Saúde

https://ogimg.infoglobo.com.br/in/22141319-004-598/FT1086A/420/x73407873_TOPSHOTThis-photograph-taken-on-November-23-2017-shows-schoolchildren-as-they-listen-to.jpg.pagespeed.ic.BchrjBeBZB.jpg

Entre janeiro e fevereiro de 2018, Pernambuco conseguiu efetivar 247 transplantes de órgãos e tecidos, 1 a mais do que o mesmo período de 2017. O destaque fica por conta do aumento de 50% nos procedimentos de rim: em 2017 foram 46 e em 2018, 69. Esse é o órgão com a maior fila de espera, contando, atualmente, com 768 pacientes. No caso de coração, houve uma diminuição de 40% nos procedimentos. Em 2017, até fevereiro, foram realizados 10 transplantes do órgão. Já neste ano, foram seis.
 
No Brasil, a autorização para doar órgão ou tecido é dada por um parente de até segundo grau do doador. Nos dois primeiros meses do ano, 43 entrevistas com familiares foram realizadas. Dessas, 22 autorizaram a doação e 21 recusaram, ou seja, 48,8% dos casos foram impossibilitados da doação.Além dos procedimentos de rim e coração, neste ano também foram feitos 16 transplantes de fígado (diminuição de 10% – 18 em 2017), 122 de córnea (queda de 10% – 136 em 2017) e 34 de medula óssea (mesmo quantitativo de 2017).
 
Até o dia 23 demarço, a CT-PE está realizando capacitação com médicos das principais unidades de saúde do Estado sobre os conceitos de morte encefálica. Uma
nova capacitação também já está agendada para abril, em parceria com o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe).

Atualmente, 966 pessoas estão em fila de espera por um órgão ou tecido em Pernambuco. O maior quantitativo aguarda por um rim (768), seguido de fígado (93), córnea (62), medula óssea (25), coração (16) e rim/pâncreas (2).
 
De acordo com o balanço de 2017 da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), divulgado neste mês de março, Pernambuco ficou em primeiro lugar do Norte e Nordeste no número de procedimentos de coração, rim, pâncreas, córnea e medula óssea, que, juntos, totalizam mais de 1,6 mil pessoas transplantadas no ano passado. O Estado ainda figura na segunda colocação do Brasil no caso do coração.

http://www.gilbertogodoy.com.br/fotos/e4636636-532e-4a36-ab2a-7bcbc494baf.jpg

Dados da Associação Nacional de Hospitais Privados: 20% dos R$ 500 bilhões anuais gastos com a saúde no Brasil são desperdiçados com procedimentos malfeitos, exames desnecessários, erros médicos e ambulatoriais, excesso de consumo de materiais, entre outros.

Desses R$ 100 bilhões perdidos, pelo menos 2% são recursos desviados por esquemas de corrupção. Ou seja: por ano, R$ 2 bilhões somem pelos ralos da roubalheira.

Vacinação contra a febre amarela casa a casa

Um teste para detectar a infecção pelo vírus da febre amarela em 20 minutos deve começar a ser oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em 30 dias, segundo o Ministério da Saúde. Inicialmente, 100 mil kits do teste rápido produzido pela Bahiafarma, laboratório ligado à Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, serão adquiridos pelo ministério e distribuídos para Estados com registros de disseminação do vírus.

"Quando o paciente chega para ser atendido, há vírus diferentes com os mesmos sintomas. O teste rápido vai ser benéfico para o médico, que já vai poder tomar decisões", afirma Osnei Okumoto, coordenador-geral de Laboratórios de Saúde Pública do ministério.

Ele diz que Estados com registros de macacos mortos e transmissão do vírus em humanos serão foco da distribuição dos kits.

"Todos eles vão com uma nota técnica sobre como devem ser usados. O médico, quando observa sintomas, pode descartar dengue, zika e chikungunya. Em um prazo de 30 dias, eles já devem estar disponíveis. Mas todo teste rápido é de triagem não é confirmatório. Ainda serão feitos exames complementares".

O valor de aquisição dos kits ainda não foi divulgado, e reuniões estão sendo realizadas para definir as estratégias de distribuição.

Além do diagnóstico rápido, o uso do teste tem como objetivo mapear a circulação do vírus pelo País. "Também vai ajudar a fazer o bloqueio na localidade em que houver casos".

Hoje, o teste do Instituto Adolfo Lutz, do governo do Estado de São Paulo, demora até 10 dias para ficar pronto. Para casos em humanos, o instituto entrega os exames entre três e cinco dias.

