Foto: Nelson Jr./ STF

Estadão Conteúdo

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa ainda espera um sinal mais consistente do PSB sobre sua eventual candidatura ao Palácio do Planalto para decidir se ingressa na legenda. O partido, por outro lado, insiste que Barbosa precisa primeiro se filiar e, depois, viabilizar seu nome para a disputa presidencial. O impasse esfriou a negociação da sigla com o ex-ministro do STF.

Aliados que estiveram recentemente com Barbosa avaliam que ele aceita assinar a ficha de filiação dentro do prazo legal, dia 7 de abril, mesmo sem ter a garantia de candidatura. Mas não tomará a iniciativa sem uma “segurança mínima”.

Há mais de um mês, porém, a cúpula do PSB não o procura. O ex-ministro tem acompanhado pela imprensa os movimentos da legenda, que em sua convenção recuperou as diretrizes de centro-esquerda.

A executiva do PSB abandonou a ideia de subir no futuro palanque do governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB à Presidência da República, e ainda mantém a porta aberta para ter uma candidatura própria. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, no entanto, a posição majoritária da legenda hoje é ficar neutra na disputa pelo Planalto para facilitar à construção de alianças regionais, considerada a prioridade total.

A “opção Barbosa” esbarrou nos interesses do PSB em Pernambuco, no Distrito Federal e em outros Estados.

Parecer

Com residência fixada no Rio, Barbosa passa também temporadas em Brasília e em São Paulo por causa de seu trabalho como advogado parecerista, ofício que passou a exercer após se aposentar e deixar o Supremo.

Num estilo adequado à sua personalidade, o ex-ministro tem adotado uma postura bastante discreta nas conversas políticas. Segundo um interlocutor próximo, ele não quer “fazer barulho” sobre sua pretensão por ora. Também oscila entre o ceticismo em relação ao projeto presidencial com o PSB e a desconfiança sobre a capacidade do partido de se unir e ter uma estrutura competitiva para a eleição.

O deputado federal Júlio Delgado (MG), líder do PSB na Câmara, reconhece que a executiva pessebista esfriou o diálogo com o ex-ministro do STF. “Não desistimos do Barbosa, mas ele está se sentindo como aquele que foi convidado para jantar, mas não recebeu o endereço”, disse ao Estado. Segundo o parlamentar, a última conversa pessoalmente com Barbosa foi antes do carnaval. Depois disso, eles se comunicaram mais duas vezes por meio do WhatsApp.

Delgado relatou que na convenção do PSB a juventude do partido queria puxar um “grito de guerra” em defesa da candidatura de Barbosa e ele cogitou apresentar uma moção nesse sentido, mas o movimento foi barrado pela cúpula.

Para o líder do PSB, Barbosa precisa tomar a iniciativa e se filiar à legenda mesmo sem ter garantias. “O jogador só pode jogar a Copa do Mundo se estiver inscrito. Não se trata de uma filiação de risco. Se ele se filiar, tenho certeza de que esse gesto por si só vai viabilizá-lo.”

Segundo Delgado, o ex-ministro não precisa se preocupar com a possibilidade de disputar prévias. “Não existe isso no PSB”, afirmou.

Comitiva

Em dezembro do ano passado, uma comitiva de deputados federais do partido visitou o ex-ministro no escritório dele no Itaim-Bibi, na zona oeste da capital paulista. Na ocasião o ex-presidente do Supremo disse que estava “atento aos prazos eleitorais” e também fez consultas sobre o “campo de alianças” da sigla.

Os parlamentares deixaram o encontro convencidos de que Barbosa estava construindo uma “pauta de presidenciável” e acompanhando de perto os principais temas nacionais. Os deputados relataram a ele a crença de que uma candidatura de “alguém de fora da política” teria “muito êxito” na próxima disputa presidencial.

Mas, desde então, a opção Barbosa perdeu força no PSB por pressão principalmente dos governadores Rodrigo Rollemberg (Distrito Federal), Paulo Câmara (Pernambuco) e Ricardo Coutinho (Paraíba), que pregam neutralidade na disputa nacional. Isso facilitaria a construção das candidaturas regionais.

“Joaquim Barbosa teve contato com o partido, provavelmente, por iniciativa dele. Foi dito a ele que se filiasse e se submetesse ao ritual. O partido tem uma dinâmica. Não é uma decisão de cúpula. Decisão será em junho”, disse o ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda, pré-candidato do PSB ao governo de Minas Gerais.

