Economia

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Pela sétima vez consecutiva, a Petrobras irá reajustar o preço da gasolina. O aumento será de 3% e os novos preços entram em vigor a partir desta quinta-feira (02) nas refinarias da estatal. O diesel também será elevado, em 6%. 

Segundo a estatal, antes deste reajuste, a gasolina acumulava 20% de queda em 2020. Assim, este aumento nas refinarias representa nas bombas, segundo especialistas, mais R$0,0457 no litro da gasolina e R$ 0,0982 no litro do diesel, informou o Correio Braziliense. 

Nas bombas, ainda de acordo com o jornal, os aumentos podem representar mais R$ 0,0982 no litro do diesel e R$ 0,0457 no da gasolina.

Já para o diesel, este é o segundo reajuste consecutivo. O anterior foi de 8%, causado pela elevação do preço do biodiesel nos últimos leilões – é necessária uma mistura de 12% do biocombustível no óleo.

Sede do Banco Central, em Brasília - 16/05/2017

Com o primeiro semestre terminando nesta semana, os técnicos do Banco Central fizeram as contas do impacto de uma das medidas mais populares adotadas pela instituição no ano passado, que limitou o teto de juros anual do cheque especial em 8%.

As simulações sugerem que as regras introduzidas pela Resolução 4.765/2019 podem gerar redução de cerca de 7,2 bilhões de reais nas despesas com juros do cheque especial até novembro, quando a medida completa doze meses — 24% da despesa com juros nessa modalidade.

As faixas de renda mais baixas tendem a ser as mais beneficiadas, com maior redução no custo efetivo total em virtude do menor pagamento de juros.

A fábrica da Shineray em Pernambuco completou, ontem, cinco anos desde sua inauguração no Complexo Industrial Portuário de Suape. A expectativa é de fechar este ano com crescimento em relação ao ano passado, passando de 18,9 mil unidades produzidas em 2019 para uma estimativa de 30 mil até o final de 2020. Seguindo na contramão de muitos setores, o impulso vem justamente dos efeitos da pandemia do coronavírus em relação ao uso dos meios de transporte. Porém, ainda assim, as projeções atuais não chegam nem perto do que havia sido planejado para a planta industrial da montadora chinesa em Pernambuco na época de sua abertura, já que as perspectivas davam conta de dobrar a produção ao longo desses cinco anos. Em 2016, primeiro ano completo de funcionamento, foram produzidas 186 mil unidades.

Segundo Paulo Perez, diretor da Shineray, a fábrica pernambucana passou por momentos difíceis ao longo de sua história. “As vendas despencaram com todos os problemas que houveram. Um deles foi à crise do desemprego, que acaba pegando um universo grande de clientes dos nossos produtos”, explica. Porém, apesar de a taxa de desocupados continuar alta – Pernambuco registrou taxa de 14,5% no primeiro trimestre deste ano – e o cenário ser de instabilidade econômica, as perspectivas são mais positivas para este momento. “No final de 2019, a gente projetava chegar a 50 mil unidades produzidas, agora esperamos 30 mil. Ainda assim, estamos em um franco processo de recuperação. Acreditamos que é uma retomada para voltar os números de 2016”, afirma.

A pandemia, que tem sido levantada como um dos fatores negativos para várias atividades econômicas por sofrerem os impactos das medidas do isolamento social, é justamente o que é tido como um impulso para as vendas dos modelos produzidos pela Shineray. “No auge da pandemia, tudo foi ruim. Mas a evolução do coeficiente de crescimento vem justamente com essa questão porque existe um olhar voltado ao transporte individual. Além disso, também há um incentivo ao sistema de delivery. Então achamos que esse ano conseguiremos crescer”, ressalta Paulo Perez, que ainda acrescenta o valor dos produtos da Shineray como um incentivo. “O valor de entrada do produto é muito baixo, na faixa de R$ 5,9 mil. E ainda tem cartão para dividir”, complementa.