Segundo Ronaldo Dias, diretor-presidente da Bahiafarma, o teste é simples e é realizado com uma gota de sangue do paciente. "E, em 20 minutos, sai o resultado. O teste mostra se a pessoa tem a cobertura vacinal e se está com o vírus naquele momento".

Dias afirmou que o laboratório obteve autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no final do ano passado e que já fornece outros testes semelhantes para o ministério.

"Já estamos em um processo de fornecimento de testes rápidos para o Ministério da Saúde há cerca de dois anos. Agora que saiu o registro, vamos fornecer mais este. A gente está se formatando para atuar com testes de arboviroses, porque somos uma plataforma que tem a tecnologia e o campo para testar".

A Bahiafarma produz testes rápidos para dengue, zika e chikungunya. O teste para a febre amarela foi desenvolvido em parceria com o laboratório sul-coreano GenBody.

A esporotricose tem nos gatos o trampolim da transmissão para os humanos

Os casos de esporotricose, doença dermatológica provocada por fungos e que causa nódulos inflamatórios e ulcerações graves na pele, cresceram em Pernambuco nos últimos dois anos. De 2016 a 2017 houve um aumento de 262% nos casos de doentes humanos e 214% de animais. A situação mudou o perfil de ocorrência da enfermidade, que passou a ser considerada endêmica na Região Metropolitana do Recife (RMR). As cidades que concentram a maioria dos casos são Olinda, Igarassu, Camaragibe, Recife, Jaboatão e Paulista. No Estado, anteriormente relacionada ao meio rural e de contaminação no manejo de solo, agora a micose vem se fixando no meio urbano e tendo nos gatos o trampolim da transmissão para os humanos.

A chefe do ambulatório especializado em esporotricose do Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Cláudia Ferraz, estuda o porquê da elevação da doença, que pode estar relacionada à entrada de uma nova espécie do fungo causador da enfermidade.

“A doença sempre existiu, mas o que víamos eram casos isolados, bem restritos à área rural e em pessoas que trabalhavam com agricultura, jardinagem. Eram dois ou no máximo três casos no ano. Esse perfil está mudando desde o ano passado e sendo relacionado à zoonose da esporotricose do gato. Estamos coletando dados no ambulatório para chegar às respostas desse cenário”, diz.

Também segundo a médica, a suspeita é de que uma nova espécie de Sporothrix pode haver chegado na região, assim como aconteceu no Rio de Janeiro. Entre os cariocas, os atuais surtos da doença têm sido atribuídos à espécie Sporothrix brasiliensis.

As análises de biologia molecular para identificar o fungo responsável pelos casos em Pernambuco ainda não foram concluídas. Cláudia Ferraz comentou ainda que muitos dos pacientes que chegam no ambulatório narraram um contato anterior com um gato doente – seja do pet doméstico, seja de animais vadios durante um resgate de rua – ou com veterinários e auxiliares que acabaram sendo expostos ao patógeno.

Precariedade

O gerente de Vigilância e Controle de Zoonoses do Estado, Francisco Duarte, vai além e aponta que o cenário explicita ainda a precariedade de políticas municipais sobre animais de rua e falta de consciência das pessoas sobre os bichos. “A doença está hoje muito presente na Região Metropolitana no Recife, nos grandes centros. Se você fizer uma relação, são cidades que tem uma grande população de gatos nas ruas. Em todo o Brasil, observa-se o aumento do caráter zoonótico (transmissão do animal para humanos) da doença e isso é muito grave, porque vemos uma população enorme de gatos nas ruas e cada vez mais pessoas abandonando esses animais, o que também é um crime ambiental”, aponta.

Outro alerta de Francisco Duarte é sobre o destino final desses gatos contaminados em caso da morte. “Jogar no meio ambiente favorece a proliferação de mais fungos naquele espaço. O correto é incinerar os cadáveres e não jogar fora ou enterrar”, explica o gerente.

Para frear a ocorrência da doença, o gestor lista que gestores públicos e a população têm seus papéis. Entre eles estão os programas de castração de animais de rua e domésticos, a limpeza dos ambientes com água sanitária, a posse responsável de animais, o tratamento e o isolamento dos bichos doentes e a utilização de equipamentos de proteção individual ao manipular um animal suspeito.

“O fungo sempre vai estar na natureza. Não tem como acabar. Ele vai estar nas plantas, nas palhas, no solo. E o gato se contamina, briga na rua, se machuca e tem aí a porta de entrada. O fungo é violento nos animais”, assegura Duarte.