Um policial militar foi punido com a exclusão da corporação por suspeita de tentar fraudar o concurso da Polícia Civil de Pernambuco. De acordo com as investigações da Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS), o soldado contratou outro homem para realizar a prova objetiva no lugar dele. A vaga disputada era para agente de polícia.

O comparsa foi preso em flagrante na sala da faculdade onde a primeira etapa do concurso era aplicada, no município de Caruaru, no Agreste do Estado, em junho de 2016. Em posse do suspeito, a polícia encontrou documentos falsos que foram entregues dias antes pelo soldado da PM. O rapaz confessou o crime e foi autuado em flagrante.

Além do processo administrativo, o soldado e o comparsa respondem a processo criminal na Justiça por falsificação de documento público. O caso está na 4ª Vara Criminal da Comarca de Caruaru.

A demissão do policial militar, assinada pelo secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, foi publicada no Diário Oficial do último sábado (10).

http://www.ifpe.edu.br/imprensa/banco-de-imagens/campus-afogados.jpg/@@images/73ac7c61-8366-4589-8265-f36b56d5ce10.jpeg

O campus do IFPE em Afogados da Ingazeira lança edital para processo seletivo público simplificado para professor dos cursos do Pronatec. As inscrições, feitas exclusivamente por meio eletrônico, ocorrerão do dia 12 a 16 de março de 2018.

Vale ressaltar que o edital não é exclusivo para servidores do IFPE. A seleção se dará por meio de avaliação curricular, de acordo com os critérios de classificação contidos no edital.

O resultado preliminar será divulgado no dia 21, e o final no dia 23/03.

Para mais informações, acesse aqui o Edital  

O senador Humberto Costa (PT-PE) (Foto: José Cruz/Agência Senado)

Não são apenas os efeitos da Operação Lava Jato que deixam o senador Humberto Costa (PT-PE) receoso de tentar a reeleição ao Senado em 2018. Há outro fator: a estatística. Desde 1940, apenas um senador pernambucano conseguiu se reeleger. Foi Marco Maciel, em 1990. Os pernambucanos, mostram os números, gostam de um rodízio de nomes no Senado.

Costa tem dito que só tentará a reeleição se puder contar com o apoio do PSB, do governador Paulo Câmara. Aliados dizem que, para manter o foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal (STF), Costa deverá ser candidato a deputado federal.  

http://www.tre-pe.jus.br/imagens/imagens/eleitor-pague-seus-debitos-com-a-justica-eleitoral-e-regularize-sua-situacao/@@images/cf715299-d273-461d-8a6b-643bdd4bf749.jpeg

O eleitor que deixou de votar em um ou mais turnos eleitorais precisa pagar uma multa para conseguir regularizar sua situação eleitoral e emitir a Certidão de Quitação Eleitoral. A multa custa R$3,51por turno não votado nem justificado. O prazo se encerra em 9 de maio próximo.

Para quitar os seus débitos, o primeiro passo é entrar no site do TRE-PE e clicar na aba “Eleitor e eleições”. Em seguida, selecionar a opção “Débitos do Eleitor”. Então, é aberta uma opção de preenchimento de dados, que, corretamente preenchida, vai gerar uma GRU (Guia de Recolhimento da União) com o valor a ser pago em qualquer agência do Banco do Brasil.

Após o pagamento, é só se encaminhar à Central de Atendimento ao Eleitor da Capital (ao lado do Forte das Cinco Pontas) no caso dos eleitores do Recife. Em outro município, o eleitor deve comparecer ao seu respectivo cartório eleitoral. Feito isso, basta entregar o comprovante de pagamento no local. Dentro de alguns dias a situação será regularizada e emitida a Certidão de Quitação Eleitoral. E em casos de urgência, é possível solicitar ao cartório eleitoral no ato da entrega.

Porém, é importante salientar que o eleitor que não votou ou justificou seu voto em mais de três turnos eleitorais ou não realizou a biometria até o final do prazo estipulado para a sua cidade terá o título cancelado e precisará realizar a emissão de um novo documento.

http://www.midiamax.com.br/sites/default/files/destaque/concurso-publico-brasilandia-tocantins_4.jpg

Correio Braziliense

Anos de eleições podem atrapalhar os planos de quem planeja alcançar a sonhada estabilidade financeira, já que nomeações dos aprovados em processos seletivos do setor público podem ser suspensas. De acordo com a Lei 9.504, a Lei Geral das Eleições, a realização de concursos não é interrompida em ano eleitoral, mas existem restrições. Segundo o texto, são proibidas aos agentes públicos: “nomear, contratar ou, de qualquer forma, admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens nos três meses que antecedem o período e até a posse dos eleitos”.