A fábrica da Shineray em Suape foi inaugurada no dia 29 de junho de 2015, em uma área de aproximadamente 200 mil metros quadrados, sendo a primeira planta fabril de motos inaugurada no Brasil fora da Zona Franca de Manaus, naquela época. No anúncio, a montadora anunciou que produziria 20 modelos de veículos ciclomotores, triciclos e quadriciclos da marca. Atualmente são produzidos quatro modelos na planta pernambucana.

O auxílio emergencial virou a principal fonte de renda de 65 milhões de brasileiros na pandemia do novo coronavírus, mas a procura pelo benefício continua grande em todos os cantos do país. De acordo com a Caixa Econômica Federal (CEF), cerca de 52 mil brasileiros cadastram-se todos os dias no site e no aplicativo do auxílio emergencial para tentar entrar na lista de contemplados pela ajuda de R$ 600. Porém, o prazo para solicitar o benefício acaba nesta semana.

Segundo a lei que criou o auxílio emergencial, os brasileiros tinham 90 dias para se cadastrar no programa. Como a Lei nº 13.982 foi publicada em 2 de abril, o prazo de inscrições acaba, portanto, em 2 de julho, ou seja, na próxima quinta-feira. E o governo não parece disposto a prorrogar a data, como já garantiu que vai estender os pagamentos do auxílio emergencial, liberando mais R$ 1,2 mil para cada trabalhador, provavelmente em parcelas de R$ 500, R$ 400 e R$ 300.

“Temos mais uma semana para pedir o cadastramento. A partir de 2 de julho, o cadastramento estará fechado”, alertou o presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Pedro Guimarães, durante o anúncio do calendário de pagamentos da terceira parcela dos R$ 600. O secretário-executivo do Ministério da Cidadania, Antônio Barreto, confirmou que não há orientações para prorrogar esse prazo. “A discussão sobre a prorrogação é com o intuito de aumentar o número de parcelas que serão pagas a esses trabalhadores, não o prazo de inscrições”, pontuou.

Por conta disso, a expectativa é de que os pedidos do auxílio emergencial se acelerem nos próximos dias. Mas o governo garante que o site e o aplicativo do benefício estão prontos para receber os cadastros de todos os brasileiros que ainda não recebem os R$ 600, mas gostariam de acessar o benefício e devem pedir o recurso até quinta-feira. “Quando foi lançado, o aplicativo do auxílio emergencial chegou a receber mais de 5 milhões de solicitações em um único dia. Então, ele está completamente preparado para qualquer carga adicional. Seguramente, não teremos nenhum problema operacional”, assegurou o vice-presidente da Rede de Varejo da Caixa, Paulo Henrique Ângelo. Continue lendo

Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, apresentou os detalhes da linha de crédito para micro e pequenos empresários

O presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Pedro Guimarães, afirmou que se o Governo Federal prorrogar o auxílio emergencial, os beneficiários serão os mesmos que já estão recebendo atualmente, ou seja, não será possível realizar cadastros após a data limite já estabelecida, 2 julho.

Na última quinta-feira o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou que a ideia é que os beneficiários recebam um adicional de R$ 1,2 mil, divididos em três parcelas de R$ 500, R$ 400 e R$ 300.

A lei que aprovou o programa de renda básica para ajudar trabalhadores informais, autônomos, desempregados e pessoas de baixa renda durante a pandemia do novo coronavírus previa três parcelas de R$ 600. Mais de 60 milhões de pessoas foram consideradas elegíveis para receber o benefício.

“Vamos partir para uma adequação. Deve ser, estamos estudando, R$ 500, R$ 400 e R$ 300”, afirmou o presidente durante sua live semanal nas redes sociais. Ele estava ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes.

De acordo com a Caixa, 64,1 milhões de pessoas já foram beneficiadas pelo auxílio emergencial, um total de R$ 90,8 bilhões.

Renda Brasil será entre R$ 200 e R$ 300 para mais brasileiros

O Renda Brasil, programa de renda mínima permanente, terá valor entre R$ 200 e R$ 300, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes. O programa de transferência de renda irá ampliar o Bolsa Família e englobar outros programas do governo, como o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e o Seguro Defeso.

