 55 a 59 anos, que até agora não tinha direito à vacina na rede pública.

“Visando ampliar o acesso à vacinação dos grupos mais vulneráveis, neste ano os adultos de 55 a 59 anos de idade também serão vacinados.  O público-alvo, portanto, representará aproximadamente 67,7 milhões de pessoas. A meta é vacinar, pelo menos, 90% dos grupos prioritários para a vacinação”, diz trecho do documento do ministério. A campanha será realizada de 13 de abril a 15 de maio. Continue reading

Um vírus com o qual todas as crianças vão ter contato até os dois anos de idade e que não tem vacina. Menos lembrado que outros agentes causadores de complicações respiratórias, o Vírus Sincicial Respiratório (VSR) é responsável por 6,7% de todas as mortes de crianças de até um ano por infecções deste tipo em todo o mundo. O maior risco está entre bebês prematuros ou com doença pulmonar crônica, e bebês com cardiopatias, que necessitam fazer um esquema de imunização específico. No Nordeste, o VSR começará a circular no mês de março e, desde fevereiro, é preciso acender o alerta.

O vírus é o principal agente causador de infecção do trato respiratório inferior de crianças nos primeiros anos de vida. Os principais sintomas são semelhantes a um resfriado, que começa de quatro a seis dias após a contaminação. A maioria das crianças se recupera em até duas semanas, mas 25% a 40% podem desenvolver formas graves de infecção, com bronquiolite e pneumonia. Entre esse grupo, estão os prematuros.

“Os prematuros são os que mais morrem em decorrência do VSR. Eles têm vias aéreas mais estreitas, não costumam consumir leite materno, usam medicamentos que baixam a imunidade e podem estar desnutridos”, explica o presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Renato Kfouri. O VSR pode ser responsável por até 75% das bronquiolites e 40% das pneumonias durante os períodos de sazonalidade entre lactentes e crianças menores de dois anos. Continue reading

Hand holding bottle of Cannabis oil in, natural herb, medical marijuana concept, CBD cannabis OIL. hemp product, close up, Foto: boonchai wedmakawand / Getty Images

Em meio a tantas notícias de retrocessos empunhados pelo do atual governo, do ministro do Meio Ambiente que ignora o desmatamento ao responsável pela promoção da cultura afro-brasileira que não reconhece o racismo, um bom debate progressista está sendo travado em Brasília: a legalização do uso da Cannabis em tratamentos médicos.

No final de setembro, a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado também deu o pontapé em um projeto de lei que seria uma espécie de marco regulatório para o uso da Cannabis e do cânhamo para fins medicinais.

E, nesta terça-feira, a Anvisa aprovou a venda em farmácias de remédios à base de maconha, mas proibiu o cultivo para fins medicinais.

O uso da Cannabis , planta de origem asiática, vem de milhares de anos. E apesar de a gente ter passado por um longo período de criminalização, muitos países começaram a reavaliar essa classificação porque a ciência está provando a eficácia terapêutica da Cannabis no tratamento de doenças incapacitantes como epilepsia, esclerose, autismo, Alzheimer e também na minimização dos efeitos de tratamentos quimioterápicos.

Estudos já mostram que 90% dos pais veem melhora em filhos autistas, e convulsões em crianças com epilepsia foram reduzidas em 86%.

Em 2015, a Anvisa reconheceu as propriedades medicinais do canabidiol (CBD), que previne convulsões e alivia a enxaqueca, e do tetraidrocanabinol (THC), que alivia náuseas e dores. Continue reading

A exposição solar é um fator de risco para o câncer de pele, que atinge cerca de 200 milhões de brasileiros por ano, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Em função disso, desde 2014 acontece o Dezembro Laranja, campanha que busca alertar acerca dos riscos associados a doença. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa de novos casos no Brasil é de 6.260, sendo 2.920 homens e 3.340 mulheres.

“No caso dos brasileiros, o problema torna-se mais grave porque boa parte da população ainda não tem o hábito de passar filtro solar antes de se expor ao solar”, explica Rosana Chagas, dermatologista da Real Derma. Os responsáveis pelas queimaduras do sol são os raios UVB, já aos raios UVA são atribuídos os sinais de envelhecimento das células presentes na epiderme. Ambos aumentam o risco do câncer de pele, dessa maneira, na hora de comprar o protetor solar é importante saber que o FPS (fator de proteção solar) está ligado à proteção contra os raios UVB e a proteção contra os raios UVA é um terço do FPS rotulado. Por isso, é indicado o uso de protetor solar com FPS mínimo de 30. “Muita gente não sabe passar a quantidade correta de protetor solar, recomendamos que o paciente use o equivalente a uma colher de sopa cheia em todo corpo, reaplicando a cada duas horas ou depois que entrar em contato com água”, explica Rosana Chagas.