A lei não impede, contudo, a realização dos processos seletivos, como provas e testes práticos, destaca o especialista em direito processual do escritório Carvalho Dantas e Palhares Advogados, Fernando Dantas. “O cumprimento das etapas dos concursos que precedem os atos de nomeação não é vedado pela legislação eleitoral. A eleição afeta apenas a contratação no período eleitoral”, esclarece. “Passado o segundo turno, os candidatos aprovados podem ser convocados a tomar posse.”

Há exceções em relação à aplicação da Lei Geral das Eleições nos processos seletivos. Concursos do Judiciário, do Ministério Público, dos tribunais de contas e de órgãos da Presidência podem, a qualquer momento, convocar e nomear aprovados, desde que com a autorização do Executivo. “Esses órgãos, a rigor, não se submetem ao calendário eleitoral”, explica Dantas.

Demora

O estudante Jefferson Martins Damasceno, 28 anos, teme que a convocação para o cargo ao qual foi habilitado possa demorar mais do que o planejado. Damasceno foi aprovado no certame da Companhia Energética de Brasília (CEB) em 2014. “Estava terminando o curso de técnico em eletrônica e me interessei. Além de poder me aperfeiçoar no campo de trabalho, a estabilidade no emprego e o salário me atraíram” conta. “A projeção salarial, na época, era em torno de R$ 1.600, mais gratificações. Ao todo, eu iria receber cerca de R$ 4 mil.”

Com a crise financeira do Governo do Distrito Federal, porém, Damasceno até hoje não foi nomeado. “A validade do concurso era de dois anos. Logo, eles prorrogaram por mais dois e estou até o momento esperando para ser chamado”, afirma. “São quatro anos de espera. Já entrei até com processo contra a empresa. O limite para as nomeações é o fim deste ano e, como temos eleições a caminho, corro o risco de perder a vaga”, complementa.

Para não ficar completamente descoberto, o estudante buscou alternativas. “Resolvi fazer um curso técnico de enfermagem”, diz. Quando estava terminando o curso, Damasceno passou em um concurso da Secretaria de Saúde — no qual também aguarda a nomeação. “Participei da seleção para avaliar meu aprendizado, e acabei passando. Como estou ligado à área da saúde no momento, espero que as eleições não atrapalhem minhas chances de ser chamado”, conclui.

Segundo Fernando Dantas, os atrasos em nomeações de concursados têm também outros motivos. “Há um quadro de restrição orçamentária que impõe dificuldades para contratações de maneira geral”, afirma. “Há muita desorganização na gestão de pessoal e isso afeta a validade dos concursos. Há também casos de contratação de terceirizados em detrimento de concursados”, destaca.

“A Lei de Responsabilidade Fiscal impõe limites a contratações no último ano de mandato dos governantes”, acrescenta Dantas. “Um governador, por exemplo, não poderá deixar para 2019, como herança, contratos que serão executados no primeiro mandato do sucessor. Tem que haver previsão do número de vagas passíveis de serem providas por concurso”, afirma.

Aluany Carvalho, 22, formada em arquivologia, diz que decidiu estudar para concursos porque sua área de atuação é mais voltada ao setor público. Sem nunca ter feito um cursinho presencial, a  arquivista, que fez estágio no Senado Federal, gostaria de passar em um certame da área legislativa. “Quando estava no Senado, acompanhava grande parte do que acontecia no país, mas acho que tem muitos órgãos que podem me proporcionar boas experiências”, observa.

Polícia Federal

Quem aguarda os concursos da Polícia Federal (PF) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) também podem esperar um bom tempo pela nomeação, caso seja aprovado. O lançamento das seleções, ainda em 2018, foi anunciado pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, no fim de fevereiro, como uma das medidas de combate à violência. Porém, dificilmente os aprovados começarão a trabalhar tão cedo. Além de todo o processo de lançamento de edital e realização de provas, os habilitados terão de passar por treinamento específico nas duas corporações antes de poderem sair às ruas.

Mapa das admissões

Em janeiro de 2018, 3.961 pessoas entraram no serviço público da União e nos quadros do Governo do Distrito Federal. Com 2.314 novos contratos, o órgão que mais recebeu servidores foi o Ministério da Educação. Os dados são do Painel Estatístico de Pessoal, do Ministério do Planejamento, que agrupa as nomeações do governo federal e da administração local. Em todo o ano passado, 57.458 pessoas entraram na área pública federal e do GDF.

O Centro-Oeste se destaca como a região com maior número de pessoas ingressando no mercado de trabalho por meio de concurso público, o que reflete o peso do Distrito Federal nesses números. Em janeiro, foram 1.228 pessoas, o equivalente a 33,3% do total de nomeados no país. Em segundo lugar está o Nordeste, com 938 (25,4%), seguido do Sudeste, com 682 (18,5%).