Sua abrangência, portanto, será maior que a do Bolsa Família, que hoje transfere entre R$ 89 e R$ 205 para famílias com crianças ou adolescentes na escola. De acordo com a Caixa, hoje são 13,5 milhões de famílias beneficiadas.

A pandemia do novo coronavírus mostrou a necessidade do fortalecimento dos programas sociais. Neste mês o governo paga a terceira parcela do auxílio emergencial de R$ 600 e já anunciou três novas parcelas de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, que ainda têm que passar pela aprovação do Congresso. 

O novo programa de transferência de renda, portanto, é aposta da equipe econômica para evitar queda maior da economia e proteção dos mais vulneráveis, que já foram identificadas durante o pagamento do auxílio emergencial.

Em função do coronavírus, o FMI (Fundo Monetário Internacional) prevê queda do PIB brasileiro de 9%, mas Guedes já declarou que acredita que o tombo será menor.

O presidente Jair Bolsonaro está convencido de que o caminho para reverter à queda de sua popularidade passa pelo reforço da área social. Por isso, determinou à equipe econômica que encontre recursos para turbinar o Bolsa Família, que passará a se chamar Renda Brasil, numa tentativa de se desvincular do programa criado pelo governo Lula. 

Pelo que os técnicos já apresentaram ao Palácio do Planalto, o Renda Brasil poderá chegar aos R$ 70 bilhões por ano, mais do que o dobro pago atualmente pelo Bolsa Família, de R$ 32 bilhões. Para isso, serão fundidos vários programas, como o abono salarial, o seguro-defeso, o farmácia popular e a desoneração da cesta básica. 

Segundo fontes do Planalto, a pressa de Bolsonaro é grande. Ele quer que o Renda Brasil já esteja em funcionamento, no máximo, em novembro, como forma de dar continuidade ao auxílio emergencial, que, com mais três parcelas (de R$ 500, R$ 400 e R$ 300), vai até outubro. 

Bolsa Família da direita 

Bolsonaro foi convencido por sua equipe e por líderes do Centrão de que, mesmo com tanta notícia ruim para o governo, como a pandemia do novo coronavírus e a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, a popularidade do presidente cresceu entre a população de mais baixa renda. 

Isso se deve ao pagamento do auxílio emergencial. No Nordeste, onde o governo ainda tem a maior rejeição, os beneficiados pelos R$ 600 falam, com entusiasmo, do “dinheiro do Bolsonaro”. “Então, esse é o caminho para fortalecer o governo, o Bolsa Família da direita”, diz um integrante do governo.  Continue lendo

Banco do Brasil

Carlos Motta dos Santos, o vice-presidente de Negócios de Varejo do Banco do Brasil, participou ontem da reunião do Conselho Empresarial de Economia da Firjan.

Durante a conversa, adiantou que o banco vai começar a liberar crédito por meio do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte a partir da quarta-feira, dia 1º de julho. As microempresas serão as primeiras beneficiadas.

Pequenas empresas, de acordo com o que Santos disse na Firjan, começarão a ser atendidas pelo programa quinze dias depois, em 15 de julho.

Fato é: passadas semanas do lançamento, só a Caixa Econômica começou a emprestar pelo Pronampe.

Adriano Machado

E quanto vai custar ao Tesouro à extensão do auxílio emergencial por mais três meses, em parcelas de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, de acordo com o anunciado ontem por Jair Bolsonaro em sua live das quintas-feiras?

A equipe econômica estima que o valor será de R$ 110 bilhões.

E de onde sairá este dinheiro? Se não fosse a PEC do Orçamento de Guerra, aprovada por causa da pandemia seria impossível arranjar recursos sem ferir a chamada “regra de ouro”. Como a PEC garante que não pode faltar recursos para a saúde, o aumento de despesas agora é permitido enquanto durar o estado de calamidade.