Existem também outras medidas fotoprotetoras, como evitar os horários de maior incidência solar (das 10h às 16h), utilizar chapéus de abas largas, óculos para sol com proteção UV e roupas que cubram boa parte do corpo. Além disso, os danos causados pelo sol são cumulativos, ou seja, com o passar da idade, maior a possibilidade de ocorrerem manchas e tumores malignos, o cuidado também precisa ser redobrado para quem já possui histórico da doença na família “Existem dois tipos de câncer de pele, o melanoma, com origem nas células produtoras de melanina e o não melanoma, responsável por 30% de todos os casos registrados no Brasil” ressalta Rosana, ela também explica a importância de visitar o dermatologista no caso de suspeita da doença, já que o diagnóstico precoce pode ter até 90% de chance de cura.

Fique atento às lesões indicativas de câncer:

  • Aparência elevada e brilhante, avermelhada, castanha, rósea ou multicolorida e que sangra facilmente;
  • Pinta preta ou castanha que muda de cor e textura, torna-se irregular nas bordas e cresce de tamanho;
  • Mancha ou ferida que não cicatriza e continua a crescer, apresentando coceira, crostas, erosões ou sangramento.

Ao perceber qualquer um desses sintomas, procure um médico especialista para confirmar diagnóstico e iniciar o tratamento.

Resultado de imagem para Sobe para 11 número de mortes por Dengue em Pernambuco

G1

Mais uma morte por dengue foi confirmada em Pernambuco e foi para 11 o total de vítimas de arboviroses no estado, segundo dados da Secretaria de Saúde divulgados nesta quarta-feira (27). O boletim apontou, também, um crescimento de 160,5% no total de casos suspeitos de dengue, zika e chikungunya, em comparação com 2018.

A 11ª vítima foi uma menina de 10 anos, moradora de Paulista. A morte ocorreu em julho, mas a confirmação de que ela teve dengue saiu apenas no boletim de hoje. No boletim anterior, eram nove mortes por dengue e uma por chikungunya confirmadas no estado.

A Secretaria de Saúde do Paulista informou que a menina foi atendida em três unidades de saúde da rede estadual, mas não resistiu. Ela deu entrada com sintomas de febre, manchas pelo corpo e dores abdominais. O município realizou investigação no local em que a vítima morava e orientou família e vizinhos.

Ao todo, foram notificadas 115 mortes por doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti no estado em 2019, sendo que 62 delas foram descartadas. No mesmo período de 2018, eram 75 notificações de mortes suspeitas.

Até o dia 23 de novembro, foram registrados 58.251 casos suspeitos de dengue pelo governo estadual. Desse total, 18.549 foram confirmados. Em 2018, foram 22.161 casos suspeitos no mesmo espaço de tempo.

Quanto aos casos suspeitos de chikungunya, foram registradas 7.964 notificações ao longo deste ano. Desses casos, 842 foram confirmados. No ano anterior, foram notificados 3.293 casos. Em relação aos casos de zika, 3.668 pacientes foram notificados, com 108 confirmações. No mesmo período do ano passado, foram 1.369 notificações.

https://ogimg.infoglobo.com.br/in/23828132-f83-cbe/FT1086A/652/xvacina-contra-sarampo.jpg.pagespeed.ic._Nmg4sRIjC.jpg

O número de casos de sarampo confirmados em Pernambuco subiu 40% em seis dias, passando de 90 para 127, de acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), na comparação entre os balanços divulgados ontem e no dia 14. No estado foram notificados 1.056 casos da doença, sendo 127 confirmados e 447 descartados. A campanha de vacinação para adultos de 20 a 29 anos segue até o dia 30.