Menina viajou para São Paulo, o que a colocou em investigação, mas nem o teste de febre amarela foi feito / Bobby Fabisak/JC Imagem

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) recebeu sua quinta notificação para suspeita de febre amarela, no domingo. Desta vez, o caso foi registrado no município de Paulista, no Grande Recife. Trata-se de uma garota de 3 anos, que esteve em São Paulo entre os dias 15 e 25 de janeiro. O caso está sob acompanhamento, mas a Secretaria de Saúde de Paulista informa que ele caminha para ser diagnosticado como uma infecção de garganta.

“A menina viajou com a avó para o bairro de São Miguel, no dia 10 de janeiro e retornou no dia 25. Sábado passado, ela apresentou febre e dores de cabeça, abdominal e de garganta e foi atendida no Recife, diagnosticada com uma virose leve e liberada. Notificamos o Estado como sinal de alerta, já que ela esteve em São Paulo, inclusive a avó tentou vacinar a menina lá e recusaram porque a capital não é considerada área de risco. Mas tudo caminha para se configurar como uma infecção de garganta, nem o teste de febre amarela chegou a ser feito e a febre já passou”, explica o superintende de vigilância em saúde e epidemiologia de Paulista, Fábio Diogo.

A SES informa que um outro paciente foi comunicado ao Estado, mas não atendeu à definição de caso do Ministério da Saúde, então nem é contabilizado. Já com relação aos outros quatro notificados anteriormente, dois foram descartados após análise clínica e exames laboratoriais para febre amarela.

OUTROS CASOS

Os testes da paciente de 37 anos notificada no dia 7 de janeiro, com histórico recente de passagem pelo município de Mairiporã (Grande São Paulo), foram negativos para febre amarela, dengue e chicungunha. Os exames foram analisados pelo Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo.

Já o paciente de 54 anos, que reside no Distrito Federal, notificado no dia 16 ao retornar de áreas de risco na Bahia, foi descartado por não se enquadrar nos protocolos para investigação da doença e vacinação. Além disso, o quadro de saúde dele evoluiu para uma infecção de garganta. Mais dois casos estão sob investigação.

De acordo com os critérios da Organização Mundial de Saúde e do Ministério da Saúde, reproduzidos em Pernambuco, para se enquadrar como caso suspeito, o paciente, além da febre, morar ou ter histórico recente de passagem por área de risco, precisa apresentar icterícia (condição que deixa o corpo amarelado) e/ou manifestação hemorrágica, como também não ser imunizado ou não ter conhecimento sobre a própria condição vacinal contra febre amarela.

http://imagens3.ne10.uol.com.br/blogsne10/casasaudavel/uploads/2018/02/iran.jpg

Unidades estaduais de urgência e emergência contarão com o  auxílio de 4.820 plantonistas extras neste Carnaval. O efetivo, anunciado na tarde desta segunda-feira (05) pela Secretaria Estadual de Saúde, é 30% maior que o empregado no ano passado. Também haverá reforço na Operação Lei Seca e o Hemope permanecerá em alguns dias de folia para receber o folião que deseja doar sangue.

Dos 4.820 profissionais convocados para o Carnaval 2018, 242 são médicos, 1,2 mil profissionais de nível superior (enfermeiros, assistentes sociais, biomédicos, farmacêuticos, sanitaristas, dentre outros) e 3.378 de nível médio (técnicos de enfermagem, radiologia e laboratório). Eles atuarão nos hospitais da Restauração, Getúlio Vargas, Otávio de Freitas, Agamenon Magalhães, Barão de Lucena e Geral de Areias, no Recife; Jaboatão Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes; Belarmino Correia, em Goiana; e nos Regionais de Caruaru, Limoeiro, Serra Talhada, Afogados da Ingazeira e Inácio de Sá.

Todas as 15 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) estarão funcionando normalmente, com atendimento 24 horas.

"Entre 2015 e 2017, o Governo de Pernambuco convocou mais de 5,9 mil profissionais para as unidades hospitalares do Estado. Isso mostra o empenho em qualificar o atendimento ao usuário do Sistema Único de Saúde. Mesmo assim, estamos reforçando nossas escalas para ampliar nossa capacidade durante este período", disse o secretário de Saúde, Iran Costa.

Galo da Madrugada

No sábado de Zé Pereira (10), profissionais de saúde estarão em pontos estratégicos do Galo da Madrugada e também em unidades de saúde do Recife. Ao todo, serão 12 locais de onde serão registradas as notificações, sendo três hospitais (Restauração, Getúlio Vargas e Otávio de Freitas), três Unidades de Pronto Atendimento (Torrões, Imbiribeira e Caxangá) e seis postos de atendimento do Samu no percurso do Galo – Base Central, Praça Sérgio Loreto, Dantas Barreto, Pátio do Carmo, Rua do Sol e PAM Centro.