Os números evidenciam uma diferença interessante quanto ao nível de escolaridade. Analisando os dados nacionais, é possível notar que o maior número de ingressos é de pessoas de nível superior de ensino — 1.929 pessoas, ou 52,3% do total de janeiro. A seguir, vêm 955 pessoas com nível de escolaridade médio ou fundamental (25,9%) e, por último, a categoria outros, com 807 nomeados (21,9%).

Nos dados relativos ao DF, contudo, a categoria outros representa 64,9% dos contratados em janeiro, ou 694 pessoas, à frente dos nomeados que têm grau superior  (27,5%, 275 pessoas) e daqueles com formação de nível fundamental ou médio. (101 pessoas, 9,4%).

O Biesp foi a principal resposta do Estado para tentar diminuir os crimes em Caruaru / Diego Nigro / JC Imagem

Diante da explosão da violência no interior, o governo do Estado tenta dar uma resposta. Ainda tímida, mas não deixa de ser um sinal para os criminosos depois de a região registrar alarmantes 3.062 mortes violentas em 2017, 470 a mais que no ano anterior. E o principal contra-ataque do Estado chegou a Caruaru, no Agreste, onde houve 262 mortos, o terceiro município com mais assassinatos no ano passado (perdeu para Recife e Jaboatão dos Guararapes).

A reação do governo tem nome e sigla: 1º Batalhão Integrado Especializado de Policiamento (Biesp). Trezentos novos policiais militares foram formados para atuar no batalhão, inaugurado no dia 14 de novembro do ano passado, e que reúne unidades especializadas como Rondas Ostensivas com o Apoio de Motocicletas (Rocam), Radiopatrulha, Batalhão de Choque, Companhia Independente de Policiamento com Cães e Policiamento de Trânsito.

De acordo com a polícia, foi graças à instalação do Biesp, que Caruaru reduziu pela metade o número de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) – homicídio, latrocínio e lesão corporal seguida de morte – registrados em janeiro do ano passado, em comparação com o mesmo período deste ano. Em 2017 foram 20, contra 10 em 2018.

Também houve queda nos Crimes Violentos Contra o Patrimônio (CVP). Foram 652 ocorrências em janeiro de 2017, enquanto em janeiro deste ano aconteceram 363, uma redução de 44%. Além de Caruaru, o batalhão dá apoio a 14 municípios da Área Integrada de Segurança, que registrou diminuição nos índices de homicídio de 56% (de 43 para 19) e de roubos 45% (de 980 para 533), na comparação entre os dois meses.

“Quando fizemos o planejamento lógico pensamos no que seria ideal, mas imaginávamos que o resultado viria a médio, longo prazo. Porém com esse conseguimos atingir as metas antes e para isso foi fundamental o trabalho com o 4º batalhão e o serviço de inteligência. Empregamos nosso efetivo nos locais certos onde os índices de criminalidade são maiores”, afirmou o major Flávio Carneiro, do Biesp.

Na opinião de moradores, Caruaru continua violenta. Todavia, a sensação de insegurança diminuiu um pouco. “Percebemos que com a chegada do batalhão o policiamento em algumas áreas realmente melhorou e ficamos um pouco mais tranquilos para circular pela cidade”, disse a estudante Ingrid Nayanne.

O comandante do batalhão, tenente-coronel Antônio Menezes, faz planos ambiciosos. “Nosso grande desafio é fazer Caruaru sair do mapa da violência e transformá-la em uma das cidades mais seguras de Pernambuco, onde as pessoas de bem possam ir e vir. O nosso recado para os bandidos é que eles mudem de lugar”, avisou.

INVESTIMENTO

Para combater a criminalidade no interior, o Estado aposta na criação do 2º Biesp, em Petrolina, no Sertão, de Delegacias de Repressão ao Narcotráfico nos municípios do Cabo de Santo Agostinho, Goiana, Vitória de Santo Antão, Caruaru, Garanhuns, Arcoverde, Serra Talhada, Ouricuri e Petrolina e de unidades de Polícia Científica em Nazaré da Mata, Palmares, Afogados da Ingazeira, Arcoverde, Caruaru, Salgueiro, Ouricuri e Petrolina. Entre os anúncios estão também à criação do 26º Batalhão em Itapissuma, no Grande Recife, e da 11ª Companhia Independente da Polícia Militar, em Lajedo, no Agreste.

http://www.ricardoantunes.com.br/wp-content/uploads/2018/03/IMG-20180312-WA0031.jpg

A Polícia Federal em Pernambuco, através de sua projeção regional da Policia Internacional-INTERPOL, em conjunto com a Polícia Militar de Pernambuco prenderam no último sábado (10),  por volta das 23h, o estrangeiro português Tiago Filipe Rodrigues Santos, 29 anos, natural de Lamas/Cadaval – Lisboa – Portugal.