Os municípios com maior incidência estão no Agreste, como Taquaritinga do Norte, com 34 casos, Santa Cruz do Capibaribe (32), Caruaru (17), Vertentes (14), Toritama (11), Brejo da Madre de Deus (6), e Frei Miguelinho, Gravatá e Bezerros, com um caso cada. No Recife, são nove casos.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, as ações de vigilância epidemiológica, isto é, de investigação dos casos e vacinação de bloqueio, assim como a assistência ao paciente, é iniciada logo após a notificação do caso, ou seja, independentemente do resultado laboratorial (confirmação ou descarte). A ação busca evitar o agravamento do caso e a propagação da doença. “A Secretaria informa que tem recebido normalmente a vacina tríplice viral do Ministério da Saúde e feito a distribuição aos municípios”, ressaltou.

O Ministério da Saúde estima que existam nove milhões de pessoas entre 20 e 29 anos não vacinadas contra o sarampo ou com o esquema vacinal incompleto (faltando uma das doses). Nessa faixa etária, está concentrado o maior número de casos de sarampo no surto que acomete o país.

A vacina contra o sarampo é a tríplice viral, que protege também contra caxumba e rubéola. São consideradas vacinadas pessoas de um a 29 anos que recebem duas doses; pessoas de 30 a 49 anos com uma dose e profissionais de saúde com duas. Quem está com as doses em dia, já teve sarampo ou tem mais de 50 anos não precisa se preocupar.

https://sbmicrobiologia.org.br/wp-content/uploads/2017/05/noticias_05-2017_08.jpg

Pernambuco já teve comprovados 10 óbitos por arboviroses desde dezembro do ano passado. O último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) confirmou nove mortes por dengue e uma por febre chikungunya. Um total de 112 mortes por arboviroses foram notificadas em 2019, sendo que 47 foram descartadas e outras 45 ainda permanecem em investigação. O estado notificou 57.123 casos suspeitos de dengue, 7.690 de chikungunya e 3.578 de zika vírus.

O boletim reúne dados do dia 30 de dezembro de 2018 a 9 de novembro de 2019. Neste período, foi constatado um aumento de 164,4% nos casos de dengue em relação ao mesmo período de 2018, em que foram notificados 21.604 casos. Em relação à chikungunya, foram notificados 7.690 casos em 148 municípios, o que corresponde a um aumento de 140,5% em relação ao mesmo período de 2018, quando foram notificados 3.198 casos.

Casos agudos

Para ocorrências da doença aguda pelo zika vírus, até o momento houve notificação de 3.578 casos suspeitos em 125 municípios, o que corresponde a um aumento de 176,1% quando comparado ao mesmo período do ano de 2018, onde houve registro de 1.296 suspeitas.

Em números absolutos, a maior quantidade de casos de dengue, chikungunya e zika ocorre na faixa etária de 20 a 39 anos. No entanto, quando analisada a incidência de casos prováveis pela população estimada por 100 mil habitantes, a maior incidência para dengue e zika está entre crianças de cinco a nove anos, e de chikungunya em bebês e crianças de até quatro anos.

 A Secretaria de Saúde também informou que dos municípios pernambucanos, 88% registraram casos confirmados de dengue,  34% confirmaram chikungunya em seu território e 16% confirmaram casos de zika vírus. De acordo com o 5º Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti/Levantamento de Índice amostral do Aedes aegypti, 77,3% dos municípios estão em situação de risco para transmissão elevada, sendo 26% em situação de risco de surto e 51% em situação de alerta.

Vacinação

O Ministério da Saúde inicia nesta segunda-feira (18), a segunda fase da campanha de vacinação contra o sarampo, desta vez com foco na faixa etária de 20 a 29 anos. O objetivo é que essa população tome duas doses da vacina tríplice viral (caxumba, rubéola e sarampo) com intervalo mínimo de 30 dias. 

Para se imunizar, basta ir a uma das Unidades Básicas de Saúde do seu município com a caderneta de vacinação. Quem não tiver o registro vacinal, receberá as duas doses.

Na primeira fase da campanha foram vacinadas 400 mil crianças na faixa de 6 meses a 4 anos, 11 meses e 29 dias – esse é o grupo mais vulnerável e sujeito a complicações com a doença. Seis bebês com menos de um ano morreram em decorrência do sarampo neste ano.

Segundo o Ministério da Saúde, outras três etapas da campanha de vacinação contra o sarampo ocorrerão em 2020. A meta é vacinar 2,6 milhões de crianças na faixa prioritária e 13,6 milhões de adultos. No próximo ano (ainda sem data definida), deverão ser contempladas pessoas de 5 a 19 anos, de 30 a 49 anos e de 50 a 59 anos.