Operação Lei Seca

A Operação Lei Seca (OLS) intensificará a vigilância nos dias de Carnaval, com maior foco nos locais próximos aos polos carnavalescos do Grande Recife e interior de Pernambuco. As equipes de fiscalização irão contar com reforço de motos e apoio da Companhia de Policiamento com Cães (CPCães).  No total, serão 85 bloqueios de fiscalização itinerantes este ano. Destes, 12 serão com equipes de trabalho educativo e 73 de fiscalização.

Apoio à mulher vítima de violência

Neste Carnaval, o Serviço de Apoio à Mulher Wilma Lessa estará aberto 24 horas por dia para acolher mulheres vítimas de violência. Entre as ações prestadas, apoio psicossocial, atendimento médico e de enfermagem, orientações sobre direitos e realização de todo o protocolo em casos de estupro. O telefone do Serviço de Apoio à Mulher Wilma Lessa é o (81) 3184.1740.

Doação de sangue

A Fundação Hemope funcionará no Sábado de Zé Pereira (10) e entre a segunda (12) e a Quarta de Cinzas (14), das 7h15 às 18h30. Atualmente, dos oito tipos de sangue, três estão com estoque estável, três em alerta e dois críticos.

Para doar sangue, é preciso ter entre 16 e 69 anos e pesar mais de 50 kg. Para os menores de 18 anos, é necessário autorização e acompanhamento de um responsável durante a doação. No caso de maiores de 60 anos que queiram realizar a doação pela primeira vez, a iniciativa deve ser aprovada por um médico.

Prevenção

Camisinhas e material informativo, inclusive sobre febre amarela, também serão distribuídos. Recife, Olinda, Camaragibe, Nazaré da Mata, Bezerros, Pesqueira, Arcoverde, Triunfo, Caruaru, Salgueiro, Serra Talhada e Petrolina contam com pílula de emergência para as mulheres que precisarem.

Equipes formadas por técnicos da SES estarão no Terminal Integrado de Passageiros (TIP), na Várzea, e no Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre, na sexta-feira (09) e sábado (10), das 7h às 17h, quando os terminais aeroportuário e rodoviário registram maior circulação de passageiros. A atividade terá foco na distribuição de 10 mil panfletos informativos sobre febre amarela, formas de transmissão, sintomas, o que fazer em caso de suspeita e como prevenir.

Na última sexta-feira (02), em Arcoverde, o Centro Especializado em Reabilitação Mens Sana sediou o 1º Encontro da Rede de Atenção à Saúde da Criança com a Síndrome Congênita do Zika Vírus da III Microrregião de Saúde de Pernambuco. O principal objetivo do evento, idealizado e promovido pela instituição, foi proporcionar a troca de informações e experiências sobre a síndrome entre a Rede de Atenção Primária e a Rede de Atenção à Pessoa com Deficiência. Profissionais de 22 cidades pernambucanas participaram da programação, que faz parte da Semana de Ações da Terra, um mutirão de consultas e exames realizado duas vezes ao ano pela Fundação Terra.

Na mesma data, reportagem exibida no ABTV revelou que o município de Petrolândia, no Sertão de Pernambuco, tem o maior número de casos de microcefalia por síndrome congênita do zika vírus na III Microrregião. 

ATENÇÃO PRIMÁRIA 

Formada por serviços como a Unidade Básica de Saúde e o Núcleo de Atenção à Saúde da Família, a Rede de Atenção Primária é responsável pelos primeiros atendimentos do paciente, acompanhando seu desenvolvimento. A Rede de Atenção à Pessoa com Deficiência oferece o tratamento voltado mais especialmente para os aspectos neuropsicomotores das crianças acometidas pela síndrome. 

Além de toda a equipe interdisciplinar do Centro Especializado em Reabilitação Mens Sana, também participam dessa proposta de integração a coordenadora Estadual do Núcleo de Apoio às Famílias de Crianças com Microcefalia, Laura Patriota, e a coordenadora Estadual de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência, Arabela Veloso. Profissionais de 21 municípios da 3ª Microrregional de Saúde (Sertão Central, Moxotó e Pajeú) completam a lista de convidados para o evento.

ATENÇÃO INTEGRAL

Por ser uma situação muito recente na medicina, pode-se dizer que a síndrome congênita do zika vírus está sendo mapeada. O que se sabe com segurança, até agora, é que a intervenção precoce, de forma intensiva na primeira infância, garante resultados positivos no desenvolvimento infantil. Entretanto, o acompanhamento do paciente deve se estender por muitos anos.