O Português estava a dois anos irregular no Brasil e já havia sido notificado pela Polícia Federal a deixar o país, porém ficou foragido desde então em locais de comunidades distantes dos grandes centros da capital pernambucana e paraibana para evitar sua possível prisão para fins de expulsão do país. Os crimes que são imputados ao foragido em Portugal são crimes sexuais cometidos contra mulheres e já possuindo condenação de 6 anos e 2 meses.

No Brasil já havia sido autuado por três vezes na Lei Maria da Penha em virtude de ter relacionamentos agressivos e conturbados com mulheres pernambucanas e paraibanas. O português confessou que comandava um ponto de venda de droga em Portugal e por isso foi denunciado pela própria mãe o que o forçou a fugir do país após o cometimento de vários crimes. De temperamento agressivo se envolveu em brigas com guardas municipais da Paraíba.

A prisão preventiva para extradição de Tiago foi decretada pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes no dia 02 março de 2018 e visou atender a um pedido de extradição feita por Portugal ao governo brasileiro fundada na promessa de reciprocidade entre esses países de tratamento de casos análogos.

Após receber o respectivo dispositivo legal de prisão, foram realizados levantamentos por parte de policiais federais da Superintendência em Pernambuco que de posse da autuação pela Lei Maria da Penha em Recife/PE foi montada uma operação conjunta entre as polícias federal e militar que resultou em sua localização e consequente prisão.

O Português foi encontrado e preso após trocas de informações repassadas pela Polícia Federal para Policiais Militares da Rádio Patrulha/Malhas da Lei, no Bairro de Santo Amaro, porém residia em diversos comunidades como “V8” e dos “Coelhos” e não tinha o costume de ficar por muito tempo em ligares fixo a fim de que não fosse possível a sua identificação, A prisão ocorreu sem nenhum transtorno e o estrangeiro não esbouçou qualquer tipo de reação.

Trazido para a sede da Polícia Federal no Cais do Apolo e posteriormente encaminhado para Delegacia de Imigração no Aeroporto, o conduzido tomou ciência de sua prisão e após as formalidades legais foi submetido a exame de corpo de delito no IML e logo em seguida foi recambiado para o COTEL- Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna, onde permanecerá à disposição do Supremo Tribunal Federal aguardando os procedimentos administrativos para sua respectiva extradição.

 

https://ogimg.infoglobo.com.br/in/22478247-450-218/FT1086A/420/xINFOCHPDPICT000075378824.jpg.pagespeed.ic.3Fm101jOPP.jpg

Servidores dos Correios entrarão em greve por tempo indeterminado nesta segunda-feira (12). De acordo com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), os trabalhadores são contra mudanças no plano de saúde da empresa, que preveem o pagamento das mensalidades pelos funcionários e a retirada de dependentes dos contratos.

“Além disso, o benefício poderá ser reajustado conforme a idade, chegando a mensalidades acima de R$ 900", informou a Fentect, em nota, ressaltando que o salário médio dos trabalhadores dos Correios é de R$ 1,6 mil, “o pior salário entre empresas públicas e estatais”.

O início da greve coincide com o julgamento sobre o plano de saúde dos trabalhadores no Tribunal Superior do Trabalho (TST), também marcado para amanhã, referente à última negociação salarial.

Segundo a Fentect, a mobilização nacional da categoria foi aprovada em assembleias dos sindicatos. Entre outras reivindicações, os trabalhadores são contra as alterações no Plano de Cargos, Carreiras e Salários; a terceirização na área de tratamento; a privatização da estatal; a suspensão das férias dos trabalhadores; a extinção do diferencial de mercado e a redução do salário da área administrativa.

Além disso, entre as demandas da categoria estão à contratação de novos funcionários por meio de concurso público, a segurança nos Correios e o fim dos planos de demissão.

A federação também é contra a extinção e terceirização do cargo de operador de triagem e transbordo, “importante para o movimento do fluxo postal interno”. “Para piorar a situação, a empresa também anunciou o fechamento de mais de 2.500 agências próprias, por todo o Brasil”, diz a nota da Fentect.