As únicas contraindicações da vacina são para bebês com menos de seis meses e pessoas alérgicas. Para proteger as crianças dessa idade, os pais devem evitar que elas frequentem aglomerações e manter higienização e ventilação adequadas. Quem tem alergia à proteína lactoalbumina (presente no leite de vaca) recebe a dose feita sem o componente.

Surto

O governo federal estima que o surto no País deva levar, pelo menos, entre seis a oito meses para ser totalmente contornado. Nos últimos 90 dias, foram contabilizados 5.660 casos da doença, com seis mortes. Embora a maioria dos registros (90,5%) esteja concentrada em São Paulo, há um número significativo de casos (537) espalhados em 18 estados. O grande número de pessoas com a doença e os focos de infecção associados à baixa cobertura vacinal em vários pontos do Brasil explicam as projeções pouco otimistas. A estimativa é de que 39,9 milhões de brasileiros – 20% da população, estão suscetíveis ao vírus.

https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn%3AANd9GcRXYq94Srhbte7AmRb5_8e1A-W1XrQg-8qzvBgSa6f0kAAvMsSU

Os postos de saúde abrem as portas, a partir desta segunda-feira (18), para vacinar as pessoas com idade entre 20 e 29 anos contra o sarampo. A iniciativa faz parte de uma campanha nacional, que pretende imunizar quem ainda não foi vacinado e quem precisa completar as duas doses exigidas para o controle da doença. Dos 90 casos de sarampo confirmados no estado neste ano, 22 são de pessoas dessa faixa etária.

A campanha deve seguir até o dia 30 de novembro, quando acontece o chamado Dia D. Além de priorizar a vacinação das pessoas entre 20 e 29 anos, conhecidos como os adultos jovens, os postos continuarão atendendo crianças de 6 meses a 4 anos ainda imunizadas ou que não completaram o esquema vacinal. Neste ano, a única morte do estado provocada pela doença foi a de um bebê, de Taquaritinga do Norte, no Agreste.

No Recife, a campanha para atender as pessoas de 20 a 29 anos será nos 150 postos de saúde do município. Até o final do mês, as doses da vacina tríplice viral – contra sarampo, caxumba e rubéola – serão exclusivas para este público.  A ação, segundo a Secretaria de Saúde do Recife, é um esforço para interromper a circulação do vírus do sarampo e proteger os grupos mais acometidos pela doença, tendo os critérios de vacinação foram definidos conforme situação epidemiológica e taxas de coberturas vacinais.

De acordo com a coordenadora de Imunização da Secretaria de Saúde do Recife, Elizabeth Azoubel,  a vacinação contra o sarampo não precisa de reforço anual. “Quem está com o esquema completo, ou teve a doença, não precisa se preocupar. Nos últimos meses, vacinamos muitos adultos porque a maioria perde a carteira de vacinação e não sabe se tomou a tríplice viral. É importante guardar o cartão como se fosse um documento, pois ele é essencial para a vida inteira”, reforça.

Na primeira fase da campanha, o foco foram as crianças de 6 meses a menores de 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias) que nunca tenham sido imunizadas ou não tenham comprovação de ter recebido as duas doses determinadas para essa faixa etária. A vacina dada aos bebês antes de completarem um ano de vida é considerada pelo Ministério da Saúde uma dose extra (dose zero), que não interfere no calendário de vacinação de rotina, em que a primeira dose é feita aos 12 meses e a segunda aos 15 meses. Continue reading

Um exame de ecocardiograma realizado ontem, no domingo, no prefeito Bruno Covas (PSDB) sinalizou novos coágulos em seu organismo– no átrio direito, a cavidade do coração que recebe o sangue venoso, e no cateter usado na quimioterapia. 

O exame, pedido pelo cardiologista Roberto Kalil, diretor de cardiologia do Hospital Sírio-Libanês, onde Covas está internado, fez os médicos adiarem a alta do prefeito, que estava prevista para hoje ao meio-dia.

Hoje de manhã o cardiologista pediu um novo exame, uma tomografia, que mostrou que os coágulos dos pulmões, identificados logo após a internação do prefeito, estavam melhores.

O objetivo dos médicos agora é reavaliar a dose do anticoagulante, que será aumentada.

