O ex-presidente Lula (PT) concedeu uma entrevista ao canal Al-Jazeera, veiculada neste fim de semana, onde comentou sobre a resposta de Jair Bolsonaro à pandemia de covid-19 e o envolvimento dos Estados Unidos com a força-tarefa da Lava Jato.

O político voltou a dar explicações sobre o tempo que passou na prisão em Curitiba e sobre a Operação. “Eles montaram uma mentira. A acusação que a Lava Jato fez contra mim, depois de dizer que eu havia montado uma quadrilha no governo, foi derrotada pela 12ª Vara da Justiça Federal em Brasília”, disse.

“A Polícia Federal, o Ministério Público e o ex-juiz Moro foram serviçais do departamento de justiça dos Estados Unidos e do FBI”, apontou o ex-presidente. “Quero saber qual foi efetivamente a participação do FBI”, defendeu.

Há três semanas, a agência Pública e o site The Intercept Brasil divulgaram uma matéria onde apontam a ligação de membros da força-tarefa com departamento de polícia norte-americano. Lula afirmou que vai acionar a Lava Jato na Justiça dos Estados Unidos por conta da cooperação entre os procuradores da Operação em Curitiba e o FBI.

“A verdade é que a América Latina não tem o direito de ser democrática e cuidar do seu povo, porque os norte-americanos ameaçam os latino-americanos como se fosse seu próprio quintal”, apontou. “Alguém sempre aparece e estrangula alguém sempre vem prejudicar a democracia. Os Estados Unidos estão sempre por trás disso”. Lula disse ainda que o objetivo da Lava Jato era “quebrar a Petrobras e destruir as empresas de engenharia do Brasil”.

Para ele, a Operação “pegou todas as informações sobre a Odebrecht e descobriu” que não tinha seu nome. “Estamos desconfiando e vamos requerer à Justiça da Suíça o processo. Eu desconfio que o Ministério Público mentiu”, disse o ex-presidente.