A fabricante canadense de equipamentos, investimento e desenvolvimento de projetos solares Canadian Solar está investindo cerca de R$ 1,2 milhão para geração de energia fotovoltaica em Pernambuco. Recentemente, o grupo anunciou o contrato de 15 anos com a Companhia Paranaense de Energia (Copel). O compromisso será atendido por meio de uma usina a ser construída em terras pernambucanas até o fim de 2021, a Ciranda Solar, em São José do Belmonte. Além desse, na cidade de Terra Nova, a empresa toca o projeto Salgueiro, que deve entrar em operação até o final do ano com capacidade para 114 Mega Watt – pico (MWp).

De acordo com o presidente da Canadian no Brasil, Gustavo Vadja, no momento, o projeto chamado de Ciranda e que demandou investimentos de aproximadamente R$ 900 milhões, está em fase de desenvolvimento. As obras da Fase I, que vai gerar 190 MWp, começam no primeiro quadrimestre de 2021. Depois da fase II, o cluster final somará a energia da primeira etapa com mais 122 MWp da segunda fase, totalizando 312 MWp. A estimativa é que o projeto gere 1.500 diretos e 4.500 indiretos.

No município de Terra Nova, a 500 km do Recife, por sua vez, o projeto Salgueiro deveria entrar em operação no mês de julho, mas, devido à pandemia, o prazo foi estendido para o final de 2020. Com capacidade de 114 MWp, o empreendimento teve investimento de R$ 300 milhões e foi arrematado por diversas distribuidoras brasileiras em leilão federal da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no ano de 2017. A previsão é que haja a geração de 500 empregos diretos e 1.500 indiretos.

“A história da energia solar começou muito forte em Pernambuco, é um estado pioneiro. Como gostamos de concentrar investimento na mesma região, acabou virando um cluster”, afirma Gustavo Vadja.

No primeiro semestre de 2019, o governo de Pernambuco já havia anunciado o plano da espanhola Solatio, que construirá o maior parque solar do Brasil, também em São José do Belmonte, com aportes de R$ 3,5 bilhões. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Bruno Schwambach, a matriz energética brasileira precisa ser ampliada.

“O Brasil tem demandado escalas cada vez maiores de geração desse tipo de energia e as nossas políticas de atração de investimentos consideram essa necessidade. A implantação de novas usinas traz desenvolvimento para as cidades, com a contratação de mão de obra local e de fornecedores”, destaca.

PIXABAY

O Banco Central determinou que Visa e Mastercard suspendam o início das atividades ou “cessem imediatamente” o uso do aplicativo WhatsApp para iniciação de pagamentos e transferências. Por meio de nota, o BC esclarece que uma “nova solução de pagamentos depende de prévia autorização”.

“No âmbito de suas atribuições de regulador e supervisor dos arranjos de pagamento no Brasil, o Banco Central (BC) determinou a Visa e Mastercard que suspendam o início das atividades ou cessem imediatamente a utilização do aplicativo WhatsApp para iniciação de pagamentos e transferências no âmbito dos arranjos instituídos por essas entidades supervisionadas”, diz a nota.

O BC esclarece que o objetivo da medida é “preservar um adequado ambiente competitivo, que assegure o funcionamento de um sistema de pagamentos interoperável, rápido, seguro, transparente, aberto e barato”.

A medida vai permitir ao BC avaliar eventuais riscos para o funcionamento adequado do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) “O eventual início ou continuidade das operações sem a prévia análise do Regulador poderia gerar danos irreparáveis ao SPB notadamente no que se refere à competição, eficiência e privacidade de dados”, diz o BC em nota.

O BC adverte ainda que o descumprimento da decisão acarretará cobrança de multa cominatória aos interessados e apuração de responsabilidade em processo administrativo sancionador.

https://s2.glbimg.com/zORy8yi1iJNfiI7BCcV8tOCGiLU=/0x0:1280x590/984x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2020/u/N/C5GuFuRiKAh4Rp0lWa0w/milho-ceasa-2-.jpeg

O Pátio do Milho do Centro de Abastecimento e Logística (Ceasa), no bairro do Curado, na Zona Oeste do Recife, registrou movimento intenso e filas nesta terça-feira (23), véspera de São João. Em meio à pandemia de Covid-19, o Ceasa registrou recorde de veículos em apenas um dia devido aos festejos juninos.

