Declarações do vice-governador foram dadas na última semana, quando ele esteve no SJCC / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

O vice-governador de Pernambuco, Raul Henry (PMDB), afirmou na sua passagem pelo sistema SJCC que a única pessoa com quem "tem problemas" na política é o senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB). O parlamentar, que era filiado ao PSB, ingressou no PMDB no final de 2017 e, logo em seguida, iniciou um movimento para conquistar a presidência da sigla no Estado, atualmente comandada por Raul. De lá para cá, ambos travam uma batalha judicial em torno do caso.

"Não tenho nenhum problema com ninguém na política de Pernambuco. Eu sempre fiz política pensando no interesse público. Surgiu esse problema recente com o senador Bezerra Coelho porque foi uma violência muito grande contra nós. Foi um gesto de absoluta deslealdade pessoal porque ele foi convidado a entrar no partido, Jarbas (Vasconcelos) deu uma entrevista na Rádio Jornal a Geraldo Freire dizendo que o recebia de portas abertas, que ele era bem-vindo, e ele entrou no partido em uma quarta-feira e, na segunda anterior, de forma traiçoeira, ele pediu a dissolução do partido que tem mais de 50 anos de história. Uma absoluta falta de respeito político e pessoal", disparou o peemedebista, ao ser perguntado sobre sua opinião pessoal a respeito do ex-prefeito do Recife, João Paulo (PT), cotado para ser o vice na chapa de Paulo Câmara (PSB) no pleito deste ano.

RESPOSTA

A respeito das declarações de Raul, FBC afirmou que elas não têm "respaldo na verdade dos fatos". "Fui convidado pela direção nacional para viabilizar um projeto político que passa pela apresentação de uma candidatura ao governo de Pernambuco. A direção nacional me comunicou que foram feitas as devidas informações e eu pedi as conversas com as lideranças estaduais, que foram adiadas. Me filiei fazendo comunicação prévia ao deputado Jarbas Vasconcelos, que não apresentou nenhuma restrição. Estranho que ele desconhecesse todo processo de afastamento meu do PSB para sinalizar positivamente e depois se posicionar de forma contrária à minha filiação e apoio que tenho da direção nacional para assumir o diretório estadual", argumentou o senador.

FBC disse ainda que não tem inimigos na política e considerou como "agressão" a fala do vice-governador. "Não tenho nenhuma restrição pessoal a quem quer que seja. Na minha trajetória política de mais de 36 anos não tenho inimigos. Enfrentei e enfrento muitos adversários, mas nunca levei minhas divergências para o campo pessoal. Agora não posso e deixar de reagir às agressões que são feitas sem nenhum respaldo na verdade dos fatos", cravou.

CONVITES

Em meio à tensão que vivencia no seu partido, Raul diz que recebeu convites de filiação de três partidos, mas que, por ora, não pensa em deixar o PMDB. "Aconteceram três convites, do PPS, do PSB e do PSL, antes da conversa de Luciano (Bivar) com (o deputado federal Jair) Bolsonaro, no final do ano passado. Eu disse que nós tínhamos muito reconhecimento e muita gratidão às pessoas que abriram suas portas para nos receber, mas o PMDB de Pernambuco é a nossa identidade, a nossa história e nossa disposição é lutar até o fim por ela", afirmou o vice-governador.