Para a categoria, o “desmonte” promovido pela gestão dos Correios tende a prejudicar ainda mais os serviços à população. “A Fentect esclarece que alguns argumentos repassados transmitem uma visão enganosa da realidade na estatal. Por exemplo, quanto ao monopólio dos Correios, que, hoje, corresponde apenas a cartas, malote e telegrama. O segmento de encomendas, como o Sedex, entretanto, sempre foi concorrencial”, informou.

Quanto ao reajuste dos preços dos serviços da estatal, a federação discorda de aumentos abusivos nos valores. “Já em relação ao argumento da ECT para esse reajuste, a respeito da segurança dos trabalhadores, a Fentect esclarece que não há nenhum benefício pago ao trabalhador por esse motivo, bem como nenhum adicional”.

No dia 6 deste mês, os Correios começaram a cobrar uma taxa extra de R$ 3 para encomendas com destino ao Rio de Janeiro. O motivo seria a elevação dos custos da entrega por causa da violência no município. No dia 9, entretanto, após decisão da Justiça Federal, a estatal suspendeu a cobrança.

Para a Fentect, a empresa não onera o governo federal ou o bolso do cidadão com arrecadação de impostos. “Ao contrário, é o governo quem tem retirado verbas da empresa, sem retorno, nos últimos anos, como da ordem de R$ 6 bilhões”, informou. “Com todos os erros e ingerências políticas na administração dos Correios, a direção da estatal promove essas e outras retiradas de direitos dos próprios trabalhadores, responsabilizando-os pelos danos da ECT”.

Oficialmente, a greve da categoria começou neste domingo (11) a partir das 22h, para que os funcionários que trabalhariam no turno da noite já possam aderir ao movimento.

Com o lançamento da pré-candidatura à Presidência do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e a possibilidade de que outros integrantes da base do governo também se lancem na disputa, como o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), o presidente Michel Temer quer "dar um freio de arrumação" na atuação dos aliados no Congresso. Com este objetivo, Temer convocou uma reunião para esta segunda-feira (12) com a presença de parlamentares da base.

A avaliação dentro do Palácio do Planalto é que os vice-líderes, em especial, não têm defendido o governo e tampouco o presidente nos debates em plenário, por exemplo. O vice-líder do governo na Câmara, deputado Beto Mansur (PRB-SP), disse que é preciso colocar "ordem na casa", ou seja, definir quem está ou não ainda afinado com o governo em cenário pré-eleitoral. A tropa de choque de defesa de Temer tem sido o próprio ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (PMDB), e o vice-líder Darcísio Perondi (PMDB-RS).

Além disso, há a preocupação em afinar a atuação diante do cenário eleitoral, com cada partido da base decidindo que rumo tomar. Maia já lançou sua pré-candidatura pelo DEM, enquanto Meirelles ainda discute o futuro. Neste sábado, o ministro da Fazenda se reuniu com Temer no Palácio do Jaburu. Assessores de Meirelles disseram que ele havia retornado de viagem ao exterior e que por isso foi ao encontro de Temer, que neste domingo esteve no Chile.

O governo já perdeu tempo, por exemplo, na discussão sobre a privatização da Eletrobras. No caso da reforma da Previdência, por exemplo, o governo viu vários vice-líderes criticando a proposta. Um deles foi o deputado Rogério Rosso (PSD-DF).

Na semana passada, o governo foi derrotado na estratégia de instalar a comissão especial que debaterá o projeto sobre a Eletrobras na Câmara. A oposição conseguiu evitar na terça-feira a instalação da comissão especial que discutirá o projeto de privatização da estatal. Com a experiência de ex-presidente da Câmara, o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), apontou um erro formal na formação da comissão, e a instalação foi suspensa. O governo e Rodrigo Maia elegeram a venda da companhia como principal pauta econômica depois do fracasso da discussão da reforma da Previdência.

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, divulgou neste domingo (11), um vídeo pelo Facebook em que falou pela primeira vez sobre a provável prisão do ex-presidente Lula, condenado pelo Tribunal Federal Regional (TRF-4) há 12 anos e um mês no processo sobre o tríplex do Guarujá. A senadora diz que a prisão do petista será o maior atentado à democracia no Brasil, conclama militantes a fazerem campanha contra e afirma que o PT "vai com Lula até as últimas consequências".

– Vivemos tempos sombrios no Brasil. Não temos normalidade democrática, política e institucional. É nesse processo que a perseguição de Lula acontece, explica a senadora.

O PT defende que o Supremo Tribunal Federal coloque em pauta novamente a discussão sobre o cumprimento da pena após julgamento em segunda instância.