A formação de coágulos é mais comum em pacientes com câncer. O prefeito foi diagnosticado recentemente com câncer na cárdia, região de transição entre o estômago e o esôfago, com metástase no fígado e nos linfonodos.

Afora o tratamento para os trombos, Covas está sendo submetido a quimioterapia. A primeira das três sessões terminou e foi bem-sucedida. As próximas duas serão feitas no intervalo de duas semanas.

Mosquito aedes aegypti é visto por meio de microscópio; dengue matou 5 vezes mais em 2019 Foto: MAURO PIMENTEL / AFP

O número de mortes provocadas pela dengue é cinco vezes maior em 2019 do que em 2018. Até 12 de outubro deste ano, houve 689 mortes em decorrência da doença, contra 128 mortes registradas no mesmo período do ano passado, segundo novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. A mudança de sorotipo seria a explicação para esse aumento.

Ao todo, a doença causou 1.489.457 de infecções, número cerca de 690% maior do que os 215.585 casos de 2018.

Os estados de Minas Gerais, São Paulo e Goiás, que juntos somam 35% da população do Brasil, representam 70% dos casos de dengue desde janeiro de 2019. Os três estados também detêm a maior parte das vítimas, com 67% do total (463 mortos).

Os dados foram divulgados em novo boletim epidemiológico das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. A dengue atinge neste ano 708,8 pessoas a cada 100 mil. A região Centro-Oeste, apesar de ter menos casos que o Sudeste, tem uma taxa maior de incidência: 1.235,8 pessoas infectadas a cada 100 mil.

No período, o ano de 2019 é o terceiro com a maior notificação de casos de dengue no Brasil desde o início da série histórica, em 1998, ficando atrás somente de 2015 (1,68 milhão) e 2016 (1,5 milhão).

Dengue tipo 2

O enorme número de casos e a gravidade estão relacionados, segundo especialistas, com o avanço da dengue tipo 2 no país. No fim de 2018, houve alteração de sorotipo no Brasil, em especial no Centro-Oeste e Sudeste. Nos anos anteriores, havia os tipos 1 e 4.

O subtipo 2 estava fora de circulação no país desde 2008 e, por isso, há muita gente mais suscetível a contrair o vírus, já que não tem nenhum tipo de imunidade. Além disso, ele surtos relacionados a esse sorotipo tiveram muitos casos graves e ocorrência de óbitos em outras ocasiões.

— Foi um número muito grande de casos, porque o sorotipo 2 havia muitos anos não circulava no Brasil, então agora ele volta com força total, disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Chikungunya

O levantamento do ministério também reúne informações sobre a chikungunya. Ao todo, os estados já contabilizavam, até 12 de outubro, 123.407 casos, contra 78.978 do mesmo período em 2018. Os estados do Rio de Janeiro (83.079) e do Rio Grande do Norte (12.206) concentram 77,2% dos casos prováveis.

Segundo o ministério, o índice de prevalência da infecção, que também tem como transmissor o mosquito  Aedes aegypti , é bastante inferior ao da dengue: 58,7 casos a cada 100 mil habitantes. Até o encerramento do balanço, haviam sido confirmadas 75 mortes provocadas pela Chikungunya.

Os olhos, também conhecidos como “janelas da alma”, funcionam como câmeras fotográficas que captam as imagens e as enviam para o nosso cérebro, onde a visão é processada. Para que isso ocorra, é necessário que exista luz. Entretanto, existem problemas de visão que também podem comprometer a formação da imagem. Esse é o caso da miopia, terceira maior causa de cegueira em todo o mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Conhecida como uma “alteração refracional”, a doença não só compromete a visão para objetos distantes, como também aumenta o risco de descolamento de retina.

Dados fornecidos pela OMS sugerem que ao final de 2020, 35% da população usará óculos para correção da miopia. A preocupação em relação ao aumento significativo dos casos tem tomado grandes proporções na comunidade científica. Estudos recentes apontam para uma influência do estilo de vida. A especialista Camila Ventura, Oftalmologista do Hospital de Olhos de Pernambuco (HOPE), alerta para os riscos da doença.

“É provado cientificamente que o uso de aparelhos eletrônicos por longas horas e poucas atividades em ambientes abertos estimulam o crescimento ocular, que leva à miopia” acrescenta Camila. É importante esclarecer que um quando o olho cresce acima do normal, as imagens passam a se formar antes da retina (tecido nobre do olho responsável por captar os estímulos luminosos) e por isso a visão fica embaçada.