O Centro Especializado em Reabilitação Mens Sana, da Fundação Terra, oferece tratamento nas quatro reabilitações – motora, intelectual, auditiva e visual –, com uma equipe que inclui terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, psicólogos, pediatras, neuropediatra, enfermeiros, otorrino, oftalmologista e ortopedista. Dentro da perspectiva da reabilitação, a criança conta com uma atenção integral, capaz de atuar de maneira conjunta em benefício da ampliação de sua autonomia.

Por sua atuação pioneira, o Mens Sana é um centro de referência no tratamento da síndrome congênita do zika vírus, sendo reconhecido com a premiação do trabalho “Dos Sintomas e Sinais”, no II Simpósio de Pediatria do Agreste Meridional. O estudo foi conduzido pela pediatra Cristiane Marcela; as terapeutas ocupacionais Yane Sarmento Pacheco, Erivânia Fragoso e Cristiane Damásio; a psicóloga Socorro Rejane; os fonoaudiólogos Janino Torres e Cybele Cássia, e a fisioterapeuta Juliana Alencar. O estímulo à pesquisa e ao registro de descobertas a respeito dos sintomas relacionados ao quadro dessas crianças tem sido outro diferencial da instituição.

http://www.cursodavida.com.br/wp-content/uploads/2016/09/cuidado-com-o-idoso2.jpg

O número de brasileiros com planos de saúde registrou queda pelo terceiro ano consecutivo. Mais de 281,6 mil pessoas deixaram de ter acesso à saúde suplementar entre dezembro de 2016 e dezembro de 2017 (47.586.547 contra 47.304.945), de acordo com os dados Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Em Pernambuco, 35.133 usuários deixaram os planos. Em todo o País, em três anos, a redução chega a 3,1 milhões de usuários.

A velocidade dessa retração, no entanto, se reduziu significativamente. De 2015 para 2016, o setor havia registrado a perda de 1,6 milhão de usuários. O resultado, dizem os especialistas, é fruto da recuperação da economia brasileira, que deve registrar em 2017 a primeiro resultado positivo – a expectativa é de crescimento de 1% – após três anos de retração do Produto Interno Bruto (PIB). “Quando olhamos os dados mais recentes percebemos uma pequena recuperação, mas no ano o número ainda é negativo, o que está totalmente conectado a situação econômica do País. Esperamos uma recuperação gradual, que dependerá do mercado de trabalho. Vínhamos de uma década de crescimento constante com a melhora da renda e a expansão do acesso da população à saúde suplementar. Estamos num momento de reversão do ciclo”, avalia Sandro Leal, superintendente de Regulação da Federação Nacional de Saúde (FenaSaúde).

A recuperação apontada por Leal pode ser vista quando se compara o número de usuários de novembro aos de dezembro de 2017, quando foi registrado um aumento de 108.551 pessoas atendidas pela saúde suplementar. “A maior queda se deu no primeiro trimestre, quando perdemos cerca de 200 mil beneficiários, de abril em diante vivemos pequenas flutuações, mas o número se manteve mais estável”, diz o superintendente da FenaSaúde.

A Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) aposta que o número de beneficiários do setor seja ampliado este ano em até 500 mil pessoas, levando em conta as estimativas atuais feitas pelo Fundo Monetário Internacional e pelo Banco Central de crescimento da economia para 2018 – de 1,9% e 2,7%, respectivamente. 

A entidade reforça o argumento de que o setor é diretamente afetado pelo número de empregos formais. Hoje os planos empresarias respondem por 66% do número de usuários do setor.

André Braz, economista e professor da FGV, destaca que o plano de saúde tem um peso no orçamento da família brasileira comparável ao do aluguel, ambos consomem cerca de 4% da renda. “E esse percentual pode dobrar, de acordo com a composição da família. Quando há preponderância de idosos, o peso pode chegar a 6%, 7% da renda”, explica.

Segundo Braz, a saída de beneficiários da saúde suplementar tem um efeito perverso sobre os usuários que permanecem nos planos: “Como se trata de um rateio de despesas, a divisão por um número menor de usuários faz o custo per capita aumentar”. 

Pixabay

Uma mulher que estava em Fernando de Noronha apresentou sintomas da malária, que em seguida foi confirmado pelo Hospital Oswaldo Cruz, onde foi tratada. Segundo apurado pela imprensa local, a vítima da doença é missionária e moradora da cidade de São Paulo. Ela estava em missão e havia chegado em Pernambuco vinda de Angola, continente Africano. A Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que assim que fizeram todos os procedimentos adequados, a mulher deixou o Estado.   