– Querem prender o Lula por uma condenação de um tribunal de 2ª instância. A Constituição brasileira é clara. Ninguém pode se preso senão por trânsito em julgado de sentença condenatória. E trânsito em julgado é quando o último tribunal dá o seu veredicto sobre o processo. E o último tribunal é o Supremo Tribunal Federal, argumenta a senadora.

E conclama os petistas e militantes de movimentos sociais a fazerem campanha de "esclarecimento ao povo".

– A prisão de Lula é um dos maiores retrocessos à sociedade brasileira, à nossa democracia e às conquistas de direito.

E concluiu:

– A prisão de Lula vai ser muito perversa ao povo brasileiro. Nós temos que deixar bem claro: a gente não vai assistir mansamente à prisão do nosso líder, aliás, o líder do povo. Nós vamos com Lula até o final. Nós vamos com Lula até as últimas consequências.

Em Olinda, a repicada dos sinos das igrejas do Sítio Histórico vai dar início à comemoração / Foto: Arnaldo Carvalho/JC Imagem

Orquestras de frevo, desfile de agremiações, shows musicais e muito bolo. É assim que Recife e Olinda vão celebrar os 481 e 483 anos, respectivamente. Em Olinda, a repicada dos sinos das igrejas do Sítio Histórico vai dar início à comemoração.

Orquestras de frevo, desfile de agremiações, shows musicais e muito bolo. É assim que Recife e Olinda vão comemorar os aniversários nesta segunda-feira (12). Para não perder a festa, fique atento à programação.

Na capital pernambucana, a celebração dos 481 anos começa cedo. Às 6h, orquestras de frevo e personagens da cultura popular vão invadir os cruzamentos das Avenidas Rui Barbosa, Caxangá, Norte, Boa Viagem e Agamenon Magalhães.

Desfile de agremiações no Recife

À tarde, às 15h, é a vez das agremiações vencedoras do concurso especial do Carnaval deste ano comemorarem o aniversário do Recife com um desfile no Boulevard Rio Branco, no Bairro do Recife.  Ao todo, vão se apresentar 33 agremiações, entre troças, clubes de frevo, blocos de pau e corda, maracatus de baque virado, caboclinhos, tribos de índios, bois de Carnaval, La Ursa e escolas de samba.

Devido ao desfile, a CTTU vai monitorar os cruzamentos da Avenida Alfredo Lisboa com a Rua Vital de Oliveira, Cais do Apolo com Avenida Rio Branco e Avenida Alfredo Lisboa, no Bairro do Recife, das 7h às 23h. Se houver necessidade, os pontos serão bloqueados a partir das 17h.

A Família Salustiano vai colocar todo mundo para dançar ao ritmo de coco, ciranda, cavalo marinho, maracatu e frevo, às 19h, no palco montado na esquina da Rua Dona Maria César com a Boulevard Rio Branco. O bolo de 400 quilos será distribuído ao público em 3.500 fatias individuais.

Comemorações em Olinda

Já em Olinda, as repicadas dos sinos das igrejas do Sítio Histórico vão dar início à comemoração dos 483 anos. Na Cidade Patrimônio, nesta segunda-feira será feriado.

Para movimentar os cidadãos, será realizado aulão de ginástica das 8h às 14h na orla de Bairro Novo. Para as crianças, terá programação especial que inclui espaço de recreação infantil, com brinquedos infláveis na Praça do Carmo, das 14h às 18h. Na praça, também haverá shows de Júnior Chumbago e Família e da Orquestra Sinfônica do Centro de Educação Musical de Olinda (Cemo).

Os bonecos gigantes não vão ficar de fora dessa festa. Às 15h, na Avenida Colibri, 5ª etapa de Rio Doce, ocorrerá desfile de 35 bonecos gigantes. A festa em Olinda termina às 19h, com o corte do bolo e show pirotécnico, também na Praça do Carmo.

http://roberiosa.com.br/wp-content/uploads/2018/01/luciano-duque-e-marilia-arraes-roberiosa.jpg

