Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, apresentou os detalhes da linha de crédito para micro e pequenos empresários

O presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Pedro Guimarães, afirmou que se o Governo Federal prorrogar o auxílio emergencial, os beneficiários serão os mesmos que já estão recebendo atualmente, ou seja, não será possível realizar cadastros após a data limite já estabelecida, 2 julho.

Na última quinta-feira o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou que a ideia é que os beneficiários recebam um adicional de R$ 1,2 mil, divididos em três parcelas de R$ 500, R$ 400 e R$ 300.

A lei que aprovou o programa de renda básica para ajudar trabalhadores informais, autônomos, desempregados e pessoas de baixa renda durante a pandemia do novo coronavírus previa três parcelas de R$ 600. Mais de 60 milhões de pessoas foram consideradas elegíveis para receber o benefício.

“Vamos partir para uma adequação. Deve ser, estamos estudando, R$ 500, R$ 400 e R$ 300”, afirmou o presidente durante sua live semanal nas redes sociais. Ele estava ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes.

De acordo com a Caixa, 64,1 milhões de pessoas já foram beneficiadas pelo auxílio emergencial, um total de R$ 90,8 bilhões.