Em nota, a SES informa que "Pernambuco não é área de circulação da malária. Todos os casos confirmados são de pacientes oriundos de áreas de ocorrência da doença, como a região Amazônica e países da África", afirma. Neste mês de janeiro a Secretaria recebeu a notificação de dois suspeitos da enfermidade, sendo um já descartado e o outro caso (dessa missionária).

Malária

Segundo informações do Médicos Sem Fronteiras, é uma doença evitável, detectável e tratável, que se apresenta mais comumente em áreas pobres e desfavorecidas.

Uma vez transferida para o corpo humano, a infecção viaja até o fígado, onde se multiplica e entra nas células vermelhas do sangue. Dentro dessas células, os parasitas se multiplicam rapidamente até elas se romperem, liberando ainda mais parasitas na corrente sanguínea e manifestando, nesse processo, os sintomas típicos da doença.

A malária começa como a gripe, com os primeiros sintomas surgindo entre nove e 14 dias após a infecção. Os sintomas incluem febre (podem ocorrer ciclos típicos de febre, calafrios e suor em grande quantidade), dor nas articulações, dores de cabeça, vômitos frequentes, convulsões e coma.  

O Estado da Bahia apresenta um crescimento de casos confirmados de malária, segundo informações da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), obtidos pela Rede Bahia de Televisão. Até à tarde desta terça-feira (23) 22 casos estão confirmados.

Todos foram registrados em Wenceslau Guimarães, cidade no baixo sul da Bahia, que enfrenta um surto (localizado) da doença. Uma moradora do município morreu e um outro óbito está ainda sob investigação.

Dados inéditos do Ministério da Saúde obtidos via Lei de Acesso à Informação revelam que, enquanto houve uma queda expressiva de desperdício de órgãos por falta de transporte, aumentaram as recusas em razão de outros fatores, como condições dos doadores, falta de exames ou indisponibilidade de equipes. A mudança no perfil das recusas de órgãos ocorreu após a edição de um decreto presidencial que assegurou a disponibilidade de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) para esse propósito. Assim, o país ainda perde, em média, mais de três órgãos destinados a doação por dia.

Em 2015, 173 órgãos foram ofertados pelos estados à Central Nacional de Transplantes (CNT) — para distribuição a outras unidades da federação — e acabaram recusados por falta de transporte. No ano passado, até outubro, foram apenas 42. Já as recusas por outros fatores que não o logístico aumentaram de 750 para 959 no mesmo período, um acréscimo de 27,8%.

O sistema de transplantes no Brasil passou por um ajuste, há um ano e meio, que permitiu o aumento de doadores efetivos e de cirurgias para enxerto de um novo coração, pulmão ou fígado em pacientes acostumados a uma fila de espera. Em 6 de junho de 2016, começava a vigorar o decreto presidencial que obriga a oferta de pelo menos uma aeronave da FAB para o transporte de órgãos no país.

O amadurecimento do sistema, com avanço significativo de logística, acabou por revelar problemas que, antes, ficavam escondidos simplesmente porque o transporte inexistia para boa parte de órgãos.

— Se não havia logística, nem chegávamos aos outros problemas. Agora temos o transporte, e outra questões afloram. O que ocorre é um amadurecimento do sistema do ponto de vista da gestão — afirma a coordenadora-geral do Sistema Nacional de Transplantes (SNT), vinculado ao Ministério da Saúde, Rosana Reis Nothen.

Em 2016 houve recusas da FAB em transportar órgãos — em especial corações, com um tempo de resistência fora do peito de apenas quatro horas — vinham impedindo transplantes em pacientes cuja sobrevivência estava integralmente atrelada à substituição do órgão doente pelo sadio. Em três anos, foram 153 recusas. Nos mesmos dias, a Aeronáutica atendeu a 716 requisições de transporte de autoridades dos três poderes.

A expectativa em lançar o evento é que as doações voluntárias aumentem em 15% / Foto: Reprodução/Governo do Estado

Para atrair mais doações para o período de carnaval, a Fundação Hemope lança a campanha "Compartilhe Cultura e Solidariedade, faça a diferença, doe sangue no Hemope" onde doadores poderão participar da ação e fazer a doação. A partir da terça-feira (23) às 8h30, a Fundação abrirá o evento, que receberá durante a semana, os homenageados do carnaval do Recife, Nena Queiroga e Jota Michiles, além da participação do cantor e compositor Getúlio Cavalcanti e do bloco lírico carnavalesco “O Bonde”.