Por Inaldo Sampaio

O PT de Pernambuco tem um histórico de altos e baixos. Na eleição do ano 2000, João Paulo tinha tudo para perder para Roberto Magalhães, então prefeito, mas ganhou. E se reelegeu em 2004 e fez o sucessor em 2008 (João da Costa). Em 2006, Humberto Costa tinha tudo para ganhar de Eduardo Campos na disputa pelo governo estadual, “casando” o 13 dele com o 13 de Lula, que concorria à reeleição, mas perdeu. Em 2010, o PT apoiou a reeleição de Eduardo, emplacando Humberto no Senado e em 2014 apoiou Armando Monteiro, que perdeu para Paulo Câmara. Agora, o PT vive uma situação inusitada. Em seu momento político mais difícil, consequência da Lava Jato e da condenação de Lula, tem um quadro político em Pernambuco, Marília Arraes, que deseja disputar o Governo do Estado e está provando nas pesquisas que tem viabilidade política e eleitoral. Ela tem tudo para ser o “novo” dessas eleições. Até porque os quadros do PT envelheceram e Paulo Câmara e Armando Monteiro não são mais novidades. Em sendo candidata, ela levará, com certeza, a eleição para o segundo turno, podendo ela própria ser um dos finalistas. Mas em nome do pragmatismo eleitoral, nem João Paulo nem Humberto Costa têm interesse nessa candidatura. Defendem aliança com o PSB, esquecidos de que o interesse desse partido não é o tempo de TV do PT e sim tirar a neta de Arraes do seu caminho.

Cabo eleitoral de luxo

O principal cabo eleitoral de Marília Arraes no PT é o prefeito de Serra Talhada Luciano Duque, que andou com um pé fora do partido, mas depois recuou. Em janeiro ele organizou uma reunião em sua cidade para pré-lançar a candidatura da vereadora e de lá para cá não parou mais de trabalhar. Das 7 cidades pernambucanas administradas pelo PT, Serra é a mais importante.

Voto contra

O tabirense Carlos Veras, presidente da CUT-PE, antecipou-se ao debate interno que será realizado pelo PT e já comunicou ao presidente Bruno Ribeiro que é contra a aliança com o PSB, mesmo que João Paulo seja o vice da chapa ou Humberto Costa candidato à reeleição.

http://www.jairsampaio.com/wp-content/uploads/2018/02/tempo-de-chuva-no-sert%C3%A3o-IMG_1032.jpg

A previsão climática sazonal por consenso¹ para o trimestre março, abril e maio de 2018 indica maior probabilidade do total trimestral de chuva ocorrer nas categorias dentro a acima da faixa normal climatológica na faixa que se estende do Amapá ao extremo norte do Rio Grande do Norte, com a seguinte distribuição de probabilidades: 35%, 40% e 25% para as categorias acima, dentro e abaixo da faixa normal climatológica, respectivamente.

No interior na região semiárida do Nordeste, a previsão por consenso indica maior probabilidade de totais pluviométricos na categoria dentro da faixa normal climatológica, com distribuição de probabilidades de 30%, 40% e 30% para as categorias acima, dentro e abaixo da faixa normal climatológica, respectivamente.

Para o centro-sul da Região Sul, a previsão indica maior probabilidade de chuvas na categoria abaixo da faixa normal climatológica, com distribuição de probabilidade de 25%, 35% e 40% para as categorias acima e abaixo da faixa normal climatológica, respectivamente.

https://i1.wp.com/www.edenevaldoalves.com.br/wp-content/uploads/2018/03/GP-Garanhuns.jpg?w=700

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB/PE) foi homenageado neste sábado (10) com o título de cidadão honorário de Garanhuns. A iniciativa partiu da vereadora Betânia da Ação Social: “Gonzaga Patriota é uma pessoa honrada, que sempre lutou por Garanhuns. Entreguei esse título com muita satisfação e alegria, pelo seu trabalho realizado em prol da nossa cidade”, disse a vereadora. 

Gonzaga se emocionou ao ver o plenário da câmara de vereadores de Garanhuns lotado por pessoas queridas; agradeceu o importante momento e aproveitou para falar sobre suas ações em Brasília que beneficiam Garanhuns. Ele afirmou que continuará este trabalho para que o município seja sempre contemplado em prol do progresso local.

“Agradeço a todos os presentes e em especial à minha amiga Betânia, vereadora atuante, mulher forte e guerreira. Eu, que já sou cidadão em mais de 70 municípios do estado, me sinto honrado com este momento. Agora sou um cidadão garanhuense”, conclui.

“Sinto muita emoção neste momento, além de um turbilhão de memórias acumuladas, nunca esquecidas, desde aquele outro dia, lá atrás, em outubro de 1993, quando precisei de alguém em Brasília para resgatar a dignidade de minha família e foi Gonzaga Patriota que nos estendeu a mão, concluiu a vereadora.

Com mais essa honraria, Gonzaga agora soma 72 títulos de cidadão, recebidos no estado de Pernambuco, além de outros 35 na Bahia, sendo 30 na área do futuro estado do Rio São Francisco, cujo projeto é de sua autoria e está pronto para ser aprovado. O socialista também possui títulos em Minas Gerais, Goiás e Ceará.