Suspensão das aulas pela pandemia de Covid-19 levou ao adiamento do Enem

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) trabalha com dois cenários para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O primeiro, que ainda não tem muita adesão dentro do órgão, seria a redução do número de itens para que a prova seja realizada em apenas um dia. A equipe do Inep avalia cenários que giram de 25 a 35 questões por área. Atualmente são 45 para cada uma das quatro áreas: Linguagens, Matemática, Ciências Humanas e Ciências da Natureza, além da redação. Um dos entraves para esse modelo é que os estudantes seriam submetidos a um tempo extenuante de prova.

Já o segundo cenário prevê medidas de contenção durante a aplicação da prova, como reduzir o número de estudantes dentro de sala de aula pela metade e utilizar máscaras e álcool em gel. O que emperra a aplicação desse segundo modelo, no entanto, é a logística para ter espaço disponível, principalmente nas cidades do interior, uma vez que o número necessário de salas seria dobrado.

As possibilidades ainda estão sendo avaliadas pela área técnica do órgão, que também ainda não definiu a nova data da prova após o adiamento por um período de 30 a 60 dias. Inicialmente, o Enem seria aplicado a partir de 1º de novembro.

Nesta sexta, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou que o prazo das inscrições foi estendido até quarta-feira (27), com os boletos podendo ser pagos até o dia seguinte. Segundo ele, 4.637.801 inscrições já foram feitas.