Com uma recepção animada, quem for doar sangue a partir da terça-feira (23) será recebido ao som do frevo e da alegria do carnaval. Na semana do evento, uma agenda especial com várias atrações foi preparada para atrair doadores.

Além da participação dos homenageados do carnaval, no dia 30 de janeiro super-heróis estarão no Hemope; já no dia 6 de fevereiro, haverá a visita tradicional do Rei e da Rainha do carnaval do Recife, dançando o frevo e visitando os doadores e pacientes. 

 “Contamos com a solidariedade do povo pernambucano para repor o estoque de sangue e assim podermos ajudar a salvar muitas vidas”, pontuou a presidente do Hemope, Yêda Maia. A expectativa em lançar o evento é que as doações aumentem em 15%.

Como ser um doador

Para doar, é preciso ter entre 16 e 69 anos e ter mais de 50kg. Para os menores de 18 anos, é necessário autorização e acompanhamento de um responsável durante a doação. No caso de maiores de 60 anos que queiram realizar a doação pela primeira vez, a iniciativa deve ser aprovada por um médico. O hemocentro Recife estará funcionando todos os dias, exceto aos domingos, das 7h15 às 18h30, inclusive, nos feriados do período de carnaval.

Pixabay

Pernambuco investiga o primeiro caso suspeito de febre amarela no Estado. Trata-se de uma pernambucana que havia viajado ao município de Mairiporã, em São Paulo, considerado área de risco, e apresentou um quadro de febre.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), a paciente foi atendida em unidade hospitalar privada em Pernambuco no dia 9 de janeiro. Apesar de não ter sintomatologia grave sugestiva para a doença, foi notificada por ter tido febre e ter circulado por área de risco. A mulher recebeu alta médica e as análises laboratoriais estão em andamento.

Diante da confirmação do Ministério da Saúde de 35 casos da febre amarela no Brasil, com 20 pessoas mortas, a maioria delas concentradas em São Paulo, a SES afirma que "Pernambuco não é área de transmissão da doença" e lembra que o "Estado não registra casos de febre amarela há cerca de 90 anos".

O aumento de suspeitas e confirmações de casos de febre amarela no País tem provocado uma procura pela vacina até mesmo em Pernambuco. No entanto, conforme assegura a Secretaria, "por não haver risco de transmissão da doença no Estado, o Ministério da Saúde considera Pernambuco como Área sem recomendação de Vacina (ASRV). Sendo assim, não há necessidade de vacinação para seus residentes", informa o órgão.

A Secretaria Estadual de Saúde ressaltou que "está abastecida da vacina contra febre amarela para o público que tem indicativo para uso" (aqueles que viajarão, por motivo de férias ou trabalho, para as Áreas Com Recomendação de Vacina).

Confira na íntegra o que a Secretaria Estadual de Saúde informou sobre o caso:

“Neste mês de janeiro, houve registro de um único paciente em investigação para febre amarela no Estado de Pernambuco. Trate-se de uma pernambucana com quadro de febre, sintomatologia que iniciou no dia 7.01.18, em São Paulo, durante visita ao município de Mairiporã, considerado área de risco. Ela foi atendida em unidade hospitalar privada em Pernambuco no dia 9.01. Apesar de não ter sintomatologia grave sugestiva para a doença, foi notificada por ter tido febre e ter circulado por área de risco. A paciente já recebeu alta médica e as análises laboratoriais estão em andamento. Desde fevereiro de 2017, a SES reforçou a vigilância para investigar, de imediato, qualquer suspeita de casos ou da circulação viral da doença. Caso haja alguma suspeita ou confirmação, o Estado está preparado para realizar todas as medidas de assistência ao paciente e também de bloqueio para prevenir outros casos”.

http://webmail.penoticias.com.br/afterlogic/?/Raw/View/52629/kg25dXPHgxc24IUm3dEZMmXFCmJ0C8RVZyhRKqw9K3KtoDRqsNvzweF2HTIxmScSi6ToAOcRvDlO-7Elljgdo9h7uI1VX9ZxpCkTJz3etERkhhq7cFyl3dZFiQMz8hPsU9IBFm7Ay4KVUEeU4qGfyOxLAkNdR2tU1c3yud44P4f7DPNveKydaT32bs5TmMhoOxWJkhoCRYV2g9i32LHwSzwW65tG-C_dJbY13_fnc7FcbekZ8JeEb_Jo9IpFiRuGTQhUusLdHcCqnraTp6ZKinnY9-c./0

O café é uma das paixões dos brasileiros. Afinal, quem resiste àquele cafezinho pela manhã, pós-refeição ou no lanche da tarde? Agora, além do delicioso sabor, nós temos mais um motivo importante para consumir a bebida diariamente. É que um estudo realizado pelo Instituto Neurológico Mediterrâneo de Pozzilli (Irccs Neuromed) em colaboração com o Instituto Superior de Saúde e com o Institute Dermopatico dell’Immacolata de Roma (IDI), na Itália, concluiu que tomar três xícaras de café por dia pode reduzir em mais de 50% o risco do câncer de próstata.

