Derrotado na reeleição ao Senado em 2018, o ex-presidente da Casa Eunício Oliveira anda sumido da política nacional, mas segue cacique no Ceará, onde mantém a presidência do MDB. Nas eleições municipais deste ano, Eunício decidiu investir mais do que seu capital político em alguns candidatos e escolheu pupilos como beneficiários de seu dinheiro – o ex-senador é milionário, com patrimônio de 89,2 milhões de reais declarado à Justiça Eleitoral há dois anos.

Nascido em Lavras da Mangabeira, no Cariri cearense, Eunício quer manter a supremacia do MDB na Câmara Municipal local, onde o partido tem seis dos treze vereadores e comanda cinco dos seis cargos da Mesa Diretora. O cacique fez doações em um total de 196.000 reais a oito candidatos: os seis que buscam a reeleição, Dias, Zé Nailton, Edinardo Linhares, Titil Lobo, João Ricarte e Vinícios Coco Neto, levaram cada um, 26.000 reais do ex-senador. Já Hélio Sarmento e Neto Oliveira, que tentam se eleger, foram agraciados por Eunício com 20.000 reais cada.

Prefeito da cidade, que tem cerca de apenas 31.500 habitantes, Ildsser Lopes (MDB) é aliado de Eunício Oliveira, mas não foi beneficiado com doações diretas do ex-presidente do Senado. Por outro lado, recebeu um generoso aporte da direção nacional do partido, que lhe encaminhou 350.000 reais do fundo especial para financiamento de campanhas. O valor corresponde a mais da metade do limite legal de gastos para campanha a prefeito na cidade, de 613.688,17 reais.