A Hyundai finalmente revelou sua aposta para o segmento de picapes médias: a Santa Cruz. O modelo foi apresentado nos Estados Unidos e reúne a carroceria monobloco, como na líder Fiat Toro, com soluções presentes nas enormes RAM 1500 e 2500, com compartimentos individuais na caçamba similares a “mini porta-malas”.

A picape Santa Cruz também chama a atenção pelos motores, somente a gasolina e sempre quatro-cilindros com 2,5 litros de deslocamento. A versão aspirada do conjunto supera 192 cv, enquanto o turbo alcança mais de 278 cv, supera até a Volkswagen Amarok V6 e seus 272 cv (com overboost). O câmbio é automático convencional de oito marchas na versão mais fraca e com dupla embreagem na Santa Cruz turbo, que sempre terá tração integral.

O visual ousado não esconde a clara inspiração no também polêmico novo Tucson. O SUV empresta a plataforma, que foi modificada para ter maior entre-eixos e comprimento. A Santa Cruz mede 4,97 m de para-choque a para-choque, o que a deixa mais próxima da Toro (4,92 m) do que da Nissan Frontier (5,26 m).

Os três metros de entre-eixos garantem amplo espaço na cabine, que também adota diferentes truques para otimizar o conforto de passageiros e bagagens. Há porta-objetos sob o assento traseiro e um compartimento fechado debaixo da caçamba, como se fosse um porta-malas. O compartimento de carga, aliás, tem uma capota marítima que se enrola como uma cortina quando não está em uso.

O interior remete aos novos carros da Hyundai, com quadro de instrumentos digital (opcional) e multimídia com tela de 8 ou 10 polegadas com Android Auto e Apple Carplay. O pacote de equipamentos é amplo e pode incluir teto-solar, chave presencial, ar-condicionado digital, assistente de manutenção de faixa, controlador de velocidade adaptativo com frenagem autônoma de emergência (AEB) e câmeras 360º.

Apesar de reunir atributos de sobra para disputar o segmento entre Toro e Toyota Hilux, a Santa Cruz tem poucas chances de vir ao Brasil. À picape será feita nos Estados Unidos e brigará na faixa de entrada das picapes por lá — o mercado norte-americano tem volume maior na faixa de modelos maiores, como Chevrolet Silverado e RAM 1500.