Este processo de “miopização” da população tem afetado crianças e adolescentes, e por isso a preocupação com os pequenos.

“O tratamento mais difundido para pacientes diagnosticados com miopia consiste no uso de óculos ou lentes de contato. Porém, estudos recentes vem testando medicamentos como a atropina para tentar estacionar a progressão da doença”, explica Camila Ventura. “A recomendação é que toda criança e adolescente faça o exame oftalmológico completo pelo menos uma vez por ano para detectar e tratar precocemente a doença.”

A boa notícia é que, com exceção dos casos de hereditariedade genética, a miopia é evitável. A melhor solução aponta para o incentivo de atividades em ambientes externos, além do uso regulado de eletrônicos. “O ideal é fazer uso de eletrônicos como celular, tablet, computador ou até mesmo televisão com moderação e a cada uma ou duas horas descansar a visão olhando para o horizonte bem como fechar os olhos por alguns minutos”, a oftalmologista Camila Ventura finaliza.

Dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo.

Balanço parcial divulgado pelo Ministério da Saúde (MS) indica que o Brasil atingiu a meta global de vacinação de sarampo para crianças de 6 meses a menores de 1 ano, com o registro de 95% da população geral nessa faixa etária imunizada. O desempenho da cobertura vacinal não foi uniforme, no entanto, entre todos os estados.

Estão abaixo da meta de vacinação Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte. Em relação aos municípios, o ministério contabiliza que 34,5% (1.923 cidades) precisam reforçar os esforços para atender à meta de vacinação.

A segunda etapa da campanha de vacinação está prevista para começar em 18 de novembro. O governo federal tem expectativa de que agentes comunitários de saúde de combate às endemias façam busca ativa em residências para vacinação.

O foco é a população adulta. “Um novo grupo, composto por adultos de 20 a 29 anos que não estão com a caderneta de vacinação em dia terá a oportunidade de se vacinar até 30 de novembro, quando termina a campanha”, destaca nota divulgada nesta terça-feira (29), em Brasília pelo ministério.

Novo boletim epidemiológico do sarampo será publicado no dia 6 de novembro e “trará como registro, dos últimos 90 dias, 5.660 casos confirmados” da doença, antecipa o Ministério da Saúde. “Dezenove estados estão na lista de transmissão ativa da doença e 90,5% dos casos confirmados estão concentrados no estado de São Paulo”. Continue reading

Peixes foram mortos por causa do petróleo

O secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, recomendou nesta quinta-feira (24) que a população evite tomar banho de mar e manter contato com as praias que foram afetadas pelo óleo que chega trazido pelas correntes marítimas ao litoral do Estado. A recomendação do secretário serve também para a areia das praias, não apenas o contato com a água.

“A recomendação atual é evitar o contato com o óleo. Então, havendo óleo visível naquela praia onde está a pessoa, deve-se evitar o banho para não haver o contato com o óleo. Essa mesma orientação serve para a areia; se houver óleo na areia, evitar o contato com o óleo ali na areia”, disse o secretário. Nesta semana, as manchas de óleo começaram a chegar às praias da Região Metropolitana do Recife (RMR).

Consumo de peixe e frutos do mar

Sobre o consumo de peixes e frutos do mar, o secretário afirmou que não há medidas restritivas por parte das vigilâncias sanitárias, nem no nível da União, dos estados e nem dos municípios: “Nós estamos com esse problema no litoral desde 2 de setembro; não houve nenhuma medida restritiva, até o momento, determinada nem pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, nem pelas vigilâncias estaduais e municipais”, disse o secretário.

Perigos para a pele

A dermatologista Carolina Coelho explicou os perigos que o óleo cru podem causar à saúde das pessoas, principalmente quando o produto entra em contato com a pele. Segundo ela, substâncias presentes no óleo podem entrar na corrente sanguínea e causar danos às pessoas.

“Enquanto as autoridades não se pronunciarem oficialmente em relação a que material é esse, o que é recomendado é que (as pessoas) não entrem em contato. Esses voluntários devem usar material de proteção sobre toda a pele: usar botas, usar luvas e usar máscaras”, disse a dermatologista. Ainda segundo ela, o contato direto com esse óleo pode causar dermatites e alergias.