Durante a pesquisa, os especialistas italianos estudaram o consumo de café em 7 mil homens que participam do projeto epidemiológico Moli-sani e analisando os hábitos deles, pôde-se evidenciar uma diminuição do risco de 53% nas pessoas que bebiam mais de três xícaras por dia. Na segunda parte do estudo, os pesquisadores testaram as ações dos extratos de café nas células de tumores em proveta. Os primeiros mostraram a capacidade de reduzir significantemente o crescimento das células cancerígenas e a capacidade de se formar uma metástase.

Segundo o urologista Guilherme Maia, do Hospital Santa Joana Recife, os efeitos foram menos evidentes com o descafeinado, o que sugere que o benefício apresentado está ligado à própria cafeína. “Tudo indica que esse resultado é devido às propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias do café”, comenta Maia.  

O câncer de próstata é a forma mais comum da doença diagnosticada entre os homens. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a estimativa de novos casos da doença em 2016 e 2017 foi de 61.200, totalizando 28,6% do total de cânceres previstos para a população masculina. Cerca de 1 em 7 homens será diagnosticado com câncer de próstata durante a vida. “Os principais fatores de risco estão associados à obesidade, tabagismo, raça, além da hereditariedade”, afirma Guilherme Maia.

http://www.duplacom.com.br/uploads/29/238.620x0.jpg

Ascom 

O Hospital Santa Joana Recife dará início, no dia 14 de janeiro, a 13ª edição do Verão com Saúde, projeto educativo que tem o objetivo de promover o bem-estar e os cuidados preventivos com a saúde, por meio de exames básicos, como aferição da pressão arterial e testes de anemia e de glicemia. Os atendimentos, gratuitos, serão realizados em estande na Praia de Boa Viagem e em unidade móvel em Toquinho, litoral sul de Pernambuco, e no Parque da Jaqueira.

Este ano, o evento também abordará a importância dos cuidados com o idoso e fornecerá dicas de primeiros socorros. A expectativa dos organizadores é que cerca de 5 mil pessoas sejam atendidas até o encerramento da ação, no dia 4/2.

“Durante o Verão com Saúde, temos a oportunidade de contribuir para a promoção da saúde e da qualidade de vida de nossa comunidade, compartilhando a experiência nos cuidados com nossos pacientes”, ressalta Marcelo Vieira, diretor do Hospital Santa Joana Recife.

Programação:

Boa Viagem:

De 16 a 19 – das 6h30 às 9h30 e das 17h às 21h;

De 23 a 26 – das 6h30 às 9h30 e das 17h às 21h;

De 30/1 a 2/2 – das 6h30 às 9h30 e das 17h às 21h;

Domingos: 14/1, 21/1, 28/1 e 4/2 – das 10h às 17h.

Funcionamento do Espaço Saúde no Segundo Jardim de Boa Viagem, com serviços básicos de saúde preventiva, como aferição de pressão arterial e testes de glicemia e anemia.

Toquinho:

Dias 20/1 e 27/1 – a unidade móvel do Verão com Saúde ficará disponível para a realização dos exames das 9h30 às 12h30.

Parque da Jaqueira:

Dias 20/1 e 27/1 – a unidade móvel do Verão com Saúde ficará disponível para a realização dos exames das 15h às 19h.

Farmácias e drogarias de todo o País poderão oferecer vacinação

Farmácias e drogarias de todo o País agora podem oferecer vacinação para os clientes. O serviço já era regulamentado em São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Minas, Amazonas, Pará e Brasília. Por decisão colegiada tomada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que será publicada no Diário Oficial da União nos próximos dias, a regra de imunização será estendida às demais unidades da federação.  

Haverá obrigatoriedade de registro das informações nos cartões de vacinação e possibilidade de emitir Certificados Internacionais de Vacinação.

 Nos locais de aplicação, deverá haver um responsável técnico e profissionais habilitados, com capacitação periódica. Esses espaços deverão ter ainda ambiente refrigerado para armazenar as vacinas e garantir cuidados no transporte e na estocagem.

Os estabelecimentos interessados devem estar inscritos no Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNES). A medida é defendida pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), desde a aprovação da Lei 13.021/14, que rege as ações e serviços de assistência farmacêutica.