“Estamos sendo surpreendidos com a alta procura, sobretudo nos últimos cinco dias. Ontem [segunda, 22], o Ceasa bateu o recorde histórico de 22,9 mil veículos. É um número absolutamente acima da média, que é 14 mil carros por dia”, disse o presidente do Ceasa, Gustavo Melo.

O recorde anterior foi na chamada feira do bredo, que antecede a Semana Santa, quando foram registrados 19 mil veículos visitando o local em um dia.

Somente na segunda-feira (22), foram vendidas 1,452 milhão de espigas. No mesmo dia, em 2019, foram 1,503 milhão, segundo dados do Ceasa. “O que a gente pode garantir é que o São João vai ser farto pros consumidores e vendedores, que plantaram e vão vender”, afirmou o presidente.

Um boletim divulgado pela Ceasa mostra que o preço da mão de milho girava em torno de R$ 25 nas semanas que antecederam o São João. Com a proximidade da data, o valor subiu. Na manhã desta terça (23), os comerciantes que estavam vendendo a mão de milho por R$ 35 tinham fila de clientes esperando.

Devido ao Plantão do Milho, a venda vai até as 18h nesta terça-feira. Já no dia dedicado ao santo, quarta-feira (24), o espaço funciona das 5h às 13h. A tradicional festa do dia 24, com apresentação de bacamarteiros, não acontece neste ano.

Ainda de acordo com o boletim, de janeiro a 22 de junho deste ano, foram ofertadas 15,14 milhões de espigas de espiga no Ceasa. No mesmo período do ano passado, foram 19,22 milhões.

O Ministério da Economia e o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) publicaram no Diário Oficial da União desta terça-feira (23) uma portaria conjunta com orientações sobre pagamento das antecipações do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e do benefício de auxílio-doença.

As antecipações foram estabelecidas pela Lei nº 13.982, de abril de 2020, de forma excepcional durante o período de enfrentamento da emergência em saúde pública, devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Segundo a portaria nº 480, os R$ 600 serão devidos por até três meses e o total antecipado será deduzido nos casos em que já haja concessão do BPC Deficiente (espécie 87) e o BPC Idoso (espécie 88) “ou outra espécie de benefício definitivo”. Não havendo prorrogação do período previsto para a antecipação desse benefício, ele será cessado “automaticamente na data em que atingirem o limite previsto na lei”.

A portaria veda a criação de requerimentos ou habilitação da antecipação para requerentes que não possuam tarefa criada automaticamente no Gerenciador de Tarefas. Além disso, diz que o benefício de antecipação será cessado “sempre que houver decisão do requerimento de BPC ou outra espécie de benefício definitivo”.

Nos casos de antecipação do auxílio-doença (espécie 31, mas com tratamento de 84), o valor de R$ 1.045 será devido por até três meses. Segundo a portaria, o valor antecipado “será deduzido caso haja a concessão do auxílio-doença ou outra espécie de benefício definitivo”. A prorrogação do benefício deverá ser feita por meio de solicitação do requerente, a ser feita no período que vai “desde os últimos 15 dias do benefício concedido até os cinco dias posteriores à data de cessão do benefício”.

“Quando houver indicativo de exercício de atividade rural pelo requerente, deverá ser oportunizada a comprovação documental”, complementa a portaria.

A portaria detalha tanto procedimentos como motivos que podem levar à cessação das antecipações. Além disso, estabelece os procedimentos que devem ser aplicados para o acerto de contas.

“Quando houver concessão de benefício definitivo, inclusive de outra espécie, todo o valor pago a título de antecipação deverá ser descontado do novo benefício”, diz a portaria. Já nas antecipações de benefício de auxílio-doença, quando houver concessão de benefício definitivo, deverão ser descontadas apenas as diárias referentes ao período de recebimento concomitante.

