ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM

A Polícia Federal confirmou que também cumpriu, na manhã desta quinta-feira (28), um mandado de busca e apreensão na residência do secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia (foto). O apartamento do gestor fica no bairro do Espinheiro, na Zona Norte do Recife. A operação faz parte da investigação de supostas irregularidades em contratos celebrados para aquisição de 500 respiradores pulmonares, por meio de dispensas de licitação, pela Secretaria de Saúde do Recife. O material seria usado no tratamento de pacientes com a Covid-19.

De acordo com a Polícia Federal, documentos foram apreendidos na residência do secretário municipal do Recife. Ele ainda não se pronunciou sobre o caso.

As investigações da Polícia Federal apontam que empresas com débitos com a União, superiores a R$ 9 milhões, se utilizaram de uma microempresa fantasma, constituída em nome da ex-companheira do proprietário de fato, para contratar com a PCR, uma vez que firmas com débitos com fiscais ou previdenciários não podem firmar contratos com entes da administração pública. Diligências policiais revelaram que a firma contratada não existe de fato em seu endereço de cadastro, além de não ter funcionários ou bens em seu nome.

As investigações apontaram ainda que o total contratado com a Prefeitura de Recife ultrapassava o patamar de R$ 11 milhões, ao passo que a empresa fictícia tinha um suposto capital social de apenas R$ 50 mil, e não poderia faturar mais que R$ 360 mil por ano.

A empresa chegou a fornecer 35 respiradores à PCR, contudo o contrato foi desfeito na semana passada, um dia após notícias sobre as irregularidades serem divulgadas na imprensa.