Nos casos em que as antecipações de auxílio-doença sejam submetidas a revisão para conversão em benefício por incapacidade, “serão calculados automaticamente os créditos decorrentes das diferenças entre os valores pagos e os novos valores que possam ser devidos a partir do cálculo do novo Período Básico de Calculo”, complementa a portaria.

Esse é o terceiro reajuste autorizado pela Petrobrás em menos de um mês. O botijão GLP de 13 kg que estava sendo vendido em média a R$ 75,00, deverá custar até R$ 80,00 nas compras a prazo. O percentual de aumento será novamente de 5% aplicado ao valor final do produto.

Somado aos outros dois reajustes anteriores, o botijão está 15.3 % mais caro em relação ao final do mês de maio. Os revendedores foram comunicados pelas Distribuidoras no início da manhã dessa sexta feira, sem nenhum aviso prévio por parte da Petrobrás que alega instabilidade dos preços no mercado internacional.

A nova tabela já será praticada a partir da próxima segunda-feira (22), uma vez que os novos valores estão liberados para comercialização imediata. A diretoria do Sindicato dos Revendedores de Gás GLP da Paraíba revela a preocupação do segmento com os aumentos consecutivos. “Estamos trabalhando em alerta, pois, a expectativa é a de que até o final de junho, outro reajuste seja anunciado pela Petrobrás”, disse o presidente do Sinregás-PB, Marcos Antônio Bezerra.

A Petrobrás não emitiu Nota oficial a respeito do aumento no site da Companhia, mas, os interessados podem obter maiores informações através do atendimento em formulário eletrônico ou pelo telefone 0800 728 9001.

As fogueiras e festas juninas estão proibidas neste ano, como medidas para conter a disseminação do coronavírus, mas o São João é uma tradição no Nordeste e não vai passar em branco em Pernambuco. As comemorações serão em casa e, por conta do novo formato para festejar, as vendas no comércio serão impactadas de forma negativa. A estimativa é que o faturamento alcance apenas 50% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo a Federação das Câmaras dos Dirigentes Lojistas de Pernambuco (FCDL-PE). Porém, a expectativa é que alguns segmentos sejam menos afetados, como o de alimentos e bebidas, enquanto outros devem ser mais penalizados, como o de vestuário, calçados e acessórios.

A flexibilização do comércio no estado terá uma nova etapa nesta segunda-feira, com a abertura dos shoppings com capacidade de 30%, além do comércio de rua, de centro e bairro, em sua totalidade. Porém, ainda assim, esta nova fase na retomada das atividades econômicas não será capaz de reverter às vendas como um todo. “Não esperamos que o consumidor chegue logo, ele ainda tem a preocupação, que é importante, por sinal. Então ele deixa de sair de casa por causa disso. Sabemos que tem que ter cuidado com o distanciamento. Então com certeza não teremos um São João como do ano passado”, afirma Eduardo Catão, presidente da FCDL-PE. 

Os impactos também vão se estender para o interior do estado, já que os festejos juninos costumam ser fortes nesta região de Pernambuco. “Mexe muito com o interior porque as festas começam no Recife, mas vão para municípios como Gravatá, Pesqueira, Arcoverde e outros. Em todo canto tem festa, é algo muito nosso e que tem uma importância muito grande”, acrescenta. 

Segundo pesquisa do Instituto Fecomércio-PE, que fez um levantamento com 1380 consumidores pernambucanos, 53% pretendem comemorar os festejos juninos. “Esse percentual é bem baixo em comparação com outros anos, quando a intenção de consumo ficava em 70%. Mas, ainda assim, o percentual de 53% é um número a ser comemorado, diante do momento atípico que estamos vivenciando”, ressalta Rafael Ramos, economista da Fecomércio-PE. As medidas restritivas também mudaram a forma como as pessoas pretendem comemorar.  Continue lendo